Poaceae‎ > ‎

Saccharum officinarum - Cana-de-açúcar

Nomes populares

Cana-de-açúcar

Nome científico

Saccharum officinarum L.

Basionônio

Sinônimos

Família

Poaceae

Tipo

Subespontânea

Descrição

Planta herbácea de raiz geniculada e em parte fibrosa; colmo arqueado na base, cilíndrico, simples, articulado e um pouco mais grosso nos internós, carnoso e com epiderme lenhosa de cor amarelada, verde ou violácea; folhas amplexicantes, 1 dísticas, planas, lineares, ápice agudo, ásperas, nervura central saliente e bainha espinescente; espiguetas com flores pequenas, hermafroditas; fruto do tipo cariopse ovóide, pequeno. (DI STASI, 2002, p. 41).

Característica

Floração / frutificação

Dispersão

Hábitat

Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica

Distribuição geográfica

Norte (Amazonas, Tocantins), Nordeste (Maranhão, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina) (FILGUEIRAS, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Possui aplicações na medicina caseira para afecções renais, para aumentar a lactação e no combate à insônia. Outras aplicações são como antidiurético, contra hipotensão, anginas, úlceras da córnea, rachas dos seios, aftas, envenenamento, pneumonia, tuberculose, escarlatina, erisipela, cólera, febres e vômitos na gravidez.

Fitoeconomia

Planta de grande importância econômica e alimentícia. Cultivada no Brasil há séculos para produção de açúcar, é também fonte de etanol e cera vegetal.

Injúria

Comentários

Na língua Guarani é chamada de avaxi.

Bibliografia

BERG, E. V. Botânica Econômica. UFLA – Universidade Federal de Lavras. Lavras, MG. 2005. 59p.  Disponível em: <http://biologybrasil.blogspot.com/2009/08/botanica-economica.html>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/up000036.pdf>.

FILGUEIRAS, T.S. 2010. Saccharum in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB026018).

LINDENMAIER, D. S. Etnobotânica em Comunidades Indígenas Guaranis no Rio Grande do Sul. Universidade de Santa Cruz do Sul. Rio Grande do Sul, 2008. 44p. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/19857491/MONOGRAFIADiogo-Lindenmaier>.

PATZLAFF, R. G. Estudo Etnobotânico de Plantas de Uso Medicinal e Místico na Comunidade da Capoeira Grande, Pedra de Guaratiba, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Escola Nacional de Botânica Tropical. Rio de Janeiro, 2007. 160p. Il. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/download/591/483>.

 






Comments