Malvaceae‎ > ‎

Sida rhombifolia - Mata-pasto

Nomes populares

Mata-pasto, guanxuma-relógio, guanxuma, malva-preta, tupiticha, vassourinha

Nome científico

Sida rhombifolia L.

Basionônio

Sinônimos

Malva rhombifolia (L.) E. H. L.

Sida adusta Marais

Sida compressa Wall.

Sida hondensis Kunth.

Sida pringlei Gand.

Sida retusa L.

Sida ruderata Macfad.

Sida unicornis Marais

Família

Malvaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Subarbusto ereto 0,5–1,5 m alt. Ramos cilíndricos, hirsutos, tricomas simples longos e raro fasciculados. Estípulas ca. 5 mm compr., filiformes a lineares,

indumento e tricomas iguais aos dos ramos. Folhas alterno-espiraladas, com pecíolo ca. 1 cm compr., indumento e tricomas iguais aos dos ramos; lâmina foliar 2–12 × 0,4–1,3 cm, verde discolor, membranácea, linear, base obtusa, ápice agudo, margem inteira, hirsuta em ambas as faces, tricomas simples longos. Inflorescências terminais, corimbosas; antopódio ca. 8 mm compr., hirsuto. Flores com pedicelo ca. 5 mm compr., densamente hirsuto; epicálice ausente; cálice costado, aprox. 6 mm compr., lobado até a região mediana, agudos, densamente hirsuto externamente, tricomas

simples; corola ca. 1,3 cm diâm., alva, mácula vinosa na fauce; estames mais de 20, filetes parcialmente concrescidos ca. 3 mm compr., formando um tubo pubescente, tricomas simples, porção livre dos estames aprox. 1 mm compr.; ovário 7–8 locular, 1 óvulo por lóculo; estilete ca. 4 mm compr. Esquizocarpos 5–6 mm diâm.; 7–8 mericarpos ca. 2 × 1 mm, sub-múticos, trígonos, faces laterais levemente reticuladas. Semente única, puberulenta na região do hilo (BOVINI, Malvaceae..., 2010, p. 8).

Característica

Sida rhombifolia é caracterizada pelas folhas rômbicas com tricomas fasciculados esparsos na face adaxial, corola amarela sem mácula e os mericarpos bi-aristados.

Floração / frutificação

Floresce geralmente de março a junho e de outubro a janeiro, frutificando nos meses de abril a julho e de outubro a março.

Dispersão

Hábitat

É nativa do Continente Americano, no Brasil, é encontrada na Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.

Distribuição geográfica

Provavelmente seja a espécie de Malvaceae com mais ampla distribuição no mundo.

Ocorre em todo o território brasileiro, Norte (Roraima, Amapá, Pará, Amazonas, Tocantins, Acre, Rondônia), Nordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (BOVINI, 2010).

Etimologia

O nome do gênero Sida descrito por Carl Linnaeus é um antigo nome grego usado por Linnaeus, e o termo vulgar “relógio” vem da pontualidade com que as flores abre e fecham-se diariamente.

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

As folhas, raízes e caule são utilizados na medicina popular em inflamações, interna ou externas, como tônica, anticatarral, béquica, colagoga, digestiva, hipoglicemiante, hipotensora, tônica, laxante, calmante, béquico, descongestionante, emoliente, expectorante, laxante, mucilaginosa, febrífuga, contra inflamações, azia, inflamações do nervos, dor de cabeça, alergias, bronquite e em gargarejos para problemas na garganta. As folhas mastigadas são colocadas em locais mordidos por vespas ou outros himenópteros.

Fitoeconomia

Pode também ser utilizada como fonte de fibra de entrecasca. As flores e folhas também são comestíveis, sendo muito utilizada para este fim no México e África do Sul. Fornece também um chá, considerado sucedâneo do Chá da índia. As folhas também são misturadas ao chimarrão para dar gosto.

Injúria

É uma planta daninha infestante de lavouras anuais ou perenes, pomares, jardins, pastagens e terrenos baldios.

Comentários

Na língua Guarani é chamada de typytcha hogue.

Bibliografia

BERG, E. V. Botânica Econômica. UFLA – Universidade Federal de Lavras. Lavras, MG. 2005. 59p.  Disponível em: <http://biologybrasil.blogspot.com/2009/08/botanica-economica.html>.

BOVINI, M. G. Malvaceae s. str. na Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 61(2): 289-301. 2010. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/rodrig61_2/11-096-08.pdf>.

BOVINI, M.G. 2010. Sida in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB009234).

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

CITADINI-ZANETTE, V.; BOFF, V. P. Levantamento Florístico em Áreas Mineradas a Céu Aberto na Região Carbonífera de Santa Catarina, Brasil. Florianópolis. Secretaria de Estado da Tecnologia, Energia e Meio Ambiente. 1992. 160p.

DI DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/up000036.pdf>.

HERRERA, B. L. Contribuición al Estúdio Florístico de la Província de Concepción, (Junín): Dicotiledóneas. Tese de Mestrado. Universidad Nacional Mayor de San Maços. Lima, Peru. 2002. 117p. Disponível em: <http://sisbib.unmsm.edu.pe/bibvirtualdata/tesis/basic/loja_h_b/t_completo.pdf>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed.  2008. 672p. il.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v13n1/pdf/CdF_v13_n1_p25_48_1997.pdf>.

NOELLI, F. S. Múltiplos Usos de Espécies Vegetais Pela Farmacologia Guarani Através de Informações Históricas. Universidade Estadual de Feira de Santana. Diálogos, DHI/UEM, 02: 177-199, Bahia, 1998. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/dialogos/volume01/Revista%20Dialogos/DI%C1LOGOS10.doc>.

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa – As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182p. il. Disponível em: <http://www.pluridoc.com/Site/FrontOffice/default.aspx?Module=Files/FileDescription&ID=4402&lang=>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

VENDRUSCOLO, G. S.; SIMÕES, C. M. O.; MENTZ, L. A. Etnobotânica no Rio Grande do Sul: Análise Comparativa Entre o Conhecimento Original e Atual Sobre as Plantas Medicinais Nativas. Pesquisas, Botânica nº 56: 285-322, São Leopoldo: In: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2005. Disponível em: <http://www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/botanica/botanica56/botanica56.htm>.

 



Comments