AIKIDO: JORNAL E SENSEI LAGARES

ENTREVISTA REALIZADA EM 2007, EM BELO HORIZONTE, MG

1- A gente pode dizer que o Aikido é uma luta marcial assim como o Judô, o karatê e tantas outras? Aliás, o que é uma luta marcial?

_ Aikido é um caminho (no sentido filosófico do termo) para a harmonia. Foi fundado no Japão, na primeira metade do século passado, por um grande filósofo e mestre de várias outras artes marciais, Morihei Ueshiba. O que o praticante de Aikido busca é harmonizar seu corpo e sua mente; depois, harmonizar-se com o outro; e, finalmente, harmonizar-se com o universo. As lutas buscam alguma forma de vitória sobre o adversário, seja através das competições (em busca de medalhas), seja em situações de confrontos reais (em busca de ver um ser humano derrotado). O objetivo numa luta encontra-se fora do praticante, portanto nunca pertence a ele. Tais vitórias são relativas (ganhar hoje abre a possibilidade de uma derrota amanhã). No Aikido buscamos uma vitória absoluta: aquela que você somente pode alcançar sobre a sua própria pessoa. Sob tal perspectiva, o agressor é uma pessoa que se encontra desequilibrada, e que deve ser controlada (não derrotada). Aikido é, portanto, diferente de todas as demais formas de combate. O Budo (“caminho marcial”, popularmente chamado de “arte marcial”) destina-se a proteger e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

 

2- O que difere o Aikido dessas outras lutas? Qual seria o fundamento do Aikido em termos de movimento? Parece que, no caso do Judô, é defender usando a força de quem ataca. É neste sentido que quero saber.

         _ Nas lutas, ou se ataca o adversário, ou se é atacado por ele, mesmo quando se fala em ceder no sentido da força adversária, como é o caso do Judo. O diferencial do Aikido é que você usa o círculo para conduzir a agressividade do atacante em direção a ele próprio. Os movimentos devem ser simultâneos com os do agressor (e não uma resposta posterior ao seu ataque, do mesmo modo que você age quando está dançando com alguém: é impossível dançar contra alguém. Por isso se diz que não existe oponente no Aikido). Através dos exercícios respiratórios e posturais, aprendemos a localizar o ponto uno (Saika Tanden), e através da meditação, concentra-se a atenção nesse ponto. Não é necessário usar força corporal para a aplicação das técnicas do Aikido.

 

3- Quem pode praticar o Aikido? Pessoas de todas as idades podem aprender?

         _ O Aikido é praticado por pessoas de todas as idades. Existem mais mulheres do que homens (no Japão) praticando o Aikido (numa proporção de três mulheres, para cada homem), pela completa ausência da necessidade de força física; pela percepção da necessidade da harmonia nas práticas humanas, já que são mais evoluídas espiritualmente do que nós homens; ou, por ser o Aikido uma arte marcial elegante, e com muita beleza em seus movimentos, o que proporciona uma imagem de estética impecável. A maioria das formas de combates exige muito esforço físico. Os praticantes acabam abandonando-as, antes de atingirem os quarenta anos. São jovens e fortes os campeões das respectivas modalidades. No Aikido, ao contrário, apresentam-se com toda desenvoltura pessoas sexagenárias, ou septuagenárias (uma evidência de que seus benefícios se estendem por toda a vida). Há muitos exemplos assim. No Dojo Bu Toku Den, sou o mais idoso já que tenho 60 anos. Nosso diretor técnico, na Federação Mineira, é o Sensei Claude Walla, do 6.° Dan, que está chegando aos 70 anos (e se encontra em ótima forma)! No Brasil, ainda existem mais homens do que mulheres praticando o Aikido; mas, o número de mulheres é crescente. Quanto à idade para começar, sou de opinião que a idade ideal é aos oito anos.

 

4- Você considera que há um perfil ideal para os praticantes de Aikido? Pessoas mais ágeis? Mais introvertidas/ Mais desportistas? Mais tímidas? Há um perfil ideal?

