DOGUENO

 
Dogueno - Santa Cruz - Almodôvar
Distrito de Beja
 
 
Vista aérea da Dogueno - meados dos anos 90
Foto de Bertrand
 
 

   

 Aspecto do Monte a partir de Sul
 

 A IGREJA
 
 
 
A Igreja no verão de 2008 a necessitar de umas obras...
Construída nos anos 80 pela C. M. de Almodôvar em terreno doado
 
 
 
Aspecto da entrada da Igreja - uma arquitectura "arrojada" em que as acessibilidades não foram tidas em conta... 
 
 
O Altar
 
    
 
 
 
 
 
Imagem de N. Srª de Fátima
 
 
Imagem existente na Igreja
 
 
 
A 1ª Comunhão destes jovens - anos 80, na Igreja da Dogueno
 
 
198? - Missa solene. A professora Adelina, Maria Rodrigues, Adélia e Otília.

 
 A ESCOLA
 
 
A Escola em Agosto de 2005. Depois de muitos anos a educar jovens encerrou devido à falta de mão-de-obra. Foi a minha primeira escola oficial...e a professora foi a D. Adelina - ano de 1967/68
 
 
 
A arquitectura não mente - construída durante o Estado Novo -1955 - (abriu no ano lectivo 1956/57), foi encerrada pelos "democratas". É utilizada pelos partidos para debates com a população, sempre que há eleições - pelo menos de 4 em 4 anos as portas são abertas para tirar o cheiro do mofo... uma pena!
Foto de Rui Guerreiro
 

A autarquia, isto é o Povo, é o actual proprietário da Escola. Foi cedida a uma associação de caçadores e o que fizeram eles? emparedaram o recreio coberto, desvirtuando completamente a arquitectura do edifício que deveria estar classificado como, de interesse local.
 

Agosto de 2008 - Interior do alpendre coberto que serviu de recreio aos alunos, agora emparedado.
 
 
 
Escola em 2008

 


O MONTE

Entrada da rua principal, 2005 - com 25/4 chegou a electricidade e telefones para todos. O processo mais rápido foi espetar postes e passsar cabos! o resultado é o que se vê...fios pelo ar sem qualquer organização. Lançar um papagaio é coisa do passado...

A mesma rua onde é possível ver a Venda do Sr. Zé Lifonso (Ildefonso), que vai resistindo ao Sec. XXI. Fotos de Rui Guerreiro em 15 de Agosto de 2004

 
 
 
 
A rua principal vista de baixo. Na imagem uma FAMEL (Fogo A Moto É Linda) Zundapp ...
Para a esquerda desta foto, segue a rua conforme imagem abaixo.
 
 
 
Outro aspecto de uma das ruas do Monte - o branco predomina sobre o ouro e o azul.

  A PAISAGEM EM REDOR

Uma azinheira nas proximidades da Dogueno. Tal como os sobreiros são espécies em vias de extinção devido a pragas que as vão dizimando. Foto de Rui Guerreiro
 
 
Um entardecer na Dogueno. Foto de Rui Guerreiro
 
 
Ponte do Morgadinho
Quem vem para a Dogueno, a partir de Almodôvar, passa inevitavelmente sobre esta ponte da Ribeira de Oeiras. À Dogueno são 7 km e a Almodôvar 5 Km.
 
 
A ponte do Morgadinho e o nevão de 1954
Foto CM Almodôvar
 
 
 
Vista do Monte de Norte para Sul a partir de um curral abandonado, junto à Horta dos Sobreiros. Hoje, ninguém (ou quase) cria porcos, até porque a UE não deixa:
 
 
Home "Suinhome" - quantas gerações de suinos terão sido criadas aqui?
(o Monte ao fundo)
 
 
Os terrenos férteis de outrora são agora, quase todos, reservas de "caça associativa" por Decreto. Os bichos é que não ficaram a ganhar com o negócio, mas alguém...
 
 
Estrada romana (ou quase) - por aqui se fez, durante séculos, todo o tráfego do Monte para a sede de Freguesia, Santa Cruz. Conduz ao célebre "caminho da discórdia" que opõe meio mundo ao outro. De nada serviu a construção da Igreja pois os fiéis nada ligam à palavra do Senhor - Amai-vos uns aos outros, preferindo mais as palavras do Antigo Testamento  "Olho por Olho..."
 
