Random Thoughts 2

Here will you find some random (and most likely useless) thoughts (2008-present).

January 20, 2008

I have just read a very interesting article in The Economist. Its title was "The secret of happiness: it's in Iceland". The author reviews books by Eric Weiner and Eric Wilson on the pursuit of happiness. (Mr Wilson's book is suggestively entitled Against Happiness.) Why aren't people as happy as they could be in an age of unprecedented freedom, communication, information and wealth? According to the article: "Because happiness is now considered more an entitlement than a pursuit among citizens of prosperous countries, unhappiness has become a sign of failure, of weakness, and a prime source of dread." The article also quotes an American social philosopher, Mr Eric Hoffer, who believes that the search for happiness is one of the chief sources of unhappiness.

February 12, 2008

I have recently read several interesting books on atheism. Some of them: The God Delusion (Richard Dawkins), Letter to a Christian Nation (Sam Harris), The Soul of Atheism (André Comte-Sponville), The End of Faith (Sam Harris). They are all excellent. The most surprising one was Mr Comte-Sponville's book. He is a renowned French philosopher and his book goes beyond the usual debate on atheism. It is a very personal, yet quite universal book. I highly recommend it to everyone who has an open mind and is curious about lack of faith and related matters. I also recommend the DVD The God Who Wasn't There.

I am now reading J.S. Bach: a Life in Music by Petter Williams (Cambridge University Press, 2007). I like it so far, but I have to say that it is no match for Christoph Wolff's Johann Sebastian Bach: the Learned Musician (Norton, 2001). Mr Woff, a Harvard music professor, is widely recognized as the leading Bach scholar. 

Today's music: Actus Tragicus (BWV 106), a touching Bach cantata.

February 29, 2008

Julia Sweeney on religion: http://www.ted.com/index.php/talks/view/id/86 .

March 3, 2008 

"Ser compreendido é prostituir-se." --Fernando Pessoa

March 13, 2008

Here are some interesting and insightful quotes on the music of Johann Sebastian Bach and (the lack of) religious faith:

"Before I realised that I was atheist I used to say that Bach was God's favourite composer - and that still might be true even though I don't believe it. Obviously Bach wasn't the first composer and didn't invent opera or religious music, but he was obviously the greatest one, unless there's a missing one!'" --Mark Morris

"I'm not religious at all, I'm a flinty atheist - I think Bach does for me some of the things which religion does for other people. Bach draws me out of myself and makes me more sensitive to what's going on in my life at the time. I can find him very disturbing, and moving. To say Bach is a great intellectual composer seems to me to miss more than half of the point."  --Andrew Marr

"A lot of people think that if you listen to Bach - the quintessentially religious composer - you have to share his faith. Sometimes listening to, for example, the Magnificat or the St John Passion, you almost do need his faith, because when you have those soaring phrases and voices then you think 'what is Bach trying to do' - Bach is trying to express musically almost the purity and the ascendancy of religious faith. I'm Jewish, I don't share that faith, can I appreciate that almost trying to touch the divine - can I appreciate it and not share his faith? The answer is yes, but with reservations. I'm happier listening to it when it's not in my first language and where I can listen to the sublime soaring of the human voice and not listen to what the words really mean." --Julia Neuberger

Today's music: Bach's Cantata 106, also known as Actus Tragicus. This is one my favorite cantatas; it's definitely a top five. It may as well be my second favorite cantata, after, of course, BWV 82. 

Today I read a review by Charlotte Gardner on the BBC web site of John Butt's recent recording of Bach's "Great Passion" (St Matthew Passion). It is a OVPP (one-voice-per-part) recording, and, I have to say, it looks quite interesting. I will have to check it out.

But let me go back to the above quotes. Yes, yes, yes, I am a diehard atheist and I am also nuts about Johann Sebastian Bach's music. Is that a contradiction? I think not. Let me quote Alain de Botton (Philosopher): "Most contemporary music is about love between two people. What makes Bach's music particularly striking is that it's about the love of God. This should present a hurdle to someone who, like me, doesn't believe in God - but it doesn't. What I appreciate in Bach is his ability to suggest to me what a belief in God feels like. His music seems to me to be about devotion to a perfect ideal - something purer, better, higher..." I would go even further. When you do not believe in God you do not listen to Bach's music in search of confirmation. I agree with Daniel Dannett: most people do not believe in God; they believe in believing in God. That is, they want to believe in God. Desperately, even. And they go on pretending that they do have religious beliefs. They keep on looking for confirmation of their pseudo-faith. That's why they feel so threatened when they come across an atheist. Let me finish with another quote, this time by Germaine Greer (Writer): "I love Bach's sobriety, his industry, and his humility. I also love his desperate yearning after a god, that immediate wrench of the heart that so often twists the music, cracking the form wide open. Bach gives faith a dynamic physical form. The marriage of his music with the marching songs of Luther realises the moment when Protestantism was revolutionary and heroic, when God was a physical presence in the lives of believers, and salvation was just around the corner."

March 14, 2008

The Skeptic Annotated Bible can be found here (link in Portuguese available here).

March 18, 2008 

Bach's music is more than just music.  

March 21, 2008

Johann Sebastian Bach was born in Eisenach (Germany) on March 21, 1685. 

Happy birthday, Mr Bach!

May 10, 2008 

"He who has science and art also has religion; but those who do not have them better have religion." --Goethe

June 25, 2008  

A new study found that intelligent people are less likely to believe in God. It certainly makes a whole lot of sense to me. See The Telegraph article. In Portuguese: here

My current reading: Breaking the Spell: Religion as a Natural Phenomenon by Daniel Dennett. Mr Dennett, a prominent American philosopher, is the Austin B. Fletcher Professor of Philosophy at Tufts University. 

Today's music: Bach's Motets (recorded by Diego Fasolis, Arts). 

June 30, 2008  

Why do humans believe in God (or gods)? Last year The New York Times Magazine published a piece on that by Robin Henig entitled Darwin's God. It can be read here.

July 1, 2008 

Some thoughts on religion and science (in Portuguese): 

(P1) Algumas pessoas argumentam que não há cientistas imparciais. O fato de haver cientistas parciais não é relevante para o progresso científico, pois os cientistas precisam se expor ao questionamento de seus pares em seminários, colóquios, congressos científicos e também a rigorosos sistemas de referato nas melhores revistas de suas áreas. Eventuais deslizes são punidos com descrédito acadêmico e com dolorosos processos. Revistas científicas de boa credibilidade retiram de seus índices os raros artigos construídos a partir de fraudes ou plágios. E é bom sempre lembrar que a pesquisa científica tem (e deve ter) importantes características: reproducibilidade, falseabilidade. Na comunidade científica há um lema: pesquisa não publicada não existe. Não é literal, claro que ela "existe", mas só se atribui credibilidade a resultados científicos publicados em revistas de reconhecida qualidade.

(P2) Há muitas coisas que a ciência (ainda) não consegue explicar. E sempre haverá. A postura de muitos religiosos parece ser a seguinte: se a ciência não explica, tem que ter sido causado por Deus (ou deuses). Essa postura é a mesma dos nossos antepassados que atribuíam trovões, chuvas, raios e eclipses a Deus (ou deuses). Também é a mesma dos homens antigos que tratavam epilepsia com exorcismo.

(P3) A grande maioria das religiões (exceção feita a algumas religiões orientais) é montada em cima de um notável "wishful thinking".

(P4) Religiões são, em sua grande maioria, sistemas de superstições. A primeira definição dada pelo dicionário Houaiss para superstição é: crença ou noção sem base na razão ou no conhecimento, que leva a criar falsas obrigações, a temer coisas inócuas, a depositar confiança em coisas absurdas, sem nenhuma relação racional entre os fatos e as supostas causas a eles associadas. O Houaiss também lista a seguinte definição: crença cega, arraigada e exagerada em alguma coisa, alguma regra ou algum princípio, que se adora ou se segue sem questionar.

(P5) Chega-se, assim, a uma marcada diferença entre ciência e religião: uma é superstição e a outra não. Na ciência, há a prática do questionamento contínuo, o que inexiste nas religiões. Na ciência, ainda, as associações são feitas em bases racionais, a partir do uso da razão e de evidências, diferentemente do que ocorre no terreno religioso.

(P6) O discurso científico é muito diferente do religioso e, mais ainda, o diálogo. Cientistas não se ofendem quando seus resultados são questionados. (Aliás, eles são constantemente questionados, escrutinados.) Cientistas devem ser capazes de defender seus resultados e teorias. Por fim, cientistas nunca negligenciam teorias alternativas, principalmente aquelas que fazem assertivas excludentes, em que apenas uma pode ser verdade. No campo religioso, a realidade é bem distinta. Questionamentos e discordâncias não são bem-vindos tipicamente, e são recebidos como ofensas ou "quase-ofensas". Ademais, visões religiosas excludentes alternativas são, na enorme maioria das vezes, ignoradas. 

(P7) A quantos questionamentos e evidências empíricas foi submetida a Teoria da Evolução por Seleção Natural, por exemplo? E o criacionismo? Muitos religiosos afirmam que essas são duas "teorias" e que não há evidências a favor de nenhuma das duas. Isso é pura ignorância. O evolucionismo é empiricamente testável, diferentemente do criacionismo. E as evidências empíricas têm corroborado a validade da teoria de Darwin. Eventuais pequenos gaps são resolvidos no campo da ciência e não recorrendo a divindades. Dizer que o evolucionismo é "apenas uma teoria" é o equivalente a dizer que a teoria da gravidade é "apenas uma teoria".  

