Testemunho de Eric


   

Links:

Filadélfia Kids

Comunidade Evangélica Filadélfia 



Resumidamente quero dizer o que Deus fez em minha vida. E o que Ele fez, eu nunca poderia pagar. Ele foi incrivelmente misericordioso e bom comigo. Vamos a história:

Desde solteira, minha mãe era evangélica. Ela conheceu meu pai na igreja, mas meu pai não era convertido ainda. Ela se casou, e meu pai já estava afastado dos caminhos do Senhor. Eu nasci, minha mãe continuou indo a igreja, e eu fui apresentado a Cristo, como uma pessoa de berço evangélico. Porém, ela acabou se afastando também.

Um dia, meu pai decide voltar a igreja, e continuamos nos caminhos do Senhor. Eu ainda era pequeno, e ainda não entendia direito aquela coisa de igreja, somente ia. E ficamos firmes por um tempo, pelo menos meu pai e minha mãe, pois eu somente ia porque eles iam.

Estávamos muito felizes e meu pai já queria se batizar, mas Satanás jogou seu laço e meu pai acabou caindo. Uma palavra dita na frente, lá no púlpito, talvez até distorcida pelo inimigo, quando chegou ao meu pai, o magoou muito. Era sobre cigarro, e meu pai fumava. Ele queria largar, mas não conseguia. E quando esta palavra veio, ele se afastou novamente. E pouco tempo depois, minha mãe, e consequentemente eu.

Não preciso dizer a quem já andou ou anda na luz, que quando estamos longe do Senhor, tudo vai de mal a pior. Meu pai perdeu o melhor emprego que ele já trabalhou. Nossa família parecia feliz, mas não nos entendíamos muito bem. Fazíamos muita coisa pra preencher aquele grande vazio que estava dentro de nós, aquela tristeza, mas não conseguíamos. Tudo parecia bem, mas na verdade não ia nada bem.

Eu sempre fui uma pessoa mais tímida e fechada, e desde o parquinho as crianças evitavam em brincar comigo. E Deus foi tão bom comigo, que eu não percebia nada disso e somente vim perceber depois de adolescente. E em amizades e relacionamentos com as pessoas não foi diferente. Até a sétima série, até que as coisas não estavam muito ruins, mas a partir da oitava, já começaram as zoeiras e algumas decepções com amizades. Creio que foi a hora que deixei de ser criança e ter um pouco de juízo, e Deus tirou a sua proteção de mim. Penso que seja mais ou menos assim: Deus dá a sua proteção e bênçãos as pessoas que O temem e andam em seus caminhos, e também as crianças, pois não tem noção nem juízo de nada, logo Deus não as deixa ficar sofrendo. Foi nessa época que comecei a entender o que acontecia no parquinho, e eu ficava muito mal com isso.

A oitava série não foi fácil, mas o pior havia de chegar. Foi no primeiro ano do ensino médio que tudo ficou horrível. As zoeiras de que eu era vítima, eram na maior parte uma brincadeira, que nem atingia, ou algo leve. Mas no primeiro ano, as zoeiras ficaram pesadas, e a classe inteira me zoava. Nem minhas dúvidas escolares eu podia tirar com os professores. Os outros alunos sempre diziam que eu era estranho, diferente... Sei que não tenho os mesmos costumes que a maioria, pois minha educação foi a de nunca falar palavrões, respeitar as pessoas, eu não falo muitas gírias, e meu jeito é um pouco robótico, assim, como dizem, meio 'certinho'. Bem, mas esse é o meu jeito e sei que Deus me ama do jeito que sou. Mas que eu não estava agüentando aquelas zoeiras, eu não estava. E eu não posso depositar toda a culpa neles também, claro que a culpa em parte também foi minha, porque eu não tinha Cristo em mim, e meus atos não eram os melhores. Eu ficava com raiva, e isso fazia com que me zoassem mais ainda. Se eu ficasse quieto e saísse para outro canto ou simplesmente não ligasse, teria sido melhor.

