TCC - Trabalho de Conclusão de Curso
Engenharia Agrícola
4º Ano - 2013
  • Avaliações:
    • Resultado das avaliações das propostas reapresentadas: Veja aqui.

 
Datas:
 03/06/2013

  • Data limite para apresentação da parte escrita fase 1:
    • Introdução;

    • Revisão bibliográfica;
    • Material e Métodos;

    • Resultados Parciais e/ou Esperados; e

    • Bibliografia.

  • Conforme regulamentação aprovada pelo Colegiado de Eng. Agrícola (Ata nº 008/2006, de 13/09/2006).
  • Deverá ser protocolado uma cópia do material escrito referente a fase 1.
    • Seminários Fase I: 
      • Aguarde
    Documentos modelos:

    Ementa

    Trabalho relacionado com as áreas de atuação do Profissional Engenheiro Agrícola: Projeto técnico profissional ou Pesquisa científica ou Programas aplicativos.



    Objetivos

    • Complementar conteúdo em áreas específicas do curso de Engenharia Agrícola;

    • Prover experiência em execução de trabalhos Técnico-científicos;

    • Prover experiência relacionada ao futuro exercício profissional do acadêmico.



    Conteúdo Programático

    • RESOLUÇÃO Nº 304/2004-CEPE: Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste.

    • Normativa do TCC para o Curso de Engenharia Agrícola (Ata nº 008/2006 – Colegiado de Engenharia Agrícola, de 13/09/2006).

    • Normas ABNT:

    • 14.724 de agosto 2002: Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação;

    • 6.023 de agosto de 2002: Informação e documentação - Referências – Elaboração;

    • 10.520 de agosto 2002: Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação;

    • Desenvolvimento de trabalho individual, sob a orientação de um docente.



    Atividades Práticas - Grupos de ____alunos

    A cargo do orientador do TCC.



    Atividades Práticas Supervisionadas - Grupo de 01 aluno.

    Desenvolvimento de trabalho individual, sob a orientação de docente.



    Metodologia

    •  Apresentação das resoluções normativas do TCC da Unioeste e para o curso de Engenharia Agrícola;
    • Apresentação de Edital definindo cronograma para o ano letivo de 2007

    • Apresentação das normas NBR para confecção do TCC;

    • Desenvolvimento do trabalho sob orientação individual de docente.



    Avaliação


    • Os critérios, notas, pesos, procedimentos, instrumentos e periodicidade de avaliação seguirão o disposto na normativa do TCC para o Curso de Engenharia Agrícola (Ata nº 008/2006 – Colegiado de Engenharia Agrícola, de 13/09/2006), sendo:

    Artigo 14 - A avaliação da disciplina TCC será feita em duas etapas distintas, em datas e horários a serem divulgados por Edital.

    § único - Todas as notas referentes à avaliação desta disciplina compreenderão valores entre zero (0) e cem (100) e ficarão sujeitas, nas composições, aos critérios de arredondamento estabelecidos pela Secretária Acadêmica.

    Artigo 15 - Na primeira etapa a avaliação consistirá de seminário proferido pelo acadêmico, com tema versando sobre seu trabalho e na forma a seguir estabelecida.

    § 1º - serão objetos de avaliação e apresentação oral e gráfica do trabalho bem como seu mérito e conteúdo. Recomenda-se aqui a estruturação do trabalho em partes distintas e adaptadas à sua realidade, tais como: Introdução, Revisão Bibliográfica, Material e Métodos, e Resultados Obtidos ou Esperados;

    § 2º - ao seminário será atribuído uma nota, dada pela regência da disciplina ou docente por ele indicado (nota N1); sendo ítens de avaliação: 1. Organização; 2. Clareza na Exposição; 3. Uso dos Recursos Audiovisuais; 4. Desempenho na Argüição e 5. Outros quesitos para a avaliação.

    § 3º – ao texto será atribuído uma nota pelo professor orientador (nota N2); sendo ítens de avaliação: 1. Introdução; 2. Revisão de Literatura; 3. Material e Métodos; 4. Resultados Parciais ou esperados; 5. Assiduidade e 6. Outros quesitos para a avaliação.