(P8) Sobre (P7), ver, e.g., o artigo "Historical contingency and the evolution of a key innovation in an experimental population of Escherichia coli" de autoria de Zachary D. Blount, Christina Z. Borland e Richard E. Lenski, que foi publicado no Proceedings of the National Academy of Science of the USA em 10 de junho de 2008 (volume: 105, número: 23, páginas: 7899-7906, doi: 10.1073/pnas.0803151105). Para uma descrição, ver http://scienceblogs.com/loom/2008/06/02/a_new_step_in_evolution.php.

(P9) Ainda sobre (P7), ver também http://www.sciencemag.org/cgi/content/full/310/5756/1878. Há outras incontáveis referências relevantes.

(P10) A ciência é eminentemente dinâmica ao passo que a religião é fundamentalmente estanque. Muitos paradigmas foram abandonados no campo científico por não se adequarem à realidade, muitos cientistas mudaram de opinião à luz dos fatos, nossas compreensões sobre eventos e relações naturais, humanas e sociais evoluíram ao longo do tempo, progressos científicos e tecnológicos notáveis foram alcançados e o processo continua em andamento. Já no campo religioso...

(P11) Sobre (P8) e o diálogo com criacionistas: sugiro a leitura (na íntegra) de http://rationalwiki.com/wiki/Lenski_affair.

(P12) Muitos religiosos citam frases do renomado físico alemão Albert Einstein na tentativa de vinculá-lo a crenças religiosas ou, no mínimo, a uma crença teísta. Em uma carta enviada ao filósofo alemão Eric Gutkind, que foi recentemente descoberta e leiloada, Einstein escreveu: "A palavra Deus para mim é nada mais que a expressão e produto da fraqueza humana, a Bíblia é uma coleção de lendas honradas, mas ainda assim primitivas, que são bastante infantis". E mais: "Para mim, a religião judaica, como todas as outras, é a encarnação de algumas das superstições mais infantis. E o povo judeu, ao qual tenho o prazer de pertencer e com cuja mentalidade tenho grande afinidade, não tem qualquer diferença de qualidade para mim em relação aos outros povos." Ver, e.g., http://www.guardian.co.uk/science/2008/may/15/peopleinscience.controversiesinscience . Eu acho incrível a fascinação dos religiosos por Albert Einstein. O meu entendimento é o seguinte. Segundo o filósofo norte-americano Daniel Dennett, a grande maioria das pessoas não crê em Deus; elas acreditam em acreditar em Deus. Por não conseguirem enfrentar realidades doloridas de frente (nossa finitude, ausência de justiça divina, etc.), mergulham num mundo de "wishful thinking". Em algum canto muito interior, contudo, sabem (ou sentem) que tal atitude é pueril. Em resposta, lançam-se a buscar confirmações de suas crenças. A partir desse ponto, os desdobramentos são múltiplos. Por exemplo, pessoas religiosas tendem a sentir necessidade de falar sobre o assunto, muitas vezes de tentar "convencer" (converter?) outrem. O que fazem, no fundo, é tentar convencer a si mesmas. A psicologia explica isso de forma cristalina. Uma das muitas facetas da busca confirmatória é a procura de "lastros de autoridade", e é aí que o físico alemão se encaixa. Ele é usado nos seguintes moldes: "Se a maior autoridade científica dos últimos 100 anos acreditava em Deus, é sinal que Ele deve existir, que a minha crença não é tola, não é em vão." É por isso que se agarram tanto a algo tão pouco relevante. De minha parte, não importa muito se Einstein era ou não religioso; o que me incomoda são as distorções que são impostas às verdades dos fatos. O adubo usado por pessoas em processo de busca confirmatória reside no fato de ele ter usado a palavra Deus como metáfora para uma ordem cósmica, física. De qualquer forma, não resta dúvida de que, se ele tinha alguma crença em algum deus imaterial, este não se conforma com o deus das três grandes religiões monoteístas. E isso não é um detalhe.

(P13) O processo de busca confirmatória é o traço mais marcante que eu consegui indentificar nas pessoas religiosas. A animosidade que demonstram frente a pessoas descrentes (agnósticos, ateus, panteístas, etc.) é uma de suas facetas. A existência de descrentes afeta a pseudo-confiança na existência de um deus imaterial, mais ainda de um deus imaterial nos moldes imaginados (o deus bonzinho, que lê pensamentos, que cuida de nós, que recompensa com uma cenourinha atos louváveis, que pune com um chicote atos repreensíveis, que dá uma mãozinha para o time para o qual torcemos, etc.).

(P15) Algumas pessoas usam a música de Johann Sebastian Bach como instrumento do processo de busca confirmatória. O argumento vai mais ou menos da seguinte forma: "Se Bach foi o grande gênio da música e acreditava e louvava a Deus, a Ele dedicando sua motivação musical, então Deus deve mesmo existir; a minha crença não é em vão." Essas pessoas usam a música do compositor alemão como um bêbado utiliza um poste: como apoio e não como iluminação. De minha parte, aprecio a obra musical do velho Bach livre dessa amarra. Não busco nela a confirmação de crenças ou verdades preestabelecidas.

(P16) A mesma atitude é adotada em relação à ciência. Crenças são estabelecidas a priori e então evidências ditas científicas são garimpadas para dar-lhes lastro. A ciência é usada como o bêbado usa o poste, infelizmente. No rito científico sério, verdades são aceitas a posteriori, em decorrência da acumulação de conhecimentos e de evidências. Teorias devem ser refutáveis e devem ser colocadas à prova dos fatos. Experimentações devem ser reproduzíveis e teorias devem ser passíveis de refutação. É assim que a ciência nos ilumina.

July 4, 2008  

Sam Harris on the clash between faith and reason

July 5, 2008

George Carlin passed away recently. He was one of the funniest comedians ever, I dare to say. His Wikipedia entry is available here. And here you will find his take on religion (pretty funny stuff). I shall miss you, Mr Carlin.

July 10, 2008

"A amplitude emocional da obra de Bach em conjunto é imensa: basta lembrar a solenidade majestosa das fugas, o misticismo gótico dos motetos, o sentimento comovido das árias e dos largos, o demoníaco de uma hora de rebeldia como no Concerto para piano em ré menor e a elegância aristocrática das suítes e o humorismo burlesco da Cantata dos camponeses e a inocente alegria paradisíaca como no Concerto para violino em mi maior. Bach resumiu tudo isso e muito mais. Mas não resumiu todas as possibilidades da música. Não encontro entre as obras de Beethoven algo tão perfeito como os Concertos de Brandenburgo. Mas não encontro entre as obras de Bach algo que tão intimamente tocasse o coração como o Concerto para piano n. 4 ou O Trio Arquiduque ou as variações da Sonata opus 111 nem abstrações tão transcendentais como o Quarteto opus 132 e as variações sobre a valsa de Diabelli nem uma despedida tão humana como a última obra, o Quarteto opus 135. Para variar, uma frase de Nietzsche: ‘Beethoven escuta e nota o que toca um músico celeste; Bach é esse músico celeste’. A arte de Beethoven é a mais alta música humana. A arte de Bach é menos humana porque é mais que humana. Os Concertos de Brandenburgo são um reflexo da ordem divina do Universo; uma mensagem do reino das idéias platônicas."   --Otto Maria Carpeaux

July 19, 2008

The text below was extracted from Veja (a Brazilian magazine), issue 2070 (July 23, 2008).

Com a graça da Bíblia

A cena aconteceu num restaurante de Nova York e o diálogo transcorreu assim:
– A massa da torta é feita com banha de porco?
– Acho que não, mas vou checar – responde o garçom.
– Obrigado. É que não posso comer banha de porco.
– Alergia?
– Não, Levítico.

A conversa está relatada num livro do jornalista A.J. Jacobs, no qual ele conta com minúcias hilariantes como é viver um ano em Manhattan seguindo o mais literalmente possível as regras da Bíblia – o que inclui evitar banha de porco. Ele leu a Bíblia e anotou cada regra. No fim, tinha 72 páginas com mais de 700 orientações. Cumpriu-as durante 387 dias. Foram oito meses seguindo o Velho Testamento e quatro seguindo o Novo Testamento. Entre as regras, estão as mais conhecidas, como amar ao próximo, pagar o dízimo, não cobiçar a mulher alheia. Mas também estão normas absurdas, como apedrejar os blasfemos, bater nas crianças com vara ou arrancar um olho do pecador. Para não acabar na cadeia, Jacobs também dispensou as caudalosas sugestões de pena de morte, aplicadas dos adúlteros aos que conferem o horóscopo. Quantas são as sugestões de pena de morte? Ele, que contabilizou tudo, responde: "Pense na Arábia Saudita, multiplique pelo Texas e triplique o resultado – é isso".

A graça do livro, e de sua denúncia bem-humorada de que o literalismo bíblico pode levar à mais honrada idiotia, está no cumprimento rigoroso das normas mais exóticas. São coisas como evitar roupas com fibras misturadas, especialmente lã e linho. Ou passar azeite de oliva na cabeça, tocar harpa de dez cordas, assoprar uma corneta (um chifre de carneiro resolve) no início de cada mês, andar com dinheiro amarrado à mão e deixar a barba crescer – o que levou a barba do autor a virar presa fácil do zíper da jaqueta e abrigo constante da espuma do cappuccino. A Bíblia também proíbe tocar nas mulheres menstruadas (o autor pensou em pedir uma planilha com o ciclo menstrual de suas colegas de trabalho) e manda nunca pronunciar o nome de outros deuses. Como a palavra quinta-feira em inglês (thursday) vem do deus nórdico Thor, Jacobs sentia-se na obrigação bíblica de dizer: "Vamos almoçar no quarto dia útil da semana?".