O que eu quero chegar é que todos nós estávamos precisando de Deus, mas éramos teimosos. A vontade de voltar para o Senhor e ser feliz novamente foi forte dentro de nós, até mesmo em mim, pois a palavra que ficou em mim quando eu ainda não entendia nada, com a adolescência começou a fazer sentido e o Espírito Santo foi trabalhando. Embora, por outro lado, um pensamento vinha as nossas cabeças: "Dá até vontade de voltar, mas ser crente é duro. Não pode fazer nada." Como éramos teimosos e não sabíamos de nada. O inimigo tinha nos cegado.

A situação em casa estava cada vez pior. Não conversávamos quase nada. Era um oi, e falávamos o essencial somente. Ah, tínhamos o costume de falar boa noite também, somente pra cumprir obrigação. Os vícios estavam na cara. Meu pai viciado em pescar e jogos de computador do estilo paciência. Durante a semana ele jogava paciência e similares e quase todo final de semana ia pescar. Passava o dia inteiro ou a noite inteira pescando, e queria que fossemos com ele, em família. Como se a família fosse uma família mesmo naquela época. Minha mãe até que gostava de pescar, mas eu detestava. Minha mãe estava viciada em filmes. Todo dia ela tinha que assistir um filme, mesmo que já tivesse assistido o filme duas, três vezes. Ela assistia na televisão aberta mesmo, sessão da tarde na globo ou cinema em casa no sbt. Percebe-se porque filmes assistidos tantas vezes. Bem, e eu, viciado em vídeo-game. Praticamente todo o meu tempo de folga era no vídeo game. Quatro, cinco horas todo dia. Cheguei a jogar cerca de cento e cinqüenta horas em um jogo só, e sei que não estava nem na metade ainda. Agora, me diz se isso não era vício. Ainda mais porque esse jogo era digimon. Vale a pena isso? Que situação. Eu desligava o vídeo-game já pensando no que eu ia fazer nos próximos dias no jogo. Eu nem queria desligar. Cheguei até perder o sono pensando de noite. E ninguém admitia que era viciado.

Vida em ruínas, rotineira, de vícios... e parecia que estava tudo normal. Como que pode? Até que Deus foi incrivelmente misericordioso conosco. Ele nos deu um alerta de como nossa vida é frágil, e podemos morrer a qualquer hora. Uma vizinha nossa, que não ia em casa a vários anos, apareceu em casa um dia. Estava tudo bem, ela estava bem, tudo normal. Ela saiu de casa, e quando ia entrar no portão da casa dela, uma forte dor de cabeça e um desmaio. No outro dia ficamos sabendo da notícia: aneurisma cerebral. A partir daquele momento ela estava em coma, e somente resistiu dois dias. Ela saiu de casa praticamente morta. Já percebemos que esse era um aviso de Deus. E também pensamos: "Imagine se isso acontece comigo? Longe de Deus, sofrimento eterno, com certeza." Mesmo com esse aviso, ainda resistimos, e não retornamos para o Senhor. Mas Ele não desistiu da gente. Pouquíssimo tempo depois, descobrimos uma enfermidade em meu coração. Era simples, eu não sofri nada, porém ela poderia ter me matado. Uma simples espinha que eu espremesse ou um tratamento dentário poderia ter me matado. Eu deveria tomar alguns cuidados e preocupações com infecções. Então, finalmente acordamos, e voltamos para os caminhos do Senhor.

Agora, meu pai se converteu mesmo e toda a família está servindo o Senhor. Deus já revelou ao meu pai que estou curado da enfermidade, e eu creio. Se Deus falou, quem sou eu pra duvidar? E o que mais mudou na minha vida? Vamos a lista.

