Miconia hyemalis - Pixirica-branca

Nomes populares

Pixirica-branca, pixirica

Nome científico

Miconia hyemalis A. St.-Hil. & Naudin

Voucher

422 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Família

Melastomataceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Arbustos a arvoretas 0,7-5m alt.; ramos jovens, pecíolos, face abaxial das folhas e inflorescências moderada a densamente recobertos por tricomas dendríticos ou estrelado-estipitados, hipanto com indumento estrelado. Folhas com pecíolo 0,4-2,4cm compr.; lâmina 2,8-13(-16)×1-5,6cm, discolor, cartácea a coriácea, oval, elíptica, oval-lanceolada ou lanceolada, base subcordada a arredondada, ápice agudo a curtamente acuminado, margem denteada, nervuras 3 ou 3+2, acródromas basais a curtamente suprabasais (até 0,3cm acima da base). Panículas de glomérulos, 1,7-7(-13,5)cm compr., terminais, ramos basais com 1-2 pares de glomérulos ou pontos de ramificação. Flores 5(-6)-meras; hipanto 2-2,4mm compr.; cálice caduco, com lacínias internas 1-1,8mm compr., longa a curtamente triangulares, externas triangulares; pétalas 1,5-1,8×1,8-2,1mm; estames 10(-12), levemente dimorfos, anteras 1,7-2mm compr., brancas, biporosas, conectivo com dois lobos ventrais e um dorsal, ambos curtos; ovário 3-locular, com tricomas ou raro glabro no ápice, estilete filiforme. Baga imatura verde, madura enegrecida; 10-15 sementes (GOLDENBERG, 2004, p.13).

Característica

Miconia hyemalis geralmente tem folhas com superfície tendendo à bulada e nervuras transversais em número menor e com espaçamento maior do que as folhas de M. lymanii, mas a distinção entre ambas é mais clara quando os tricomas da face abaxial são analisados sob lupa. Em M. lymanii os tricomas são geralmente estrelado-lepidotos, às vezes também com tricomas dendríticos que podem cobrir os estreladolepidotos, enquanto que em M. hyemalis os tricomas são estrelado-estipitados, com ramos muito mais longos do que na primeira (GOLDENBERG, 2004, p. 14).

Floração / frutificação

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila Mista.

Distribuição geográfica

Sudeste (Minas Gerais, São Paulo), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (GOLDENBERG, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Os frutos são comestíveis, e por ser de pequeno porte, poderia ser utilizada em arborização urbana, pois é uma importante fonte de alimento para a avifauna.

Injúria

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

GOLDENBERG, R. 2010. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009712).

GOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.