         _ Somente boas pessoas procuram o Aikido. São pessoas que desejam trabalhar a harmonia interior, unir mente e corpo, viver em paz com o próximo, e contribuir para fazer deste mundo um lugar melhor. Alguns buscam exercícios físicos, alongamentos, querem tonificar os músculos, e ao mesmo tempo exercícios dinâmicos, em vez da solidão e monotonia de algumas academias de ginástica; algumas pessoas querem aliviar o estresse do trabalho; algumas pessoas querem uma forma eficiente de defesa pessoal, sentirem-se seguras nas ruas; praticantes de outras artes marciais querem aprimorar o seu Budo, e entender os “mistérios” do Aikido que parecem deixar seus praticantes mais felizes; alguns querem oportunidade de fazer novas amizades, e sabem que esta é uma arte marcial que reúne pessoas de bom caráter; algumas pessoas querem aprofundar-se nos fundamentos filosóficos da arte marcial. Enfim, o Aikido proporciona a oportunidade ideal para todas essas expectativas. Numa sociedade de tanta competição, o perfil ideal é aquele das pessoas que querem trabalhar em forma de cooperação.

 

5- Pode-se dizer que o Aikido é uma atividade aeróbica? Há algum gasto energético na sua prática?

         _ Há benefícios físicos, mentais, e espirituais na prática do Aikido. Aos sessenta anos tenho, em repouso, apenas cinqüenta e quatro batimentos cardíacos por minuto (resultado que poucos jovens de vinte anos podem apresentar), o que significa que o músculo cardíaco está sendo trabalhado satisfatoriamente. Cada sessão tem a duração de uma hora e há muito suor envolvido nessa atividade. Certamente, os praticantes de Aikido realizam uma atividade extremamente saudável, sob todos os aspectos.

 

6- Geralmente, essas atividades de origem oriental trabalham a mente, além do corpo. Gostaria que falasse um pouco disso e de como o Aikido atua nesse sentido.

         _ Nós somos Soma (corpo), Psique (mente), e Nous (espírito). Nosso corpo reflete o que se passa em nosso espírito, e o canal entre o espírito e o corpo é a mente. Em nossa mente (psique) abrigam-se o Consciente e o Inconsciente. O Consciente é a capacidade de percepção, de escolha, e de decisão. A força do pensamento encontra-se no “eu consciente”. Seu principal atributo é o poder de fazer escolhas, e de mobilizar a vontade para realizá-las, sabendo que toda escolha desencadeia uma conseqüência, e esta gera uma responsabilidadeSaúde existe quando pensamos e agimos em  concordância com o nosso eu consciente e realizamos o que percebemos que deve ser o melhor a ser feito, nos planos físico, mental, e espiritual. Se estivermos em desacordo, criamos conflitos que perturbam nossa estabilidade emocional, e podem manifestar-se no corpo e na mente em forma de alguma enfermidade. Quando realizamos Furitama (“acalmar o espírito”), na postura Seiza (ajoelhados), emitindo fortemente o Kiai (o grito que conduz o super poder), certamente nos sentimos mais livres, mais calmos, mais leves. Deixamos o Dojo, diariamente, livres do estresse e, por exemplo, prontos para entrar no trânsito, sem gritarmos impropérios para os outros motoristas...

 

7- Que mudanças uma mãe pode esperar ao colocar seu filho nas aulas de Aikido? Mais disciplina? Mais equilíbrio? Mais serenidade? Por que? Dê algum exemplo.

         _ Ao entrarmos no Dojo, retiramos e alinhamos as sandálias; ajoelhamo-nos na postura Seiza, e fazemos Zarei (uma reverência, inclinando-nos um pouco, com objetivo de diminuir nosso tamanho, mostrando humildade e respeito). No Dojo, somente pode permanecer em pé quem estiver trabalhando (qualquer momento de espera é realizado em Seiza). Somente se fala no Dojo o que for indispensável. É um local de treinamento orientado, de meditação, e de ascese espiritual. Nosso corpo se torna mais eficiente, e nossa mente mais disciplinada. Nossa atitude se torna mais equilibrada. Por outro lado, essa mencionada faixa etária necessita de atividades que funcionem também para tirar a “carga excedente” de sua “bateria”. Por tais razões, recomendo o Aikido também para os jovens, a partir dos oito anos, e por toda a vida.

 

8- Alguém que pratique Aikido está mais apto a enfrentar um assaltante nas ruas? Por que?