 
O Monte do Jorge Lourenço - Os Almarjões, fica a poucos quilómetros da Dogueno
 
 
A (pequena) Barragem a caminho da Telhada

Fotos seguintes de Rui Guerreiro
 
 
As cegonhas sempre presentes na paisagem
 
 
Uma Bolota de azinheira, já nem há porcos que as comam.
 
 
O Moinho da Dogueno, actualmente - nos anos 60 já era uma ruína
 
 
 
O Moinho da Telhada em 1976. Actualmente restam as paredes! Assim se conserva o património! (o dinheiro vai para os Magalhães e depois não há pró resto)

PERSONALIDADES DA TERRA
 

Duas personalidades incontornáveis - o Miguel do Monte da Ribeira "Lagarto" e o Chico da Tia Anica.
 
 

               

O Chico nos anos 80

No Dia dos "Finados" fui a Santa Cruz e vi que ao lado do meu avô, repousa o nosso Chico 

 
O Chico no seu local favorito, a lareira da minha avó - anos 90
 
 
Trio - o Aurélio sempre pronto p'rá brincadeira e o Gentil a retirar qualquer coisa da algibeira, certamente nervoso com a actuação que ia fazer...
No casamento da Ângela

 
Vista do céu
 
 
Outro aspecto do Monte a partir de avião. Meados dos anos 90.
Foto de Bertrand
 
 
Vista a partir de Nascente
 
 
Vista a partir de Nascente - a última casa a ser erguida de raiz
 
 
Vista a partir de Nascente  - pormenor
 
 
 
Sempre é verdade que as árvores morrem de pé. Aqui está o exemplo de uma Azinheira ou será um Chaparro?
Foto Jorge Lourenço

 
 
Resistente - contra todas as adversidades, governos e desgovernos, lá vamos contemplando estes firmes e hirtos marcos que assinalam a proximidade da BESTA. Este está junto à ponte da Ribeira de Oeiras. 668 indica o número de km até CHAVES!
 
O nosso marco - bem no centro do monte, lá está ele lembrando a distância até Aquae Flaviae - 675km

 
 
O Verão no seu esplendor no interior do Monte.
 
 
E a ameaça de um temporal.
 

 
 
Descobri esta foto no sitio acima e quem vejo lá ao fundo? O Sr Zé Manel, o Sr. Julio e o "Empresário de camionagem", Sr. Luis Lino.
 
 

A minha "costeleta"
 
Guerreiro

 
 Família oriunda da Espanha, com ramos estabelecidos em Castela e na Andaluzia, que passou a Portugal com Bartolomeu Guerrero, fidalgo daquela província e um dos vinte e quatro regedores da cidade de Sevilha, cargo hereditário somente exercido por fidalgos notórios, que a ele se habilitavam por provança de limpeza de sangue. Em Portugal o apelido passou para Guerreiro e teve grande número de varões ilustres. Fizeram assento na villa de Almodovar, onde tiveram o posto de capitães-mores das ordenanças. Seu brasão acha-se no Livro dos Reis de Armas.
 

 
AS FESTAS
 
As festas da Dogueno realizaram-se pela primeira vez em 1980 e prolongaram-se por esta década. A última foi em 1994. Hoje, 11 de Outubro de 2008, irei "postar" umas recordações que o Jorge me enviou.
 
 
Os  Radialistas de serviço na primeira festa.
O locutor, Rui e o técnico de som, Tó Manel.
Ao fundo eu, de camisa Havaiana - era moda na época, dou orientações....
 
 
Jantar no dia seguinte à festa. Ano ??. Foto de Jorge Lourenço
 
 

PASSAGEM DE ANO 1987
Fotos Jorge Lourenço
 
 
Olhem só para este três meninos - Michel, Horácio e JL
(Casa do Parente Xico)
 
 
Cidália, Nélia, Sara, Jorge, Elisabete, Tininha...no mesmo ano.
Já têm filhos (quase) com idade de ir para a tropa.
 
