SIMULAÇÃO DE UMA REUNIÃO DIAGNÓSTICA DE CONSELHO DE TURMA

INTEGRANTES DA REUNIÃO DIAGNÓSTICA

  1. Diretor da escola e coordenador que acompanha o projeto (caso não seja possível a presença do diretor escolar, ele pode se ausentar, mas o coordenador do projeto, jamais pode faltar)
  2. Diretor de turma
  3. Todos os professores da turma
  4. Liderança de sala - líder e vice (caso não seja possível está os dois representantes de sala, que esteja ao menos um)
  5. Representantes de pais da turma (peças fundamentais para a realização da reunião)
  6. Secretário para digitar a ata da reunião (uma pessoa que esteja disponível para digitar a ata, menos o diretor de turma. Na ata, deve conter todas as informações e fala de todos os integrantes da reunião).


ANTES DA REUNIÃO DIAGNÓSTICA

Escolha da liderança de sala (líder e vice)

Escolha dos representantes de pais da turma

Convocatória aos professores (entregar com 8 dias de antecedência)

Comunicado da reunião aos representantes de pais da turma

Comunicado da reunião aos representantes de sala (líder e vice)

Avaliação dos alunos

Relatório da ficha de caracterização da turma


DURANTE A REUNIÃO DIAGNÓSTICA

PAUTA DA REUNIÃO

PONTO 01: Informações do núcleo gestor
PONTO 02: Entrega de instrumentais aos professores da turma
PONTO 03: Análise e reflexão com os representantes dos pais e  dos alunos sobre  a  dinâmica da turma
PONTO 04: Caracterização da turma
PONTO 05: Avaliação diagnóstica da turma
PONTO 06: Outros assuntos

Observação: Fazer uma reunião por vez, separadamente por cada turma. Tempo da reunião por turma, aproximadamente 2 horas (no mínimo).

PONTO 01: Informações do Núcleo Gestor

Na data, local e horário previamente combinados, contando com a presença de todos os convocados, o núcleo gestor faz a acolhida dando as boas vindas a todos, apresentando cada pessoa com sua função a todos os membros da reunião. Após cumprimentar os presentes, o diretor da turma passa a presidir a reunião dando início à reunião.

PONTO 02: Entrega de instrumentais aos professores da turma

Nesse   momento, todos os presentes recebem o registro fotográfico dos alunos  e, somente aos  professores,  são distribuídos  os  demais  documentos: mapa de sala, ficha de caracterização da turma, registro de intervenção disciplinar e os horários da turma e do diretor de turma (dentro de uma pasta, para posterior utilização) e explicada significação e a importância desses instrumentais para cada professor.

Observação: O diretor de turma poderá fazer sua apresentação através de slides contendo o horário da turma, o horário do diretor de turma, o registro fotográfico, o relatório da ficha de caracterização da turma e mapa da turma. Faz a entrega de papel, somente de dois instrumentais: o mapa da turma (contem o nome, número e foto do aluno) e a ficha de caracterização da turma, visando numa melhor economia de papeis (xerox).

PONTO 03: Análise e reflexão com os representantes dos pais e dos alunos sobre a dinâmica da turma

O presidente da reunião (diretor de turma) agradece a presença do representante dos pais,  em seguida, convida-o a dar um depoimento (em seu nome e em nome da comunidade que representa) sobre o desempenho geral da escola, sobre a atuação do diretor de turma e sobre as mudanças que o Projeto Professor Diretor de Turma e a disciplina formação para a cidadania possam ter causado no comportamento de seu filho, em particular, e nos demais alunos da escola. 

É orientado a divulgar, na comunidade, o trabalho realizado pela escola e, principalmente, a propagar a importância da participação dos pais na educação dos filhos, uma vez que a presença da família na escola proporciona enormes benefícios à formação e desempenho cognitivo dos alunos. 

