Portulacaceae‎ > ‎

Portulaca oleracea - Beldroega

Nomes populares

Beldroega, bredo-de-porco, capanga, ora-pro-nobis, porcelana, salada-de-negro

Nome científico

Portulaca oleracea L.

Voucher

895 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Portulaca marginata Kunth

Portulaca neglecta Mack. & Bush

Portulaca oleracea subsp. sylvestris Thell.

Portulaca oleracea var. opposita Poelln.

Portulaca pusilla Kunth.

Portulaca retusa Engelm.

Família

Portulacaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Planta herbácea, prostrada, carnosa, sublenhosa na base, ramosa com caules curtos, lisos, às vezes avermelhadas. Folhas alternas ou subopostas, carnosas, planas, obovais-cuneiformes ou espatuladas, no ápice obtusas, muito variáveis de tamanho, até 40 mm de comprimento e 15 mm de largura. Flores terminais, amarelas ou vermelhas, grandes, com brácteas membranosas, pequenas, ovais e acuminadas. Fruto cápsula oboval com sementes pretas, opacas e verrucosas (PLANTAS MEDICINAIS, 2001).

Característica

Floração / frutificação

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica, em todas as formações florestais.

Distribuição geográfica

Norte (Roraima, Amapá, Pará, Amazonas, Tocantins, Acre, Rondônia), Nordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (COELHO, 2010).

Etimologia

O nome do gênero Portulaca deriva de portula, diminutivo de “porta”, referindo-se às propriedades purgativas da planta.

Propriedades

Fitoquímica

Energia (kcal)     20

Proteína 1,60(g), Lipídios 0,40(g), Cálcio 140,00(mg), Fósforo 493,00(mg), Ferro 3,25(mg), Retinol 250,00(mcg), Vitamina B1 20,00(mg), Vitamina B2 100,00(mg), Niacina 0,50(mg), Vitamina C 26,80(mg)

Fitoterapia

A beldroega também possui propriedades medicinais, e é utilizada nas afecções urinárias, hepáticas, em queimaduras, oftalmias(o suco das folhas), diurética(folha, caule), úlceras, galactogoga, febrífuga, mucilaginosa, leucorréia, hemorróidas, erisipela, cólicas renais e como vermífuga. Emplastos da folha verde são usados no tratamento da mastite, furúnculos, feridas e impetigo. Também é utilizada como tratamento auxiliar nas picadas de animais peçonhentos. As folhas mastigadas e deglutidas são usadas contra úlceras e dores de barriga.

Fitoeconomia

O caule e as folhas são crocantes e têm sabor agridoce. Na culinária, é usada quase que totalmente, com exceção das raízes. Utilizada na forma de saladas cruas, com limão, sal e azeite de oliva, ou como acompanhamento de peixe. Os talos e folhas, quando adicionados no preparo de sopas, caldos e ensopados, dão consistência cremosa ao preparado. Também podem ser utilizadas em sucos ou refogadas como hortaliças. O uso como salada, no entanto, não deve ser excessivo, pois as plantas podem acumular oxalatos em níveis tóxicos.

Injúria

É uma planta invasora de solos cultivados, pomares, jardins, hortas, viveiros e cafezais, sendo indicadora de solos férteis. Reproduz-se através de sementes, folhas ou fragmentos do caule. Nasce em qualquer solo e é resistente às mais extremas mudanças de ambiente.

Comentários

Receita

Salada de beldroega

Ingredientes

1 prato de folhas de beldroega, sal, alho socado, pimenta-do-reino, limão e azeite de oliva

Modo de fazer

Lave bem as folhas de beldroega e deixe escorrer; coloque em uma travessa e regue com o molho feito com os temperos acima enumerados.

Bibliografia

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Brasília, DF, 2002. 141 p. il. Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_1109_M.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

COELHO, A. A. de O. P. 2010. Portulacaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB020624).

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/up000036.pdf>.

EDWALL, G. Ensaio Para uma Synonímia dos Nomes Populares das Plantas Indígenas do Estado de S.Paulo. 2ª Parte. Boletim Nº 16. Typographia e Papelaria de Vanorden & Cia. São Paulo, 1906. 84 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/ensaioparaumasyn00edwa/ensaioparaumasyn00edwa.pdf>.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed.  2008. 672p. il.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v13n1/pdf/CdF_v13_n1_p25_48_1997.pdf>.

NOELLI, F. S. Múltiplos Usos de Espécies Vegetais Pela Farmacologia Guarani Através de Informações Históricas; Universidade Estadual de Feira de Santana; Diálogos, DHI/UEM, 02: 177-199, Bahia, 1998. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/dialogos/volume01/Revista%20Dialogos/DI%C1LOGOS10.doc>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

PLANTAS MEDICINAIS. CD-ROM, versão 1.0. PROMED – Projeto de Plantas Medicinais. EPAGRI – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A. Coordenação: Antônio Amaury Silva Junior. Itajaí, Santa Catarina. 2001.

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.

 

 



Comments