 
Quem tem mais estilo? acho que é o Sr. Luis, mas o Aurélio não fica atrás!
 
 
O grande dinamizador das Festas - Carlos Manuel a preparar-se para cantar uma "moda"
 
 
Rap Alentejano, foi criado nesta ocasião.
Em segundo plano, o sr Luis e o seu pai Manuel Lino (RIP)
 

 
 
 
Agosto 2008 - O desporto favorito
 
 
 
Prova de Ciclismo
1984
 
 
Chegada à meta do vencedor
 
    
 
e a chegada dos outros
 

OS PUTOS
 
 
Reconheço o Bruno no Kart, Rodolfo na bicicleta maior e o irmão (?) na outra, o filho do Zé Fernandes, o Nuno da Otelinda e o Rui cigano . Possivelmente em 1988.

 
 
Toi, Bruno e Rui em 1988
 
A Bilheteira das Festas
 
 
Nélia & Silvia (e sobrinha)

Momentos das Festas
  
 
Duarte a aviar "mines". Ao fundo Srs. José Francisco, Álvaro, e o primo Jorge, das bananas
 
 
1984 - O recinto da festa, visto a partir do palco. O miúdo é o Bruno e já tem 26 anos!!!
 
 
 
O recinto das festas noutro ano - Foto AMM Mestre
 
 
Carlos Granito em plena actuação


O Rancho Folclórico, anos 80

 
 
Numa das primeiras festas, a quermesse estava "decorada" com um enorme pára-quedas cedido pelo filho do Ti António Isabel (Manuel Isabel). O Fiat 128 era o do Zé (da Leontina?)
Foto AMM Mestre
 
 
A procissão volta para o adro. Carregando a cruz vai o Carlos Alberto.
15 de Agosto de 198?
 
 
Decoradoras da Festa, Sónia e Anabela 1985(?)
 
 
Provavelmente em 1985, Sandra e prima Ni, Bruno e Anabela.


A malta nova que passava as férias na Dogueno - 1980
 
 
Tão jovens que eles eram - Sónia, Ângela e El Assombroso Jorge


 

OUTRAS PERSONALIDADES FAMOSAS, NASCIDAS NA DOGUENO
 
Visitem este sítio e descubram coisas interessantes sobre o nosso Reinaldo (Costa)
 
 

 

 
 

 
 
Queres colaborar e ajudar a desenvolver esta página? envia comentários e fotos para
 

dogueno@gmail.com

 
Actualizado em 2 de Dezembrode 2008 23:46
REDACÇÃO
 
 
 
Gosto como termina "Nós gostamos muito da nossa terra". Nesta altura (Tó Manel diz lá, de quando é isto?) ainda havia 2 restaurantes, 3 padarias, 3 mercearias, 1 minimercado, 1 sapateiro, 2 táxis e imaginem... um ABEGÂO... adivinhem quem era!

ABEGÃO
 
 
 Então cá está a parede lateral da oficina do ABEGÃO.
 Oficina do Mestre Luisa
 
 
Com esta fotografia,ganhei 100 contos num concurso, em 1987.

 
 
Comadres
 
 

 
Gertrudes e Jorge
 
 
A minha avó "xtrudes" faria hoje 100 anos
23/10/1908 - 10/9/2000
 
 
 
 
Bisavó Maria Teresa, falecida em 1961.
 

       

 
1961 - eu, ainda, rapaz de colo e o Rui com os avós na horta
 
 

TRINDADE
1961 - O Rui e eu ao colo da mamã

"COUSAS" MUITO ANTIGAS
 
 
Casal Mestre, Custódia e António, possivelmente anos 30
Foto AMM Mestre
 

Tó Manel, diz lá em que ano foram tiradas...


A Guerra em Angola
Por causa do início da guerra, o meu pai "recambiou-nos" por uns tempos para aqui e por aqui aprendi a andar, mal imaginando a vida de "cão" por que temos de passar...
 
       1961- eu ensaiando os primeiros passos na Dogueno.
À direita a casa da minha Bisavó (hoje da Mirita) e o Piloto, cão do "lifonso", seria?
o pavimento - "picada" como em África!

