AQUI TEM HISTÓRIA


*´¨)
¸..´¸..*´) ¸..*¨)
(¸..´¨ (¸..` ¤ Dorothy Bluyus Rodrigues Matias - PCOP/História*
 
DE - SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
 

  HISTÓRIA  

CARTAS NA HISTÓRIA

CAMPANHAS E HISTÓRIA

 

ROUPAS SEGUIAM A LEI

 

Uma roupa fica na moda durante o tempo em que muitas pessoas a vestem. Antes do século 19, alguns países tinham leis que diziam como iam ser as roupas de algumas classes sociais e, às vezes, obrigavam as pessoas a comprar roupas d seu próprio país. Uma lei inglesa do século 17, por exemplo, obrigava os homens pobres a usar gorros de lã feitos na Inglaterra. Mas a mesma lei permitia que os homens mais ricos usassem chapéus de veludo da França e da Itália.

Saias, saias e mais saias. Todas compridas, arrastando no chão. Era assim que as meninas, há uns 200 anos mais ou menos, se vestiam para brincar. Esse tipo de roupa era moda naquela época.

 

MODOS E MODAS

Roupas diferentes, feitas com muitos panos, que “crescem” com o vento, são invenções do estilista (pessoa que cria roupas e inventa moda).

 

CHINELO DE DEDO É HERANÇA JAPONESA

O Brasil tem 1,5 milhão de japoneses e descendentes.  Os japoneses começaram a chegar no Brasil em 1908, 13 anos depois de o Brasil e o Japão terem assinado, em Paris, o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação, no dia 05 de novembro de 1895.

A idéia dos imigrantes que vieram para cá era trabalhar, ganhar dinheiro e voltar para o Japão.

Mas eles foram ficando, e em menos de cem anos o Brasil já tinha a maior colônia de japoneses no mundo. Com isso, muitas coisas da cultura japonesa acabaram assimiladas pelos brasileiros.

Os chinelos de dedo, por exemplo, foram trazidos por eles.

Bibliografia:

 Folha de São Paulo, 1996, 1995.

 

 

DA TÚNICA FOLGADA NO CORPO AO BIQUÍNI 

 

As roupas de banhos da vovó e da bisavó eram bem diferentes das de hoje.

No final do século 19, as mulheres usavam na praia uma túnica comprida e uma peça parecida com ceroulas (calça para usar embaixo da roupa), que cobriam quase todo o corpo.

 

No início do século 20, essas roupas foram substituídas por trajes de uma peça, que ficaram populares por causa da nadadora Annette Kellerman.

A primeira roupa de banho de uma  peça, feita em malha elástica canelada, foi feita nos Estados Unidos, em 1920.

Na década de 30, as roupas de banho mostravam as costas nuas, e na década de 50, a maioria dos maiôs era espartilha (apertada).

 

O biquini foi lançado na França em 1946, por dois estilistas ao mesmo tempo, Louis Réard e Jacques Heim. Jacques deu o nome de “atome” ao  biquíni.

Foi só depois que os Estados Unidos começaram a fazer testes com bombas atômicas, no atol de Bikini, que as duas peças para  banho passaram a ser chamadas de biquíni.

Na dedada de 50, o biquíni era popular na França, mas só foi aceito nos Estados Unidos por volta de 1965.

 

 

Nos anos 70, surgiu a tanga, uma versão mais reduzida do biquíni.

 Folha de São Paulo, 1997.

 

,