Disciplina da yoga do sonho

Por V.M. Samael Aun Weor 

 

 

 

 

 

Download dos Livros 

 

Introdução 

 

Dedicatória

 

Significado dos Sonhos 

 

Agradecimentos 

 

  

II Livro do Mestre Samael 

 

 

Significado oculto dos sonhos


Sobre os Sonhos


Disciplina da Yoga do Sonho


O Sonho Tântrico


Prática do Retorno


O Movimento Gnóstico

 

 

Aqueles aspirantes que sinceramente anelam a experiência mística direta, inquestionavelmente devem começar pela disciplina da "Yoga do Sonho".

É ostensível que o Gnóstico deve ser exigente consigo mesmo e aprender a criar condições favoráveis para a recordação e fatigas do diário viver, convém pôr a devida atenção o estado em que nos encontramos.

Os devotos que devido às circunstâncias levam uma vida sedentária, realmente nada perdem e muito ganham, se antes de se deitarem realizam um passeio curto a passo vivo e ao ar fresco. Tal passeio relaxaria seus músculos...

Sem embargo, convém aclarar que jamais devemos abusar dos exercícios físicos; necessitamos viver harmoniosamente...

A ceia, merenda ou comida final do dia deve ser ligeira, livre de manjares pesados ou estimulantes, evitando cuidadosamente ingerir elementos que possam desvelar-nos, tirar-nos o sono.

A forma mais elevada de pensar é não pensar; quando a mente está quieta e em silêncio, livre dos afãs do dia e das ansiedades mundanas se encontra então num estado cem por cento favorável para a prática da Yoga do Sonho.

Quando realmente trabalha o Centro Emocional superior, conclui ainda que seja só por breve tempo o processo de pensar...

É evidente que o mencionado Centro entra em actividade com a embriaguez Dionísiaca...

Tal arrebatamento se faz possível ao escutar com infinita devoção as sinfonias deliciosas de um WAGNER ou de um MOZART ou de um CHOPIN, etc.

A música de Beethoven muito especialmente resulta extraordinária para fazer vibrar intensivamente o Centro Emocional Superior...

Nela encontra o Gnóstico sincero um imenso campo de exploração mística, por que não é música de formas mas sim de ideias arquetípicas inefáveis, cada nota tem seu significado; cada silêncio, uma emoção superior.

Beethoven, ao sentir tão cruelmente os rigores e provas de "a noite espiritual", em vez de fracassar como muitos aspirantes, foi abrindo os olhos de sua intuição ao Supernaturalismo misterioso, à parte espiritual da Natureza, a essa região onde vivem os Reis Angélicos desta grande criação Universal: Tlaloc, Ehecatl, Huehuetéotl, etc., etc., etc.

Vede o "Músico-Filósofo" ao largo de sua existência exemplar. Sobre sua mesa de trabalho tem constantemente à vista a sua Divina Mãe KUNDALINI, a inefável NEITH, a TONANTZIN de ANAHUAC, a Suprema ÍSIS Egípcia...

Se nos disse que o citado Grande Mestre, havia posto ao pé daquela figura adorável uma inscrição de punho e letra do mesmo, que reza misteriosa:

 "Eu sou a que foi, é e será,

e nenhum mortal levantou meu véu."

 

O progresso íntimo revolucionário, faz-se impossível sem o auxilio imediato de nossa Divina Mãe TONANTZIN.

Todo o filho agradecido deve amar a sua Mãe: Beethoven amava profundamente a sua...

Fora do Corpo Físico, nas horas do sono, a Alma pode falar com sua Divina Mãe; mas é evidente que devemos começar com a disciplina da Yoga do Sonho...

Necessitamos prestar atenção à cama em que temos de dormir; a decoração deve ser agradável, as cores mais desejáveis para os fins que se perseguem a despeito do que outros autores aconselhem são precisamente as três tonalidades primárias, Azul, Amarelo, Vermelho...

Indubitavelmente as três cores básicas, se correspondem sempre com as três forças primárias da natureza. (O Santo TRIAMAZIKAMNO) Santo afirmar, Santo negar, Santo conciliar...

Não está de mais recordar que as três forças originais desta grande criação, cristalizam sempre em forma positiva, negativa e neutra...

A "Causa Causorum" do Santo TRIAMAZIKAMNO se encontra oculta no elemento ativo OKIDANOKH, este último em si mesmo é tão só a emancipação do Sagrado Absoluto Solar...

Obviamente a rejeição das três cores fundamentais, depois de todas estas razões expostas, equivale por simples dedução lógica, a cair num despropósito, num desatino...