POSTAL das FESTAS
 
 
 A fama das festas chegou aos postais ilustrados

MISSA CAMPAL
 
 
 Com a presença do Bispo de BEJA (1981)
 
 Também no

 FACEBOOK



 
 

Brasão de Almodôvar   

                

Brasão de Santa Cruz
 
 
 
 Duas panorâmicas da Dogueno 
Foto de Rui Guerreiro
 
Dogueno é uma localidade, Monte como se diz no Alentejo, situada junto à estrada nacional n.º 2 - EN2, a 12 km da sede de Concelho - Almodôvar. Dista cerca de 60 km de Faro, 80 km de Beja e 220 km de LIsboa.
 
 
Para ver no Google Earth necessita instalar
 
 

 O Distrito de Beja
 

 

Possui, actualmente cerca de 120 habitantes devido à "desertificação" do interior do país.
 
Todo o trânsito para o Algarve passava por aqui, até à abertura do IC1 e posterior construção da A2. Foi perdendo importância com a abertura destas duas vias e foi votada ao esquecimento. As mais de 300 curvas - dizem que são 365 - até Faro e a degradação do pavimento afastaram os potenciais turistas da maravilhosa paisagem da Serra do Caldeirão que começa a 5 km daqui...
 
No ano de 2003, devido à realização do Euro 2004 e à previsão de "invasão" de turistas, sobretudo espanhóis, a EN 2 foi totalmente repavimentada entre Almodôvar e S. Brás de Alportel. O IEP, Instituto de Estradas de Portugal editou um interessante livro sobre a construção desta estrada, considerada uma "Estrada Património". (Obrigado Paula)
 

Estradas património : EN 2, Almodôvar, S. Brás de Alportel : da planície alentejana ao barrocal algarvio / Instituto das Estradas de Portugal. – Almada : IEP, d.l. 2003
ISBN 972-8498-07-1
€ 30,00
 (um bocado "carote", para 150 pgs, formato 15x25)
 
É possível, agora, e com mais conforto, fazer a viagem até ao Algarve e vice-versa. Muitos turistas têm aqui o seu ponto de retorno, depois de um passeio pela Serra.
 
 
Actualmente, possui apenas,  um Café com Restaurante - o outro foi encerrado em 2007, pelo proprietário, devido às exigências da Lei que os obriga  a grandes obras de beneficiação. Ah... já me esquecia! tem ainda uma VENDA, que vai resistindo à modernidade e também à ASAE... até ver.
 
Existe uma (grande) Oficina  de reaparação automóvel e o parente Chico possui uma loja de Antiguidades.
 
Uma tradição de há muitos anos, é o fabrico e "exportação" de pão caseiro alentejano, em tempos amassado à mão. Hoje existe uma padaria industrial que abastece algumas localidades do Algarve.
 
Também há quem se dedique à exploração e comércio de cortiça, muito vulgar nesta zona.
Todas estas indústrias são de cariz familiar.
 
A "desertificação" não é mais acentuada devido ao retorno de muitos seus filhos que depois de muitos anos emigrados e imigrados, voltaram para viverem uma vida mais sossegada, longe do buliço das urbes. Também é verdade que outros, poucos, de fora adquiriram aqui propriedades e passaram a residir por cá.
 
População do concelho de Almodôvar (1801 – 2004)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2004
5945 8215 11089 14180 16028 10637 8999 8145 7650
Fonte
 
Também possui uma pequena igreja, erguida nos anos 80. Como é fácil de calcular, devido ao envelhecimento da população, por norma é utilizada para velórios e celebração de homilias em memória dos que já partiram!
 
Em 1980 realizaram-se as primeiras festas da Dogueno. Inicialmente pensadas como meio de angariação de fundos para a construção de um centro de convívio para a população, em que se previa, também, a construção de uma pequena igreja - apenas esta última foi edificada - as festas tiveram enorme sucesso na década de 80. Incluiam diversas provas como ciclismo, tiro aos pratos, cavalhadas, jogos populares e o famoso arraial e bailarico e ainda fogo de artifício.
  Irei colocar fotos e outras lembranças interessantes dessa época.
 A última festa ocorreu em 1994...
 

