FanFics‎ > ‎Draco e Gina‎ > ‎Amor à Segunda Vista‎ > ‎

Capítulo 1: Noites de Insônia

Gina teve férias muito difíceis. Por mais cansada que estivesse, não conseguiu pregar os olhos uma única noite sequer, desde que voltara para A Toca. Não entendia o motivo dessa insônia, já que sempre teve sono pesado. Durante a noite várias coisas passavam pela sua cabeça enquanto ela tentava, inutilmente, dormir. Ás vezes lembrava de momentos alegres com sua família e seus amigos, pensava no seu primeiro ano e tudo por que passou, lembrava do Torneio Tribruxo, das partidas de quadribol e de várias outras coisas.

Uma noite lembrou de como era quando ainda gostava de Harry. Riu lembrando daquele dia dos namorados em que ela mandou um cartão a Harry, "seria cômico se não tivesse sido trágico". De fato, foi trágico para ambos, pela vergonha que passaram e ainda tiveram que agüentar piadinhas o ano todo, aliás, ela ainda tinha que agüentar, pois ninguém tinha percebido sua mudança. Naquele dia ela se sentiu a pessoa mais idiota do mundo; agora se sentia aliviada, por não sofrer mais por alguém que a tratava como uma irmã mais nova. Agora ela também o tratava como um irmão mais velho. Gina nem lembrava quando essa mudança aconteceu, foi aos poucos, conforme ela percebeu que nunca seria possível e também quando ela começou a reparar que em Hogwarts havia muitos outros rapazes interessantes, além de Harry.

Certa tarde, Gina estava jogada no sofá sem fazer nada, pensando em como seria o próximo ano letivo. Seria um ano difícil. Tinha arrancado os sapatos, os cabelos estavam totalmente despenteados e estava com uma roupa um pouco velha, do tipo que a gente só usa quando está sozinha em casa. Mas não ficou nessa tranqüilidade por muito tempo. Tinha acabado de se deitar quando ouviu duas vozes conhecidas vindas da cozinha.

Eram Harry e Hermione, que tinham vindo passar o restante das férias n'A Toca. Levantou de um pulo, pegou os sapatos e subiu a escada para o quarto o mais rápido que pôde. Morreria de vergonha se os dois a vissem naquele estado. Não por causa de Harry, mas qualquer pessoa ficaria envergonhada se fosse pega por visitas daquele jeito.

Não estava com fome, estava um pouco cansada, depois de tantas noites mal dormidas. Resolveu que não iria descer para o jantar. Queria dormir, tentar pelo menos. Colocou o pijama e se jogou na cama que, naquele momento, pareceu o lugar mais confortável do mundo. Estava quase adormecendo quando alguém bateu na porta.

- Gina? - era Molly.

- Oi mãe. - Gina respondeu com a voz mole, própria de quem está morrendo de sono.

- Desça querida! Está na hora da janta. E temos visitas... - o que para Gina não era novidade.

- Ah, não tenho fome. Não vou descer. Eu quero dormir!

- Como assim, não vai jantar? - Molly ficou brava de repente. - Vai sim! Anda Gina, te quero lá embaixo em cinco minutos, ouviu?

Gina sabia que não seria boa idéia contrariar a mãe quando ela ficava nervosa. Se levantou muito devagar e se trocou novamente. Estava penteando o cabelo (não podia descer descabelada daquele jeito) quando levou um susto, largou a escova que voou longe, até cair do outro lado do quarto. Molly estava batendo na porta novamente, desta vez com muita força.

- Gina! - gritou.

- Já vou, mãe.

Ela prendeu o cabelo com a primeira fivela que achou e abriu a porta. Sua mãe estava com uma cara nada boa.

- Vamos.

Quando chegaram à cozinha encontraram todos acomodados em seus lugares. Gina se sentou e cumprimentou as "visitas". Harry e Hermione já não eram mais considerados visitas por Gina, era como se nos últimos anos ela tivesse ganho dois novos irmãos mais velhos.

- Oi Harry! Hermione!

- Oi Gina.

- Oi!

Harry parecia um pouco tímido ao vê-la. "Não deveria ser o contrário?" foi a primeira coisa que passou pela cabeça de Gina vendo-o constrangido. Era engraçado, isso nunca tinha acontecido antes e Gina se segurou para não rir. Ela não entendeu o motivo daquele comportamento estranho, mas não deu importância.

- Harry, seus tios não criaram problemas por você vir passar as férias conosco, espero! - disse Arthur.

