Expansão Marítima e Comercial Européia

Expansão Marítima e Comercial Européia

 

1. Introdução

No século XV, os europeus sempre em busca de novos produtos e mercados, sentiram necessidade de estender o comércio para além das fronteiras da Europa, em direção à África, América e Ásia. A burguesia e os governos europeus iniciaram, então, o movimento que caracterizou a formação do mundo moderno: a Expansão Ultramarina Européia, iniciada por Portugal e continuada, posteriormente, pela Espanha, Holanda, França e Inglaterra.

 O que foi a expansão marítima européia? Foi um período em que as nações européias desenvolveram um processo de exploração e conquista de novos territórios (América, África e Ásia), ampliando o mundo até então conhecido.

Quando ocorreu? Aproximadamente entre os séculos XV, XVI e XVII.

 

2. A crise européia dos séculos XIV E XV e suas influências na expansão marítima

 a) Guerra dos Cem Anos – arruinou Inglaterra e França e afetou toda a Europa, pois destruiu as rotas terrestres.

 b) monopólio das cidades italianas – as cidades italianas dominavam o comercio das especiarias via mediterrâneo.

 c) esgotamento das minas de ouro e prata – não havia ouro suficiente para cunhar moedas.

 d) fome – entre 1315 e 1317 matou um número enorme de pessoas.

 e) peste negra – matou um terço da população européia.

 

3. Antecedentes da Expansão Marítima

       Revolução Comercial: aumento na quantidade de troca de excedentes; trocas inter-feudos; surgimento das grandes feiras e intensificação quanto à circulação de moedas metálicas.

       A partir do séc. X, aumento da população pressionada por produção/comércio de alimentos; aperfeiçoamento de instrumentos agrícolas; expansão de setores metalúrgicos artesanais; Intensificação da vida urbana.

       As Cruzadas (Séc. XI,XII e XIII) propiciaram a expansão do comércio internacional entre as sociedades européia, a mulçumana e a bizantina. Contribuíram para a consolidação da economia monetária.

       Surgimento da classe social burguesa. A economia monetária se sobrepõe à economia de trocas baseada nas necessidades. As cidades foram se tornando livres e se fortaleceram.

       Apoiado pelos burgueses e devido à instabilidade política, os reis assumiram o poder político (Estados Nacionais). As economias foram se tornando nacionais e internacionais.

 

4. Fatores que favoreceram a formação dos Estados Nacionais Modernos

  a) centralização política

  b) aliança rei-burguesia

  c) nobreza: corte real

  d) idioma nacional

  e) fronteiras definidas

  f) exército nacional e permanente

 

5. As pressões do Capitalismo ascendente sobre a Expansão Marítima

-        O desenvolvimento do capitalismo está associado à expansão marítimo-comercial da Europa, cujos resultados foram o descobrimento de novas rotas de comércio para o Oriente e a conquista colonial da América.

-        Quando ocorreram as grandes navegações nos séculos XV e XVI, a Europa atravessava um período de profundas transformações nos setores econômico, social e político:

-        O início da Revolução Comercial, responsável pelo fato de as atividades econômicas terem-se subordinado ao comércio; o crescimento da burguesia mercantil e financeira, que se tornou o grupo social mais rico da Europa; o processo de centralização monárquica, com a concentração dos poderes políticos nas mãos dos reis, e a formação de Estados Nacionais.

 

6. Fatores que impulsionaram a Expansão Marítima e Comercial Européia (séculos XV, XVI e XII):

     

    a) Fatores Econômicos:

renascimento comercial e urbano

busca de metais preciosos e especiarias

conquista de terras e rotas comerciais

interesses econômicos da burguesia

monopólio comercial italiano no Mediterrâneo

busca de alternativas para expandir o comércio

 

     b) Fatores Políticos:

formação e fortalecimento dos Estados Nacionais;   

aliança rei-burguesia;   

queda de Constantinopla (1453)

    

c) Fatores sócio-culturais:

Renascimento cultural e científico;  

– o interesse de expansão da fé cristã (católica);  

Cruzadas e o espírito missionário

 

7. Saídas/Alternativas encontradas

-- A expansão marítimo-comercial européia foi resultante da busca de soluções para uma série de problemas do século XIV. As soluções seriam: busca de novas rotas de comércio, conquista de territórios ultramar, busca de especiarias e exploração de matérias-primas nas novas áreas conquistadas.

a) O que fazer? Para vender as especiarias por preços mais baratos era necessário um meio de transportá-las em grande quantidade e a baixo custo, evitando os intermediários.

b) A saída: O Oceano Atlântico - porém não havia rotas marítimas conhecidas que ligassem Europa e Oriente. Era preciso descobri-las.

c) Os recursos: Para tal empreendimento era necessária a mobilização em escala nacional, fazendo com que a centralização monárquica fosse um verdadeiro pré-requisito para a expansão marítima.

 

8. Os interessados na Expansão Marítima Européia

-        interesses dos Estados Nacionais – a expansão aumentaria os poderes dos reis, manteria os privilégios da nobreza e elevaria os lucros da burguesia.

