Tradescantia fluminensis - Trapoeraba

Nomes populares

Trapoeraba, erva-de-santa-luzia, marianinha, olho-de-santa-luzia, trapoeraba-rósea

Nome científico

Tradescantia fluminensis Vell.

Voucher

136 Schwirkowski (MBM391946)

Sinônimos

Tradescantia albiflora Kunth

Tradescantia decora W.Bull

Tradescantia fluminensis var. pubescens C.B.Clarke

Tradescantia fluminensis var. tenella (Kunth) C.B.Clarke

Tradescantia laekenensis L.H.Bailey & E.Z.Bailey

Tradescantia mundula Kunth

Tradescantia mundula var. scabrida Seub.

Tradescantia tenella Kunth

Família

Commelinaceae

Tipo

Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição

Erva decumbente de até 20 cm. de altura, caule verde, sulcado, dividido em nós, inferiores com raízes caulógenas; folhas alternas, curvinérveas, bainha fechada com anel de pêlos apical; flores brancas, terminais.

Característica

Floração / frutificação

Floresce praticamente todo o ano.

Dispersão

Habitat

Espécie seletiva hidrófila, muito comum nas margens de rios, córregos, lagoas e lugares úmidos. Ocorre na Mata Atlântica

Distribuição geográfica

Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (AONA, 2010).

Etimologia

Propriedades

Fitoquímica

Fitoterapia

Fitoeconomia

Os seus ramos e folhas são comestíveis, sendo muito tenros, e podem ser preparados cozidos, refogados ou sob a forma de patês e possuem alto teor de magnésio (Mg) e zinco (Zn), e também flavonóides, sendo que estes possuem muitos usos econômicos de uso alimentar.

Injúria

Planta daninha muito comum, infestando lavouras e terrenos baldios.

Comentários

Bibliografia

AONA, L.Y.S. 2010. Commelinaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB034821).

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. -

Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

CERVI, A. C. et al. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/789/631>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

KINUPP, V. F.; BARROS, I. B. I. Teores de Proteína e Minerais de Espécies Nativas, Potenciais Hortaliças e Frutas. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28(4): 846-857, out.-dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cta/v28n4/a13v28n4.pdf>.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed. 2008. 672p. il.

Tradescantia fluminensis http://sites.google.com/site/florasbs/home  São Bento do Sul - Santa Catarina
Tradescantia fluminensis http://sites.google.com/site/florasbs/home  São Bento do Sul - Santa Catarina