    § 4º - as notas estabelecidas acima - N1 e N2 - terão peso idêntico e sua média aritmética simples irá compor as notas para os dois primeiros bimestres da disciplina;

    § 5º - Os seminários ocorrerão durante o segundo bimestre do ano letivo, a tempo de cumprir o previsto no calendário escolar vigente;

    § 6º - O não cumprimento do estabelecido no inciso § 8º do artigo 13 implicará na perda do direito à apresentação do seminário.

    Artigo 16 - Uma freqüência mínima de 75% aos seminários é obrigatória para os acadêmicos matriculados na disciplina.

    § 1º - O Colegiado do Curso e professor regente da disciplina determinarão datas e horários de modo a se evitar o prejuízo da freqüência às aulas das disciplinas regulares;

    § 2º - Acadêmicos que não satisfizerem o índice estabelecido no caput deste artigo perdem direito à defesa do TCC no ano letivo vigente.

    Artigo 17 - Na segunda etapa o trabalho será julgado em sua versão final, conforme o Artigo 5º, e com maior peso para uma defesa oral perante banca examinadora, na forma a seguir estabelecida, sendo atribuídas nesta etapa duas notas:

    § 1º - Nota atribuída pelo professor orientador (nota N3), sendo ítens de avaliação: 1. Cumprimento das atividades estabelecidas; 2. Interesse pela orientação; 3. Assiduidade nos horários de atendimento e 4. Outros quesitos para a avaliação; refletindo a avaliação deste sobre o desempenho de seu orientado durante todo o desenvolvimento do trabalho;

    § 2 º - Nota atribuída pela banca examinadora - (nota N4), sendo ítens de avaliação: O texto escrito, quanto à 1. Introdução; 2. Revisão Bibliográfica; 3. Material e Métodos; 4. Resultados e Discussões; 5. Conclusões e 6. Outros quesitos para a avaliação, refletindo seu mérito e conteúdo. A apresentação oral do trabalho, sendo ítens de avaliação: 1. Organização; 2. Clareza na Exposição 3. Uso dos Recursos Audiovisuais 4. Desempenho na Argüição; e 5. Outros quesitos para a avaliação; refletindo a avaliação deste sobre a aptidão do acadêmico em responder a questionamentos pertinentes ao trabalho desenvolvido.

    § 3º - as notas N3 e N4 terão pesos diferentes, respectivamente 30% e 70% e a média ponderada assim estabelecida irá compor as notas dos dois últimos bimestres da disciplina.

    § 4º - A nota da banca examinadora - nota N4, compreenderá a média aritmética simples das notas lançadas por cada um de seus membros.

    § 5º - As defesas ocorrerão durante o quarto bimestre do ano letivo, a tempo de cumprir o previsto no calendário escolar vigente.

    § 6º - O não cumprimento do estabelecido no inciso § 9º do artigo 13 implicará na perda do direito à defesa de TCC.

    Artigo 18 - O exame final da disciplina TCC, quando ocorrer, corresponderá à reapresentação do trabalho à banca examinadora.

    § 1º - deverão ser supridas, obrigatoriamente, as deficiências verificadas pela banca na defesa anterior, sob pena do trabalho não ser submetido à nova apreciação;

    § 2º - a banca examinadora será formada, preferencialmente, pelos mesmos membros que participaram da defesa inicial;

    § 3º - a data do exame final obedecerá ao previsto em calendário divulgado pela Secretaria Acadêmica;

    § 4º - a nota do exame final será a média aritmética simples daquelas lançadas pelos membros da banca examinadora.




    Bibliografia básica

    ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Informação e documentação - Referências – Elaboração: NBR-6023. São Paulo, 2002.

    __________. Informação e documentação – Citações em documentos – Apresentação: NBR-10520. São Paulo, 2002.

    __________. Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação.: NBR-14724. São Paulo, 2001.

    CRUZ, Carla & RIBEIRO, Uirá. Metodologia científica: teoria e prática. Rio de Janeiro: Ed. Axcel Books, 2003. 218p.

    PASQUARELLI, Maria Luiza Rigo. Normas para a apresentação de trabalhos acadêmicos [ABNT/NBR-14724] - 2 ed. Osasco: [EDIFIEO], 2004. 60p.

    UNIOESTE. Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste. RESOLUÇÃO Nº 304/2004-CEPE. 2004. 9p.

    UNIOESTE. Normativa do TCC para o Curso de Engenharia Agrícola (Ata nº 008/2006 – Colegiado de Engenharia Agrícola, de 13/08/2006). 2006. 6p.