A todos os que aparecem nas fotos e que por motivos de direito de imagem não queiram ser expostos aqui, por favor, queiram indicar para dogueno@gmail.com


Informação sobre localidades próximas da Dogueno em
 

AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS
 
 
O Café Abóbora, em 2006
 
 
 
O Café-Restaurante do Sr Manuel Francisco
 
 
 
Nos Anos 70, estas casas eram duas VENDAS
 

    
         
Continuação da curva da imagem de cima - à direita a casa do Ti Zé Diogo, neste momento o homem mais velho do Monte - 96 anos
 
 
1988 - Resistente - uma verdadeira pérola no meio da modernidade da ASAE, hoje mantém o mesmo aspecto
 
 
O parque infantil, situado no espaço da escola, vendo-se ao fundo a Oficina do Manel
 
 
Saída para a Telhada e Corte Figueira
 
 
Quem chega à Dogueno vindo pela  Telhada/Corte Figueira, só tem duas opções!
 
  
Numa terra de agricultores, eis o que resta...
 
 
 
Esse é o mesmo tractor quando estava no activo, mas já velhote.

Tem exactamente 42 anos, foi adquirido em 1966.
Foto Jorge Lourenço
  
 
  João Veado 
 
OUTRAS MEMÓRIAS
 
 
 
Do fundo do Baú-1979
Eu, de "flober" e o Vitorzinho - hoje Vitorzão, a observar!
 

Se existisse cá um "Overhaulin" fazia uma partida ao António Zé e mandava restaurar esta carripana 2 CV.

 

 
 2008-Volta a Portugal em Bicicleta - Heli RTP "pousado" numa eira da Dogueno
 
 
 
A "Volta" em 2007, na "altura" da Cabana - Fotos de Rui Guerreiro
Em baixo
"Com os Bofes de fora", depois da Serra do Caldeirão

SERVIÇOS PÚBLICOS
 
O Poço do Monte

 O Poço do Monte, inaugurado em 1966 era o local onde todos se abarteciam de água potável. Hoje, (quase) todos possuem água canalizada mas muita gente prefere beber a água daqui. Fotos de Rui Guerreiro
 
 
Ao lado do poço, a Junta de Fregesia da altura, também construiu uma "lavandaria". A cobertura foi acrescentada posteriormente - anos 80, talvez; em baixo a "maquinaria".  
 
 
Em baixo, as ovelhas do mestre Aníbal, com o Poço em fundo.
 
 
 
 POSTO MÉDICO
 
 
O Postode Médico - cá, podemos ficar doentes de 15 em 15 dias!
 

AGRICULTURA
 
Outrora terra de trigo, centeio e cevada onde todos os espaços eram cultivados, hoje, apenas as pequenas hortas vão resitindo ao tempos e desertificação - os camelos não existem aqui, porque ficaram todos no Terreiro do Paço a deixar o país definhar.
 
 
Ameixas uhmm!
 
 
Belo repolho:
 
 
 As flores que decoram as ruas e quintais do Monte
 
 
 Um girassol de jardim
 
 
Um malmequer?
 
 
 
O PATRIMÓNIO
 
 
O caminho da Fábrica.
A "fábrica" era uma moagem de cereiais que laborou até aos anos 60, visível ao fundo. Votada ao abandono durante muitas décadas, foi adquirida por um forasteiro que a tentou recuperar para habitação. O restauro aguarda melhores dias...
 
 
De cá para lá - a Fábrica à esquerda. Ao fundo o que resta a Oficina do Sr Baião.
 
 
 A fábrica na actualidade. Em baixo, vista de quem vem do Poço do Monte.
 
 
 
 
Da Idade da Pedra
 
 
 As casas alentejanas costumam ser "rasteiras", mas esta é uma excepção
 
 
Mais dois aspectos da Dogueno
 
 
 
 
 
 A arramada do meu avô. Foi restaurada e já não corre o risco de derrocada
 
 
Outra à espera que não a deixem caír de todo...

