Filósofos‎ > ‎

Filolau de Crotona

Monografia Pública
de Illuminates Of Kemet, Brasil (IOKBR)
examina o pensamento de Filolau de Cróton

Filolau de Crotona

Ao contrário de Pitágoras, sobre quem pesa a possibilidade de não ter realmente existido, o pitagórico Filolau de Crotona (gr. Φιλόλαος) é personagem indubitavelmente histórico. Parece ter sido o primeiro a divulgar as doutrinas pitagóricas e, graças a ele, dispomos de informações sobre os pitagóricos antigos.

 

Biografia

Praticamente nada se sabe de sua biografia; nossa única fonte é Diógenes Laércio. Filolau nasceu em Crotona (D.L. 8.84), ou em Metaponto, ou em Tarento (Iamb. VP 36), em meados do século -V, e suas atividades parecem ter se desenvolvido até o início do século -IV, pelo menos. Atribui-se, tradicionalmente, o ano -470 ao seu nascimento e o ano -385 à sua morte.

 

É provável que tenha vivido algum tempo em Tarento, na Magna Grécia, e que visitou Tebas. Possivelmente, escreveu um livro a respeito da doutrina pitagórica, denominado Da Natureza, o primeiro escrito por um dos pitagóricos. Parece que, anos depois de sua morte, o livro foi adquirido por Platão.

 

Seus principais discípulos foram Arquitas de Tarento (-428/-347), Cebes e Símias; os dois últimos são personagens de importantes diálogos platônicos, Fedo e Críton, respectivamente.

 

Pensamento e obra

Do livro de Filolau de Crotona, escrito em dialeto dórico, restam alguns poucos fragmentos e os testemunhos de vários eruditos que o leram ou conviveram com ele e outros pitagóricos, e receberam informações orais.

 

Na cosmologia de Filolau, os componentes do Universo pertencem a dois grupos, apenas, o dos limitadores e o dos ilimitados. Ignora-se o que eram, exatamente, esses limitadores e ilimitados, mas certamente aplicavam-se a coisas como terra, água, ar, fogo, espaço e tempo. Esses dois componentes básicos eram sujeitos à "harmonia", um processo de mútuo ajustamento entre "coisas dessemelhantes, de diferente espécie e de ordem desigual" (Philol. Fr. 4). O exemplo dado por Filolau sobre a harmonia de limitadores e ilimitados é o da escala musical, que define os sons de acordo com um certo número de proporções: a oitava, a quinta e a quarta correspondem a 2:1, 4:3 e 3:2, respectivamente. O Universo estaria portanto estruturado por relações numéricas, e para conhecê-lo é preciso conhecê-las (Philol. Fr. 4).

 

O conceito dos opostos e o da harmonia foram também usados por Filolau na tentativa de explicar a natureza da alma (Arist. de An. 407b), que ele situava no coração (Philol. Fr. 13).

 

Contribuição à Astronomia

Filolau acreditava que, no centro do universo, encontrava-se fogo e que a Terra era apenas um de seus astros; a Terra, ao fazer um movimento circular em volta do fogo central, dava origem ao dia e à noite.

 

Imaginava também que, além dos outros quatro planetas conhecidos[1], existia uma Terra em oposição à nossa, a Anti-Terra. Além dela, havia nove corpos celestes que se moviam no céu: a Terra, o Sol, a Lua, os cinco planetas e, acima de todos, uma esfera de estrelas fixas. Ele parece ter sido o primeiro filósofo a deslocar a Terra do centro do Universo.

 

Fragmentos, edições e traduções

Cerca de 20 fragmentos de sua obra chegaram até nós, dentre os quais onze são provavelmente genuínos — assim como ocorreu com Pitágoras, muitos textos atribuídos a ele foram escritos muito depois de sua morte. Extensas passagens sobre suas idéias, no entanto, foram conservadas e comentadas por Aristóteles e por Estobeu.

 

As coletâneas mais importantes são a de Boeckh (1819) e Diels e Kranz (61952). O trabalho de Kirk, Raven e Schofield (41994), que existe em tradução portuguesa, contém vários fragmentos traduzidos e comentados.

 

A doxografia e os fragmentos foram reunidos e traduzidos para o português por Gerd Bornheim, em 1967.
 
Comments