Phytolacca thyrsiflora - Tinge-ovos

Nomes populares

Tinge-ovos, caruru, caruru-bravo, caruru-de-cacho, caruru-de-porco, tintureira, tipi

Nome científico

Phytolacca thyrsiflora Fenzl ex J. A. Schmidt

Voucher

325 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Família

Phytolaccaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Planta herbácea ou subarbustiva, muito ramificada, multicaule, lisa, medindo até 1,8 m de altura. Caule cilíndrico, lenhoso na base e carnoso no topo. Raiz napiforme, folhas alternas, elíptico-ovadas, simples, com ápice agudo, verde, com nervuras proeminentes na face dorsal. Inflorescência em rácemos espiciformes, cilíndricos. Flores monoclamídeas, com 5 tépalas brancas, róseas ou lilases. Fruto tipo baga subglobosa, contendo uma semente por carpelo, liso, glabro, vermelho-púrpurea quando maduro. Semente lenticular, subglobosa, preta, lisa e brilhante (PLANTAS MEDICINAIS, 2001).

Característica

Floração / frutificação

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pampa e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista.

Distribuição geográfica

Norte (Roraima, Pará), Nordeste (Maranhão, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas), Centro-Oeste (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul)

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

No uso externo, as folhas amassadas são reputadas eficientes na cura de úlceras malignas e cancro. Bochechos e gargarejos com o cozimento (decocto) das folhas são indicados para afecções buco-faríngeanas.

Fitoeconomia

A polpa dos frutos eram utilizada como matéria corante, por isso o nome tinge-ovos.

Injúria

As folhas, sementes e as raízes são altamente tóxicas, em doses elevadas, provoca vômitos e narcotiza o paciente. Duas horas após a ingestão, ocorre ânsia de vômito, diarréia, espasmos, convulsões e morte.

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

MARCHIORETTO, M.S. 2010. Phytolaccaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB012583).

PLANTAS MEDICINAIS. CD-ROM, versão 1.0. PROMED – Projeto de Plantas Medicinais. EPAGRI – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A. Coordenação: Antônio Amaury Silva Junior. Itajaí, Santa Catarina. 2001.