 
A parte mais antiga do Monte. Dizem os mais velhos que estas são as casas mais antigas do povoado, que, afirmam ter mais de 500 anos. D. Sebastião e seus Cruzados terão passado por aqui, a caminho de África para combater os infiéis...teve azar!
 
 
As casas mais antigas - consta que estavam ligadas entre si, e ao exterior por túneis secretos que permitiam a fuga em caso de ataques dos "guerrilhas", será verdade? foram "estórias" que ouvi o meu avô contar!
 
Obrigado Mestre (Coelho) pela dica sobre os "guerrilhas". Depois de pesquisar (pouco) descobri que existe muita coisa na "rede" sobre o famoso Remechido (ou Remexido). Aqui ficam algumas ligações
 
 
 
 
 
 
No cimo deste "cabeço" foi onde começou a história da Dogueno!
 
 
 

O JARDIM
 
 
Há uns anos a Autarquia decidiu arranjar este jardim, criando assim, um espaço de lazer também conhecido pelo " Tribunal " (por fazer os juízos sobre os assunto que preocupam os seus habitantes). Em Dezembro de 2006
 
 
 
Outro aspecto do jardim, com um banco dos Juízes em primeiro plano.
 
 
O Jardim em 3 de Dezembro de 2006
 
 
E no dia 15 de Agosto de 2004
 
 
Existe, também uma estação de CTT, apenas para entrega postal... em tempos existiu uma extensão de correios e telefone público, antes dos TLM e Internet; já ninguém manda postais!
 
 
 
OUTRAS ACTIVIDADES
Matança do porco
Fotos Jorge Lourenço
 
Cada vez mais raro. Este ritual mantém-se, embora os "donos da Europa" o queiram tentar abolir. Qualquer dia o Governo manda a ASAE aos montes alentejanos verificar se os bichos são mortos com dignidade e asseio( não vá a população contraír uma doença qualquer e depois não há hospitais para os tratar, porque eles os encerraram...).

                             

 
 
Ora aí está ele limpinho...
 
 
Outra "matança" 
 Acho que reconheço os Srs José Francisco, de forquilha e Francisco Jerónimo, de boina
Foto AMM Mestre
 
 
Acabam nestas deliciosas febras

O BARBEIRO DE SEVILHA DE VISITA À DOGUENO
 
 
É assim que se despem os borregos...

DIVERSÃO
 
Foto Jorge Lourenço
 
 
 
Os alentejanos são "danados" prá bricadeira... aqui vemos dois em acção, a caminho de um bailarico...
 
A CASA DE CANTONEIROS
 
Foto Jorge Lourenço
  
 
 Durante muitos anos serviu de base à manutenção da Estrada Nacional. O seu último e único cantoneiro, foi despejado pelos "donos" leia-se ESTADO. A casa encontra-se em degradação e terá o fim semelhante a outras que se conhecem pela Serra do Caldeirão.
 
 
Casa de cantoneiros a seguir aos Besteiros - Recuperada/Abandonada, o seu estado de conservação é razoável, pois tem as portas e janelas emparedadas.

 ENTRADA da DOGUENO
 
 
 A primeira casa do Monte, quando se vem de Almodôvar é a do Jorge!
 
 Foto Jorge Lourenço
 
OOOLD STUFF
 
 
1928 - Jorge Mateus (15/10/1906 - Fornalha -15/08/2004- Dogueno)
"Alistado em 3 Agosto de 1927, Encorporado a 4 de Novembro, Pronto da Escola de Recrutas em 17 de Janeiro de 1929 e Licenciado  em 1 de Março para servir até aos 45 anos"
 in Caderneta Militar.
Faleceu quase a chegar aos 98... 
 
                            
 
3 páginas da Caderneta Militar
 

 
 
 1962 - Belmira, Ercília, Adélia
 
 
A Maria do Nascimento bebé com a mãe dela e a minha
Data a ver
 

1 Maio 1954 - Ribeira do Vascão

 
 
As minhas tias Belmira e Ercília, junto ao fontanário da Casa de Cantoneiros, final anos 50(?)
 
 
 
DESCOBRI NO YOUTUBE ESTE VÍDEO DE UNS TIPOS QUE VÃO DE ALMODÔVAR ATÉ À ESTRADA DE ACESSO AO MONTE DA RIBEIRA EM APENAS 10 MINUTOS...
 
