Desmodium discolor - Carrapicho-grande

Nomes populares

Carrapicho-grande, amor-agarradinho, amores-do-campo, amoroso, manduvira-pequena, marmelada-de-cavalo,

Nome científico

Desmodium discolor Vogel

Basionônio

Sinônimos

Meibomia discolor (Vogel) Kuntze

Família

Fabaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil

Descrição

Subarbusto ereto, ca. 1,7 m alt.; ramos cilíndricos, tomentosos a vilosos. Folhas 3-folioladas; estípulas ca. 4 mm compr., triangulares, caducas; estipelas 3-8 mm compr., setáceas; pecíolo 0,5-2,1 cm compr.; raque 0,5-3,6 cm compr.; folíolos laterais 3,8-10,5 × 2-4 cm, ovado-lanceolados, herbáceos, discolores, face adaxial esparso-estrigosa a glabrescente, face abaxial vilosa. Inflorescências paniculadas, densifloras, terminais; pedúnculo 1,8-5 cm compr.; raque 16-23 cm compr.; cálice 3-4 mm compr., seríceo externamente, lacínios subiguais entre si, 1-2 mm compr., os superiores unidos quase inteiramente; corola lilás, tornando-se azulada quando madura, vexilo 6-10 mm compr., alas 5-10 mm compr., pétalas da carena 6-11 mm compr.; estames 6-9 mm compr.; gineceu estipitado, estípite 1-3 mm compr., ovário 3-4 mm compr., puberulento, estilete 2-4 mm compr., glabro, estigma capitado, glabro. Fruto 25-45 mm compr., 4-7-articulado, glabro, pardacento quando maduro, margens superior e inferior sinuosas, artículos indeiscentes, orbiculares ou elípticos; sementes 4-7, ca. 2 mm compr., orbiculares, castanho-esverdeadas. (RODRIGUES, 2008, p. 12).

Característica

Facilmente reconhecida pelo hábito subarbustivo, alcançando cerca de 2 m de altura, pelos folíolos grandes, pelas inflorescências densifloras e os artículos orbiculares ou elípticos. (RODRIGUES, 2008, p. 12).

Floração / frutificação

Floresce e frutifica nos meses de janeiro, fevereiro e março.

Dispersão

Hábitat

Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica

Distribuição geográfica

Ocorre na Ásia, África e América do Sul.

No Brasil, ocorre no Norte (Acre), Nordeste, Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste(Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina)

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Injúria

Planta daninha encontrada em pastagens, beira de estradas e terrenos baldios.

Comentários

Bibliografia

AZEVEDO, A. M. G. O Gênero Desmodium Desv. no Brasil: Considerações Taxonômicas. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 1981. 320p. il. Disponível em: <http://lakh.unm.edu/handle/10229/56656>.

LIMA, L.C.P. , Oliveira, M.L.A.A., Tozzi, A.M.G.A. 2010. Desmodium in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB022935).

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed. 2008. 672p. il.

NOBRE, A. V. M.; SARTORI, A. L. B.; RESENDE, U. M. As Espécies de Desmodium Desv. (Leguminosae-Papilionoideae-Desmodieae) Ocorrentes no Mato Grosso do Sul. IHERINGIA, Sér. Bot., Porto Alegre, v. 63, n. 1, p. 37-67, jan./jun. 2008. Disponível em: <http://www.fzb.rs.gov.br/publicacoes/iheringia-botanica/Ih63-1-p001-004.pdf>.

RODRIGUES, I. M. C.; GARCIA, F. C. P. Papilionoideae ( Leguminosae) na Mata do Paraíso, Viçosa, Minas Gerais, Brasil: Ervas, Subarbustos e Trepadeiras. Hoehnea 35(5): 519-536, 4 fig., 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pd/v25n4/a09v25n4.pdf>.

SILVA, R. R. Leguminosae no Planalto Residual do Urucum, Oeste do Pantanal do Mato Grosso do Sul, Brasil: Inventário, Taxonomia e Similaridade Florística. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2006. 337p. il. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000392674>.