Bauhinia forficata - Pata-de-vaca

Nomes populares

Pata-de-vaca, capa-bode, casco-de-vaca, mororó, mororó-de-espinho, pata-de-boi, pé-de-boi, unha-de-boi, unha-de-vaca

Nome científico

Bauhinia forficata Link

Voucher

706 Schwirkowski (MBM)

Sinônimos

Bauhinia aculeata Vell.

Bauhinia brasiliensis Vogel

Bauhinia breviloba Benth.

Bauhinia forficata var. latifolia Benth.

Bauhinia longiflora (Bong.) Benth.

Pauletia forficata var. latifolia Benth.

Pauletia forficata var. longiflora (D. Dietr.) A. Schmitz

Pauletia longiflora Bong.

Família

Fabaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Planta arbustiva, decídua, grande ou arbórea, perene, que atinge até 8m de altura. Tem ramos frágeis, pendulares, glabros ou pubescente, com acúleos gêmeos na axila foliar. Folhas alternas, medindo 8 a 9cm de comprimento, ovais ou lanceoladas, divididas acima do meio, glabras, compostas de dois folíolos unidos pela base, pouco divergentes, obtusas ou um pouco agudas, ou acuminadas na base, arredondadas ou subcordiformes, membranáceas, com a forma típica de 9 nervos. Acúleos quase sempre gêmeos, ora uniformemente retos, ora ligeiramente curvos para dentro, finos, ou grossos. Flores axilares ou terminais, brancas. Fruto tipo legume, linear, medindo 15 a 25cm de comprimento por 2cm de largura (PLANTAS MEDICINAIS, 2001).

Característica

Floração / frutificação

Floresce de outubro a janeiro e frutifica de julho a agosto.

Dispersão

Autocórica

Habitat

Planta caducifólia, rebrotando a partir de outubro. Espécie pioneira, heliófita, habita a Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Densa e Floresta Estacional Decidual.

Distribuição geográfica

Nordeste (Pernambuco, Bahia, Alagoas), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (VAZ, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Flavonóides (campferol, rutina e quercitina), ácidos orgânicos, glicosídeos, heterosídeos cianogênicos e saponínicos, goma, mucilagem, tanino (flobatênicos e pirogálicos) e minerais (PLANTAS MEDICINAIS, 2001).

Fitoterapia

É uma das 71 plantas selecionadas pelo Ministério da Saúde como de interesse ao SUS. É utilizada na medicina popular como Hipoglicemiante (antidiabética), purgativa, diurética, antidiarréica, depurativa e tônica renal. Possui a propriedade peculiar de reduzir a excreção de urina, nos casos de poliúria ou urina solta, além de impedir o aparecimento de açúcar na urina, regularizando a glicemia sangüínea, sobretudo da Diabetes melittus. É também indicada contra moléstias da pele, hipertensão, úlceras, ácido úrico, problemas da coluna, afecções vesicais, dores nas costas, prisão de ventre e elefantíase. Possui propriedades mucilaginosas e adstringentes, sendo usada como resolutiva. Antigamente o seu uso medicinal era como diurética, tônica, estimulante, e também contra diabetes, blenorragias, tuberculose e anemia.

Fitoeconomia

As pétalas brancas frescas são comestíveis in natura, sendo carnosas e adocicadas, também podem ser utilizadas como decoração em pratos diversos, ou adicionadas em doces, compotas e geléias. Espécie importante como fixadora de nitrogênio no solo, portanto o seu uso é recomendado em reflorestamentos mistos destinados à recuperação de áreas degradadas. Pode também ser utilizada como ornamental em ruas, jardins ou praças ou como cerca-viva. A casca dos frutos é utilizada em artesanato, e a madeira possui algumas aplicações também, servindo para caibros, mourões, lenha e carvão. As fibras da casca são muito resistentes, e antigamente eram usadas na fabricação de cordas.

Injúria

Comentários

Na língua Guarani é chamada de vaka pytcha e também ysipo atã.

Bibliografia

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 2 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 830 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol2.pdf>.