 
PASSAM PELA DOGUENO AOS 6:40
("gandas" malucos, embora a condução me pareça segura)
 
FORNOS
 
 
Não há muitos anos, todas as famílias coziam, quinzenalmente, uma fornada de pão. Hoje vão as carrinhas de porta-a-porta vender o dito, amassado à máquina.
 
 
Em cima o Forno Púbico
 
 
 
O forno da Ti Custódia, servindo de garagem em 2005
 
 
 
Comadre "Xtrudes" preparando o forno para cozer o panito - anos 90
Foto AMM Mestre

AMASSANDO O PÃO - Anos 90
 
 
No tempo da minha avó, toda a gente amassava e cozia o seu próprio pão. Aqui a vemos em pleno acto de exercitação dos biceps. Amassar um alguidar (de barro) de farinha corresponde a 2 horas num ginásio a levantar pesos.
 
 
Colocando o pão na pá
 
 
e de seguida no forno
 
 
 
 
 
O Pão a cozer e o tabuleiro com as "costas" - pequenos pães feitos da mesma massa, mas à qual são adicionados ovos e azeite (acho).
 
 
Comadre Custódia

Gary Cooper
 
 
Não, não é o Gary Cooper! é o Ti António Mestre com o seu jumento que fazia as delícias da pequenada. O artista sentado no bicho é o Bruno. 1988 ?
 
 

23 de Outubro 1998
 
 
No dia em que a avó Gertrudes fez 90 Anos e eu 38
Hoje, 15 de Outubro, o meu avô faria 102 anos.
O tio Manuel Joaquim já vai nos noventa e seis!!!
alentejanos destes já não se fazem.
 
 
1996 - Foto de famíla - alguns já partiram,
(ano em que o avô fez 90 anos)
»»»saudades do meu tio Zé«««
 
 
Clark Gable - digam lá se o Tio Manuel Joaquim não parece uma estrela de Hollywood?

LIGAÇÕES INTERESSSSSSSSANTES
 
Associação de Caçadores de que faz parte o "conterrâneo" Jorge Lourenço
 
 
O "QUASE" DRAMA DA DOGUENO
 
 
 Para quem já não se lembra, aqui fica a notícia que correu Portugal em 1968
 
            
      
 
Revista FLAMA de 2 de Fevereiro de 1968
                            
 
Um recorte do jornal "O Século"
 
 
Outubro 2008 - 40 anos depois, o muro onde estamos a "rastejar" na foto da Flama
 
 
1968- César, Jorge e Rui
 
 
Eu, junto ao poço, em 2006

ANO LECTIVO 1943 - 1944 
 
 
 
Capa do  livro de presenças às aulas. Este livro foi encontrado nas ruinas do local onde decorriam as aulas naquela época, pois só mais tarde o "fascista" Salazar mandou construir a escola, que os "democratas" de hoje mandaram encerrar por insuficiência de alunos...
 

    Lista dos rapazes

 
  Lista das raparigas
 

"UMA MENTALIDADE NOVA FARÁ RESSURGIR PORTUGAL"

Está a demorar muito tempo a mudar as mentalidades...


ANTIGAMENTE...
 
                    
1966 - a Minha madrinha Marília de visita à Dogueno. Da esq. para a Dir.
Marília, Elisa, Tio Manuel Mestre, Avô , Tia Ercília, Avó e Alcino.
Os putos são o Zé e Tó Manel.
O carro é um Ford Cortina, matrícula de Angola     

PARTIDA PARA ÁFRICA
 
   
1957 - As tias Belmira e Ercília, em Alcântara, na partida do paquete Moçambique que levou a minha mãe para Angola. Quem as descobre na multidão?
 
 
Luanda - Angola, 1956 - O "artista" da NSU é o meu padrinho Álvaro, futuro
campeão angolano de motociclismo. À direita o proprietário da motoreta, meu pai.

 

"Ti" Zé Diogo e seu Peugeot, volante à direita, anos 80
(actualmente com 98 anos de idade)
Comments