A mais surpreendente descoberta de Jacobs é a de que ele não está só. "Fiquei surpreso. Parece que, para cada passagem da Bíblia, tem alguém capaz de segui-la literalmente", disse o autor a VEJA. Ele achou um rabino ortodoxo que, microscópio em punho, vai à casa dos fiéis examinar as fibras das roupas para evitar misturas. Descobriu que há 50 000 judeus, em Israel e na Califórnia, que desligam o aquecimento de casa no sábado, dia sagrado de descanso, mesmo durante o inverno. Porque no sábado não se pode trabalhar, e manter o aquecimento ligado é negociar – negociação é trabalho – com a companhia de energia elétrica. Há gente que assopra chifre de carneiro e há uma loja em Indiana que já vendeu mais de 1 000 harpas de dez cordas a dezesseis países. Em Israel e em três estados americanos – Texas, Nebraska e Mississippi –, fundamentalistas tentam produzir uma vaca vermelha. A Bíblia diz que a purificação verdadeira está em matar uma vaca vermelha, queimá-la em madeira de cedro e aspergir as cinzas, misturadas em água, sobre a própria cabeça. Jacobs descobriu uma empresa, em Utah, que aluga todos os filmes de Hollywood com cenas de sexo e violência devidamente cortadas. Claro: ele alugou Kill Bill, de Quentin Tarantino, certo de que não restariam cinco minutos de filme. Deu mais de uma hora. Mas não fez nenhum sentido.

July 21, 2008

Have you ever wondered about Mother Teresa of Calcutta? What a fraud! I recommend the documentary Hell's Angel. You should be able to find it in You Tube

Today's music: Johann Sebastian Bach's English Suites performed on piano by Canadian pianist Angela Hewitt. Ms Hewitt is an outstanding Bach interpreter. I cannot praise her enough. Indeed, I dare to say that she and András Schiff are redefining Bach on the piano. By the way, I strongly recommend her recent double Hyperion DVD entitled Bach Performance on the Piano

Back to religion, let me offer you two random thoughts. First, I have never encountered a religious person who did not get profoundly upset when confronted with an atheist. For some reason, religious folks get really annoyed (even though they do not recognize it) when talking to people who do not share their superstitions. My take on that goes back to Daniel Dennett. What is your take on it? Second, my best definition of most Western religions is this: an ellaborate system of superstitions built around the mother of all wishful thinkings. Can you come up with a better definition? If so, let me know.

The most recently viewed movie: My Blueberry Nights (directed by Kar Wai Wong). It is a fairly good movie, but it is certainly not up to the the standard of In the Mood for Love, one of Mr Wai's previous movies.

July 24, 2008

Na minha visão, o elemento central da música de Johann Sebastian Bach é a solidão humana. Por mais religioso que ele tenha sido, seu traço central ainda era o do menino órfão, o do pai que perdeu muitos filhos ainda muito jovens. Ademais, como se pode concluir do ensaio do Octavio Paz ("O Labirinto da Solidão"), a solidão é a condição última de todo ser humano. Passado esse plano de primeira ordem vem o lado verdadeiramente religioso. Nesse segundo plano, o que me fascina é a sua busca pelo espelhamento de uma ordem celestial (mesmo que com elementos não naturais) em sua arte, em seu ofício. Há um equilíbrio cósmico (Deus para alguns) e esse equilíbrio é o que de maior as nossas mentes conseguem imaginar. É algo muito complexo, mas que, em tão vultosa complexidade, torna-se simples, perfeito. E essa perfeição passa a ser o objetivo mais elevado da construção musical. Dela, resulta toda a beleza. A beleza não existe, nessa perspectiva, dissociada da perfeição. A beleza, assim, deve ser buscada a partir de construções artísticas que primam pela perfeição.

Bach never fails to amaze me. 

August 23, 2008

"Meu norte é o ceticismo constante, a liberdade e honestidade intelectuais. Quem pensa com o grupo ou o partido já não pensa, apenas repete uma linha dogmática qualquer." --Gustavo Ioschpe

September 18, 2008

My current reading: Against Love: a Polemic by Laura Kipnis. I am truly enjoying it. 

September 19, 2008

The Guardian published today an excellent interview with Canadian pianist Angela Hewitt. It is available at http://www.guardian.co.uk/music/2008/sep/19/angela.hewitt.bach.alan.rusbridger .  Ms Hewitt is a leading Bach interpreter and recently released an excellent two-part DVD entitled "Bach Performance on the Piano". 

An excerpt:

AR: Just talk a bit about what it's like living with Bach.

AH: Well, he's a pretty good friend. He's a demanding friend, I tell you! He gives me sore muscles in my neck! But every minute I spend in his company is worthwhile. I don't think that there's any other repertoire that I could have repeated so often as I'm doing on this world tour and absolutely never get tired of it. It's still a challenge. It's still growing. I'm still perfecting it. He is demanding. He demands great discipline and co-ordination and heart. I feel so much that it's worth it.

Certainly, all the time you put into learning Bach, it helps you so much with all the other composers afterwards. Things like developing finger legato. So many times in masterclasses kids play Schubert, Beethoven, Chopin, and they have no finger legato at all. All the legato just on the pedal, it's not the same at all.

Just being able to play different voices, with different colours, that helps you with Beethoven too. The fluency you get in Bach, you apply to Mozart, Brahms as well. So I know that all the time I spend with Bach will make it easier with other things too.

He has been quite demanding. I couldn't have done, as I often say, the complete Bach and had four kids at the same time, no.

And what she has to say about Bach's Well Tempered Clavier:

Book One is more extrovert, more easily accessible. The preludes in Book Two are much bigger pieces. The fugues in Book Two tend to be more dense, more complicated to understand. Book Two is Bach writing for himself, I feel.

By the way, I have many recordings of The Well Tempered Clavier (both on the harpsichord and on the piano), and my favorite recording is Ms Hewitt's. 

September 21, 2008

"Existem respostas espertas e existem respostas evasivas. Respostas simples e diretas não existem." --Amós Oz (em Rimas da Vida e da Morte, Companhia das Letras, 2008).

September 28, 2008

"The difference between science and religion is the difference between a willingness to dispassionately consider new evidence and new arguments, and a passionate unwillingness to do so. The difference between science and religion is the difference between a genuine openness to fruits of human inquiry in the 21st century, and a premature closure to such inquiry as a matter of principle." --Sam Harris

September 30, 2008

Esta entrada é dirigida a pessoas religiosas mas que mantêm mente aberta para a razão. Em setembro do ano passado, a Nepal Airlines sacrificou dois cabritos na pista de decolagem de um aeroporto em homenagem a um deus hindu. Pedia-se o fim de defeitos elétricos em dois aviões de sua frota. (Ver http://news.bbc.co.uk/2/hi/south_asia/6979292.stm .) Qual a sua reação ao ler uma notícia como essa? Eu imagino que você classifica o ocorrido como superstição inócua, superstição entendida como uma cadeia de causa e efeito desprovida de razão ou evidência que a justifique. Se essa é sua opinião, então concordamos. Todavia, você reza para que a saúde de alguém melhore ou para que o avião em turbulência no qual você viaja não se espatife no chão. Às vezes você até reza por uma nota melhor em uma prova, por uma promoção no emprego ou pelo resultado de um jogo de futebol. Por que isso não deve ser visto como superstição também? Só porque não envolve sacrifício animal? Seria então o sacrifício animal o caracterizador da superstição? Não, não é. Eu acho que você também classificaria como superstição a dança da chuva de um índio em tempos secos, em que chuvas e trovoadas são pedidas a um deus de seu agrado. E não há aí sacrifício animal algum. Você deve entender que quando uma pessoa que não compartilha a sua fé lhe vê rezando e pedindo graças ao deus do seu agrado, ela lhe enxerga da exata mesma forma como você vê o líder espiritual indígena no calor de sua dança: ambos estão mergulhados em superstições. Ou seja, ambos têm algo em comum: a ausência de razão e evidências por trás de suas ações. As leis da probabilidade, pode acredidar, não são diferentes para os que rezam e os que não rezam. Nem para os que matam cabritos e os que não matam cabritos.

Também recentemente Xuxa afirmou publicamente que acredita na existência de duendes. Muitos riram dela. Claro: não há evidência alguma de que existem duendes e ela sai por aí professando que crê que eles existam! Não é mesmo? Todavia, você afirma publicamente que crê na existência de um ente sobrenatural quando não há evidências de que tal ente existe. Saiba que pessoas que não compartilham a sua fé lhe vêem da exata mesma forma como você vê quem crê em duendes.

Talvez você não chegue a esse extremo, mas há pessoas religiosas que tacham ateus e agnósticos de arrogantes. Primeiro, essa necessidade de adjetivar aqueles que não compartilham de crenças e crendices religiosas já diz muito em si. Segundo, seriam a dúvida, o questionamento, o uso da razão e a busca de evidências instrumentos de arrogância? Ou seria arrogância afirmar que todas as demais religiões estão erradas, que todos os livros sagrados que não são o adorado pela pessoa estão errados, sem mesmo terem sido lidos? Qual das duas posturas melhor encarnaria a idéia que temos de arrogância? Quem foi mais arrogante: Galileu, que tentou descobrir o funcionamento das leis que regem o universo, ou a Igreja Católica, que ameaçou lhe tirar a vida? Quem foi mais arrogante: Darwin, que viajou por muitos países em um navio tentando entender a evolução e a diversidade presentes na natureza, ou aqueles que apredrejaram sua teoria sem nem mesmo entendê-la?

