Relato de doula

Nascimento da Heleninha , filhinha da Lelê.

 

Tudo começou no dia 8 de maio, terça-feira, à meia noite enqunto tentava chamar a Lelê no msn.

Chamei, chamei e lá pelas tantas ela entrou e perguntou se era eu que a estava chamando. Meu marido estava na frente do computador e perguntou:”Que foi? Tava fazendo ‘aquilo’!?!”

Ele fez isso pra me sacanear, mas ela respondeu que sim e me chamou de chata!!!

Conversamos um pouco (até às 2:30h da manhã) e fomos dormir...

 

Às 5:10h ela me liga dizendo que estava tendo contrações bem fortes de 2 em 2 min desde às 4h. Me levantei e fui a Novo Hamburgo...

Chegando lá, ela realmente tinha contrações meio fortes, mas estavam se espaçando...

Maridex foi trabalhar um tiquinho, mas depois voltou e participou ativamente!

Conversamos um pouco e fizemos uma “prece maometana”, pq achei que o bb não estava com as costas viradas pra frente o suficiente. Dei uma sacolejada na pança e ela começou a ter contrações mais fortes e regulares (de 5 em 5 min). A partir daí ela começou a tomar o famosíssimo chá de cravo e canela da tia Gi! Almoçamos e fomos dormir. Dormimos durante 1 ou 2 horas (pelo menos eu dormi!!).

No final da tarde o Ric nos ligou perguntando como andavam as coisas... Ele me ENCHEU de recomendações!!!! Daí fui obrigada a confessar minha súbita paixão por ele! Hehehehe! Ele disse que eu não me preocupasse, pois passaria logo, logo! Hehehe!

 

Fomos caminhar no shopping, mas antes disso fomos buscar uma amiga nossa: a Lê. Levamos uma garrafinha de chá.

No meio da nossa caminhada, ou até mesmo antes disso, ela começou a apertar as contrações. Começamos a subir e descer escadas. No meio de uma subida ela teve uma contração “punk” e parou no meio da escada pra esperar passar. O segurança do shopping, com olhos esbugalhados, veio perguntar se tudo estava bem, se era uma emergência... Disse mos que estava tudo dentro do fisiológico, mas ele saiu sem entender nada!

 

Quando voltamos do shopping a Lelê entrou, finalmente, na “Partolândia”!! E não saiu mais!!!

Passamos a noite toda acordadas, as contrações vinham de 3 em 3 min. Ela começou a perder tampão. Passou perdendo a noite toda! Tentamos faze-la descansar, mas era quase inútil! A maneira mais confortável que ela pareceu ter encontrado, foi em cima da bola suíça.

Tentei revezar com o maridex, mas quando a coisa tava “pegando” ele, nem sempre dava conta. Eles tiveram muitos momentos lindos e particulares, que era o que ela esperava... Fotografei o que conseguia quando entrava no quarto...

 

Lá pelas 10 ou 11h da manhã,de repente, as contrações desaceleraram e eu liguei pro Ric... Sei que existe a fase de desaceleração, mas achei muito disfuncional...

Depois disso a Zeza Jones combinou de ir avalia-la.

 

Enquanto a esperávamos, deitamos na cama. Me deitei ao lado da Lelê, para massageá-la durante as contrações. Entre uma contração e outra, fui vencida pelo sono e quando a Lelê teve outra contração, sem abrir os olhos levei a mão pra massagear a barriga e notei que a barriga parecia um pouco mole, daí a Lelê falou: “Tira a mão daí! Aí é meu seio!!” Eu levantei a cabeça e disse: Que seio?? Ah é! Foi mal!”

 

Ela chegou lá pelas umas 16h. Fez um toque, a Lelê estava com 7cm com bb um pouco alto, mas encaixado. Zeza maridex e eu fizemos uma massagem nela. Deu certo! Ela começou a engrenar de novo!

Às 17:30 a bolsa rompeu, o líquido estava limpinho! Eu, que nunca havia cheirado líquido amniótico e tem cheiro de sêmen.

 

Fizemos vários exercícios e ela evoluiu, com contração, mas bem tranqüila!