Imaginando-se que os  representantes  de pais não tenham disponibilidade de tempo nem acesso a toda comunidade, seria conveniente que a própria escola proporcionasse essa aproximação. O ideal seria que, por ocasião das reuniões de pais, fossem disponibilizados tempo e espaço (salas de aula), onde pudessem ficar a sós, com o representante de pais de cada turma, a fim de discutirem sobre o desempenho da escola, de seus profissionais e, também, apontassem sugestões para aprimorar a qualidade do atendimento aos alunos. Como mediador entre a comunidade e a escola, o representante se encarregaria de repassar a avaliação e as sugestões do grupo, em momento oportuno

Acatar sugestões factíveis e bem argumentadas denota bom senso por parte do gestor. É muito importante que, na medida do possível, as sugestões dos pais e dos alunos sejam ouvidas e atendidas. Caso contrário, o diretor da escola assume o compromisso de justificar os motivos da impossibilidade, através de argumentos bem fundamentados, a fim de evitar insatisfações. As duas medidas revertem-se em oportunidade de fortalecimento e estreitamento da relação entre a família dos alunos e a comunidade escolar.

Deve ser lembrado aos alunos que, tanto sua condução na avaliação realizada pela turma, quanto sua participação na reunião diagnóstica, para expressar a opinião do grupo, constituem exercícios de liderança. O presidente da reunião (diretor de turma) solicita que, olhando para o registro fotográfico, relacionem um conjunto de informações sobre os alunos, obedecendo à sequência em que aparecem nas fotos.

De posse das informações colhidas, na reunião prévia, com a turma, os alunos começam a expor informações relativas a atitudes de seus colegas. Todos os presentes acompanham, anotando nas fotos através de legendas (a serem definidas), com caneta de tinta vermelha, à medida que os nomes e números dos alunos forem sendo mencionados. 

Após as informações expostas sobre os alunos, é oportuno que o diretor de turma ressalte a importância do “mapeamento” da turma, recurso
utilizado para controlar a distribuição dos alunos na sala de aula. No espaldar  de cada carteira deve constar o nome de um aluno (com  revestimento plástico). O diretor de turma encarrega-se de escolher a posição das carteiras, tendo o cuidado de manter afastados os “grupinhos inseparáveis”  dos   alunos, entre outros aspectos. A princípio, os alunos reclamam, mas, com o passar do tempo, reconhecem os benefícios.

Além de disciplinar o aluno a respeitar sua posição na sala de aula, outra grande vantagem do mapeamento é evitar a perda do precioso tempo
das aulas, com as chamadas, bastando que os professores registrem as faltas que correspondam às carteiras vazias.

O mapeamento, feito pelo diretor de turma, deve ser respeitado por todos os demais professores. Durante a realização de trabalhos em grupos, as   carteiras podem ser retiradas dos locais, porém, terminados   os   trabalhos,   devem  retornar   aos   seus   lugares   de origem. É fundamental que
os alunos percebam, sempre, a mesma postura em todos os profissionais da escola, tanto nas atitudes simples quanto nas mais significativas. Torna-se   mais fácil a aceitação e  internalização das posturas.

O Presidente da reunião (diretor de turma) pede aos alunos que, considerando as características da turma, sugiram temas a serem trabalhados nas aulas de formação para a cidadania.

Prosseguindo com a avaliação da  turma, o líder e vice-líder passam a relacionar os alunos que apresentam maiores dificuldades de aprendizagem,   apontando possíveis intervenções para sanar as dificuldades. (A indicação de fazer as anotações nas fotos, com caneta de tinta vermelha, continua).

É comum os alunos sugerirem que os professores procurem motivar mais suas  aulas,  pois, quando estas são estimulantes, os alunos costumam   superar as expectativas. Também sugerem que os melhores alunos ensinem aos que têm dificuldades. 

Os melhores alunos da turma, possíveis monitores, são citados. Em seguida, líder e vice-líder, são convidados a dar início à avaliação dos professores.