Não. Ateus não são pessoas que afirmam categoricamente que Deus (vá lá, o seu Deus) não existe. De acordo com o filósofo francês André Comte-Sponville, quem o faz não é ateu, mas sim imbecil. Ateu é aquela pessoa que não acredita que Deus existe, em grande parte pela total falta de evidência. Quem se diz ateu e confunde crença com conhecimento comete o mesmo erro dos religiosos mais fervorosos. O próprio Richard Dawkins, autor de Deus: um Delírio, coloca-se como 6.8 numa escala que vai de 1 (certeza total da existência de Deus) a 7 (certeza total da inexistência de Deus). Ou seja, um ateu sério não faz afirmações categóricas sobre a inexistência de deuses. Se um dia você pretender criticar um ateu, ao menos saiba o que significa ser ateu.  

Por fim, questione-se sobre o seguinte. Por que pessoas religiosas se sentem tão ameaçadas quando são confrontadas com ateus e agnósticos? A minha resposta é a seguinte: porque, no fundo, sabem que também não acreditam em todo aquele arcabouço sobrenatural; apenas acreditam em acreditar. Ou seja, querem muito acreditar. Dessa forma, não precisarão encarar de frente uma realidade dolorida: a nossa finitude. O contato com ateus toca lá dentro, lá naquele nervinho que lhes lembra que, no fundo, também não mantêm crenças em entidades sobrenaturais. E isso incomoda. 

October 1, 2008

Rezas e preces são pura superstição. Se você desejar uma prova dessa assertiva, veja http://www.youtube.com/watch?v=BH0rFZIqo8A.

October 9, 2008

Da crônica semanal do Contardo Calligaris publicada na edição de hoje da Folha de São Paulo ("Pensamentos eleitorais"):

Em geral prefiro as pessoas que têm o bom gosto de serem humildes e pensativas sobretudo na vitória. Mas não é só isso. Parece que, cada vez mais, o que faz a diferença entre os candidatos não são suas propostas (freqüentemente próximas), mas sua figura e seu "caráter". Pois bem, se esse for o critério, o melhor candidato, para mim, será aquele que NÃO parece estar absolutamente convencido de ser a melhor escolha. Inversamente, o pior é aquele que se acha insubstituível, superior aos outros. Não devo ser o único que pensa assim. (...) Voltemos ao meu candidato ideal, aquele que não estaria certo de ser o melhor nem o único. Alguém perguntará: então, por que razão ele se candidataria? Essa questão surge porque temos uma relação doente com a verdade: oscilamos entre um ceticismo quase cínico (cada um tem a sua verdade, portanto todas as verdades se valem) e uma paixão missionária (nós temos a única verdade; os outros, que pensam diferente, devem ser corrigidos, para o próprio bem deles). Ou seja, a verdade é uma só (a nossa) ou, então, não tem verdade alguma. É mais uma versão da patologia narcisista básica: eu sou o único, o eleito, ou, então, não sou ninguém. Assim como é difícil conseguir viver sendo "apenas" um entre outros, também é difícil considerar que a nossa verdade é uma entre outras, mas não por isso deixa de ser uma verdade.

Excelente, Contardo!

October 14, 2008

The current financial crisis has a silver lining: its soundtrack is very good, at least according to The Guardian. See

 http://www.guardian.co.uk/music/musicblog/2008/oct/14/credit-crunch-icesave-bach .


October 22, 2008
Campanha interessante em Londres:

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL831590-5602,00-CAMPANHA+ATEISTA+QUER+COLOCAR+POSTERES+EM+ONIBUS+DE+LONDRES.html .

December 6, 2008

The Wall Street Journal published today an article by Benjamin Ivry on Paul Tortelier's recoding of Johann Sebastian Bach's Cello Suites. Mr Ivry recalls a phone conversation with Mt Tortelier in which the great French cellist said, in a self evaluation of his performance: "I am modest, basically. I have too much consideration, admiration, veneration for the divinity of Johann Sebastian Bach to consider myself as anything but an ant next to a god." Still according to Mr Tortelier: "Bach in German means brook -- this brook runs to the river and that river runs to the sea. It's a progression which begins delicately and poetically. If you add too much expression with excessive Romanticism, the water stops flowing. . . . If you want to do an abstract Bach . . . then the water turns cold. That's no longer a Bach who glorifies God and nature, but one who glorifies the metronome."

December 11, 2008

"O Deus do Antigo Testamento é talvez o personagem mais desagradável da ficção: ciumento, e com orgulho; controlador mesquinho, injusto e intransigente; genocida étnico e vingativo, sedento de sangue; perseguidor misógino, homofóbico, racista, infanticida, filicida, pestilento, megalomaníaco, sadomasoquista, malévolo." (Richard Dawkins em Deus: um Delírio)

December 12, 2008

"Why waste money on psychotherapy when you can listen to the B Minor Mass?" --Michael Torke

December 13, 2008

"Entre mim e a vida há um vidro tênue. Por mais nitidamente que eu veja e compreenda a vida, eu não lhe posso tocar." --Fernando Pessoa

"Para compreender, destruí-me. Compreender é esquecer de amar. Nada conheço mais ao mesmo tempo falso e significativo que aquele dito de Leonardo da Vinci de que não se pode amar ou odiar uma coisa senão depois de compreendê-la." --Fernando Pessoa

December 16, 2008

"Passion, tempered in the fire of technique, has assumed verbal form in Bach's music, and we musicians today are reflected in his images in sound. Without a knowledge of Bach's world of sound and imagination, the vocabulary of western music would be poorer by a half." --Hans Werner Henze

December 22, 2008

"Bach is a hero of mine, and of every other living and dead musician." --Joshua Bell

December 23, 2008

Várias pessoas que apreciam música erudita costumam enxergar Johann Sebastian Bach como mais um de tantos e tantos bons compositores, talvez até como um compositor "historicamente importante". Ao se depararem com bachianos xiitas como eu, que veneram a obra bachiana e que a colocam milhas e milhas acima do que foi composto fora de sua cercania, devem experimentar alguma dose de surpresa e choque. Passado o choque inicial, cabe a pergunta:

O que difere a obra bachiana do que foi produzido por outros compositores?

Posso apenas oferecer a minha visão pessoal. Primeiro, acho que Bach representa um sentido de unidade na música erudita. Antes dele, havia música francesa, música italiana e a lista segue. Após Bach havia apenas música. Ele realizou uma fusão dos diferentes estilos, aproximou o que parecia distante.

Segundo, ele levou um estilo musical ao seu ápice, talvez tendo até esgotado as suas possibilidades.

Terceiro, a sua música representa uma busca de algo maior, tanto na esfera puramente musical quanto no campo espiritual. Busca-se a perfeição, o absoluto. Os caminhos são secundários, podendo até tomar os áridos desvios da abstração (há algo mais abstrato do que A Arte da Fuga?). O essencial é o que se busca, os objetivos almejados.

Quarto, as composições do Velho Bach nos mostram que a boa música pode ao mesmo tempo exaltar as nossas emoções e preencher as mais complexas necessidades intelectuais. O dilema "emoção versus intelecto" é falso, como nos provou o Mestre. Mais até: há que se exaltar ambos.

Quinto, a obra bachiana é, pode-se argumentar, a mais universal e atemporal já produzida. E o é porque sua força motriz não são modismos nem conveniências histórico-geográficas, mas sim o direcionamento para um âmago mais profundo, para algo que habita todos, independentemente de localidade e temporalidade. O que seria? No meu entender, a nossa verdadeira humanidade, a nossa harmonia com o compexo e diverso universo que nos cerca.

Sexto, o propósito bachiano excede, ultrapassa as fonteiras musicais. Ele mira num mundo em que a diversidade é combinada de forma harmônica, em que as melodias mais dissonantes podem (e devem) ser harmonizadas, em que a construção de tal harmonia é mais edificante do que a busca incansável de melodias que exercem doces e superficiais apelos a ouvidos alheios (desculpe, Sr Mozart). O que pode ser mais edificante do que a construção de um mundo em que a diversidade pertence a uma unidade maior, onde partes diversas são apenas variações de uma ária inicial, onde prelúdios e fugas, por mais antagônicos que sejam, convivem harmonicamente e até formam um pequeno todo em si? Nada, entendia o Mestre. Nada, entendo eu.

Sétimo, a música do Mestre nos traz humildade, diferentemente daquela que exalta a grandiloquência (desculpe, Sr Beethoven). Diante da obra bachiana sentimo-nos frente a frente com algo maior, que nos lembra nossa pequenez, que nos impõe humildade. Afinal, só na pequenez é que se pode encontrar a grandeza. A grandeza pela grandeza nunca conduzirá a algo grandioso.

Oitavo, Bach evoca lealdade. Que outro compositor foi mais leal a seus princípios, a seus objetivos e, acima de tudo, ao estilo musical que adotou e no qual se inseriu? Nem mesmo a insurgência de alguns de seus filhos, que chegaram a chamá-lo de "peruca velha", afastou-o de seu compromisso com a música de contraponto, com a construção de harmonias. O charme do modismo de construções musicais mais simples, mais melódicas, mais fáceis nunca afetou o Mestre. Ele foi, acima de tudo, leal a seus princípios e ao seu entendimento do que constituía boa música.

