Pleopeltis hirsutissima - Samambaia

Nomes populares

Samambaia

Nome científico

Pleopeltis hirsutissima (Raddi) de la Sota

Voucher

239 Schwirkowski (MBM392051)

Sinônimos

Polypodium hirsutissimum Raddi

Família

Polypodiaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Plantas epífitas ou ocasionalmente terrícolas. Caule curto-reptante, ca. 4 mm diâm., com escamas lanceoladas a deltóide-lanceoladas, ca. 7 mm compr., castanho-escuras na porção central e castanho-claras na margem, ápice filiforme, base arredondada, margem ciliada; frondes monomorfas, 25-40 cm compr., agrupadas entre si; pecíolo estramíneo, 1-5 cm compr., cilíndrico, com escamas iguais as do caule; filopódio ca. 2 mm compr.; lâmina pinatissecta, elíptico-lanceolada, 25-35 × 2,5-3,5 cm, coriácea, ápice agudo, base atenuada, ambas as faces recobertas por escamas gonfóides e deltóide-lanceoladas, peltadas, as da face adaxial alvas e castanho-escuras no ponto de inserção, as da face abaxial castanho-claras, ambas com a margem ciliada, as próximas dos soros ovais, imbricadas, com a margem ciliada; costa escamosa em ambas as faces, escamas castanho-escuras, estreitamente deltóides; cóstulas escamosas, escamas iguais as da costa, inconspícuas; 20-30 pares de segmentos deltóidelanceolados, 1,5-2,5 × 0,3-0,5 cm, ápice agudo, margem inteira, aeróforos presentes na base acroscópica dos segmentos, segmentos proximais reduzidos a aurículas; nervuras anastomosadas, com uma fileira de aréola, com uma vênula inclusa livre, inconspícuas; soros medianos dispostos em uma fileira entre a margem e a costa da lâmina, protegidos lateralmente por um anel de escamas; paráfises ausentes; esporângios glabros; esporos reniformes, verrucosos. (ASSIS, 2009, p. 245).

Característica

Caracteriza-se pelas frondes eretas, gradualmente reduzidas na base, revestidas por indumentos de escamas e pela presença de escamas gonfóides e deltóide-lanceoladas na lâmina. É uma espécie semelhante a P. bombycina (Maxon) A. R. Sm., a qual difere por apresentar apenas escamas gonfóides na lâmina.

Floração / frutificação

Dispersão

Habitat

Epífita de dossel, ocorrendo em locais com boa iluminação e umidade. Planta nativa do Brasil, ocorrendo no Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista e Densa e na Floresta Estacional Semidecidual.

Distribuição geográfica

Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (LABIAK, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Injúria

Comentários

Bibliografia

ASSIS, E. L. M. de; LABIAK, P. H. Polypodiaceae da Borda Oeste do Pantanal Sul-Matogrossense, Brasil. Revista Bras. Bot., v. 32, n. 2. p. 233-247, abr.-jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042009000200004>.

BENTO, M. B.; KERSTEN, R. A. Pteridófitas de um Ecótono Entre as Florestas Ombrófila Densa e Mista, Mananciais da Serra, Piraquara, Paraná. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 2008. 74p. Disponível em: <http://www.uc.pr.gov.br/arquivos/File/Pesquisa%20em%20UCs/resultados%20de%20pesquisa/Cassio_Michelon_Bento.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

CERVI, A. C et al. Contribuição ao Conhecimento das Pteridófitas de Uma Mata de Araucária, Curitiba, Paraná, Brasil; Acta Biol. Par., Curitiba, 16(1, 2, 3, 4): 77-85. 1987. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/810/651>.

LABIAK, P., Hirai, R.Y. 2010. Polypodiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB111500).

NÓBREGA, G. A.; PRADO, J. Pteridófitas da Vegetação Nativa do Jardim Botânico Municipal de Bauru, Estado de São Paulo, Brasil. Instituto de Botânica. Hoehnea 35(1): 7-55, 1 tab., 7 fig., 2008. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/Hoehnea35(1)artigo01.pdf>.

PACIENCIA, M. L. B. Diversidade de Pteridófitas em Gradientes de Altitude na Mata Atlântica do Estado do Paraná, Brasil. Universidade de São Paulo – Tese de Doutorado. 2008. 230p. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-29102008-155328/pt-br.php>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

ROLIM, L. B.; SALINO, A. Polypodiaceae Bercht & J. Presl (Polypodiopsida) no Parque Estadual do Itacolomi, MG, Brasil. Lundiana 9(2): 83-106, 2008. Disponível em: <http://www.icb.ufmg.br/bot/pteridofitas/Publicacoes/ROLIMPteriItacolomi.pdf>.