Tenho uma felicidade que nunca tive antes. Jesus tem me transformado por dentro, e Ele é a minha alegria. Tenho a certeza da minha salvação. Todo o medo de morrer acabou. Faço parte de um ministério de adolescentes muito abençoado na igreja, e sei que posso contar com o pessoal do ministério. Lá, não ficam me zoando, e o que prevalece é o amor cristão. Ninguém aqui em casa é viciado mais, inclusive o vicio que meu pai tinha de fumar. Somente Jesus pôde libertá-lo. Quantas vezes que ele tentou sozinho e não conseguiu. E encontramos várias outras coisas que fazemos e que são bem melhores, e que nos dá bem mais prazer. Conversamos sobre bênçãos, lemos a bíblia, ouvimos musica, vamos aos cultos, onde a hora passa super rápido... E eu me envolvo com as programações do ministério de adolescentes também. Tem sempre algo muito legal que estamos fazendo. Deus, através do Espírito Santo me enche e me deixa tão bem, que é até difícil de explicar. Somente quem já experimentou uma vida nos caminhos do Senhor para entender mesmo.

E ser crente é realmente não poder fazer nada como falávamos? Claro que não! Somos livres. O Senhor nos liberta dos pecados e nos dá livre arbítrio. Ele libertou meu pai do cigarro, por exemplo. E somos livres. Se quisermos fumar ou beber, podemos. Mas porque iremos fazer isso e destruir nossa saúde e nos afastar do Senhor? O fato é que posso todas as coisas, mas nem tudo me convém. E posso garantir a qualquer um, que é muito melhor celebrar ao Senhor do que em qualquer festa, pois quando celebramos ao Senhor temos um grande avivamento do Espírito Santo em nossas vidas.

Finalmente quero dizer que Jesus me resgatou daquela vida infeliz, e me deu a verdadeira felicidade. Se não fosse por Ele, talvez eu estaria cada vez mais viciado no vídeo-game, meus pais divorciados, meu pai ainda fumando, aquela vida em que o filho mal conversa com os pais, eu estaria cada vez mais doido com as zoeiras... Eu não sei o que seria da minha vida. Até as zoeiras diminuíram. Eu tenho defeitos, e como tenho, mas o Senhor me ajuda e me dá forças. Graças a Ele, não tenho mágoa de ninguém, e mesmo que me magoem, isso passa logo. Agora, mesmo que seja para eu ser zoado, que seja por uma causa justa. Que seja porque Jesus é o meu Senhor, e sou completamente apaixonado por Jesus. Sou eternamente grato a Ele, e nunca poderei pagar o que Ele me fez. Isso é graça. Somente tenho que agradecer.

Eu quero fazer um apelo. Se você que está lendo este testemunho e não entregou sua vida para Jesus não tem paz no coração, é infeliz, acha que sua situação familiar, financeira, de saúde, emocional ou espiritual não tem jeito e está perdida, entregue sua vida para Jesus, pois ele cuida melhor do que você, melhor do que eu, melhor do que qualquer um. Ele é a solução para todos os problemas. Somente fica uma pergunta depois que a gente entrega nossa vida para Jesus e decide viver nos caminhos dele: "Porque eu não fiz isso antes?". E a você que já é de Jesus, e que as vezes pensa em ir e experimentar as coisas desse mundo e deixar Jesus de lado, mesmo que você seja de berço evangélico, tenho uma coisa a dizer. Não tem nada de bom lá, acredite. Se quiser viver uma vida derrotada e ruim, abandone Jesus. Eu posso dizer que sem Jesus, a vida é péssima e não vai para frente. Um conselho de irmão: vamos com Jesus até o fim, pois Nele está a verdadeira felicidade, e você sabe como Jesus nos faz feliz.

Somente Jesus é a solução. Religião não salva ninguém. A igreja também não. Somente Jesus mesmo. Toda a glória seja dada ao Senhor, pois sem Ele, nada podeis fazer. Que o Senhor seja louvado. "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6)