Nono, que outra obra religiosa tem tanto apelo a pessoas que não possuem religiosidade? Nenhuma, creio. Sou ateu e profundamente bachiano. Como eu, há muitos. O Mestre era certamente religioso, e sobre isso não pairam dúvidas. Ele era também profundamente humano, chegado aos prazeres mundanos, como atestam as duas dezenas de filhos, o elevado consumo de cerveja e vinho, o gosto por mesas fartas. A silhueta do final de sua vida não deixa espaço para dúvida. Sua busca do divino era, em essência, uma busca do absoluto, e isso transcende os terrenos religiosos. A reverencialidade de suas cantatas sacras era, inclusive, a mesma, em tutano, daquela presente nas cantatas profanas. Por mais luteranos que tenham sido os seus glóbulos vermelhos, não havia terreno puramente religioso nem terreno puramente secular. Nem na música nem em outras esferas. Tudo faz parte de um todo maior, de um absoluto. O que poderia ser mais contemporâneo? Nada, entendo eu.

January 21, 2009

Current reading: Irreligion: a Mathematician Explains Why the Arguments for God Just Don't Add Up by John Allen Paulos (Hill and Wang, 2008). John Allen Paulos is Professor of Mathematics at Temple University.

February 6, 2009

A música de Johann Sebastian Bach, tal qual o universo, é uma esfinge que nos convida a decifrá-la.

February 12, 2009

Happy birthday, Mr Darwin.

February 14, 2009

A grande maioria dos cristãos não lê, infelizmente, a Bíblia. Ela contém inúmeras barbaridades. Os pastores e padres, claro, não as abordam nos cultos e missas, preferindo abordar as passagens mais palatáveis. Assim, os fiéis em geral sequer têm conhecimento de tais barbaridades. Quer uma amostra grátis? Tome, por exemplo, Números 11:15-18, onde lemos:

"E Moisés disse-lhes: Deixastes viver todas as mulheres?
Eis que estas foram as que, por conselho de Balaão, deram ocasião aos filhos de Israel de transgredir contra o SENHOR no caso de Peor; por isso houve aquela praga entre a congregação do SENHOR.
Agora, pois, matai todo o homem entre as crianças, e matai toda a mulher que conheceu algum homem, deitando-se com ele.
Porém, todas as meninas que não conheceram algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós.
"

Que tal? Você transmitiria tal padrão moral a seus filhos?

E por falar em moralidade, um ponto comum na moral de crentes e descrentes na sociedade moderna é a nossa repulsa pela escravidão. Você não se pergunta por que Jesus, que se dizia filho de Deus, nunca condenou a escravidão?

OK, mais um exemplo. Tome agora Levítico (citação da Nova Versão Internacional):

Levítico 18:22 – Nova Versão Internacional - NVI:
“Não se deite com um homem como quem se deita com uma mulher: é repugnante”.
Levítico 20:13 - NVI:
“Se um homem se deitar com outro homem como quem se deita com uma mulher, ambos praticaram um ato repugnante. Terão que ser executados, pois merecem a morte”.

Novamente não me parece ser essa a moral prevalente. Adicionalmente, o que me chama a atenção é que muitos cristãos aceitam e citam Levítico 18:22 (ou seja, enxergam homossexualismo como pecado), mas não aceitam Levítico 20:13 (ou seja, não acham que homossexuais devem ser executados, assassinados). Parece-me, todavia, que ou se aceita ambos ou se rejeita ambos. Por que aceitar um e recusar o outro? E, em o fazendo, de onde vem o filtro usado nessa seletividade? Ele é, necessariamente, secular. Não é?


February 14, 2009

"You can find religions without creationism, but you never find creationism without religion. (...) I don't know of any challenge to evolution that's ever come from a non-religious person. Personally I've never experienced one. The vast majority, certainly 99 percent or more, of all challenges to evolution come from religious people who are creationists—some Muslims, but mostly Christians." --Jerry Coyne

For an excellent interview with Dr Coyne, see http://www.americanscientist.org/bookshelf/pub/an-interview-with-jerry-coyne .

His New Republic piece is available at http://pondside.uchicago.edu/cluster/pdf/coyne/New_Republic_ID.pdf .


March 21, 2009

O dia de hoje marca o aniversário de 324 anos do nascimento daquele que conduziu a música a seu ápice: Johann Sebastian Bach. Ele nos mostrou que a música pode ser simultaneamente emotiva e cerebral, mostrou-nos que a beleza não deve ser perseguida no abstrato, mas sim construída laboriosamente, mostrou-se que a boa arte é pautada na artesanalidade, mostrou-nos que tanto na música quanto na vida ao largo a tarefa mais edificante é a construção de harmonizações de fragmentos que nos parecem dissonantes e, por fim, mostrou-nos que o intelecto humano é soberano e altivo frente às mazelas que o cercam. Parabéns, Mr. Bach. E obrigado pelas paixões, cantatas, concertos, sonatas, suítes, variações, fugas, cânones, prelúdios, corais, invenções e também pelo exemplo de vida.



April 23, 2009


May 7, 2009

Good news! The U.S. is becoming less religious. See article1 and article2.


May 9, 2009

"A religião convenceu mesmo as pessoas de que existe um homem invisível - que mora no céu - que observa tudo que você faz, a cada minuto de cada dia. E o homem invisível tem uma lista especial com dez coisas que ele não quer que você faça. E, se você fizer alguma dessas dez coisas, ele tem um lugar especial, cheio de fogo e fumaça, e de tortura e angústia, para onde vai mandá-lo, para que você sofra e queime e sufoque e grite e chore para todo o sempre, até o fim dos tempos. Mas Ele ama você!" --George Carlin

“What can be asserted without proof can be dismissed without proof.” --Christopher Hitchens

"Truth does not demand belief. " --Dan Barker

"Evolution offers a far richer and more spectacular vision than any religion!" --Richard Dawkins


May 19, 2009

The meaning of life... Again!



May 26, 2009

In the name of reason: the "Reason Project" is finally out. See http://www.reasonproject.org .


May 27, 2009

Drauzio Varella fala sobre ateísmo, religião e aborto: http://www.youtube.com/watch?v=Z8YTerNe0C4 .

José Saramago fala sobre Deus e religião: http://www.youtube.com/watch?v=QuHARSJW9Ys .


May 31, 2009

The rise of nonbelievers: article. Interesting statistic: "The rise of the non-believers: 34 million atheists and agnostics, 15% of the U.S. population."

Touched by an atheist (featuring: George Carlin): http://www.youtube.com/watch?v=niqVVENiY2c .


June 1, 2009

"It is far better to grasp the universe as it really is than to persist in delusion, however satisfying and reassuring." --Carl Sagan 

Algumas pessoas me questionam honesta e sinceramente sobre possíveis desconfortos causados pela falta de crença em deuses e nos típicos arcabouços religiosos construídos em torno de tal crença. Não seria o ateísmo uma fonte perpétua de angústia? Ele não agudizaria incômodos existenciais que são inerentes ao homem? A minha resposta é curta: não. Ao menos não para mim. Certamente há um desconforto inicial. Não é fácil aceitar a realidade de nossa finitude. Afinal, a motivação central da grande maioria das religiões é negar tal realidade. Assim, fácil não há de ser. Todavia, como nos lembra o genial (e ateu) Carl Sagan, é mais edificante tentar entender o universo como ele é do que mergulhar em devaneios, por mais reconfortantes e atraentes que possam parecer. Só vivemos uma vez (ao menos a evidência que temos aponta nessa direção) e estamos aqui por um breve período de tempo. Por que não enxergar a vida e mundo como são? Por que não buscar entendimento através da razão e de evidências? Por que colocar superstições acima da razão? Não é a razão que nos separa (tenuamente ou não) dos outros animais? Onde estaríamos se Charles Darwin tivesse sucumbido aos apelos religiosos da época, inclusive de sua esposa, e houvesse virado as costas para a ciência e para a razão, se tivesse desprezado traços evidenciais do processo evolutivo e da seleção natural em nome de algumas linhas bíblicas? E o que dizer de Galileu, que foi ameaçado de morte pela Igreja Católica quando afirmou que a Terra gira em torno do Sol, e não o inverso? Estaríamos melhores se ele houvesse virado as costas para a razão em nome de pregações de natureza sobrenatural? 

Um traço religioso que me chama a atenção é o inerente narcisismo. O homem precisa sentir-se diferenciado na natureza ao largo, precisa sentir-se o centro do mundo natural. Não é à toa que a Igreja Católica insistiu por tanto tempo que a Terra estava no centro do universo e que o Sol girava em torno dela. Não é à toa que religiosos e instituições religiosas combateram (alguns ainda o fazem) o evolucionismo. Precisamos ser o centro do universo e da natureza! Afinal, se não o formos, como poderemos ser o centro das atenções de um ser sobrenatural imaginário?

Talvez seja mais reconfortante acreditar que o universo gravita em torno do planeta que habitamos. Mas será que é isso que você deseja para você? Como pergunta o Richard Dawkins, por que não podemos apreciar um belo jardim sem ter que acreditar que há fadas escondidas nele?


June 2, 2009

Comprei recentemente a autobiografia da pianista chinesa Zhu Xiao-Meu ("O Rio e seu Segredo"). Tive três gratas surpresas de cara:

(S1) O livro é dividido em 32 capítulos, sendo o primeiro e o último chamados "Ária" e os demais numerados de 1 a 30, tal qual as Variações Goldberg de Bach.

