Podocarpus lambertii - Pinheiro-bravo

Nomes populares

Pinheiro-bravo, atambu-açú, pinheiro-do-mato, pinheirinho

Nome científico

Podocarpus lambertii Klotzsch ex Endl.

Voucher

737 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Família

Podocarpaceae

Tipo

Nativa, endêmica do Brasil.

Descrição

Árvore de porte médio, dióica, com até 14 m de altura. Tronco de 30 a 60 cm de diâmetro, com casca pardo-acinzentada, descamando em delgadas placas que desprendem a partir de baixo, e ficam mais ou menos presas por algum tempo. As folhas são simples, coriáceas, de 2-4 cm de comprimento, lineares e agudas. Nos indivíduos femininos as flores são solitárias, pequenas (até 2 mm) axilares e com receptáculo espessado. Nos indivíduos masculinos, os cones são cilíndricos, pedunculados, axilares, medem de 8 a 12 mm de comprimento e são reunidos em número de 3 a 6 (MARQUES, 2007, p. 188).

Característica

Floração / frutificação

A floração ocorre de abril a junho e a frutificação de novembro a fevereiro.

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Planta seletiva heliófita, perenifólia, pioneira, característica das matas de altitude do complexo atlântico. Ocorre na Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica , é encontrada na Floresta Ombrófila Densa e Mista.

Distribuição geográfica

Nordeste (Bahia), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SOUZA, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Na medicina popular o cozimento das folhas é usado no combate a anemias, doenças das glândulas e astenia. A resina é utilizada contra catarros e no tratamento das afecções da bexiga. É depurativo e estimula a sudorese. Os brotos fornecem um bom xarope, fortificante e estimulante.

Fitoeconomia

A parte carnosa dos frutos, cujo nome correto é pseudofruto, são comestíveis, e também são uma importante fonte de alimento para a fauna, sendo saborosos, suculentos, doces e de coloração e consistência muito agradáveis. Espécie utilizada também como ornamental, sendo cultivada em parques, jardins e arborização de rodovias. É uma espécie importante para ser utilizada em reflorestamentos mistos. Antigamente a madeira era muito utilizada em obras internas, canoas, carpintaria, marcenaria, mastros de embarcações e torno. Pode ser utilizada como forragem, possuindo 9,5 % de proteína bruta e 8 % de tanino.

Injúria

As sementes quando consumidas em maior quantidade são tóxicas.

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

EDWALL, G. Ensaio Para uma Synonímia dos Nomes Populares das Plantas Indígenas do Estado de S.Paulo. 2ª Parte. Boletim Nº 16. Typographia e Papelaria de Vanorden & Cia. São Paulo, 1906. 84 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/ensaioparaumasyn00edwa/ensaioparaumasyn00edwa.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.

MARQUES, T. P. Subsídios à Recuperação de Formações Florestais Ripárias da Floresta Ombrófila Mista do Estado do Paraná, a Partir do Uso Espécies Fontes de Produtos Florestais Não-madeiráveis. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2007. 244p. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/14027/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%20Themis%20Piazzetta%20Marques%20PDF.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SOUZA, V.C. 2010. Gimnospermas in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB020526).