         _ Há muitos anos, o sensei Albano Augusto Pinto Correa Filho (de saudosa memória, pessoa à qual devo muito de minha formação, e pelo qual terei eterna gratidão), trouxe de uma de suas viagens ao Japão, um relatório da Polícia de Tóquio, constatando que aqueles policiais treinavam diariamente o Judo e, como método de defesa pessoal, o Aikido. Algumas das organizações policiais mais respeitadas do mundo, e empresas de segurança que levam a sério o treinamento de seu pessoal adotam as técnicas do Aikido. Meu filho Rômulo Lagares, faixa preta de Aikido, é professor em diversos cursos da Polícia Militar (o que evidencia que a PM se preocupa em dar uma boa formação para o seu pessoal). Há uns dois anos, imobilizei por mais de meia hora um homem de compleição robusta, até que chegasse a polícia, e o fiz com apenas dois dedos. Um dos sargentos que estavam de serviço na rádio-patrulha veio procurar-me no dia seguinte, e matriculou-se no Dojo Bu Toku Den, em busca daquelas técnicas. Há muitos exemplos possíveis: Tenho vários alunos que são policiais civis, militares, patrulheiros rodoviários federais, etc. Mas, uma pessoa do mundo civil não deve sair por aí enfrentando assaltantes nas ruas, exceto em defesa da vida (a própria, ou a de outra pessoa). Esse é um trabalho para os policiais.

 

9- Além do trabalho físico, há algum tipo de conscientização dos alunos durante as aulas sobre a questão da violência? Como o assunto é abordado?

         _Toda a prática do Aikido leva a uma conscientização contra a violência. Costumamos dizer que o Aikido não é propriamente uma luta, mas uma arte de não lutar. Aqueles que o consideram uma luta, devem percebê-lo como uma luta contra a violência, e jamais uma luta violenta. Não queremos derrotar uma pessoa, queremos derrotar a violência da pessoa. As técnicas do Aikido, em geral, iniciam-se a partir do gesto agressivo do outro. Invariavelmente, aquele que faz o papel de agressor é derrubado, ou imobilizado. Fica, assim, uma mensagem subliminar: é errado agredir o outro.

 

10- Onde você aprendeu Aikido e por que optou por essa atividade? O que te atrai nela?

         _ Considero-me um aprendiz de Aikido. Meu primeiro mestre de Aikido foi o Sensei Ichitami Shikanai, há uns vinte e poucos anos, pouco após sua chegada a Belo Horizonte. Por razões profissionais e geográficas, residindo em outras regiões do Estado, e freqüentando cursos também em outros Estados, tive outros mestres, tais como Reishin Kawai e Sérgio Furuyama, de São Paulo. Freqüentei vários seminários, dirigidos por mestres de renome internacional, treinando sob a orientação de vários desses, inclusive o Doshu (herdeiro, guardião da forma, e neto do fundador) Moriteru UeshibaMassatake Fujita, e Hironobu Yamada (do Japão), e Christian Tissier (da França). Sou 4.° Dan (quarta elevação de grau da faixa preta), e meu mestre atual, há mais de cinco anos, é o Sensei Claude Noel Walla, 6.° Dan, e diretor técnico da Federação Mineira de Aikido.

 

11- Há algum tempo, alunos de academias de lutas vêm agredindo e machucando pessoas que eles consideram diferentes e inferiores, como negros e gays. Chegou-se até a relacionar esses lutadores a um certo movimento neonazista. Gostaria que comentasse isso. Não é arriscado alguém se sentir forte e poderoso por ter aprendido uma luta?

         _ Não. Pessoas complexadas, na verdade por se sentirem “inferiores” são agressivas, e têm atitudes covardes, como a que você mencionou. Existe também o equívoco de relacionar um lutador (que pode ser uma boa, ou uma má pessoa) com um praticante de arte marcial (geralmente uma boa pessoa), até porque pessoas inescrupulosas colocam placas de “artes marciais” em academias de lutas, nas quais não existe nenhuma “arte marcial”.

 

12. Existe alguma associação que reúne os profissionais de Aikido, alguma entidade que crie critérios para a prática para evitar abusos? 

         _ Sim. Em Minas Gerais, temos a Federação Mineira de Aikido, entidade sem fins lucrativos, e reconhecida, por Lei, como Entidade de Utilidade Pública. Existem critérios sérios de controle; mas, é necessário cuidado: a Federação somente pode fiscalizar e controlar as atividades de Academias filiadas. Isso significa que podem existir academias sem professores qualificados, autointitulados instrutores de arte marcial. Aconselhamos verificar se há, ostensivamente, na Academia o Certificado expedido pela Federação Mineira, ou por outra entidade reconhecida de Aikido. Em caso de dúvida, as pessoas interessadas podem, também, acessar na Internet os sites:

www.aikidomg.com.br

www.aikidominas.com.br

Comments