Leandra carassana - Pixirica

Nomes populares

Pixirica, holanda

Nome científico

Leandra carassana (DC.) Cogn.

Voucher

57 Schwirkowski (MBM391855)

Sinônimos

Leandra carassana var. estrellensis Cogn.

Leandra sublanata Cogn.

Leandra sublanata var. alpha Wurdack

Família

Melastomataceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Árvores a arbustos 1-6 m alt. Caule, ramos, folhas e hipanto revestidos por tricomas híspido-dendríticos, setulosos, posteriormente glabrescentes. Folhas com pecíolo 3-10 cm compr.; lâmina 7,5-20 × 4-12 cm, elíptica a oval, base arredondada a subcordada, ápice agudo a acuminado, margem crenulado-ciliada; 2-3 pares de nervuras acródromas suprabasais. Inflorescências tirsóideas, glomeruladas. Brácteas 2-3 × 0,5-0,6 mm, linear-subuladas. Flores (4-)5-meras. Hipanto 4,2 × 2 mm, campanulado a urceolado. Lacínias do cálice: as externas 2 × 1 mm, as internas 0,8 × 0,3 mm. Pétalas 3,4 × 2,5 mm, brancas, lanceolado-subuladas. Estames com filetes 2,5-4,5 mm compr.; conectivo não prolongado, inapendiculado; anteras 3,5-4 × 0,5-0,7 mm, subuladas. Ovário adnato até a metade ao hipanto, setoso no ápice, 3-locular. (KINOSHITA, 2007, p.465).

Característica

Esta espécie apresenta grande diversidade morfológica, e pode ser reconhecida pelos ramos cilíndricos, folhas com margem denticulada a denteada e face abaxial com a superfície recoberta por tricomas estrelado-estipitados. Assemelha-se muito a Leandra tetraquetra pela morfologia das folhas, que difere pelas folhas com face adaxial escabrosa e pelos ramos quadrangulares. Pode ser confundida também com L. dasytricha, que possui flores com dimensões de lacínias do cálice e anteras menores. (CAMARGO, 2009, p.12).

Floração / frutificação

Agosto a dezembro, frutificando de dezembro a março.

Dispersão

Zoocórica

Habitat

Cerrado e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Mista e Floresta Estacional Semidecidual.

Distribuição geográfica

Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (SOUZA, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Os frutos são comestíveis.

Injúria

Comentários

Bibliografia

CAMARGO, E. A. O Gênero Leandra, seções Carassanae, Niangae e Secundiflorae (Melastomataceae) no Paraná. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2008. 70p. il. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/rodrig60_3/037-08.pdf>.

CAMARGO, E. C. et al. O Gênero Leandra, Seções Carassanae, Chaetodon, Niangae, Oxymeris e Secundiflorae (Melastomataceae) no Estado do Paraná. Rodriguésia 60 (3): 595-631. 2009. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/rodrig60_3/037-08.pdf>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. - Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

D’EL REI SOUZA, M. L.; BAUMGRATZ, J. F. A. Notas Taxonômicas em Leandra Raddi (Melastomataceae). Insula, n. 33, p. 89-99. 2004. Disponível em: <http://www.ccb.ufsc.br/bot/revista/v33/v33p89-99.pdf>.

KINOSHITA, L. S.; MARTINS, A. B.; BERNARDO, K. F. R. As Melastomataceae do Município de Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea 34(4): 447-480, 7 fig., 2007. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/volume34/Hoehnea34(4)artigo03.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SOUZA, M.L.D.R., Baumgratz, J.F.A. 2010. Leandra in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009515).