Ocimum carnosum - Alfavaca-do-mato

Nomes populares

Alfavaca-do-mato, alfavaca, alfavaca-de-cobra, alfavaca-de-vaqueiro, alfavaca-do-campo, alfavacão, alfavaquinha, anis, atroveran, azulão, elixir-paregórico, erva-das-mulheres, gervão, mangericão, manjericão

Nome científico

Ocimum carnosum (Spreng.) Link & Otto ex Benth.

Voucher

254 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Ocimum selloi Benth.

Ocimum selloi var. carnosum Briq.

Ocimum selloi var. angustifolium Briq.

Ocimum selloi var. genuinum Briq.

Ocimum selloi var. tweedianum Briq.

Família

Lamiaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Característica

Floração / frutificação

Dispersão

Habitat

No bioma Mata Atlântica, ocorre em beira de estradas, terrenos baldios e bordas de mata.

Distribuição geográfica

Nordeste (Bahia), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (HARLEY, 2010).

Etimologia

O nome do gênero Ocimum, descrito por Linnaeus, significa “perfumada”, referindo-se à planta toda.

Propriedades

Fitoquímica

Componentes: estragol,(metilchavicol), metileugenol, trans-anetole, cis-anetole e cariofileno. Na análise química não foi detectada ação genotóxica, e somente em doses muito altas foi detectada baixa toxidez em ratos.

Fitoterapia

Na medicina caseira, é utilizada como aromática, emenagoga, fortificante, diurética, calmante, carminativa, analgésica, diaforética, antitussígeno, digestivo, hipocolesteroremiante, antiemética e antiespasmódica. Também é utilizada no combate a colite, afecções do coração, cólicas menstruais, inflamações, como auxiliar nos partos, desânimo, nervosismo, reumatismo, prisão de ventre, feridas, machucados, gastrite, dor na barriga, afecções dos rins, ardor ao urinar, gripe, resfriado, febre, cãibras do sangue, problemas do estômago, fungos de unha, infecções da garganta, corrimentos, dores de cabeça, distúrbios da menstruação

Fitoeconomia

É utilizada como aromatizante no chimarrão e como condimento em carnes e peixe. É muito útil como repelente de insetos, mesmo utilizando a planta in natura. A infusão (chá) desta planta também possui uso como complemento das populares “gemadas”.

Injúria

Comentários

Na língua Guarani é chamada de petÿ reaquã.

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

HARLEY, R., França, F., Santos, E.P., Santos, J.S. 2010. Lamiaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB036586).

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v13n1/pdf/CdF_v13_n1_p25_48_1997.pdf>.

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa – As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182p. il. Disponível em: <http://www.pluridoc.com/Site/FrontOffice/default.aspx?Module=Files/FileDescription&ID=4402&lang=>.

VENDRUSCOLO, G. S.; SIMÕES, C. M. O.; MENTZ, L. A. Etnobotânica no Rio Grande do Sul: Análise Comparativa Entre o Conhecimento Original e Atual Sobre as Plantas Medicinais Nativas. Pesquisas, Botânica nº 56: 285-322, São Leopoldo: In: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2005. Disponível em: <http://www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/botanica/botanica56/botanica56.htm>.

ZUCHIWSCHI, E.; FANTINI, A. C.; ALVES, A. C.; PERONI, N. Limitações ao Uso de Espécies Florestais Nativas Pode Contribuir Com a Erosão do Conhecimento Ecológico Tradicional e Local de Agricultores Familiares. Acta bot. Bras. 24(1): 270-282. 2010. Disponível em: <http://www.botanica.org.br/acta/ojs/index.php/acta/article/view/971/298>.