(S2) Logo na orelha do livro me deparei com a seguinte afirmação da autora: "Fico admirada ao encontrar nas Goldbergs os elementos mais essenciais da minha cultura chinesa, como se Bach tivesse tido essa premonição ou fosse a encarnação de um grande sábio chinês. Na minha opinião, Bach é bem mais do que um luterano que coloca toda sua arte a serviço da glória de Deus. Ele é universal."

(S3) No primeiro capítulo (chamado "Ária") encontrei o seguinte: "Este livro tem trinta capítulos -- trinta, o mesmo que as Variações Goldberg, a obra-prima de Bach. Trinta capítulos e uma ária, que abre a obra e a encerra, formando um círculo parecido com o do tempo que torna a voltar sobre si mesmo, com a roda da vida. Frequentemente me perguntam como é que uma chinesa, originária de uma cultura tão afastada, pode tocar a música de Bach. Eu gostaria que meus leitores chegassem à conclusão depois de terem lido esse livro, mas, sobretudo, que tivessem vontade de escutar, de reescutar Bach. Queria também que eles tivessem vontade de ler ou de reler Lao Tse, o grande filósofo chinês. Pois estes dois sábios se parecem e as duas culturas, chinesa e ocidental, encontram-se neles."


June 3, 2009

"I am against religion because it teaches us to be satisfied with not understanding the world." --Richard Dawkins

"The Bible is a collection of honorable, but primitive legends which are still nevertheless pretty childish." --Albert Einstein


June 6, 2009

"Atheists are brought together by a common philosphical foundation: science and reason combined with moderation." --Unknown

Faço minhas essas palavras. 


June 7, 2009

Some basic definitions:

Atheist (n.) - A person who does not believe that deities exist.

Agnostic (n.) - A person who is uncertain of the existence of deities.

Secular Humanist (n.) - A person that advocates human rather than religious values.


June 17, 2009

One more definition:

"Faith (n) Belief without evidence as told by one who speaks without knowledge, of things without parallel." --A. G. Bierce


June 25, 2009

"The issue here is simple: Should a rational person believe in descriptive (ontological) propositions for which there is no testable, objectively verifiable proposition?" --John Conrad (in response to an article by Stanley Fish on atheism) 

"What I do not understand is why believers continue to fall back on attempts at rational discourse to justify your faith." --Alexander Boldizar (in response to the same article) [My comment: I too am unable to understand that. My take is that they are ashamed of taking things on faith and then they try level their faith-based beliefs with evidence-based beliefs. These are, nonetheless, very, very different in nature.]


June 26, 2009

"My practice as a scientist is atheistic. That is to say, when I set up an experiment I assume that no god, angel or devil is going to interfere with its course; and this assumption has been justified by such success as I have achieved in my professional career. I should therefore be intellectually dishonest if I were not also atheistic in the affairs of the world." --J.B.S. Haldane (This quote was taken from Lawrence's Krauss article in the Wall Street Journal: "God and Science Don't Mix" at http://online.wsj.com/article/SB124597314928257169.html . Mr Krauss is a cosmologist and is the director of the Origins Initiative at Arizona State University). Here is an extract from Mr Krauss's article:

"Science is only truly consistent with an atheistic worldview with regards to the claimed miracles of the gods of Judaism, Christianity and Islam. Moreover, the true believers in each of these faiths are atheists regarding the specific sacred tenets of all other faiths. Christianity rejects the proposition that the Quran contains the infallible words of the creator of the universe. Muslims and Jews reject the divinity of Jesus.

So while scientific rationality does not require atheism, it is by no means irrational to use it as the basis for arguing against the existence of God, and thus to conclude that claimed miracles like the virgin birth are incompatible with our scientific understanding of nature.

Finally, it is worth pointing out that these issues are not purely academic. The current crisis in Iran has laid bare the striking inconsistency between a world built on reason and a world built on religious dogma.

Perhaps the most important contribution an honest assessment of the incompatibility between science and religious doctrine can provide is to make it starkly clear that in human affairs -- as well as in the rest of the physical world -- reason is the better guide."

While on the subject, here is another nice quote: "There is nothing new about the new-Atheists, it's just we're recent." --Christopher Hitchens


June 30, 2009

"His Holiness has decreed Galileo be interrogated with regard to his intention, even with torture!" --Papal Decision, 1633

How about that?

Muitas religiões sempre tentaram se sobrepor à ciência no que tange à explicação do mundo natural; até mesmo sentem-se ameaçadas pela ciência. Se dependêssemos de religiões para compreender o mundo que nos cerca ainda acharíamos que a Terra é plana, que a Terra é o centro do universo e que o Sol gira em torno do nosso planeta (e não o contrário). Alguém poderia argumentar que isso foi um "desvio de percurso" passado e que tal conflito não mais existe. Existe sim. Por exemplo, muitas autoridades religiosas se posicionam contra o evolucionismo darwiniano, há fortes (e incompreendidas) oposições à teoria do Big Bang como descrição do início do universo e há enorme resistência religiosa a pesquisas com células-tronco. Religiosidade historicamente tem sido uma barreira ao avanço da ciência e a uma melhor compreensão da natureza na qual nos inserimos. Felizmente, as religiões sempre perdem as batalhas que travam nesse campo. Felizmente. As luzes triunfam sobre as trevas! Não é mesmo, Sr Galileu?


July 2, 2009

"Where there is evidence, no one speaks of 'faith'." --Bertrand Russell


July 3, 2009

"Atheists are 'not fully human'!" --Cardinal Cormac Murphy O'Connor

Aproveito essa citação para repetir uma pergunta que costumo fazer: por que pessoas religiosas se sentem tão ofendidas e ameaçadas quando se deparam com ateus e agnósticos? Que fé é essa que treme como um patinho molhado na frente da descrença alheia?

Poder-se-ia argumentar que o efeito ocorre nas duas direções. Mas não ocorre. Não conheço ateus que se sintam inseguros e ofendidos quando se deparam com pessoas religiosas. Ateus não acreditam em deuses e ateus antiteístas acham que a maioria das religiões acarreta cotidianamente desdobramentos negativos no que pertine à consolidação de sociedades seculares e humanistas. Todavia, isso não implica que se sintam inseguros frente a crenças alheias nem que se sintam compelidos a adjetivar e atacar pessoas única e exclusivamente porque estas têm fé em sobrenaturalidades. Não me sinto ameaçado nem intimidado quando me deparo com crendices alheias. Enxergo-as da mesma forma e na mesma medida como, por exemplo, vejo um líder espiritual indígena engajado num ritual de dança da chuva. Trata-se de algo pitoresco e inútil. Nada mais, nada menos. 

Procure vídeos no YouTube sobre o Dr Drauzio Varella, que vem externando em livros e entrevistas que é ateu desde a infância, e você verá que ele tem sido alvo de ataques pessoais e de fortes adjetivações. O Richard Dawkins, autor do bestseller Deus, um Delírio, recebe ameaças de morte com assutadora frequência.  Por que tanta insegurança?

Repito a minha explicação. No fundo, no fundo, no fundo, quase todos aqueles que se dizem crentes não acreditam no que professam; apenas gostariam muito de acreditam no que verbalizam. O contato com ateus faz com que lembrem que, em suas profundezas menos visitadas também não acreditam nas implausibilidades que são amontoadas sob o nome de religião (ou, vá lá, de "religiosidade"). Essa é a minha explicação. Se você discordar, ofereça a sua.


July 4, 2009

Há dois filmes muito bons sobre Johann Sebastian Bach. O primeiro é Meu Nome é Bach (Alemanha , 2003). O filme se passa em 1747 e aborda a visita do músico barroco ao castelo de Frederico o Grande. O encontro entre eles marca, no fundo, o choque entre dois mundos distintos: o mundo barroco que entrava em ocaso (representado por Bach) e o mundo iluminista que ascendia (representado por Frederico o Grande). A personalidade áspera e multifacetária de Frederico é bastante explorada no filme. O filme aborda também as diferentes personalidades de dois filhos de Bach: Carl Philipp Emanuel (que era cravista da corte de Frederico) e Wilhelm Friedemann Bach.

O segundo filme é O Silêncio Antes de Bach (Espanha, 2007), dirigido por Pere Portabella. O filme é uma colagem de diferentes personagens e situações que têm como elemento de conjunção a obra de Johann Sebastian Bach. Há algumas cenas marcantes, como a que vários músicos jovens tocam uma suíte para violoncelo dentro de um metrô em movimento.

Eu recomendo esses dois filmes aos amantes da música barroca.


July 5, 2009

A edição de hoje do Estado de São Paulo traz um bom artigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sobre os 15 anos do Plano Real. O Brasil mudou agudamente na última década e meia. Para melhor, claro. Todavia, ainda há desafios e riscos. Os maiores perigos residem na atual plasticidade fiscal, no ausência de uma agenda de reformas e no enfraquecimento gradativo de diversas instituições.


July 6, 2009

Sex may have evolved as a defense against parasites. This is the conclusion of a paper in the July issue of the American Naturalist. See http://www.sciencedaily.com/releases/2009/07/090706171542.htm


July 9, 2009

Daniel Radcliffe, the British actor who portrays Harry Potter, is an atheist. / Daniel Radcliffe, o ator que interpreta Harry Potter, é ateu. See / ver http://www.examiner.com/x-10853-Portland-Humanist-Examiner~y2009m7d8-Harry-Potters-Daniel-Radcliffe-an-atheist . A quote from Mr Radcliffe: "I'm an atheist, but I'm very relaxed about it. I don't preach my atheism, but I have a huge amount of respect for people like Richard Dawkins who do. Anything he does on television, I will watch."


