Xylosma ciliatifolia - Pau-espinho

Nomes populares

Pau-espinho, açucará, assucará, espinho-bravo, espinho-de-judeu, espinho-de-agulha, sucará

Nome científico

Xylosma ciliatifolia (Clos) Eichler

Basionônio

Sinônimos

Família

Salicaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Árvore com altura de 3-9 m, espinescente, de ramos novos ferrugíneo-pubescentes e lenticelados, de tronco curto, provido de espinhos ramificados e vigorosos de até 10 cm, de 20-30 cm de diâmetro, revestido por casca quase lisa de cor cinza-clara. Folhas com pecíolo viloso de 5-8 mm; lâmina elíptica a oval-lanceolada, de ápice acuminado e base cuneada a atenuada, de Margem ciliada e glandular-serreada ou crenada, papirácea, vilosa a glabrescente em ambas as faces, com tricomas ao longo das nervuras, de 7-15 x 2,5-6,5 cm, com 4-6 pares de nervuras secundárias. Inflorescências axilares, em racemos reduzidos, com 4-13 flores branco-esverdeadas. Fruto gaba glabra, com polpa suculenta, de cor vermelha quando madura, com 2-3 sementes (LORENZI, 2009, p. 312).

Característica

Floração / frutificação

Floresce de agosto a setembro, frutificando de novembro a dezembro.

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Planta semidecídua, esciófita ou heliófita e seletiva higrófila. Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista e Densa.

Distribuição geográfica

Nordeste (Maranhão, Ceará, Pernambuco), Centro-Oeste (Mato Grosso, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (MARQUETE, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

É utilizada na medicina popular.

Fitoeconomia

A madeira possui textura fia e grã direita, com grande resistência a organismos xilófagos. Pode ser utilizada para arborização urbana ou reflorestamentos destinados a preservação, pois é produtora de farto alimento para a avifauna.

Injúria

Comentários

Bibliografia

BOTREL, R. T. et al. Uso da Vegetação Nativa Pela População Local no Município de Ingaí, MG, Brasil. Acta bot. Bras. 20(1): 143-156. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v20n1/14.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 2009. 384p. il. v. 3.

MARQUETE, R., Torres, R.B., Medeiros, E. 2010. Salicaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB014394).

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.