- Oh não, Sr. Weasley. Aliás, tive a impressão de que eles ficaram bem satisfeitos em se livrar de mim. - Harry respondeu com um ar descontraído.

- Como o senhor sabe, meus pais são trouxas. Eles conversaram com o Sr. e a Sra. Dursley e conseguiram convencê-los a deixar o Harry vir, sem criar problemas.

- Que bom! Assim é melhor. - Arthur parecia aliviado.

- Sr. Weasley, como está o trabalho no ministério? - Harry estava muito curioso.

- Bem... - Arthur e Percy trocaram um olhar rápido e depois Arthur continuou. - Não está nada fácil, Harry. Semana passada houve mais dois ataques à trouxas. Um deles tentou acertar um comensal com um objeto estranho que dispara balas...

- Uma arma de fogo? - Hermione o interrompeu.

- É, acho que foi isso mesmo. Mas não acertou, embora tenha dado um bom susto no comensal que o atacou.

Depois disso, todos terminaram o jantar em silêncio. Levantaram-se, foram para a sala e a conversa recomeçou, mas Gina não prestava atenção, por causa do sono. Acabou cochilando, toda encolhida em uma poltrona.

- Gina! - seus olhos pesavam, ela os abriu muito lentamente e viu seu pai. - Querida, você deve estar muito cansada. Vá dormir na cama.

- Estou mesmo. - bocejou. - Vou subir. Boa noite, pai! - deu-lhe um beijo na bochecha e foi em direção à escada.

- Boa noite!

- Boa noite, mãe!

- Boa noite! - respondeu Molly sentada no sofá. - A propósito, você vai dividir o quarto com a Hermione. Ela já subiu.

- Está bem.

Gina estava com tanto sono, que achou que não teria forças nem mesmo para subir a escada, mas conseguiu. Quando entrou no quarto encontrou Hermione arrumando os lençóis para se deitar.

- Oi, Gina! Vou dormir no seu quarto enquanto estiver aqui, espero que você não se importe!

- Claro que não, Hermione. - bocejou mais uma vez. - Ai, que sono!

Colocou novamente o pijama e se deitou sem dizer mais nada. Hermione, que também estava com muito sono, fez o mesmo. Elas tinham muito para conversar, mas teriam tempo de sobra para isso depois.

Gina deitou e não conseguiu mais manter os olhos abertos, caiu em um sono profundo e muito pesado, sem sonhos. Exatamente o tipo de sono que te faz dormir a noite inteira sem que nada possa te acordar, e quando você acorda de manhã parece que dormiu uma semana inteira e se sente totalmente renovado. Era disso mesmo que ela estava precisando, porém, não foi o que aconteceu com Gina. Mais ou menos uma hora depois ela acordou agitada, virou para o lado e tentou dormir novamente fechando os olhos e nada. Sua cabeça estava a mil e seus pensamentos impediam que ela pegasse no sono novamente. Ficou se revirando na cama, de um lado para o outro tentando dormir e apagar todos os pensamentos da cabeça. Mas mesmo assim o sono não veio. Sentou-se na cama, jogando a colcha longe ao mesmo tempo que disse:

- Que droga! - mas não foi a única. Ela e Hermione disseram isso quase ao mesmo tempo.

- Ah, Gina! Desculpa, eu não quis te acordar... eu levantei para ir a cozinha, queria pegar um copo d'água e...

- Mione, calma! Você não me acordou. Estou acordada a mais ou menos uma hora e não consigo pegar no sono de novo. E você? O que aconteceu?

- Bati o pé na porta. Ai que dor! Você não ouviu o barulho?

- Não.

- Por que está com insônia?

- Não sei. Não faço a mínima idéia. Estou assim desde o início das férias.

- Está preocupada com algo?

- Não. Quer dizer... fora o mesmo de sempre. Talvez seja isso, inconscientemente eu não consiga dormir por causa de Você-Sabe-Quem. É, deve ser isso... nada demais, logo passa.

- Não, Gina... isso é importante sim, e enquanto não acabar acho que você não vai ser a única a não conseguir dormir. Eu vou lá embaixo pegar água, você vai querer também?

- Não, obrigada!

- Está bem! Lumus. - e dizendo isso saiu do quarto.

Gina ficou pensando no que Hermione disse. Talvez fosse por isso que não conseguia dormir. Os acontecimentos do último ano foram muito tristes e ainda estavam muito vivos na cabeça de todos.