Ali por umas 8 horas a Zeza fez um toque e descobrimos que ela já estava com o colo completamente apagado e com 9cm, mas havia um pequeno rebordo inchadinho, mas o bb continuava alto.

 

Lelê começou a reclamar muito de dor “na bexiga”, na altura da cicatriz da cesária. Zeza aconselhou-a a ir para o hospital.

 

Chegando lá, ela já estava com sintomas de período expulsivo. Dentro do consultório não queriam deixar-me entrar, daí me fiz de doida(como se eu já não fosse) e disse que eu era contratada dela e que no contrato estava escrito que eu não deveria me ausentar do lado dela, salvo se ela MANDASSE! O médico e o resto da equipe começou a encher o saco, mas eu não permiti que eles a impotunassem, pois vi que eles queriam briga! Então que brigassem comigo! Ela tinha uma contração em cima da outra e ela não estava em condições de falar!

Fizeram toque nela e disseram que ela estava com 8cm e que havia líquido meconiado...

 

Acabaram “deixando” que eu entrasse lá. Colocaram-na no monitor(MAP). Logo em seguida veio uma enfermeira louca e ignorante, que veio tentar me convencer de que ela não tinha direito a acompanhante. Citou um negócio de saúde pública, muito doido, que dizia que eu precisava de um papel... Disse que havia uma lei federal, mas nem adiantou dizer, daí continuei me fazendo de salame, me virei e continuei a atender a Lelê. Ela saiu, mas ninguém me expulsou de lá!

 

Fizeram uns seis toques nela num espaço de menos de 2h!!!

Ela entrou com os puxos, mas toda vez que ela fazia força o bb bradicadizava seriamente (98, 90, 85 BCFs)! Eu, desesperada, tentava controla-la para que não fizesse força. Durante a contração, o bb ficava muito bem, se ela não fazia força, mas quando fazia o bb sofria!

Ela não conseguia mais fechar as pernas. A moça veio e fez um toque, disse que o colo estava completo, mas o bb estava alto!!

 

Veio o médico. Fez outro toque (neste momento, a Lelê  estava no meio de uma contração e ela quase bateu no médico! tive que segura-la!)

e descobriu um colo edemaciado, com 8cm e um bb alto. Ele disse o que eu já esperava que dissesse: O bb está dipando, se estivesse mais embaixo e sem edema de colo ele agüentaria, mas naquelas condições deveria ser feita a cesária. Ela, ainda com dor disse gritando: Quando chega o anestesistaaaaa!!?!?

 

Levaram-na para o bloco, me seguraram na porta, mesmo ela dizendo que queria que eu estivesse lá. Eu permaneci na porta! Ela entrou lá e os xingamentos não foram poucos, pois pelas contas do Dr. Bonitão, ela estava com quase 44 semanas!!! Nós falamos, o tempo inteiro em que estivemos lá, que eram 41 p/42 semanas!

 

Em fim a Heleninha nasceu com apgar 10 e 10, com 3430Kg e uma cabeça pra lá de deformada e torta em função da posição. O que não a estava deixando sair era a posição errada que ela tinha se encaixado. Ela não iria sair NUNCA daquele jeito!!!

 

Embora o desrespeito por parte da política do hospital tenha sido grande, a cesa não foi desneCesária, foi muuuuuuuuuuuuuuuito neCesária!!!!

 

Helena nasceu no aniversário do meu filho André o que pra mim foi algo muito marcante! Fiquei muito abalada, pois lembrei, dolorosamente, do meu caso! Lembrei de tuda a barbaridade que me disseram quando eu esperei pra que ele nascesse. Chorei! Não por ela, mas por mim, pq eu já disse que sou sequelada !!!

 

No mais, foi um nascimento muito empoderador! Essa Helena, conforme o significado do nome dela, realmente, trouxe luz para a vida daquele casal, que nunca mais será o mesmo! Houve integração entre os dois, qual nunca houve antes! O maridex, como pai e marido venceu medos e ajudou sua esposa a vencer! O pai da Lelê, agora, admira-a muito mais e entendeu que a filha dele é muito mais que uma filha, mas é mãe e mulher feita!

 

Estou contente pelo resultado!

 

 

 

Gisele R dos Santos : uma doula seqüelada!!