July 17, 2009

In an editorial entitled "Going gently" the British magazine The Economist (July 16, 2009) defends the legalization of assisted suicide. I couldn't agree more. I have always held that opinion. According to the magazine: "It is perfectly possible to frame a law that allows suffering people who are close to death to die quickly and peacefully, if they wish, without declaring open season on old folk. The suicide-seeker declares he is not being pressured to kill himself; two doctors agree, and testify that he is terminally ill and of sound mind. A waiting period before lethal drugs are dispensed ensures that the desire for death is a settled one." The chief hurdle, I note, are the religious folks. The main reason I take issue with most religions is that their followers live to tell other people how they should go about living their lives; and how they should die. Get a life!

The Economist also brings an excellent article entitled "Glad to be Godless" on the first atheist camp for children. "A humanist camp is less about indoctrination than reassurance that it is all right not to be religious; that it is possible to be moral without believing in the supernatural. Nearly all the kids at Camp Quest say they find it comforting to be surrounded by others who share their lack of belief. Many attend schools where Christianity is taken for granted. Many keep quiet about their atheism. Those who don’t are sometimes taunted or told they will burn in hell." And more: "Many atheists opt to remain in the closet, except perhaps with their closest friends. It is the path of least resistance. Deny the existence of God and you may be challenging your neighbours’ most deeply held beliefs. That could get you ostracised, so why risk it? Yet living in the closet has costs. Christians have their beliefs constantly reinforced by neighbours who proudly and openly share them. Atheists often wrestle with their consciences alone, even though they are perhaps 8% of the population. Christopher Hitchens, the author of an antireligious polemic in 2007, observed that half the people who came to his book-promoting speeches had thought they were the only atheists in town." As for me, I definitively not in the path of least resistance, as you can easily tell. And I am proud of it.


July 20, 2009

Ateus fora do armário: ver aqui.

Por que ateus falam sobre ateísmo? Ver a resposta aqui

"Science is a way of trying not to fool yourself." --Richard Feynman


July 21, 2009

Algumas reflexões:

1) Um fato a ser reconhecido é que há muitas religiões e que muitas delas são incompatíveis entre si. Nem todas podem estar simultaneamente corretas. Assim, mesmo que exista um deus (ou um colegiado de deuses) e que seja um deus pessoal (que lê pensamentos, atende a orações, ocasionalmente suspende as leis da natureza em favor desse ou daquele fiel, dá uma forcinha a alguns times de futebol em resposta a pedidos sinceros e desesperados, etc.), não está claro qual religião seguir. Por exemplo, a Bíblia e o Alcorão são livros ditos sagrados e que fazem assertivas que se ortogonalizam em muitos particulares. Qual livro seguir (na suposição de existência do deus abraâmico)? Como decidir? Jogando uma moeda para cima?

2) Na minha opinião, religiões surgiram em resposta a um só fato: não conseguimos aceitar a nossa finitude. O homem é o único animal que tem consciência da morte e não é fácil lidar com essa ideia. Em resposta, construímos arcabouços místicos que reverberam a noção de que sobreviveremos, de alguma forma e em alguma extensão, à nossa morte. Nesse esquema, ainda, os nossos entes queridos já falecidos nos esperam sorridentemente em algum lugar iluminado e paradisíaco. A maioria das religiões está, assim, mais para o que os americanos chamam de "wishful thinking".

3) Muitas religiões organizadas são detrimentais à consolidação de uma sociedade verdadeiramente secular e humanista. O que pensar quando o papa Bento XVI viaja pela África, continente amplamente abatido pela AIDS, pregando contra o uso de preservativos? Ou quando líderes religiosos no Oriente pregam contra vacinas para crianças afirmando que há demônios naquelas gotinhas? Ou quando cristãos americanos espancam e assassinam homossexuais citando Levítico e empunhando faixas que leem "God hates fags"? (Ver http://www.godhatesfags.com .) O que pensar quando vemos a Ingreja Católica acobertando episódios de pedofilia e protegendo vários notórios pedófilos? As religiões não têm a primazia das forças do atraso, certamente não. Claro que não. Mas lhes dão uma senhora contribuição e, assim, devem ser contestadas por vozes comprometidas com o humanismo secular.

4) A imensa maioria da oposição a pesquisas com células-tronco vem de pessoas religiosas e que o fazem por razões religiosas. Sempre será possível apontar algumas poucas pessoas que fazem tal oposição por motivos outros, mas o grosso do grosso vem de crenças no sobrenatural. Os políticos que aprovaram as restrições ao uso de recursos públicos em pesquisas com células-tronco nos EUA não esconderam suas motivações religiosas. Felizmente, tais restrições foram derrubadas na atual gestão Obama.

5) O grosso do grosso da oposição ao evolucionimo de Darwin também tem tutano religioso. Há movimentos para inclusão do criacionismo em currículos escolares e esses movimentos são feitos por grupos religiosos. E o que dizer do Museu Criacionista (ver http://creationmuseum.org ), em que homens e dinoussauros são apresentados em coexistência? Somente muito recentemente a Igreja Católica aceitou publicamente o evolucionismo; e o fez de forma deveras tímida.

A resultante de tudo isso me parece óbvia: trilhamos um caminho de secularização crescente nas sociedades ocidentais e, nesse contexto, é salutar que ateus e agnósticos se pronunciem sobre sua descrença no sobrenatural, seja na arena familiar e social, seja na arena de discussões públicas.
 

July 22, 2009

Existe um argumento frequentemente invocado segundo o qual a crença religiosa de ocasião (fé) não é mais arbitrária do que as crenças evidenciais (a ciência incluída nesse bolo, mas não só ela). Crenças religiosas são expressão de fé e fé significa crença sem evidência. Por outro lado, conhecimento é crença a partir de lastro evidencial. São coisas muito distintas. Tal relativismo é incabível. Como já disse o Richard Dawkins, mostre-me um relativista num Boeing voando a dez mil metros de altura e eu lhe mostrarei um hipócrita. Acrescento apenas que se tal assertiva fosse válida, ela teria que ser válida para todas as vertentes religiosas. Por exemplo, cambomblé em nada seria mais arbitrário do que evidências factuais. Cirurgias realizadas em hospitais por médicos, anestesistas e pessoal auxiliar e com o auxílio de instrumentos e equipamentos desenvolvidos no âmbito da ciência não seriam menos arbitrárias do que cirurgias espíritas. Afinal, a gênese da ciência não é um "bootstrap" gigantesco? Seguindo adiante, matar dois cabritos e jogar seu sangue na fuselagem de um Boeing 757 (fato ocorrido no Nepal há dois anos) em nada seria mais arbitrário do que a realização de uma checagem do sistema elétrico da aeronave a partir de conhecimentos acumulados no processo secular de educação científica e tecnológica. Não é mesmo?

Todavia, quem elabora tal argumentação tipicamente entende que ela só vale para a sua fé, não para as outras. Mas por que só para uma?

Antes de jogar pedras na ciência, na tecnologia, nas formações de valor e opinião pautadas em arcabouços evidenciais e de razão é bom lembrar que sem elas não teríamos computadores, aviões, telefones, eletricidade e outras colunas da vida cotidiana. Também não teríamos instituições seculares consolidadas (ao menos não na escala que temos hoje). Já vimos como funcionam sociedades dominadas por nortes teocráticos, inclusive cristãos. Temos conhecimento das cruzadas e inquisições. Sabemos dos livros que foram queimados e dos epiléticos que foram mortos em rituais de exorcismo. Contemporaneamente, sabemos até dos meandros da molestação infantil.

Decerto nem tudo no discurso religioso é negativo e propulsor de atraso. Decerto há palavras de sabedoria no Sermão da Montanha. Decerto há ações de caridade empreendidas por pessoas de fé. Mas o tutano de uma sociedade ocidental moderna deve residir na sua espinha secular, humanista. Não devemos tolerar circuncisão feminina forçada, apredrejamento de mulheres, véu compulsório a pessoas de um determinado sexo, isenção de impostos a igrejas, intromissão de autoridades religiosas nos processos constitucionalmente estabelecidos (lembram da censura ao filme "Je vous salue Marie" em plena redemocratização do Brasil?) etc.

Neste sentido, reitero a importância de que ateus se pronunciem publicamente acerca de sua descrença e também sobre seu compromisso com uma sociedade verdadeiramente secular e institucionalizada. Esse processo de verbalização é recente, crescerá nos próximos anos e terá desdobramentos substanciais nas próximas décadas. A secularização crescente das sociedades ocidentais é um processo sem retorno. Gostemos ou desgostemos.


July 29, 2009

The great unicorn hunt: here.


August 1, 2009

"Filosofar é aprender a aceitar a própria morte." --Michel de Montaigne


August 4, 2009

"Atheism is a religion only in the sense that not collecting stamps is a hobby." --Unknown


August 5, 2009

Good things in life:

1) Music by Johann Sebastian Bach;

2) Robert Mondavi wines;

3) Baume et Mercier watches;

4) the Linux operating system;

5) Sunsets. 


