LESÃO LABRAL DE QUADRIL (SÍNDROME DO IMPACTO NO QUADRIL-ACETÁBULO)

LESÃO LABRAL DE QUADRIL (SÍNDROME DO IMPACTO NO QUADRIL-ACETÁBULO)

postado em 12 de fev de 2011 03:52 por Diego Marques Izumi

GAlera quem nunca ouviu falar na tão comentada lesão que tirou o atleta GUGA das quadras de tenis. Hoje abordarei esse assunto, para que todos saibam como proceder, e que é muito comum no dia a dia.

Pra ficar mais fácil o entendimento, pegamos o caso recente do ator Cauã Reymond, que vem sofrendo com a patologia, acompanhem o desenvolvimento do assunto com o DR. Ortopedista e Traumatologista Marcos Britto da Silva.


A lesão labral no quadril é simples ou complexa?

Marcos Britto da Silva: A lesão do quadril não é uma lesão simples, ela é causada pelo impacto femoroacetabular, que nada mais é do que um choque entre o colo do fêmur e a reborda do acetábulo, que é a parte do quadril onde o osso se encaixa.

Ela acontece com frequência?

Britto da Silva – A lesão labral é um diagnóstico recente e muitos médicos ainda não conhecem a patologia, porém é uma causa frequente de dor no quadril e algumas vezes de dor irradiada para a coxa.

O que leva uma pessoa a ter este tipo de lesão?
Britto da Silva - Ela é causada por impacto repetido entre o fêmur e o acetábulo, por isso é mais frequente nos atletas jovens. Existem dois tipos de impacto: CAM quando a deformidade está na cabeça do fêmur, e PINCER quando ocorre impacto entre o colo do fêmur e a reborda acetabular.

A recuperação é rápida?
Britto da Silva - O tratamento inicial é conservador, porém esse tratamento falha na maioria dos casos quando tratamos atletas. Muitos pacientes requerem cirurgia e nesses casos a recuperação é mais demorada, de algumas semanas.

É uma lesão típica de atleta, ou qualquer pessoa pode sofrer?
Britto da Silva – Qualquer pessoa pode ter lesão labral, porém é muito mais frequente nos atletas. Inclusive, alguns estudos recentes têm associado o impacto femoroacetabular como sendo um predisponente da artrose do quadril.

Qual é o perfil do lesionado?
Britto da Silva - O paciente típico é o homem jovem, atleta entre 20 e 40 anos, com pequena dor intermitente no quadril, que piora com as atividades físicas. Em geral, a dor progride lentamente e algumas vezes o paciente relata que a dor surgiu após um pequeno trauma.

Fonte: Terra

As lesões labrais do quadril se tornaram muito frequentes nos últimos anos, porém o sucesso de seu tratamento ainda é bastante controverso.

O labrum acetabular é uma estrutura fibrocartilaginosa que reveste o acetábulo, parte interna do quadril onde o femur se encaixa. O labrum tem varias funções importantes na articulação do quadril como manter a pressão intra-articular e ajudar na distribuição do liquido sinivial. Por esse motivo ele é descrito por muitos autores como o menisco do quadril.

As alterações anatomicas do fêmur, do acetábulo ou de ambos, podem levar à lesão do labrum, por mudar a relação normal entre a articulação e causar o impacto do fêmur contra o acetábulo durante os movimentos normais do quadril, principalmente a flexão e a rotação interna, ocasionando não somente a lesão labral mais também a lesão da cartilagem acetabular, sendo um fator predisponente desencadeador da artrose do quadril.

Aqueles atletas que apresentam uma lesão do labrum acetabular podem apresentar dor na região inguinal e nádegas. A maior incidência desse tipo de lesão é a população praticante de atividade física, amadores ou profissionais, qualquer indivíduo pode apresentar esse tipo de lesão.

O tratamento desse tipo de lesão pode ser realizado de maneira conservadora ou cirúrgica. O tratamento conservador consiste basicamente em fisioterapia atraves de equilibrio muscular entre os musculos do quadril com ênfase nos músculos adutores e abdutores, porém o fortalecimento desses músculos deve ser orientado por um profissional, ja que um exercício feito sem orientação pode levar a maior atrito na região e piora do quadro.

O tratamento cirúrgico é realizado por meio de artroscopia e visa corrigir a lesão do labrum e também
a deformidade causadora da lesão, esse tipo de tratamento é adotado geralmente na falha do tratamento conservador.

Fonte:glauberalvarenga

1-1 of 1