Cabralea canjerana - Canjerana

Nomes populares

Canjerana, cacharana, cangerana, canharana, canjarana, cayarana, pau-de-santo,

Nome científico

Cabralea canjerana (Vell.) Mart.

Voucher

481 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Trichilia canjerana Vell.

Cabralea brachystachya C. DC.

Cabralea oblongifolia C. DC.

Cabralea rojasii C. DC.

Família

Meliaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Árvore caducifólia, com 5 a 30m de altura e 20 a 120 cm de diâmetro a altura do peito / DAP, podendo alcançar até 35m de altura e 230 cm de DAP, na idade adulta. O tronco é cilíndrico, reto ou geralmente tortuoso; fuste com até 13m de comprimento de acordo com Durlo e Denardi (1998); nos indivíduos maiores ou muito idosos, há presença de raízes tabulares proeminentes. As folhas são opostas e compostas, com 30 a 90 cm de comprimento e 10 a 20cm pares de folíolos opostos com até 15 cm de comprimento; as folhas são paripinadas, mas podem possuir um folíolo terminal vestigial; os folíolos são providos de pontos e linhas translúcidas. As flores têm coloração branco-esverdeada, pequenas, aromáticas, reunidas em inflorescência em tirsos axilares, com 6 a 25 cm de comprimento. O fruto é uma cápsula globosa ou elipsóide, com ápice arredondado e base estreitada de cima para baixo, às vezes com um robusto suspensor, ficando enrugada e marrom-escuro quando seca, com ou sem lenticelas proeminentes; deiscência septífraga, inicialmente carnosa, espessa, provida de 4 a 5 valvas e grossa coluna central e angulosa após a abertura, com cerca de 18 a 43mm de diâmetro se fechado, e 6cm se aberto. O fruto possui o epicarpo glabro, passando de vermelho claro, salpicado de verde, a vermelho-escuro quando maduro; possui um látex branco e pegajoso. Os frutos contém de 1 a 10 sementes, reunidas em diásporos de 1 ou 2 sementes em cada lóculo. Cada fruto pesa, em média, 15,54g. As sementes são ovóides com 6 a 17 mm de comprimento e 6 mm de largura; quando maduras, são envolvidas por um tegumento arilóide, vermelho-alaranjado, de origem funicular, macio, carnoso, que libera uma secreção leitosa. (MARQUES, 2007, p. 90).

Característica

Floração / frutificação

Dezembro a junho.

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Planta decídua, heliófita, encontrada em praticamente todas as formações florestais, tanto em matas primárias como secundárias. Apresenta preferência por solos úmidos e argilosos de encostas. Ocorre na Amazônia, Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Mista, na Floresta Estacional Semidecidual, Formações Campestres e Restinga.

Distribuição geográfica

Norte (Roraima, Pará, Acre), Nordeste (Bahia), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SAKURAGUI, 2010).

Etimologia

Cayarana em tupi-guarani significa “árvore-de-folha-semelhante”.

Propriedades

Fitoquímica

Óleos essenciais, Ocoticol, corante vermelho e produtos para perfumaria. O suco dos frutos tem ação inseticida, podendo, portanto, ser tóxico aos animais.

Fitoterapia

Na medicina caseira, é utilizada como poderoso reconstituinte dos estados anêmicos. Do suco do tronco faz-se um chá que combate doenças de pele, diarréias, prisão de ventre, febres e hidropisia. Outros usos medicinais são: adstringente, fortificante, purgativo, antidispéptico, antitérmico e emético, e também em ferimentos e inflamações dos testículos. Os índios de várias etnias do Paraná e Santa Catarina utilizam as sementes e cascas no tratamento de micoses, meningite, dores de cabeça, primeiro banho do bebê e prevenção da hipotermia. Espécie incluída na Farmacopéia Brasileira, primeira edição (1926).

Fitoeconomia

Pelo aspecto frondoso da folhagem e dos frutos, pode ser empregada em paisagismo e arborização urbana, para plantio em praças, parques, jardins, laterais de rodovias e canteiros centrais. Não é recomendada para plantio em calçadas, pois possui elevado porte e seu sistema de raízes pode danificar as calçadas. As flores são melíferas. Das cascas pode-se extrair corante vermelho para tingimento de pelegos de lã. O arilo que envolve as sementes serve de alimento para muitas espécies e aves e animais, razão pela qual a canjerana deve ser utilizada para recomposição de matas nativas com fins de preservação. É indicada também para recomposição de mata ciliar. A madeira é de excelente qualidade, podendo ser utilizada para palanques, construção civil e naval, canoas, taboado de forro e assoalho, móveis, escultura, artesanatos, marcenaria, torno, esteios, bolandeiras, arados e rodas de engenho e carros.

Injúria

O suco dos frutos tem ação inseticida, podendo, portanto, ser tóxico aos animais.

Comentários

Fonseca (1922) cita que os frutos são comestíveis, no entanto, creio que refere-se à outra espécie. Na língua Guarani é chamada de kanxarana, kadjarana e kayarana.

Bibliografia

BOTREL, R. T. et al. Uso da Vegetação Nativa Pela População Local no Município de Ingaí, MG, Brasil. Acta bot. Bras. 20(1): 143-156. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v20n1/14.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

LINDENMAIER, D. S. Etnobotânica em Comunidades Indígenas Guaranis no Rio Grande do Sul. Universidade de Santa Cruz do Sul. Rio Grande do Sul, 2008. 44p. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/19857491/MONOGRAFIADiogo-Lindenmaier>.

LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.

MARQUES, T. P. Subsídios à Recuperação de Formações Florestais Ripárias da Floresta Ombrófila Mista do Estado do Paraná, a Partir do Uso Espécies Fontes de Produtos Florestais Não-madeiráveis. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2007. 244p. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/14027/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%20Themis%20Piazzetta%20Marques%20PDF.pdf>.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v13n1/pdf/CdF_v13_n1_p25_48_1997.pdf>.

NOELLI, F. S. Múltiplos Usos de Espécies Vegetais Pela Farmacologia Guarani Através de Informações Históricas. Universidade Estadual de Feira de Santana. Diálogos, DHI/UEM, 02: 177-199, Bahia, 1998. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/dialogos/volume01/Revista%20Dialogos/DI%C1LOGOS10.doc>.

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa – As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182p. il. Disponível em: <http://www.pluridoc.com/Site/FrontOffice/default.aspx?Module=Files/FileDescription&ID=4402&lang=>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

RODRIGUES, W. F. et al. Espécies Arbóreas da Serra do Tapes: Um Resgate Etnobotânico. EMBRAPA Clima Temperado. Pelotas, 2007. 68p. il. Disponível em: <http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/documentos/documento_190.pdf>.

SAKURAGUI, C.M., Stefano, M.V., Calazans, L.S.B. 2010. Meliaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009988).

ZUCHIWSCHI, E. Florestas Nativas na Agricultura Familiar de Anchieta, Oeste de Santa Catarina: Conhecimentos, Usos e Importância. UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. 193p. il. Disponível em: <http://www.tede.ufsc.br/tedesimplificado/tde_arquivos/44/TDE-2008-06-17T142512Z-287/Publico/dissertacao_Elaine.pdf>.