Gênero: Miconia

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesPixiricuçú, cabuçí, pixirica, pixiricão, quina-bravaNome científicoMiconia cabucu HoehneVoucher134 Schwirkowski (MBM391944)SinônimosMiconia cabussu HoehneFamíliaMelastomataceaeTipoNativa, endêmica do Brasil.DescriçãoÁrvores 6-10m alt.; ramos, pecíolos, face abaxial das folhas, inflorescências e hipanto densamente recobertos por tricomas estrelado-lepidotos, face adaxial das folhas glabrescente. Folhas com pecíolo 2,5-9,9cm compr.; lâmina 11-25×5,5-17cm, discolor, cartácea, oval, elíptica, raro redonda, base aguda, arredondada a subcordada, ápice obtuso ou agudo até abruptamente acuminado, margem ondulada, nervuras 5+2 ou 7+2, acródromas suprabasais (0,2-1,1cm acima da base). Panículas de glomérulos, 11,5-29cm compr., terminais, ramos basais com 3-7 pares de glomérulos ou pontos de ramificação. Flores 5-meras; hipanto 3-4mm compr.; cálice caduco, lacínias internas 1-1,5mm compr., não claramente definidas, externas não perceptíveis; pétalas 3-4×2-2,5mm; estames 10, isomorfos, anteras 3-4mm compr., brancas, uniporosas, conectivo ventralmente bilobulado e dorsalmente tuberculado ou inapendiculado; ovário 3-locular, glabro, estilete levemente filiforme a levemente espessado no ápice, estigma arredondado. Baga imatura verde, madura enegrecida, 3-13 sementes (GOLDENBERG, 2004, p. 8).CaracterísticaFloração / frutificaçãoFloresce de agosto a setembro, e frutifica em outubro e novembro.DispersãoZoocóricaHabitatÉ planta pioneira, perenifólia, heliófita e seletiva higrófila. Ocorre preferencialmente na floresta pluvial Atlântica de encosta, geralmente em formações secundárias. Na Mata Atlântica ocorre na Floresta Ombrófila Densa.Distribuição geográficaSudeste (São Paulo), Sul (Paraná, Santa Catarina) (GOLDENBERG, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaA madeira é macia ao corte, possui textura grossa e grã direita, porém é de pouca resistência ao apodrecimento, sendo usada apenas para caixotaria, artesanato, lenha e carvão. Possui crescimento rápido e produz abundante alimento para a avifauna, sendo recomendada como espécie de plantio em reflorestamentos mistos, tanto para recuperação quanto para preservação.InjúriaComentáriosPara a germinação das sementes não é necessário quebrar a dormência.BibliografiaCatálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.GOLDENBERG, R. 2010. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009678).GOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.LORENZI, H. Árvores Brasileiras. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 2009. 384p. il. v. 3.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesJacatirão, pixiricaNome científicoMiconia cinerascens Miq. var. cinerascensVoucher29A Schwirkowski & Bianconcini (MBM391799)SinônimosFamíliaMelastomataceaeTipoNativa, não endêmica do Brasil.DescriçãoArbustos ca. 3−3,6 m alt.; indumento dos ramos, pecíolos, face abaxial da lâmina foliar e inflorescências densamente furfuráceo-estrelado e –dendrítico e glandulosogranuloso. Folhas com pecíolo 3−5 cm compr.; lâmina 14−20 × 6−9 cm, adulta nitidamente discolor, não verde discolor, face adaxial verde, face abaxial alvacenta, ferrugínea nas nervuras acródromas, totalmente revestida pelo indumento persistente, não se visualizando a superfície epidérmica, cartácea, elíptica a ovada, base arredondada, ápice agudo a acuminado, margem dentada; 5 nervuras acródromas basais, as laterais não confluentes às margens, na base. Tirsóides de glomérulos, 17−21 cm compr., terminais, ramos não escorpióides; brácteas e profilos caducos. Flores 5-meras; hipanto e cálice densamente furfuráceo-estrelado e glanduloso-granuloso; hipanto 1,8−2,5 mm compr.; cálice caduco; pétalas glabras, raro ápice na face abaxial glanduloso; estames isomórficos, subiguais em tamanho, filetes geralmente esparsoglandulosos, raro glabros, anteras alvas, 2,3− 3,5 mm compr., poro terminal-ventral amplo, conectivo não prolongado ou prolongamento obsoleto, apêndices dorsal calcarado, lateroventrais lobulados; ovário 3-locular, esparso-glanduloso; estilete esparso-glanduloso, às vezes glabro. Bacáceos roxo-nigrescentes, oligospérmicos; sementes obovadas a ovadas (BAUMGRATZ, 2006, p. 24).CaracterísticaAs folhas discolores e com margem denteada, e os frutos bacáceos, oligospérmicos são dois importantes caracteres para diagnóstico da espécie; as flores também exalam um forte odor