Quando Hermione voltou para o quarto Gina ainda estava acordada. Hermione se deitou novamente, mas também não conseguiu dormir, então as duas começaram a conversar. Gina puxou assunto primeiro:

- Hermione.

- Sim.

- Você gosta de alguém? Quer dizer... é que você nunca falou sobre essas coisas.

- Ah... é... - Hermione ficou meio embaraçada, sem saber por onde começar.

- Pode falar, Hermione. Você sabe que pode confiar em mim.

- Ah, Gina, é que... bom... eu... eu tenho uma coisa pra te contar. - disse muito rápido.

- O quê?

- Bom, é segredo por enquanto, por vários motivos. Mas, também por que eu tinha medo de te magoar e o Harry tinha medo de magoar o Rony, embora eu não tenho entendido o motivo pelo qual ele poderia ficar magoado.

- Harry?

- É... Gina eu sei que você vai ficar triste, mas... é que nós estamos namorando.

- Mesmo? - ela perguntou com uma voz triste para enganar Hermione. - Que legal! - disse depois com um enorme sorriso no rosto.

- Como assim "legal"?

- Hermione, você quer saber o que realmente me magoa nisso tudo? É que todos me tratam como se eu ainda tivesse onze anos de idade... - mas Hermione a interrompeu.

- Ah, Gina, não é isso. É que nós achamos que...

- Pois acharam errado. O que eu sentia por Harry era uma paixonite de início de adolescência. Sabe como é, ele é o grande herói, me salvou de Tom Riddle. Aposto como eu não era a única menininha apaixonada por Harry. Mas foi só uma fase... não sei se vocês notaram, mas eu cresci.

Hermione se sentiu mal ouvindo isso. Realmente, Gina tinha razão, por ser a caçula todos a tratavam como uma criança, quando Gina já tinha quinze anos e havia se tornado uma moça muito bonita e inteligente. Era até ofensivo que todos a tratassem daquela maneira ainda, como se não fosse crescer nunca.

- Você acha que deveríamos contar ao Rony também? - perguntou depois de alguns minutos em silêncio.

- Ah, bom... o Rony é um caso diferente. Eu não sei como ele reagiria.

- E você, Gina? Gosta de alguém?

- Não. Mas eu tenho reparado em alguns gatinhos...

As duas riram. Hermione sentia como se tivesse tirado um enorme peso das costas. Gina acabou voltando ao assunto:

- Quando vocês começaram a namorar?

- Não faz muito tempo. Foi mais ou menos uma semana antes de virmos para cá. Quando meus pais foram conversar com os tios do Harry. Quando ele me pediu em namoro eu levei um choque. Realmente não esperava... Achei que ele ainda gostava da Cho, mas aceitei na mesma hora. Posso te contar um segredo?

- Claro.

- Eu gosto do Harry desde o segundo ano, só que eu nunca tive coragem de admitir, como você fez.

- Eu não admiti, eu fui descoberta.

As duas começaram a rir novamente.

- Shiii... assim vamos acordar a casa toda. Sabe, eu queria muito encontrar alguém, assim... que gostasse de verdade de mim. Ás vezes faz falta a companhia de alguém mais próximo, sem ser família, entende?

- Entendo. Mas eu aposto que você não vai demorar a encontrá-lo.

- Assim espero.

- Ai, Gina, estou morrendo de sono. Boa noite!

- Boa noite!

Gina passou o resto da noite em claro. Ficou pensando naquela conversa até o dia amanhecer. Quando levantou continuava com tanto sono quanto quando se deitou. Ela levantou antes dos outros e tomou um gostoso e muito demorado banho, colocou sua melhor roupa e a uma capa com capuz. Fez tudo isso sem notar como estava tão arrumada, estava até elegante. Desceu rápido e foi tomar café com os outros, que agora já tinham levantado e também já estavam prontos. Naquele dia eles iam ao Beco Diagonal comprar o material para o próximo ano letivo.



Notas da Autora

Oi gente! Bom, essa é a minha primeira fic, então eu estou um pouco insegura ainda, mas espero que estejam gostando. Quem quiser me mandar sua opinião é só me escrever: cris_sky_porthus@yahoo.com.br.

Ah, eu sei que não tá parecendo D/G essa fic no primeiro capítulo, tá mais pra H2, mas eu prometo que no próximo capítulo nosso querido Draco já vai aparecer, tá?

Um Abraço de tamanduá, Cris. 

Amor à Segunda Vista | Próximo Capítulos >