DIAS, J.; COSTA, L. D. Sugestões de Espécies Arbóreas Nativas Ocorrentes no Sul do Estado do Paraná Para Fins Ornamentais. FAFIUV / 2008, Seção de Artigos. ISSN 1809-0559. Curitiba, Paraná, 2008. 28p. Disponível em: <http://www.ieps.org.br/ARTIGOS-BIOLOGIA.pdf>.

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/up000036.pdf>.

FLORA ARBÓREA e Arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. Organizado por Marcos Sobral e João André Jarenkow. RiMa: Novo Ambiente. São Carlos, 2006. 349p. il.

FONSECA, E. T. Indicador de Madeiras e Plantas Úteis do Brasil. Officinas Graphicas VILLAS-BOAS e C. Rio de Janeiro, 1922. 368 p. Disponível em: <http://www.archive.org/download/indicadordemadei00teix/indicadordemadei00teix.pdf>.

FRANCO, L. L. As Sensacionais 50 plantas Medicinais. 5ª ed. Editora de Livros e Revistas "O Naturalista". Curitiba, 1998. 248 p. il.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

KOCH, V. Estudo Etnobotânico das Plantas Medicinais na Cultura Ítalo-brasileira no Rio Grande do Sul – Um Modelo Para o Cultivo Comercial na Agricultura Familiar. Tese de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2000. 152p. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/1814>.

LOPES, S. B.; GONÇALVES, L. Elementos Para Aplicação Prática das Árvores Nativas do Sul do Brasil na Conservação da Biodiversidade. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, 2006. 18p. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/jardimbotanico/downloads/paper_tabela_aplicacao_arvores_rs.pdf>.

MANUAL TÉCNICO de Arborização Urbana. Prefeitura Municipal de São Paulo – Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. 2ª ed. 2005. 48p. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/manual_arborizacao_1253202256.pdf>.

NOELLI, F. S. Múltiplos Usos de Espécies Vegetais Pela Farmacologia Guarani Através de Informações Históricas; Universidade Estadual de Feira de Santana; Diálogos, DHI/UEM, 02: 177-199, Bahia, 1998. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/dialogos/volume01/Revista%20Dialogos/DI%C1LOGOS10.doc>.

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa – As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182p. il. Disponível em: <http://www.pluridoc.com/Site/FrontOffice/default.aspx?Module=Files/FileDescription&ID=4402&lang=>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

PLANTAS MEDICINAIS. CD-ROM, versão 1.0. PROMED – Projeto de Plantas Medicinais. EPAGRI – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A. Coordenação: Antônio Amaury Silva Junior. Itajaí, Santa Catarina. 2001.

RENISUS – Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS; DAF/SCTIE/MS – RENISUS; Ministério da Saúde. Brasília, DF, 2009. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/RENISUS.pdf>.

RODRIGUES, W. F. et al. Espécies Arbóreas da Serra do Tapes: Um Resgate Etnobotânico. EMBRAPA Clima Temperado. Pelotas, 2007. 68p. il. Disponível em: <http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/documentos/documento_190.pdf>.

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.

VAZ, A.M.S.F. 2010. Bauhinia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB082666).

VAZ, A. M. S. F.; TOZZI, A. M. Sinopse de Bauhinia sect. Pauletia (Cav.) DC. (Leguminosae: Caesalpinioideae: Cercideae) no Brasil. Revista Bras. Bot., v. 28, n. 3, p. 477-491, jul.-set. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042005000300006>.

VENDRUSCOLO, G. S.; SIMÕES, C. M. O.; MENTZ, L. A. Etnobotânica no Rio Grande do Sul: Análise Comparativa Entre o Conhecimento Original e Atual Sobre as Plantas Medicinais Nativas. Pesquisas, Botânica nº 56: 285-322, São Leopoldo: In: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2005. Disponível em: <http://www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/botanica/botanica56/botanica56.htm>.

WEISER, V. L. Árvores, Arbustos e Trepadeiras do Cerradão do Jardim Botânico Municipal de Bauru, SP. Universidade Estadual de Campinas. Tese de Mestrado. 2007. 111p. Disponível em: <http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/72354/Arvores--arbustos-e-trepadeiras-do-cerradao-do-Jardim-Botanico-Municipal-de-Bauru--SP.html>.

Bauhinia forficata http://sites.google.com/site/florasbs/home  São Bento do Sul - Santa Catarina