As ideias claras e distintas

Consulta o seguinte texto de Descartes, para perceberes como o filósofo francês chegou à formulação da clareza e distinção como critério de verdade.
(rvc, 10/02/09)
 
---------------- 

Eu sou uma coisa que pensa, quer dizer, que duvida, que afirma, que nega, que conhece poucas coisas, que ignora muitas, que quer, que não quer, que também imagina, e que sente. (…)

E, com estas poucas palavras, enumerei tudo o que verdadeiramente sei, ou pelo menos tudo aquilo que até agora notei que sabia. Neste momento, vou considerar com mais exactidão se em mim há outros conhecimentos que não tomei em conta até agora. Estou certo de que sou uma coisa que pensa. Mas sei também o que se requer para que eu tenha a certeza de alguma coisa? Seguramente, neste primeiro conhecimento há apenas uma certa compreensão clara e distinta daquilo que afirmo – compreensão que não será suficiente para me dar a certeza da verdade da coisa, se pode dar-se, por acaso, que fosse algo que eu compreendesse assim clara e distintamente. E, por consequência, parece-me que já posso estatuir como regra geral que é absolutamente verdadeiro tudo aquilo que compreendo clara e distintamente.”

Descartes, René, Meditações Sobre a Filosofia Primeira, introdução, tradução e notas de Gustavo de Fraga, Coimbra, Almedina, 1985, pp. 135-136.

Depois disso, considerei duma maneira geral o que é indispensável a uma proposição para ser verdadeira e certa; porque, como acabava de encontrar uma com esses requisitos, pensei que devia saber também em que consiste essa certeza. E tendo notado que nada há no eu penso, logo existo, que me garanta que digo a verdade, a não ser que vejo muito claramente que, para pensar, é preciso existir, julguei que podia admitir como regra geral que é verdadeiro tudo aquilo que concebemos muito claramente e muito distintamente; havendo apenas alguma dificuldade em notar bem quais são as cousas que concebemos distintamente.”

Descartes, René, (1637), Discurso do Método, Lisboa, Sá da Costa, 1980, 4.ª parte, p. 25, adaptado pelo docente-estagiário Rui Vieira da Cunha

Comments