enjoativo, e os frutos, quando jovens, são amarelos, passando a alaranjados, vermelhos, roxos, e ao final da maturação são roxo-nigrescentes.Floração / frutificaçãoFloresce entre outubro e fevereiro e em maio, com frutos entre novembro e maio.DispersãoZoocóricaHábitatOcorre no Cerrado e na Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila Mista.Distribuição geográficaCentro-Oeste (Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (GOLDENBERG, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaOs frutos são comestíveis e são também uma importante fonte de alimento para a avifauna.InjúriaComentáriosBibliografiaBALDASSARI, I. B. Flora de Poços de Caldas: Família Melastomataceae. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 1988. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000043972>.BAUMGRATZ, J. F. et al. Melastomataceae na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil: Aspectos Florísticos e Taxonômicos. Rodriguézia 57 (3): 591-646. 2006. Disponível em: <http://www.sbpcnet.org.br/livro/58ra/SENIOR/RESUMOS/resumo_1867.html>.Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.GOLDENBERG, R. 2010. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009686).GOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.KINOSHITA, L. S.; MARTINS, A. B.; BERNARDO, K. F. R. As Melastomataceae do Município de Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea 34(4): 447-480, 7 fig., 2007. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/volume34/Hoehnea34(4)artigo03.pdf>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.
Carousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesPixirica-branca, pixiricaNome científicoMiconia hyemalis A. St.-Hil. & NaudinVoucher422 Schwirkowski (MBM)SinônimosFamíliaMelastomataceaeTipoNativa, não endêmica do Brasil.DescriçãoArbustos a arvoretas 0,7-5m alt.; ramos jovens, pecíolos, face abaxial das folhas e inflorescências moderada a densamente recobertos por tricomas dendríticos ou estrelado-estipitados, hipanto com indumento estrelado. Folhas com pecíolo 0,4-2,4cm compr.; lâmina 2,8-13(-16)×1-5,6cm, discolor, cartácea a coriácea, oval, elíptica, oval-lanceolada ou lanceolada, base subcordada a arredondada, ápice agudo a curtamente acuminado, margem denteada, nervuras 3 ou 3+2, acródromas basais a curtamente suprabasais (até 0,3cm acima da base). Panículas de glomérulos, 1,7-7(-13,5)cm compr., terminais, ramos basais com 1-2 pares de glomérulos ou pontos de ramificação. Flores 5(-6)-meras; hipanto 2-2,4mm compr.; cálice caduco, com lacínias internas 1-1,8mm compr., longa a curtamente triangulares, externas triangulares; pétalas 1,5-1,8×1,8-2,1mm; estames 10(-12), levemente dimorfos, anteras 1,7-2mm compr., brancas, biporosas, conectivo com dois lobos ventrais e um dorsal, ambos curtos; ovário 3-locular, com tricomas ou raro glabro no ápice, estilete filiforme. Baga imatura verde, madura enegrecida; 10-15 sementes (GOLDENBERG, 2004, p.13).CaracterísticaMiconia hyemalis geralmente tem folhas com superfície tendendo à bulada e nervuras transversais em número menor e com espaçamento maior do que as folhas de M. lymanii, mas a distinção entre ambas é mais clara quando os tricomas da face abaxial são analisados sob lupa. Em M. lymanii os tricomas são geralmente estrelado-lepidotos, às vezes também com tricomas dendríticos que podem cobrir os estreladolepidotos, enquanto que em M. hyemalis os tricomas são estrelado-estipitados, com ramos muito mais longos do que na primeira (GOLDENBERG, 2004, p. 14).Floração / frutificaçãoDispersãoZoocóricaHabitatCerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila Mista.Distribuição geográficaSudeste (Minas Gerais, São Paulo), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (GOLDENBERG, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaOs frutos são comestíveis, e por ser de pequeno porte, poderia ser utilizada em arborização urbana, pois é uma importante fonte de alimento para a avifauna.InjúriaComentáriosBibliografiaCatálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.GOLDENBERG, R. 2010. