Passiflora caerulea - Maracujá-azul

Nomes populares

Maracujá-azul, flor-da-paixão, maracujá, maracujá-da-polpa-vermelha, maracujá-de-cobra

Nome científico

Passiflora caerulea L.

Basionônio

Sinônimos

Família

Passiflroaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Planta escandente, de 2-4 metros, inteiramente glabra. Caule subangular ou cilíndrico, estriado. Estípulas foliáceas, semi-ovadas ou subreniformes, de 1,5 a 2 cm × 5-10

mm, inseridas lateralmente no caule, ápice agudo e uma arista de 1-3 mm, com uma nervura central excêntrica; margens inteiras ou finamente dentadas. Pecíolos de 2-5 m, com 2-4 glândulas (raramente 6 glândulas), sésseis ou estipitadas. Folhas palmatilobadas, pentalobadas (ocasionalmente com 3, 7 ou 9 lóbulos). Às vezes, encontra-se no mesmo exemplar folhas com 3, 5 e 7 lóbulos. Lóbulos linear-oblongos ou ovado-oblongos, de 5-10 × 0,5-2,5 cm; obtusos ou emarginados, mucronulados no ápice; membranáceas com margens inteiras e com dois pares de glândulas sésseis ou curto-estipitadas nos sinus dos lóbulos; cordadas na base; glaucecentes na face abaxial. Gavinhas axilares, bem desenvolvidas, tênues e solitárias. Pedúnculos de 2-5 cm. Brácteas verti ciladas, próximas da base da flor; ovadas ou oblongo-ovadas, de 1,8-2,7 × ,5-2,3 cm, membranáceas; obtusas ou arredondadas no ápice; margem inteira. Flores de 7-10 cm de diâmetro, vistosas. Tubo do cálice campanulado. Sépalas oblongo-lanceoladas ou oblongas, de 1,5-2,3 × 1-1,4 cm. Sépalas subcoriáceas; obtusas no ápice e com uma arista foliácea dorsal de 4-5 mm; verdes, na face abaxial, e alvas, na face adaxial. Pétalas oblongas, de 1,7-2,5 cm × 7-10 mm, com três nervuras longitudinais, membranáceas, obtusas no ápice, alvas ou rosadas. Corona de filamentos em 3 ou 4 séries; as duas séries exteriores de filamentos filiformes, de 8-25 mm, de cor alva no ápice e púrpura na base; as duas séries interiores (às vêzes pode faltar uma série), filamentosas, capitadas, de 2- 3 mm, púrpuras na base e brancas no ápice, eretas. Opérculo membranáceo, de cor alva até o primeiro terço do seu comprimento e filamentoso nos dois terços superiores; os filamentos de 4-5 mm (as vêzes capitados no ápice), de cor púrpura escuro. Anel nectarífero, carnoso. Limen cupuliforme, de aproximadamente 2 mm, rodeando frouxamente o androginóforo. Na margem superior do limen, filamentos de 5 mm. Androginóforo de aproximadamente 1 cm. Ovário ovóide ou subgloboso, pruinoso. Fruto sublgloboso ou ovóide, de 4-6 × 3,5-4 cm, alaranjado ou amarelo, comestível. Sementes obcordadas ou subovóides, de 4,5-5 × 2,5-3 mm, foveoladas. (CERVI, 1997).

Característica

Floração / frutificação

Floresce de outubro a fevereiro e frutifica de fevereiro a abril. (CERVI, 1997).

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Caatinga e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista.

Distribuição geográfica

Nordeste (Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (CERVI, 2010).

Etimologia

Do latim caerulea, azul. Em razão da coloração azul de suas flores. (CERVI, 1997).

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Na medicina popular é utilizada como béquica e como auxiliar nas bronquites.

Fitoeconomia

As flores são comestíveis, e os frutos, estando ainda verdes, podem ser consumidos como hortaliça. Os frutos ainda podem servir para o preparo de cremes, musses, sucos e sorvetes. A avifauna consome avidamente os frutos quando maduros.

Injúria

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

CERVI, A. C. Passifloraceae do Brasil. Estudo do Gênero Passiflora L., Subgênero Passiflora. Fontqueria XLV. Madrid, 1997. Disponível em: <http://bibdigital.rjb.csic.es/PDF/Fontqueria_45.pdf>.

CERVI, A.C., Milward-de-Azevedo, M.A., Bernacci, L.C. 2010. Passifloraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB012512).

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v13n1/pdf/CdF_v13_n1_p25_48_1997.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

STURTEVANT, E. L. Edible Plants of The World. Edited by U. P. HEDRICK. The Southwest School of Botanical Medicine. 775p. Disponível em: <http://www.swsbm.com/Ephemera/Sturtevants_Edible_Plants.pdf>.