A Yoga do Sonho resulta extraordinária, maravilhosa, formidável, sem embargo, consegue ser muito exigente...

A recâmara deve estar sempre muito bem perfumada e ventilada, mas não inundada com o sereno frio da noite...

 

Depois de uma detalhada revisão de si mesmo e da recâmara na que temos de dormir, o Gnóstico deve examinar sua cama...

Se observamos qualquer bússola, podemos verificar por nós mesmos, que a agulha se orienta sempre para o Norte...

Inquestionavelmente é possível aproveitar conscientemente essa corrente magnética do mundo que flui sempre de Sul a Norte...

Orientemos o leito de forma tal que a cabeceira fique sempre para o Norte, assim poderemos usar inteligentemente a corrente magnética indicada pela agulha.

O colchão não tem que ser exageradamente duro nem tampouco demasiado brando; ou seja, tem que ter uma elasticidade tal que de modo algum afete os processos psíquicos do dormente...

 

Os resortes chillone ou uma cabeceira que ranja e gema ao menor movimento do corpo do dormente, constituem um sério obstáculo para estas práticas.

Se colocam debaixo da almofada um caderno ou livrete e um lápis, de modo tal que se lhe possa encontrar facilmente na obscuridade...

As roupas de cama devem ser frescas e muito limpas, deve perfumar-se o fundo da almofada com nossa fragrância preferida...

Depois de cumprir com todos estes requisitos, o asceta Gnóstico procederá a dar o segundo passo desta disciplina esotérica...

Se meterá em seu leito, e havendo apagado as luzes se deitará em "decúbito dorsal", é dizer de costas, com os olhos fechados e as mãos sobre o plexo solar.

Ficará completamente quieto durante alguns instantes e depois de se haver afrouxado ou relaxado totalmente, tanto no físico como no mental, se concentrará em "MORFEO" o Deus do Sonho...

Inquestionavelmente cada uma das partes isoladas de nosso Real Ser, exerce determinadas funções e é precisamente MORFEO (Não se confunda com Orfeo), o encarregado de nos educar nos Mistérios do Sonho...

Seria algo mais que impossível traçar um esquema do Ser, mas, todas as partes espiritualizadas, isoladas, de nossa presença comum, querem a perfeição absoluta de suas funções.

 

Quando nos concentramos com "MORFEO", este se alegra pela brilhante oportunidade que lhe brindamos...

É urgente ter Fé e saber suplicar; nós devemos pedir a "MORFEO" que nos ilustre e desperte nos Mundos Supra-sensíveis...

A esta altura começa a apoderar-se do Gnóstico esoterista uma sonolência muito especial, e então adota a Postura do Leão...

"Deitado sobre seu costado direito, com a cabeça apontando para o Norte, tira as pernas para cima lentamente até que os joelhos fiquem dobrados. Nesta posição a perna esquerda se apoia sobre a direita; logo coloca a bochecha direita sobre a palma da mão direita, e deixa que o braço esquerdo descanse sobre a perna do mesmo lado...

Ao despertar do sonho normal não devemos mover-nos, porque é claro que com tal movimento se agitam nossos "VALORES' e se perdem as recordações...

Indubitavelmente o exercício retrospectivo se faz necessário em tais instantes, quando desejamos recordar com inteira precisão todos e cada um de nossos sonhos...

O Gnóstico deve anotar muito cuidadosamente os detalhes do sonho ou sonhos no livreto ou caderno que colocou debaixo da almofada para este propósito...

Assim poderá levar uma recordação minuciosa sobre seu progresso íntimo na Yoga do Sonho...

Ainda que só fiquem na memória vagos fragmentos do sonho ou sonhos, estes devem ser cuidadosamente registrados...

Quando não ficou nada na memória, deve se iniciar o exercício retrospectivo com base no primeiro pensamento que hajamos tido no instante preciso do despertar; obviamente aquele se encontra associado intimamente ao último sonho...

Necessitamos aclarar solenemente que o exercício retrospectivo se inicia antes de haver retornado totalmente ao estado de vigília, quando ainda nos encontramos em estado de sonolência, tratando de seguir conscientemente a sequência do sonho...

A prática do mencionado exercício começa sempre com a última imagem que havemos tido instantes antes de regressar ao estado de vigília...

Terminaremos este capítulo afirmando solenemente que não é possível passar mais além desta parte relacionada com a disciplina do Yoga do Sonho, a menos que hajamos logrado a memória perfeita de nossas experiência Oníricas...