“Avaliação dos professores”: o diretor de turma pede aos alunos que passem a apontar
os pontos positivos e as sugestões para melhorar a qualidade de ensino nas aulas de cada professor. (Nesse momento, é fundamental que o condutor da reunião aja com bastante diplomacia, para evitar clima de constrangimento e hostilidade entre professores e alunos. Para que o momento seja, verdadeiramente, ocasião de crescimento profissional e conscientização de mudança de postura, por parte dos alunos, cada ponto negativo mencionado deve ser esmiuçado. É fundamental que fique bem claro, para os alunos e para os professores, o que cabe a cada um deles para que as aulas atinjam sua finalidade.

É evidente que os professores não deixam de experimentar constrangimento, diante de uma   avaliação (exposição)  pública. Entretanto, da forma como os trabalhos   são conduzidos, os professores escutam o recado dos alunos (já começando a imaginar formas de conduzir suas aulas), e estes levam para os companheiros de turma a missão de conscientizá-los sobre sua  responsabilidade no  “estresse”  dos professores, que se obrigam a gastar o tempo das aulas com “sermões”, por conta do mau comportamento e desatenção dos alunos. Devem informá-los que os professores mostraram-se abertos a atender suas reivindicações, mas que será necessário que cada um faça sua parte. Ao “direito” conquistado de fazer reivindicações e dar sugestões para que os professores melhorem seus métodos pedagógicos, corresponde o “dever” de permitir que as aulas sejam bem ministradas e que os alunos, também, se responsabilizem pela própria aprendizagem. 

Os alunos prosseguem avaliando o desempenho do diretor de turma, do núcleo gestor e da escola, como um todo, sempre repassando as indispensáveis sugestões, quando o atendimento não for satisfatório. Também, transmitem informações sobre as aulas de formação para a cidadania, relatando se estão contribuindo, de fato, para a formação integral dos alunos.

Finalmente, o presidente da reunião (diretor de turma) solicita ao representante dos pais e aos alunos que avaliem a importância de sua  participação na reunião. Apesar do constrangimento provocado pela avaliação dos professores, na presença dos mesmos, normalmente, os alunos sentem-se bastante satisfeitos, pela oportunidade de expressar sua opinião a respeito da dinâmica das aulas e da conduta dos alunos, assim como pela oportunidade de espaço para que façam suas reivindicações. Quanto aos representantes de pais, alegram-se por saber que a escola está dando vez e voz aos alunos e aos pais, na busca de realizar um trabalho mais eficiente.

Os alunos são orientados a manter discrição sobre tudo que foi tratado, ao longo de sua permanência na reunião, devendo repassar à turma somente o que for adequado.
 
Observação: O diretor de turma enfatiza a importância da participação do representante dos pais e dos alunos para o enriquecimento da reunião, agradece suas presenças e os dispensa, dando sequência à reunião com os profissionais da escola.


PONTO 04: Caracterização da turma

O diretor de turma apresenta o perfil de cada aluno aos demais componentes da reunião. Traçando as características de identificação de todos.


PONTO 05: Avaliação diagnósticas da turma

Diante da apresentação do perfil de cada aluno, as estratégias são direcionadas aos alunos através do registro fotográfico.
As discussões aqui devem girar em torno dos casos mais acentuados, que requerem medidas pedagógicas.

PONTO 06: Outros assuntos

Este ponto contempla todos os assuntos não abordados/discutidos na reunião, ou seja, comunicados, esclarecimentos, informes, questões não vistas no momento oportuno pelos membros do conselho etc. E também, agradecimentos pela compreensão, paciência e participação de todos os integrantes na reunião.



DEPOIS DA REUNIÃO DIAGNÓSTICA

O diretor de turma analisa a ata da reunião e vai efetivar as intervenções. Embaixo, temos uma relação, onde o diretor de turma pode intensificar, a fim de concretizar a reunião diagnóstica.
  • Perfil de todos os professores (positivos e sugestões a melhorar)
  • Potências do núgleo gestor
  • Problemas do agente administrativo
  • Temas para a aula de formação para a cidadania
  • Informações dos alunos (familiar, disciplinar, ...)
Comments