Microgramma squamulosa - Cipó-cabeludo

Nomes populares

Cipó-cabeludo, erva-de-passarinho, samambaia

Nome científico

Microgramma squamulosa (Kaulf.) de la Sota

Voucher

236 Schwirkowski (MBM392048)

Sinônimos

Polypodium squamulosum (Kaulf.) de la Sota

Família

Polypodiaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Plantas epífitas ou rupícolas. Caule longo-reptante, com escamas imbricadas, lanceoladas, peltadas, margem ciliada, ápice acuminado, castanho-avermelhadas com margens claras. Frondes dimorfas, as férteis mais estreitas do que as estéreis; pecíolo cilíndrico, um pouco achatado, não sulcado, com escamas; lâmina simples, lâmina estéril lanceolada e a fértil linear, base atenuada, margem inteira, ápice obtuso, arredondado ou agudo; venação areolada, aréola costal alongada, aréolas medianas com vênulas livres ou anastomosadas, às vezes formando uma aréola interna, aréolas marginais pequenas com ou sem vênulas inclusas. Superfícies adaxial e abaxial com escamas ovais, peltadas, ciliadas, sobre a costa. Soros medianos, na união de 2 ou 3 vênulas dentro da aréola mediana, arredondados, paráfises filiformes abundantes (SAKAGAMI, 2006, p. 124).

Característica

Caracteriza-se por apresentar frondes com pecíolo alado e lâmina com escamas lanceoladas, alvas, com margens fimbriadas na superfície abaxial. Microgramma squamulosa pode apresentar variações na forma da lâmina de lanceolada a oblonga com o ápice atenuado a arredondado e o dimorfismo foliar pode ser acentuado ou quase nulo.

Floração / frutificação

Dispersão

Habitat

Planta nativa do Brasil, ocorrendo na Mata Atlântica com epífita ou rupícola no interior e borda da floresta, é encontrada na Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional Semidecidual e Formações Campestres.

Distribuição geográfica

Ocorre no Peru, Paraguai, Uruguai, Argentina e Brasil.

Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (LABIAK, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Planta medicinal, utilizada pelos índios Guarani; toda a planta em infusão era e é utilizada para “limpar o organismo da mulher após o parto”. A mastigação do rizoma também é utilizada de forma medicinal, porém com restrições ao uso.

Fitoeconomia

Injúria

Comentários

Bibliografia

BENTO, M. B.; KERSTEN, R. A. Pteridófitas de um Ecótono Entre as Florestas Ombrófila Densa e Mista, Mananciais da Serra, Piraquara, Paraná. Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Curitiba, 2008. 74p. Disponível em: <http://www.uc.pr.gov.br/arquivos/File/Pesquisa%20em%20UCs/resultados%20de%20pesquisa/Cassio_Michelon_Bento.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

CERVI, A. C et al. Contribuição ao Conhecimento das Pteridófitas de Uma Mata de Araucária, Curitiba, Paraná, Brasil; Acta Biol. Par., Curitiba, 16(1, 2, 3, 4): 77-85. 1987. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/810/651>.

CERVI, A. C. et al. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/789/631>.

LABIAK, P., Hirai, R.Y. 2010. Polypodiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB091669).

LINDENMAIER, D. S. Etnobotânica em Comunidades Indígenas Guaranis no Rio Grande do Sul. Universidade de Santa Cruz do Sul. Rio Grande do Sul, 2008. 44p. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/19857491/MONOGRAFIADiogo-Lindenmaier>.

NÓBREGA, G. A.; PRADO, J. Pteridófitas da Vegetação Nativa do Jardim Botânico Municipal de Bauru, Estado de São Paulo, Brasil. Instituto de Botânica. Hoehnea 35(1): 7-55, 1 tab., 7 fig., 2008. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/Hoehnea35(1)artigo01.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

ROLIM, L. B.; SALINO, A. Polypodiaceae Bercht & J. Presl (Polypodiopsida) no Parque Estadual do Itacolomi, MG, Brasil. Lundiana 9(2): 83-106, 2008. Disponível em: <http://www.icb.ufmg.br/bot/pteridofitas/Publicacoes/ROLIMPteriItacolomi.pdf>.

SAKAGAMI, C. R. Pteridófitas do Parque Ecológico da Klabin, Telêmaco Borba, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006. 212p. il. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/15461/1/Dissertacao_Cinthia.pdf>.

SCHWARTSBURD, P. B. Pteridófitas do Parque Estadual de Vila Velha, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006. 170p. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/hoehnea/volume34/Hoehnea34(2)artigo05.pdf>.