Centro‎ > ‎

Sanatórios do Caramulo

O Caramulo é uma vila com cerca de 1.000 habitantes que corresponde territorialmente à freguesia de Guardão, do município de Tondela. Como o nome indica, fica na Serra do Caramulo, a qual administrativamente pertence aos distritos de Aveiro (parte ocidental) e Viseu (parte oriental). Foi a única vila portuguesa planeada de raiz. O Caramulo foi criado em 1921, e foi a primeira vila do país a dispor de saneamento básico e electricidade.

É um médico de Tondela, Abel Lacerda, que descobre no princípio do século as virtudes do clima de Paredes do Guardão. E que inicia o progressivo crescimento de uma estância de tratamento de doenças pulmonares que, na sua fase de apogeu, ostentava 19 grandes sanatórios, orgulhando-se de ser a maior estância da Península Ibérica e a segunda a nível europeu.

Contudo, com a progressiva erradicação da doença e a descoberta de novos tratamentos, a estância foi desactivada, e aos poucos foram sendo encerrados e abandonados os sanatórios do Caramulo, que acolhiam doentes de todo o país. Sofreram, desde os anos 60, um lento declínio, que se consumou após o 25 de Abril. O último sanatório fechou as portas em 1986, dando fim a uma crise que se vinha acentuando há décadas e que passava pela degradação patrimonial e pela total desagregação económica e consequente abandono populacional.

O Sanatório Salazar (destinado, na altura, ao Exército) deu lugar, nos anos 90, ao Hotel do Caramulo, de quatro estrelas. No Sanatório ao lado, funciona hoje em dia o Instituto de Prevenção do Stress e Saúde Ocupacional. Dois outros sanatórios foram transformados em casas de habitação. Sameiro, Monteiro de Carvalho, Boa Esperança e Pedras Soltas foram reconvertidos em lares de terceira idade. Outro recebe doentes com problemas psiquiátricos. Existe ainda um que é propriedade da Opus Dei, sendo que nele se realizam retiros e encontros. Três foram demolidos. Os restantes permanecem abandonados, emparedados e à espera de investidores que tragam melhores dias.

Grande Hotel/Sanatório Jerónimo de Lacerda

O Grande Sanatório, o mais antigo de todos, abriu as portas em 1922, após a criação de uma sociedade impulsionada pelo médico Jerónimo de Lacerda, que integrava personalidades da época. O controle clínico de todos os sanatórios construídos posteriormente competia ao corpo clínico do Grande Sanatório. Aberto todo o ano, oferecia “telégrafo, telefone, ascensor, aquecimento central, cinema, salão de festas e direcção clínica”.
É actualmente propriedade da família Lacerda, sendo usado esporadicamente para fins culturais.

Sanatório Central

Actualmente é, como alguns dos outros sanatórios, propriedade privada.



Sanatório Infantil


O Sanatório Infantil pertence actualmente ao Estado, não havendo para já planos que envolvam a sua recuperação.


Sanatório Bela Vista

O Sanatório Bela Vista acolhia os marinheiros e pertence a particulares. Chegou a ser pensada a demolição, para aí ser construída habitação social, o que implicava "custos muito elevados, que iriam encarecer o seu preço".



Novo Sanatório




Sanatório Santa Maria/Montanha


Pavilhão Cirúrgico
/Casa de Saúde

Situado ao lado do Sanatório Santa Maria, pertence actualmente a uma empresa de Albergaria.

Fontes:
http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=491974


Fotos:
[2] [8] [13] http://www.espoliofotograficoportugues.pt/Default.aspx?ID=10&eComSearch=1&ProductName=caramulo&ProductName_Type=0
[4] [5] [7] [10] [12] http://picasaweb.google.com/rui.andrade.r/CaramuloParedesDoGuardOEConcelho

Comments