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009712).GOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesPixiricaNome científicoMiconia sellowiana NaudinVoucher52 Schwirkowski (MBM391845)SinônimosFamíliaMelastomataceaeTipoNativa, endêmica do Brasil.DescriçãoArbustos 2m até árvores 15m alt.; ramos, pecíolos, ambas as faces das folhas novas, inflorescências e hipanto moderada a esparsamente recobertos por indumento estrelado-furfuráceo, depois glabros. Folhas com pecíolo 0,5-1cm compr.; lâmina 5-11×1-3cm, concolor a subconcolor, cartácea a membranácea, lanceolada a oblongo-lanceolada, base atenuada e decurrente, ápice acuminado a caudado, margem distintamente serreada exceto no terço inferior, nervuras 3 ou 3+2, acródromas suprabasais (0,5-1,7cm acima da base), em geral unidas à base da nervura central por membrana. Panículas 4-8cm compr., terminais. Flores 5-meras; hipanto 1,3-1,8mm compr.; cálice caduco, lacínias internas 0,2-0,3mm compr., arredondadas, externas estreitamente triangulares; pétalas 1,4-1,8×1-1,4mm; estames 10, isomorfos, anteras ca. 2mm compr., brancas, com abertura ventral muito ampla (à semelhança de uma rima) atingindo ca. 1/3 do compr. da teca, conectivo levemente prolongado, com 2 lobos ventrais diminutos; ovário 3-locular, sem tricomas mas papiloso no ápice, estilete levemente espessado no ápice. Baga imatura amarela, madura enegrecida, 6-9 sementes (GOLDENBERG, 2004, p. 18).CaracterísticaFloração / frutificaçãoFloração em fevereiro e entre maio e dezembro e frutificação entre agosto e janeiro e em maio.DispersãoZoocóricaHabitatEspécie pioneira ou secundária inicial, heliófita facultativa, ocorre no Cerrado e na Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e Afloramentos Rochosos.Distribuição geográficaCentro-Oeste (Goiás, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (GOLDENBERG, 2010).EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaBALDASSARI, I. B. Flora de Poços de Caldas: Família Melastomataceae. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 1988. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000043972>.BIU, C. C. Arquitetura Foliar Comparativa de Miconia sellowiana (DC.) Naudin (Melastomataceae) em Diferentes Fitofisionomias. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2008. 49p. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v23n3/v23n3a05.pdf>.Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.GOLDENBERG, R. 2010. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009764).GOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.GOLDENBERG, R.; REGINATO, M. Sinopse da Família Melastomataceae na Estação Biológica de Santa Lúcia, Santa Teresa, Espírito Santo. Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 20: 33-58, Dez. 2006. Disponível em: <http://www.melloleitao.iphan.gov.br/boletim/arquivos/20/MBML_20_Goldenberg.pdf>.KINOSHITA, L. S.; MARTINS, A. B.; BERNARDO, K. F. R. As Melastomataceae do Município de Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea 34(4): 447-480, 7 fig., 2007. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/volume34/Hoehnea34(4)artigo03.pdf>.PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.
Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Nomes popularesNome científicoMiconia theizans (Bonpl.) Cogn.Voucher341 Schwirkowski (MBM)SinônimosMiconia theizans subsp. flavescens Cogn.Miconia theizans subsp. theaezans (Bonpl.) Cogn.FamíliaMelastomataceaeTipoNativa, não endêmica do Brasil.DescriçãoArbustos 0,6-2m a raramente arvoretas 8m alt., glabros. Folhas com pecíolo 0,4-2,6cm compr.; lâmina 1,5-14×0,5-4,5cm, concolor a subconcolor, cartácea a subcoriácea, obovada, elíptica a elíptico-lanceolada, base atenuada ou arredondada, ápice acuminado, margem serrilhado-ciliada, nervuras 3 ou 3+2, acródromas basais. Panículas 4-9cm compr., terminais. Flores 5-meras; hipanto 1,3-1,7mm compr.; cálice persistente, lacínias internas 0,4-0,6mm compr., arredondadas, dentículos externos triangulares; pétalas 1,2-1,5×1,1-1,4; estames 10, isomorfos, anteras 0,7-1,1mm compr., brancas, 4-porosas, conectivo prolongado, com dois apêndices ventrais curtos e uma expansão dorsal; ovário 3-locular, glabro, estilete espessado no ápice. Baga imatura verde, madura azulada, ca. 40 sementes. (GOLDENBERG, 2004).CaracterísticaFloração / frutificaçãoDispersãoHabitatCerrado e Mata AtlânticaDistribuição geográficaNordeste (Bahia), Centro-oeste (Distrito Federal, Goiás), Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo), Sul (Paraná, Santa Catarina)EtimologiaPropriedadesFitoquímicaFitoterapiaFitoeconomiaInjúriaComentáriosBibliografiaGOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.Goldenberg, R.; Caddah, M.K. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB9773>. Acesso em: 05 Fev. 2015