Procuro não ter vergonha de mim quando vou ao banheiro.

Procuro não ter vergonha de mim quando vou ao banheiro.




A responsabilidade das pessoas com seu Planeta é tanta que nem dá pra pensar que elas não ligam nem pra si mesmas.

O que está estragado não se enfeita.  Não se perfuma o que está poluído.

Quando alguém disse: “Cuide do que sai de si” (e muita gente lê isso todo dia); não estava brincando de 'gamer'.

Tem por ai, e não poucos, os que se dizem 'condutores', 'líderes', que metem o sarrafo nas pessoas de Ciência (embora muitas dessas professem mais ideologias poluídas do que o Saber), mas quando querem 'posar' de 'sabichões' arranjam logo de dizer que são 'formados' – a calhar – em 'psicologia'; tão útil ao 'controle' dos tantos e tantos que enganam.

Então, vamos pensar por nós mesmos: O seu celular funciona ligando você à muita gente e à muitos lugares. Ondas fazem isso. O que sai de você vai até muitos outros.

Voltemos aos posts anteriores a este. Citei lixos, citei descuidos vários, até aborto. O que está aí em cima é tão claro, sem muitas palavras. Então pergunta-se (ao ser humano que ainda pode estar respirando em você): É cabível que você concorde que se jogue dejetos 'in natura' nos rios e riachos e muito pior, nos bueiros que passam na sua casa?

Os rios e riachos são veias da Terra; água limpa deve correr por eles.

Para que você respire contente, num sábado, em um domingo (que muitos consideram 'sagrado'), e em dias de folga, em dias que sai feliz por/para trabalhar almejando seus sonhos, romances e divertimentos.

Toda sua 'malhação' em academias fica como quando você passa perfumado/perfumada e vê os rios e riachos e praias com o acúmulo negro do que você despejou sem consciência alguma neles, sujando-os.

A Ciência é legado de nossos antepassados, e de nossas mentes brilhantes; ela é um Saber, que nos deu como e o modo de lidar com nossos descartes, nossos lixos, nossas sobras.

E o descaso para com você próprio começa não só no modo (reativo) e no que você come, também começa quando se aceita viver em um cubículo 'dado', empurrado a você como moradia. Você não nasceu para viver em um pombal disfarçado de 'condomínio', enfeitado bizonhamente para esconder a precariedade de tudo (esteticamente, funcionalmente, higienicamente), a falta de dignidade para com sua pessoa.

Acorde e veja os que o/a enganam. Por que estão nas escolas, estão onde você se ajoelha, estão vigiando-o/a quando trabalha, e quando passa na rua, e até quando sai e entra ou está dentro de sua casa. É uma violação constante do seu direito à Liberdade, ao seu viver civil; que usa às vezes, ou muitas vezes quem está rindo/chorando ao seu lado.

A realidade crua da vida, dessa vida que em vários momentos, ao olhar pros lados e até pra nós, ficamos atônitos e não suportamos (que seja assim).

Pra mudar isso, tenha coragem, por você .. e a Natureza corresponderá (porque você não foi 'mandado', nem posto em 'marchas'; você foi sozinho, o que muitos podem também ser, se quiserem).

Então entenderá que as coisas são bastante mais entrelaçadas do que imaginamos.

E quando você sorrir pra aquela pessoa; o rio, nem o riacho, nem a praia, vão refletir o seu 'enfeite', nem seu 'perfume', mas terão a naturalidade da cintilância bela do que vocês nasceram pra ser .. maravilhosamente .. humanos.


Haddammann Veron Sinn-Klyss.

03:28 am

05.06.2017

Angra dos Reis -RJ

Brasil




Subpáginas (1): Leis do Gleam(er)(s) Team
Comments