-        interesses da Igreja – expansão da fé cristã, justificando a conquista e conversão dos povos não-cristãos.

-        interesses materiais – todos os envolvidos (nobreza, burguesia, reis) queriam desejavam o seu enriquecimento e a sua projeção social.

 

9. Razões do pioneirismo de Portugal na Expansão Marítima

----- Portugal foi o primeiro país da Europa a se lançar às grandes navegações, no século XV. Fatores que colaboraram:

a) Centralização político-administrativa – realizada durante a dinastia de Avis, a centralização administrativa de Portugal permitiu que a monarquia passasse a governar em sintonia com os projetos da burguesia.

b) Mercantilismo – com a centralização monárquica em Portugal a política adotada foi a mercantilista. O rei desejava fortalecer o Estado e a burguesia aumentar os seus lucros.

c) Ausência de guerras – enquanto outros países estavam envolvidos em guerras, Portugal era um país sem guerra.

d) Posição geográfica – banhado em toda a sua costa pelo oceano Atlântico, facilitou a expansão.

e) A existência de uma ambiciosa burguesia que aliava os seus interesses econômicos aos interesses do rei e da nobreza.

g) A Escola de Sagres (formação de navegantes e desenvolvimento de técnicas de navegação).

 

10. Etapas da expansão marítima portuguesa

– 1ª etapa (1415-1460) – é explorada a costa atlântica da África até o golfo da Guiné, dando a Portugal acesso direto às especiarias.

– 2ª etapa (1460-1498) – continua a exploração do litoral africano em direção ao sul. Bartolomeu Dias descobre  o cabo da Boa Esperança (1488) e Vasco da Gama atinge a Índia. No final dessa fase, Colombo atinge a América.

– 3ª etapa (1498-1600) – a partir da expedição de Cabral, os navegadores lusos foram cada vez mais longe: Groenlândia, circunavegação da Terra, extremo Oriente e atingiram também a Austrália.

------ O Reino de Portugal iniciou sua expansão marítima e comercial de forma autônoma, visando aumentar o poderio econômico da Coroa Portuguesa. A descoberta do caminho para as Índias proporcionou a expansão comercial e o enriquecimento dos reinos europeus. Os indícios da existência de ouro na América espanhola aguçaram a cobiça dos portugueses por metais preciosos. Era esse o contexto quando os portugueses conquistaram o Brasil por volta de 1498/1500 (Duarte Pereira Pacheco e Pedro Álvares Cabral). A conquista do Brasil pelos portugueses ocorreu por volta de 1498, com a expedição comandada por Duarte Pereira Pacheco. Na historiografia portuguesa, a chegada oficial do Estado Português em terras brasileiras foi 1500, com a expedição comandada por Pedro Álvares Cabral.

 

11. Mercantilismno

Foi uma política econômica adotada pelos Estados Europeus na fase inicial do capitalismo (Período Moderno). Esta política econômica se constituía em um conjunto de regras, idéias e mecanismos que estabeleciam como os Estados Nacionais europeus, em parceria com a burguesia e a nobreza, fariam a exploração das áreas conquistadas (Colônias) pelos europeus.

Assim, o Mercantilismo fortalecia o poder real, enriquecia a burguesia e sustentava os luxos da nobreza.

 

---- Principais características do Mercatilismo:

-        metalismo (acúmulo de metais preciosos);

-        balança de comércio favorável (estimular a economia de modo que o valor das exportações fosse maior do que o valor das importações);

-        protecionismo e intervencionismo estatal (o Estado intervinha na economia, protegendo os produtos e as manufaturas nacionais e buscando uma balança de comércio favorável);

-        monopólio (a economia era monopolizada pelo Estado, que controlava o comércio colonial);

-        colonialismo (o enriquecimento dos Estados Nacionais, da burguesia e dos nobres se faria com a exploração de riquezas –metais preciosos e matérias-primas  nas colônias)

 

12. Conseqüências da expansão ultramarina européia:

a) Em pouco mais de dois séculos, os europeus estabeleceram seu domínio sobre a América, a África e a Ásia.

b) A mundialização do comércio permitiu o acúmulo de gigantescos capitais na Europa gerando o capitalismo comercial, fortalecendo os Estados Nacionais, enriquecendo a burguesia e sustentando o luxo dos nobres.

c) Os Estados Europeus conquistaram territorialmente os continentes Africano, Americano e Asiático. Estabeleceram seu domínio político-militar e exploraram econômica e socialmente os povos colonizados.

d) Afluxo de metais preciosos (ouro, prata e pedras preciosas) das áreas colonizadas para a Europa.

e) Mudança das tradicionais rotas de comércio do Mediterrâneo para o Atlântico.

f) Os europeus escravizaram muitos povos conquistados (colonizados) e estimularam o lucrativo comércio (tráfico) de escravos africanos para a América.

g) Houve a europeização cultural das áreas conquistadas. Os europeus impuseram suas línguas oficiais, a religião cristã e hábitos/costumes aos povos colonizados.

h) Os europeus modificaram o modo de organização socioeconômico das sociedades conquistadas.

Comments