Lycopodiella cernua - Pinheirinho

Nomes populares

Pinheirinho, palma-de-são-joão, pé-de-galinha

Nome científico

Lycopodiella cernua (L.) Pic. Serm.

Voucher

MBM392020

Sinônimos

Família

Lycopodiaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Esporófitos terrestres, raro rupícolas. Caule primário sarmentoso, 3-5 mm diâm. (incluindo os microfilos), 1-1,5 mm diâm. (excluindo os microfilos), amareloesverdeado; microfilos ascendentes a patentes, alterno-verticilados, aciculares, margem inteira, papiráceos, verdes, três a seis microfilos por verticilo, 3-5x0,2-0,3 mm. Ramo secundário ereto, várias vezes ramificado, ca. 18 cm compr., 5-7 mm diâm. (incluindo os microfilos), 1-1,5 mm diâm. (excluindo os microfilos), verde, presença de tricomas simples na base dos microfilos; microfilos patentes, alterno-verticilados, aciculares, margem inteira, venação pouco proeminente, membranáceos, verdes, quatro a cinco microfilos por verticilo, 2,5-4x0,3-0,5 mm. Estróbilos sésseis, pendentes, no ápice de ramificações laterais, 4-9x2-3 mm. Esporofilos ascendentes, alterno-verticilados, deltóides a ovados, ápice caudado, margem lacerada, base obtusa na inserção do esporângio, venação não proeminente, membranáceos, amarelos, quatro a cinco esporofilos por verticilo, 1,8-2,5x0,7-1,0 mm. Esporângios basais, subglobosos, amarelos, 0,4-0,5x0,5-0,6 mm (RAMOS, 2007, p. 62).

Característica

Lycopodiella cernua é distinta por seus ramos primários arqueados ou raramente eretos, com ramificações laterais arqueadas, portando estróbilos sésseis e pendentes. Lycopodiella camporum B. Øllg. & P. G. Windisch é uma espécie semelhante, mas que apresenta os ramos primários eretos e ramos secundários fasciculados e rígidos, enquanto que L. cernua apresenta os ramos primários arqueados ou raramente eretos, e secundários dispersos e laxos. Espécie de fácil reconhecimento no campo, devido ao aspecto do ramo secundário em forma de “pinheiro” (deltóide), do qual deriva seu nome popular. Porém, em hábitats úmidos e sombreados, onde os ramos aéreos se ramificam, pode apresentar mais de 2 m compr., tornando-se pendentes ou subescandentes.

Floração / frutificação

Plantas férteis geralmente de janeiro a agosto.

Dispersão

Anemocórica

Hábitat

Espécie pantropical, pioneira, terrícola ou rupícola, ocorre geralmente em borda de mata, formando populações junto a gramíneas, em locais bem iluminados, e também em solos perturbados, ao longe de trilhas, rios, clareias e florestas, crescendo do nível do mar até ca. 2.200 m de altitude. Ocorre na Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica, em todas as formações florestais.

Distribuição geográfica

Amplamente distribuída nas regiões Tropicais da América, África e Australásia e Brasil.

É encontrada no Norte (Pará, Amazonas), Nordeste (Ceará, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina) (WINDISCH, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Na medicina popular possui as seguintes aplicações: diurética, antidiarréica, adstringente, antiinflamatória e anti-reumática.

Fitoeconomia

Injúria

Em algumas é considerada planta invasora de beira de estradas áreas perturbadas.

Comentários

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

CITADINI-ZANETTE, V.; BOFF, V. P. Levantamento Florístico em Áreas Mineradas a Céu Aberto na Região Carbonífera de Santa Catarina, Brasil. Florianópolis. Secretaria de Estado da Tecnologia, Energia e Meio Ambiente. 1992. 160p.

FREITAS, C. A. A.; WINDISCH, P. G. Flora da Reserva Ducke, Amazonas, Brasil: Pteridophyta – Lycopodiaceae. Rodriguésia 56 (86): 67-68. 2005. Disponível em: <http://rodriguesia.jbrj.gov.br/Rodrig56_86/1_pteridofitas_10_lycopodiaceae.pdf>.

MATOS, F. B. Samambaias e Licófitas da RPPN Serra Bonita, Município de Camacan, Sul da Bahia, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná. 2009. 255p. il. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/19094/1/FERNANDO%20BITTENCOURT%20DE%20MATOS%20-%20DISSERTACAO_2009.pdf>.

PIETROBOM, M. R. et al. Licófitas Ocorrentes na Floresta Nacional de Caxiuanã, Estado do Pará, Brasil: Lycopodiaceae e Selaginellaceae. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciência Naturais, Belém, v. 4, n. 1, p. 37-45, jan. – abr. 2009. Disponível em: <http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/bmpegcn/v4n1/v4n1a04.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

RAMOS, C. G. V. Lycopodiaceae no Parque Nacional do Itatiaia, Rio de Janeiro, Brasil. Dissertação de Mestrado. Instituto de Pesquisas Jardim Botânica do Rio de Janeiro – Escola Nacional de Botânica Tropical. Rio de Janeiro. 2007. 95p. il. Disponível em: <http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/83389/Lycopodiaceae-no-Parque-Nacional-do-Itatiaia--Rio-de-Janeiro--Brasil.html>.

ROCHA, M. A. L. Inventário de Espécies de Pteridófitas de Uma Mata de Galeria em Alto Paraíso, Goiás, Brasil e Morfogênese dos Gametófitos de Pecluma ptilodon (Kumze) Price e Campyloneurumphyllitidis (L.) C. Presl. (Polypodiaceae). UNB – Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas. Brasília, 2008. 127p. il. Disponível em: <http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_arquivos/35/TDE-2008-06-04T151346Z-2649/Publico/2008_MariaAucileneLimaRocha.pdf>.

SANTOS, M. G. Aspectos Florísticos e Econômicos das Pteridófitas de um Afloramento Rochoso do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Bot. Bras. 20(1): 115-124. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abb/v20n1/11.pdf>.

SCHWARTSBURD, P. B. Pteridófitas do Parque Estadual de Vila Velha, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006. 170p. Disponível em: <http://www.ibot.sp.gov.br/hoehnea/volume34/Hoehnea34(2)artigo05.pdf>.

WINDISCH, P.G., Ramos, C.G.V. 2010. Lycopodiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB091464).