Polypodiaceae‎ > ‎

Microgramma vacciniifolia - Cipó-cabeludo

Nomes populares

Cipó-cabeludo, cipó-peludo, erva-da-mamãe-oxum, erva-de-lagarto, erva-silveira, erva-silvina, erva-teresa, estanca-sangue

Nome científico

Microgramma vacciniifolia (Langsd. & Fisch.) Copel.

Voucher

63B Schwirkowski (MBM3918670

Sinônimos

Polypodium vaccinifolium Langsd. E Fisch.

Família

Polypodiaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Plantas epífitas, raramente rupícolas. Caule longo-reptante, ca. 3 mm diâm., com escamas oval-lanceoladas, peltadas, ca. 7 mm compr., alvas, castanho-escuras na região de inserção, ápice filiforme, base auriculada, aurícula irregularmente arredondada, margem denteada; frondes dimorfas, 1,5-9 cm compr., distantes entre si; pecíolo ausente a conspícuo, estramíneo, 0,5 mm compr., escamoso; filopódio ca. 1 mm compr.; lâmina estéril oval, elíptica ou oblonga, 1-4 × 0,6-1,2 cm, coriácea, ápice arredondado, base cordada a cuneada, margem inteira, levemente ondulada, escamas dendríticas presentes sobre ambas as faces; costa com escamas iguais as da lâmina, densas ou esparsas; nervuras anastomosadas, livres apenas nas proximidades da margem, 1-3 séries de aréolas com 1 vênula inclusa nas aréolas costais, livres ou furcadas; lâmina fértil linear, 2,5-9 × 0,3-0,5 cm, coriácea, ápice obtuso, base atenuada, margem inteira, com escamas esparsas iguais às da lâmina estéril; nervuras anastomosadas, 1(-2) séries de aréolas com uma vênula inclusa, livre, exceto nas distais quando presentes, conspícuas. Soros medianos, dispostos em uma série entre a costa e a margem da lâmina; paráfises filiformes, pouco ramificadas; esporos reniformes, verrucosos (ASSIS, 2009, p. 238).

Característica

É facilmente reconhecida por seu caule longo, intensamente revestido por escamas e folhas dimorfas(as estéreis são ovadas e as férteis lanceoladas).

Microgramma vaccinifolia se caracteriza por apresentar um dimorfismo bastante acentuado, com a fronde estéril podendo variar de oval a elíptica, ou ainda oblonga, e a fronde fértil linear, com uma acentuada diminuição no número de aréolas (geralmente até três séries de aréolas nas estéreis e apenas uma nas férteis). Pode ser confundida com Microgramma squamulosa (Kaulf.) de la Sota, a qual difere por apresentar as aréolas costais mais complexas, divididas em 1-5 aréolas com 1-3 vênulas inclusas (ASSIS, 2009, p. 238).

Floração / frutificação

Dispersão

Habitat

Normalmente é encontrada sobre troncos e ramos de árvores do Cerrado e da Mata Atlântica, em sub-bosques, capoeirões ou mesmo em arbustos grandes e árvores isoladas. Pode ocorrer em ambientes tanto expostos ao sol como sombreados. Na Mata Atlântica ocorre na Floresta Ombrófila Densa, Floresta Estacional Semidecidual e Restingas.

Distribuição geográfica

É encontrada nas Antilhas, Venezuela, Colômbia, Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai, e Brasil.

Nordeste (Bahia), Centro-Oeste (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (LABIAK, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Taninos, matérias aromáticas e pépticas. Possui atividade cianogênica.

Fitoterapia

Na medicina popular é indicada como um poderoso adstringente, mas é usada também como béquica, aromática, antidiarréica, antidisentérica, diurética, anti-hemorrágica, antinefrítica, antiinflamatória renal, anti-reumática e balsâmica. Também é Indicada para o tratamento de bronquite, doenças venéreas, catarros crônicos, tuberculose, coqueluche, infecções urinárias, pedras nos rins, cistite, laringite, hemoptise, hematúria, frieiras, rachaduras, coceiras na pele, afecções do estômago, gastrite, escarros sangüíneos, gota, reumatismo, cólicas intestinais, hidropsia, varizes, lesões cardíacas e dilatação das veias. Antigamente o uso comum na medicina popular era no combate ao catarro com sangue.

Fitoeconomia

Injúria

Comentários

Na língua Guarani é chamada de anguya ruguai.

Bibliografia

ASSIS, E. L. M. de; LABIAK, P. H. Polypodiaceae da Borda Oeste do Pantanal Sul-Matogrossense, Brasil. Revista Bras. Bot., v. 32, n. 2. p. 233-247, abr.-jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042009000200004>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

LABIAK, P., Hirai, R.Y. 2010. Polypodiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB091672).

MATOS, F. B. Samambaias e Licófitas da RPPN Serra Bonita, Município de Camacan, Sul da Bahia, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná. 2009. 255p. il. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/19094/1/FERNANDO%20BITTENCOURT%20DE%20MATOS%20-%20DISSERTACAO_2009.pdf>.

MYNSSEN, C. M.; WINDISCH, P. G. Pteridófitas da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Rodriguésia 55 (85): 125-156. 2004. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/Rodrig55_85/MYNSSEN.PDF>.

NOELLI, F. S. Múltiplos Usos de Espécies Vegetais Pela Farmacologia Guarani Através de Informações Históricas; Universidade Estadual de Feira de Santana; Diálogos, DHI/UEM, 02: 177-199, Bahia, 1998. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/dialogos/volume01/Revista%20Dialogos/DI%C1LOGOS10.doc>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

PLANTAS MEDICINAIS. CD-ROM, versão 1.0. PROMED – Projeto de Plantas Medicinais. EPAGRI – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A. Coordenação: Antônio Amaury Silva Junior. Itajaí, Santa Catarina. 2001.

SAKAGAMI, C. R. Pteridófitas do Parque Ecológico da Klabin, Telêmaco Borba, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006. 212p. il. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/15461/1/Dissertacao_Cinthia.pdf>.

SANTOS, M. G. Aspectos Florísticos e Econômicos das Pteridófitas de um Afloramento Rochoso do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Bot. Bras. 20(1): 115-124. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v20n1/11.pdf>.

SCHWARTSBURD, P. B. Pteridófitas do Parque Estadual de Vila Velha, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006. 170p. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/hoehnea/volume34/Hoehnea34(2)artigo05.pdf>.

VENDRUSCOLO, G. S.; SIMÕES, C. M. O.; MENTZ, L. A. Etnobotânica no Rio Grande do Sul: Análise Comparativa Entre o Conhecimento Original e Atual Sobre as Plantas Medicinais Nativas. Pesquisas, Botânica nº 56: 285-322, São Leopoldo: In: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2005. Disponível em: <http://www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/botanica/botanica56/botanica56.htm>.

 

 

 









Comments