Polygala lancifolia

Nomes populares

Nome científico

Polygala lancifolia A.St.-Hil. & Moq.

Voucher

Tizziani & Schwirkowski (FURB 44465)

Sinônimos

Polygala virgata Vell.

Família

Polygalaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Subarbustos eretos, sub-decumbentes ou prostrados e apoiantes, 20‑156 cm alt. Caule folioso, cilíndrico, densamente piloso, com tricomas curtos, sem glândulas, com ramificação basal, mediana ou terminal. Folhas pecioladas, alternas, membranáceas a papiráceas, pilosas, sem glândulas, lanceoladas lâminas 5‑54 × 2‑27 mm, ápice mucronado, obtuso, acuminado ou cuspidado, base aguda ou obtusa, margem serreada, ciliada; pecíolo 1,5‑3 mm compr. Brácteas e bractéolas decíduas, margem ciliada. Racemos pedunculados, terminais, cilíndricos, 1‑6 cm compr., laxifloros. Flores 2,3‑3,2 mm compr., brancas, creme a esverdeadas; pedicelos 0,5‑1 mm compr., glabros, reflexos na frutificação. Sépalas externas glabras, sem glândulas, ápice agudo, margem ciliada; uma sépala ovada, 1,5‑2,1 mm compr.; duas sépalas livres e iguais entre si, ovado‑elípticas, 1,3‑1,8 mm compr.; sépalas internas glabras, sem glândulas, suborbiculares, obovado‑elípticas, largo‑obovadas ou largo‑ovadas, 2,3‑3 mm compr., ápice arredondado, base aguda. Pétalas laterais glabras, sem glândulas, elípticas, 2‑2,5 mm compr., ápice obtuso; carena cristada, sem glândulas, crista 0,9‑1,1 mm compr., com 3‑6 lobos simples e bífidos. Ovário glabro, sem glândulas, suborbicular ou cordiforme. Cápsulas glabras ou pubérulas com tricomas escassos e curtos, sem glândulas, oblongas ou suborbiculares, 2,5‑4,3 mm compr., não estipitadas, aladas, emarginadas nos dois bordos. Sementes pubérulas, estreito‑oblongas, 2,5‑3,3 mm compr., com apêndice membranáceo inteiro ou levemente bilobado, atingindo de 4/5 ao comprimento total da semente. (LÜDTKE, 2013).

Característica

Espécie característica pelo hábito subarbustivo alcançando até 1,56 cm de altura, folhas grandes, lanceoladas, cápsula alada e sementes reniformes com apêndice membranáceo‑subcarnoso. (LÜDTKE, 2013).

Floração / frutificação

Dispersão

Habitat

Mata Atlântica.

Distribuição geográfica

Centro-oeste (Distrito Federal); Sudeste (Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo); Sul (Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina). (PASTORE, 2015).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Injúria

Comentários

Bibliografia

LÜDTKE, R.; SOUZA-CHIES, T. T.; MIOTTO, S. T. S. O gênero Polygala L. (Polygalaceae) na região Sul do Brasil. Hoehnea 40(1): 1-50, 13 fig., 2013.

Pastore, J.F.; Ludtke, R.; Ferreira, D.M.C.; Kuntz, J. Polygalaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB26043>. Acesso em: 11 Out. 2015.

VILLAGRA, B. L. P.; NETO, S. R. Plantas trepadeiras do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). Hoehnea 38(3): 325-384, 46 fig., 2011.

Polygala sp. http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Polygala sp. http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Polygala sp. http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Polygala sp. http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Polygala sp. http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina