Leandra australis - Pixirica

Nomes populares

Pixirica

Nome científico

Leandra australis (Cham.) Cogn.

Voucher

122 Schwirkowski (MBM391932)

Sinônimos

Leandra atropurpúrea Cogn.

Leandra australis var. angustifolia Cogn.

Leandra australis var. phaeotricha (Naudin) Cogn.

Família

Melastomataceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Subarbustos a arbustos, 0,5-3,0 m alt. Ramos jovens cilíndricos, com indumento estrigoso a hirsuto, tricomas 3,0-4,5 mm compr., e estrelado, ambos moderado a denso. Folhas com pecíolos 0,8-2,4 cm compr.; lâmina 6,5-10,5 X 3,0-6,0 cm, membranácea, oval, ápice agudo a acuminado, margem denticulada, base obtusa, nervuras 5 a 5+2 basais a curtamente suprabasais; face adaxial com indumento estrigoso, moderado a denso, tricomas 2,0-3,3 mm compr., face abaxial com indumento pubescente, esparso a moderado, tricomas 1,5-2,0 mm compr., e estrelado, moderadamente denso. Panículas 10,5-16,5 X 4,5-8,5 cm; brácteas 2,0-4,3 X 0,6-1,0 mm, lineares a lanceoladas, ápice aristado; bractéolas 0,8-1,5 X 0,4-0,6 mm, oblongas a lanceoladas, ápice aristado. Flores 5-meras, hipanto 3,5-4,3 X 2,0-3,0 mm, campanulado, indumento hirsuto, moderado, e estrelado, esparso; cálice com tubo 0,3-0,5 mm compr., lacínias internas 1,0-1,5 mm compr., triangulares, ápice agudo, lacínias externas 2,3-3,0 mm compr., lineares, ápice aristado; pétalas 3,3-4,3 X 1,0-1,4 mm; estames 10, com conectivo 2,5-3,8 mm compr., dorsalmente espessado, inapendiculado; antera 2,5-3,8 mm compr., amarela; ovário 1,8-2,6 X 1,3-1,7 mm, 3-locular, ápice glabro, estilete 7,0-10,0 mm compr., glabro. Frutos 5,0-6,0 X 4,0-4,5 mm, 150-300 sementes, 1,0-1,2 X 0,5-0,7 mm, piramidais a reniformes (CAMARGO, 2008, p. 42).

Característica

As plantas de L. australis são arbustos pequenos, comuns em beira de estradas, caminhos e trilhas, e possuem folhas ovais com uma coloração verde escura característica, e venação basal ou curtamente suprabasal. As inflorescências possuem indumento vermelho escuro a nigrescente, e flores com corola alva e estames amarelos. Pode ser confundida com L. xanthocoma, que difere pelos estames maiores (anteras com até 5,0 mm compr.) e ovário com 4 lóculos (CAMARGO, 2008, p. 43).

Floração / frutificação

Floresce e frutifica praticamente o ano todo.

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Planta heliófita, ruderal, desenvolvendo-se em orla de matas e capoeiras na Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Densa e Floresta Estacional Semidecidual.

Distribuição geográfica

Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SOUZA, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Os frutos maduros são ricos em antocianinas, que são um importante composto alimentar.

Fitoterapia

Fitoeconomia

Os frutos são comestíveis, e popularmente chamados de tinge-língua, por causa da coloração roxo-escura dos frutos. Os frutos também servem para o fabrico de geléias, sucos, sorvetes, licores e polpa congelada.

Injúria

Comentários

Meus sinceros agradecimentos a Alexandre Amilton de Oliveira, pela correta identificação desta espécie.

Bibliografia

CAMARGO, E. A. O Gênero Leandra, seções Carassanae, Niangae e Secundiflorae (Melastomataceae) no Paraná. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2008. 70p. il. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/rodrig60_3/037-08.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

CERVI, A. C. et al. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/789/631>.

CITADINI-ZANETTE, V.; BOFF, V. P. Levantamento Florístico em Áreas Mineradas a Céu Aberto na Região Carbonífera de Santa Catarina, Brasil. Florianópolis. Secretaria de Estado da Tecnologia, Energia e Meio Ambiente. 1992. 160p.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SOUZA, M.L.D.R., Baumgratz, J.F.A. 2010. Leandra in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009507).

Leandra australis http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Leandra australis http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Leandra australis http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Leandra australis http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina
Leandra australis http://sites.google.com/site/florasbs/home São Bento do Sul - Santa Catarina