Gênero: Manettia

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesNome científicoManettia gracilis Cham. & Schltdl.Nomes popularesNome científicoManettia gracilis Cham. & Schltdl.Voucher315 Schwirkowski (MBM392126)SinônimosManettia burchellii WernhamManettia gracilis var. glabra Benth.Lygistum gracile (Cham. & Schltdl.) KuntzeFamíliaRubiaceaeTipoNativa, endêmica do BrasilDescriçãoTrepadeira herbácea, volúvel. Ramos lisos, glabros. Folhas simples, opostas; lâmina 5‑6,5 × 1,5‑2,5 cm, oval-lanceolada ou oval‑oblonga; ápice agudoacuminado;base rotundada ou subcordiforme; venação broquidródoma; pecíolo 0,5-0,8 cm compr.; estípulas interpeciolares ca. 2 mm compr.; nectários ausentes. Inflorescências em dicásios; flor axilar, longistila, cálice com lobos subulados e ápice agudo; corola tubulosa-claviforme, 2,5-3,8 cm compr., vermelha, lobos oval-triangulares, externamenteglabras, internamente com papilas delicadas. Cápsulas subglobosas. (VILLAGRA, 2011).CaracterísticaFloração / frutificaçãoDispersãoHabitatMata AtlânticaDistribuição geográficaSudeste (Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo), Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina)EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaMacias, L.; Firens, M. Manettia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB14101>. Acesso em: 23 Set. 2014VILLAGRA, B. L. P.; NETO, S. R. Plantas trepadeiras do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). Hoehnea 38(3): 325-384, 46 fig., 2011.
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesFruto-de-papagaioNome científicoManettia paraguariensis ChodatVoucher164 Schwirkowski (MBM391974)SinônimosManettia inflata SpragueManettia quinquenervia SpragueManettia samuelssoniana Standl.Manettia luteo-rubra var. paraguariensis (Chodat) I.C.ChungFamíliaRubiaceaeTipoNativa, endêmica do Brasil.DescriçãoCaules com 1,0‒2,5 mm de diâm., estriados, pubescentes ou puberulentos. Pecíolos pubescentes a tomentosos, 5‒25 mm de compr.; lâminas ovaladas ou elípticas, 3‒10 × 1‒4,8 cm, concolores, membranáceas a cartáceas, ápice agudo ou acuminado, base aguda a obtusa, 4‒5 pares de nervuras secundárias; face adaxial glabra ou pubescente, nervuras secundárias conspícuas, concolores, impressas, espessas; face abaxial glabra ou pubescente, nervuras secundárias conspícuas, discolores, salientes, espessas. Inflorescência monocasial; botão floral com ápice obtuso; flores com pedicelos espessos, pubescentes, 1‒3,9 cm de compr. Hipanto obovoide, 2‒5 × 1,5‒3,5 mm, pubescente ou tomentoso. Cálice com lobos lanceolados, ovalados, subulados ou elípticos, 5–15 × 0,5‒8,5 mm, reflexos, pubescentes. Corola externamente vermelha com ápice amarelo, cilíndrica, 0,8‒1,8 cm de compr., inflada na base, crassa, tomentosa; lobos triangulares, patentes ou eretos, 1,5‒2 × 1‒3 mm; corola na face interna glabra com um anel de tricomas logo acima da base. Estilete incluso ou parcialmente exserto, 0,2‒1,5 cm de compr.; estigma com oblongos. Estames inclusos ou parcialmente exsertos; anteras oblongas, 1,5 × 1 mm. Cápsula obovoide ou elipsoide, 4‒15 × 3,5‒8 mm, pubescente; pedicelo 1‒6 cm de compr., lobos do cálice 4‒15 × 1‒5,5 mm. Sementes esféricas, 1‒2 × 1‒2 mm. (MARINERO, 2012)CaracterísticaPode ser diferenciada das demais espécies por apresentar corola cilíndrica vermelha com ápice amarelo inflada na base. Delprete et al. (2005) na Flora Catarinense, trataram essa espécie como sinônima de Manettia luteo-rubra (Vell.) Benth., justificando que os caracteres morfológicos de M. paraguariensis representam um gradiente desde o limite norte de distribuição até o limite sul. Contudo, Macias (1998 e 2007) tratou-as como distintas e argumentou que em M. paraguariensis a corola é crassa com lobos patentes, tubo inflado na base e tricomas pluricelulares na face externa e em M. luteo-rubra a corola é membranácea com lobos reflexos, tubo não inflado na base e tricomas unicelulares na face externa. Depois de uma análise detalhada do material, constatou-se que realmente M. paraguariensis é distinta de M. luteo-rubra, concordando com as descrições realizadas por Macias (2007) na Flora do estado de São Paulo. Distribui-se no Paraguai, Argentina e no Brasil nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. (MARINERO, 2012).Floração / frutificaçãoDispersãoHabitatMata AtlânticaDistribuição geográficaCentro-oeste (Mato Grosso do Sul), Sudeste (São Paulo), Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina)EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaMacias, L.; Firens, M. Manettia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB73250>. Acesso em: 30 Out. 2014MARINERO, F. E. C.; RODRIGUES, W. A.; CERVI, A. C. Manettia (Rubbiaceae) no estado do Paraná, Brasil. Rodriguésia 63(3): 635-647. 2012