Rosaceae‎ > ‎

Rubus rosifolius var. rosifolius - Amora-vermelha

Nomes populares

Amora-vermelha, amora-brava, rosa-canina, rosa-selvagem, framboesa-vermelha.

Nome científico

Rubus rosifolius Sm. var. rosifolius

Voucher

567 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Rubus coronarius (Sims) Sweet

Rubus pinnatus Willd.

Rubus rosaefolius Sm.

Família

Rosaceae

Tipo

Subespontânea

Descrição

Subarbusto de herbáceo a lenhoso, bienal ou perene. Primocace com ramos tetragonais; ereto; patente, sub-angulosos, alcançando até 2,5m de altura, com 5mm de diâmetro, com brotos difusos, recurvados, sarmentosos, rastejantes, prostrados, vilosos com pelos glandulares, armados de acúleos pungentes, complanados na base, retrorsos, com 1-3mm de comprimento. Estípulas com 6-9mm de comprimento e 0,5mm de largura, vilosas, lineares ou subuladas. Folhas de 7-5-3 folíolos. Pecíolo, peciólulo do folíolo terminal e do folíolo lateral, medindo, respectivamente, 30-50mm, 8-16mm, 1mm de comprimento e 1mm de largura, cilíndrico, sulcado, viloso com acúleos retrorsos. Folíolo terminal com 55-85mm de comprimento e 22-38mm de largura, membranáceo, concolor oval-lanceolado, de base arredondada ou cuneada, ápice longamente acuminado, margem incisa, duplamente serreada, com dentes ovado-acuminado, glabrescente na face ventral e na face dorsal com um a dois acúleos na nervura principal e com pelos glandulares. Folíolos laterais com 36-55mm de comprimento e 19-20mm de largura, membranáceos, concolores, ovados, elípticos, oblongos, ou lanceolados, de base arredondada ou cuneada, ápice longamente acuminado, margens incisas duplamente serradas, com os dentes ovado-acuminados, glabrescente na face ventral e com 1-2 acúleos e pelos glandulares na costa média da face dorsal. Floricane com ramos quadrangulares, eretos ou escandentes alcançando até 2,5m de altura, com 3mm de diâmetro, vilosos e armados de acúleos retrorsos. Estípulas com 5-9mm de comprimento e 1mm de largura, vilosas, lineares ou subuladas, adnatas ao pecíolo. Folha de 5-3 folíolos, com predominância de três. Pecíolo e raque com, respectivamente, 27-39mm e 20-44mm de comprimento e 1mm de largura, cilíndricos, sulcados, vilosos quase inermes. Folíolo terminal com 28-35mm de comprimento e 19-23mm de largura, membranáceo, oval-lanceolado, base arredondada ou cuneada, ápice de agudo a acuminado, bordo inciso, duplo-serrado, com dentes ovado acuminados, glabrescente, na face ventral e na face dorsal pelos vilosos localizados na costa média e nos bordos. Peciólulos laterais, com cerca de 1mm de comprimento, viloso e opostos. Folíolos laterais, com 19-33mm de comprimento e 17-20mm de largura, concolores, membranáceos, ovados, arredondados elípticos, lanceolados, base arredondada ou cuneada, ápice agudo ou acuminado, margens incisas, bordos duplamente serrados, com dentes ovado-acuminados, glabrescente na face dorsal e com pelos vilosos na face ventral, localizados nas nervuras e nas margens do limbo. Sinflorescência tirsóide. Pedúnculo viloso de 1,9-3,4mm de comprimento e 1mm de largura. Bráctea foliácea, persistente, vilosa, com cerca de 22mm de comprimento, na base do pedúnculo. Bractéolas, 2, com 4mm de comprimento e 0,5mm de largura, lineares ou subuladas, vilosas, persistentes, foveoladas no ápice. Pedicelo com 10-20mm de comprimento, viloso com acúleos retrorsos. Flor de duas a cinco, de cor alva, pentâmera, perfeita, hermafrodita, actinomorfa. Cálice com 18-23mm de comprimento e 4-5mm de largura, foliáceo, viloso-pubescente, com lacínias oblongo-lanceoladas de ápice longo-acuminado, reflexo e persistente no fruto. Receptáculo floral subgloboso com 6-8mm de comprimento e 3-4mm de largura, glabro. Pétalas glabras suborbiculares ou obovadas, unguiculadas, eretas na antese, depois patentes e por fim caducas. Estames, os mais curtos com 5mm, os mais longos com 7mm de comprimento e 0,5mm de largura, anteras de 1mm de comprimento e 0,5mm de largura, persistentes no fruto. Carpelos ovário com 1mm de comprimento e 0,5mm de largura, pelos glandulares no dorso, estilete, geralmente, 1,5mm de comprimento com papilas estigmáticas aglomeradas no ápice. Fruto apocárpico, com 3-5mm de comprimento e 1,5-2mm de largura, constituído de numerosas drupéolas glabras, subglobosas, vermelhas, unidas por filamentos do epicarpo na base, com receptáculo frutífero, oco, em forma de dedal, desprendendo-se o conjunto na maturação como um todo. Endocarpo subgloboso, com 1mm de comprimento e 0,8mm de largura, castanho-escuro, com testa pétrea foveolada. (FUKS, 1984).

Característica

Floração / frutificação

Floresce em março, abril, maio e outubro. Frutificando no mesmo período.

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Planta preferencialmente ciófila, desenvolvendo-se também em locais mais abertos; ocorre em barrancos e campos secundários. Ocorre no Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Mista.

Distribuição geográfica

Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul)

Etimologia

O epíteto rosifolius é um nome latino, composto, referindo-se à semelhança das folhas com as das rosas. (FUKS, 1984).

Propriedades

Fitoquímica

A Análise química dos frutos demonstrou que estes possuem altos valores de potássio (K), e de minerais, estes superiores até ao do próprio morango.

Fitoterapia

Fitoeconomia

Os frutos são comestíveis, servindo para o preparo de doces, geléias, compotas, vinho, licores, polpa concentrada, sucos e sorvetes. A planta é cultivada ocasionalmente como ornamental ou frutífera em pomares e jardins, e são uma importante fonte de alimento para a avifauna.

Injúria

Comentários

Na língua Guarani é chamada de tembiadja ka’aguy.

Bibliografia

BIANCHINI, R.S. 2010. Rosaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB032509).

CITADINI-ZANETTE, V.; BOFF, V. P. Levantamento Florístico em Áreas Mineradas a Céu Aberto na Região Carbonífera de Santa Catarina, Brasil; Florianópolis; Secretaria de Estado da Tecnologia, Energia e Meio Ambiente. 1992. 160p.

FUKS, R. Rubus L. (Rosaceae) do Estado do Rio de Janeiro. Rodriguésia, Rio de Janeiro, 36(61):3-32, out./dez. 1984. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/Rodrig36-n61-1984/Rodrig36_61n.html>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

KINUPP, V. F.; BARROS, I. B. I. Teores de Proteína e Minerais de Espécies Nativas, Potenciais Hortaliças e Frutas. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28(4): 846-857, out.-dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cta/v28n4/a13v28n4.pdf>.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed.  2008. 672p. il.

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa – As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182p. il. Disponível em: <http://www.pluridoc.com/Site/FrontOffice/default.aspx?Module=Files/FileDescription&ID=4402&lang=>.

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.

STURTEVANT, E. L. Edible Plants of The World. Edited by U. P. HEDRICK. The Southwest School of Botanical Medicine. 775p. Disponível em: <http://www.swsbm.com/Ephemera/Sturtevants_Edible_Plants.pdf>.

 

 





Comments