Miconia cinerascens var. cinerascens - Jacatirão

Nomes populares

Jacatirão, pixirica

Nome científico

Miconia cinerascens Miq. var. cinerascens

Voucher

29A Schwirkowski & Bianconcini (MBM391799)

Sinônimos

Família

Melastomataceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Arbustos ca. 3−3,6 m alt.; indumento dos ramos, pecíolos, face abaxial da lâmina foliar e inflorescências densamente furfuráceo-estrelado e –dendrítico e glandulosogranuloso. Folhas com pecíolo 3−5 cm compr.; lâmina 14−20 × 6−9 cm, adulta nitidamente discolor, não verde discolor, face adaxial verde, face abaxial alvacenta, ferrugínea nas nervuras acródromas, totalmente revestida pelo indumento persistente, não se visualizando a superfície epidérmica, cartácea, elíptica a ovada, base arredondada, ápice agudo a acuminado, margem dentada; 5 nervuras acródromas basais, as laterais não confluentes às margens, na base. Tirsóides de glomérulos, 17−21 cm compr., terminais, ramos não escorpióides; brácteas e profilos caducos. Flores 5-meras; hipanto e cálice densamente furfuráceo-estrelado e glanduloso-granuloso; hipanto 1,8−2,5 mm compr.; cálice caduco; pétalas glabras, raro ápice na face abaxial glanduloso; estames isomórficos, subiguais em tamanho, filetes geralmente esparsoglandulosos, raro glabros, anteras alvas, 2,3− 3,5 mm compr., poro terminal-ventral amplo, conectivo não prolongado ou prolongamento obsoleto, apêndices dorsal calcarado, lateroventrais lobulados; ovário 3-locular, esparso-glanduloso; estilete esparso-glanduloso, às vezes glabro. Bacáceos roxo-nigrescentes, oligospérmicos; sementes obovadas a ovadas (BAUMGRATZ, 2006, p. 24).

Característica

As folhas discolores e com margem denteada, e os frutos bacáceos, oligospérmicos são dois importantes caracteres para diagnóstico da espécie; as flores também exalam um forte odor enjoativo, e os frutos, quando jovens, são amarelos, passando a alaranjados, vermelhos, roxos, e ao final da maturação são roxo-nigrescentes.

Floração / frutificação

Floresce entre outubro e fevereiro e em maio, com frutos entre novembro e maio.

Dispersão

Zoocórica

Hábitat

Ocorre no Cerrado e na Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Densa e Floresta Ombrófila Mista.

Distribuição geográfica

Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (GOLDENBERG, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Os frutos são comestíveis e são também uma importante fonte de alimento para a avifauna.

Injúria

Comentários

Bibliografia

BALDASSARI, I. B. Flora de Poços de Caldas: Família Melastomataceae. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 1988. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000043972>.

BAUMGRATZ, J. F. et al. Melastomataceae na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil: Aspectos Florísticos e Taxonômicos. Rodriguézia 57 (3): 591-646. 2006. Disponível em: <http://www.sbpcnet.org.br/livro/58ra/SENIOR/RESUMOS/resumo_1867.html>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

GOLDENBERG, R. 2010. Miconia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009686).

GOLDENBERG, R. O Gênero Miconia (Melastomataceae) no Estado do Paraná, Brasil. Acta Bot. Bras. 18(4): 927-947. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000400024>.

KINOSHITA, L. S.; MARTINS, A. B.; BERNARDO, K. F. R. As Melastomataceae do Município de Poços de Caldas, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea 34(4): 447-480, 7 fig., 2007. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/HOEHNEA/volume34/Hoehnea34(4)artigo03.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.