August 9, 2009

Tony Bellotto (músico e marido da atriz Malu Mader) declara que é ateu: http://veja.abril.com.br/blog/cenas-urbanas/viagem/impasses-de-um-ateu/ .

Juca Kfouri (jornalista esportivo) se declara ateu e critica o proselitismo religioso que invadiu o futebol. Seu artigo na Folha de São Paulo (de 30/07/09) se encontra reproduzido em http://acervoateu.blogspot.com/2009/07/juca-kfouri-29.html .

Brad Pitt é ateu; ver http://www.examiner.com/x-10853-Portland-Humanist-Examiner~y2009m8d16-Brad-Pitt-Soldier-in-Americas-culture-war .


August 21, 2009

"All thinking men are atheists." --Ernest Hemingway


August 23, 2009

"Believing there is no God gives me more room for belief in family, people, love, truth, beauty, sex, Jell-o, and all the other things I can prove and that make this life the best life I will ever have." --Penn Jillette


August 27, 2009

What does the Bible have to say about slavery?

When a man strikes his male or female slave with a rod so hard that the slave dies under his hand, he shall be punished.  If, however, the slave survives for a day or two, he is not to be punished, since the slave is his own property.  (Exodus 21:20-21)

Also,
 
Christians who are slaves should give their masters full respect so that the name of God and his teaching will not be shamed.  If your master is a Christian, that is no excuse for being disrespectful.  You should work all the harder because you are helping another believer by your efforts.  Teach these truths, Timothy, and encourage everyone to obey them
 (1 Timothy 6:1-2)

For more, click
here.


September 2, 2009

"Beliefs divide people. Doubt unites them." --Peter Ustinov

"I think its much more interesting to live not knowing, than have answers, which might be wrong. I have approximate answers and possible beliefs and different degrees of certainty about different things. But I’m not absolutely sure of anything. And there are many things that I don’t know anything about." --Richard Feynman



September 3, 2009


The Economist published today a review of Richard Darkins latest book: The Greatest Show on Earth: The Evidence for Evolution. The article subtitle was most suggestive: "How humans are related to chimpanzees—and to cheese mites and cherry trees too". According to the British weekly:

"Perhaps some evolution-deniers will read this book and be convinced. But even to pick it up they would have to ignore a determined campaign of misinformation: polemicists demanding that schools “teach the controversy” (there is none); books about “intelligent design” written by “creationist scientists” (a ragbag of nonentities, mostly engineers or chemists rather than biologists); untruths and ad hominem attacks (few [scientists] “accept that an amoeba can evolve into a human being, even one as flawed as Richard Dawkins,” wrote one Christian essayist recently, neatly combining both genres)."



October 5, 2009

Here is an excellent debate between Christopher Hitchens and Alister McGrath. Needless to say that I side with Mr Hitchens. 


October 11, 2009

"Religion attacks us in our deepest integrity by saying we wouldn't be able to make a moral decision without it, and that a supernatural dictatorship is our only hope. One: Name me a moral kindness or action that they can do because of their belief but that I can't. Two: Can you think of one evil action done by a religious person? You can, and you can think of another, and another." -- Christopher Hitchens


October 15, 2009

Here is an article on intelligent design by Richard Dawkins and Jerry Coyne.

October 18, 2009 

Deu no Los Angeles Times: Igrejas cristãs participam de torturas e assassinatos de milhares de crianças na África, após acusá-las de bruxarias. Ver o artigo aqui. (A propósito, quantos epiléticos já foram assassinados em rituais de exorcismo? Isso é religião. Que tal? 


October 19, 2009 (miscellaneous thoughts)

People I admire (for different reasons): Bradley Efron, C.R. Rao, Christopher Hitchens, Daniel Dennett, David Cox, Diogo Mainardi, (the late) Guilherme Merquior, (the late) Jean-François Revel, Linus Torvalds, (the late) Milton Friedman, (the late) Paulo Francis, Richard Dawkins, Robert Lucas (the economist, not the filmmaker), Sam Harris. 

You probably run one of the following operating systems on your computer: Windows (created by Bill Gates), Mac OS-X (created by Steve Jobs) or Linux (created by Linus Torvalds). (If you don't run Linux, shame on you!) What do Bill Gates, Steve Jobs and Linus Torvalds have in common? Answer: they are all atheists.

Good watches: Baume et Mercier. Really, really, really good watches: Patek Philippe and Vacheron Constantin.

My favorite city: Chicago. Go figure...

There is nothing like a good bottle of wine along with a fruitful and smart conversation with interesting people. It's better than sex. (Or almost...)

What I hate: (i) people who interrupt me while I am still talking; (ii) irrational people; (iii) people who waste time talking about other people's lives.

Beautiful women: Aline Morais, Elizabeth Hurley.


November 26, 2009

The world's most prosperous (and happiest) countries are also its least religious; see this article. You can find Dr Paul's paper here. As for Dr Zuckerman's book ("Society Without God"), I have read truly enjoyed reading it.


November 28, 2009

Veja aqui uma de muitas e muitas e muitas atrocidades cometidas em nome de deuses.


February 23, 2010

What does the Bible say about handicapped people? Let's see:

Leviticus 21:16-23 (New International Version)

 16 The LORD said to Moses, 17 "Say to Aaron: 'For the generations to come none of your descendants who has a defect may come near to offer the food of his God. 18 No man who has any defect may come near: no man who is blind or lame, disfigured or deformed; 19 no man with a crippled foot or hand, 20 or who is hunchbacked or dwarfed, or who has any eye defect, or who has festering or running sores or damaged testicles. 21 No descendant of Aaron the priest who has any defect is to come near to present the offerings made to the LORD by fire. He has a defect; he must not come near to offer the food of his God. 22 He may eat the most holy food of his God, as well as the holy food; 23 yet because of his defect, he must not go near the curtain or approach the altar, and so desecrate my sanctuary. I am the LORD, who makes them holy.' "



March 1, 2010

Did Jesus exist? See this essay. (A cute video extract here.)



March 3, 2010

Here is another "piece of wisdom" from the Bible: 

Women must be silent during church meetings. It's improper for them to speak. They must be submissive. (Corinthians 14:34)


March 4, 2010

Liberalism, atheism, male sexual exclusivity linked to IQ. See here. To quote from the article: 

Participants who said they were atheists had an average IQ of 103 in adolescence, while adults who said they were religious averaged 97, the study found. Atheism "allows someone to move forward and speculate on life without any concern for the dogmatic structure of a religion," Bailey said.


March 7, 2010

The Bible again... Exodus 12:29 (New International Version)

 29 At midnight the LORD struck down all the firstborn in Egypt, from the firstborn of Pharaoh, who sat on the throne, to the firstborn of the prisoner, who was in the dungeon, and the firstborn of all the livestock as well.

In Portuguese:

 29 À meia-noite, o SENHOR Deus matou os filhos mais velhos de todas as famílias do Egito, desde o filho do rei, que era o herdeiro do trono, até o filho do prisioneiro que estava na cadeia; e matou também a primeira cria dos animais.



March 11, 2010

Sticking to the Bible....
Ephesians 6:5-9 (New International Version) 

5Slaves, obey your earthly masters with respect and fear, and with sincerity of heart, just as you would obey Christ. 6Obey them not only to win their favor when their eye is on you, but like slaves of Christ, doing the will of God from your heart. 7Serve wholeheartedly, as if you were serving the Lord, not men, 8because you know that the Lord will reward everyone for whatever good he does, whether he is slave or free.

 9And masters, treat your slaves in the same way. Do not threaten them, since you know that he who is both their Master and yours is in heaven, and there is no favoritism with him.

The main trouble with Christians is that most of them just don't read the Bible. They let preachers pick and choose the nice bits, and wrongly infer that the remainder of the book is just like those carefully selected bits.


March 13, 2010

Tomemos mais um trecho da Bíblia: Deuteronômio 22.

13 Quando um homem tomar mulher e, depois de coabitar com ela, a desprezar,
14 E lhe imputar coisas escandalosas, e contra ela divulgar má fama, dizendo: Tomei esta mulher, e me cheguei a ela, porém não a achei virgem;
15 Então o pai da moça e sua mãe tomarão os sinais da virgindade da moça, e levá-los-ão aos anciãos da cidade, à porta;
16 E o pai da moça dirá aos anciãos: Eu dei minha filha por mulher a este homem, porém ele a despreza;
17 E eis que lhe imputou coisas escandalosas, dizendo: Não achei virgem a tua filha; porém eis aqui os sinais da virgindade de minha filha. E estenderão a roupa diante dos anciãos da cidade.
18 Então os anciãos da mesma cidade tomarão aquele homem, e o castigarão.
19 E o multarão em cem siclos de prata, e os darão ao pai da moça; porquanto divulgou má fama sobre uma virgem de Israel. E lhe será por mulher, em todos os seus dias não a poderá despedir.
20 Porém se isto for verdadeiro, isto é, que a virgindade não se achou na moça,
21 Então levarão a moça à porta da casa de seu pai, e os homens da sua cidade a apedrejarão, até que morra; pois fez loucura em Israel, prostituindo-se na casa de seu pai; assim tirarás o mal do meio de ti.

Que tal? Você acha que esse livro é "sagrado"? Você o tomaria como um guia para a sua moralidade?


March 14, 2010

Mais um pouco da "sabedoria bíblica": Números 31.

14Indignou-se Moisés contra os oficiais do exército, capitães dos milhares e capitães das centenas, que vinham do serviço da guerra.
15Disse-lhes Moisés: Deixastes viver todas as mulheres?
16Eis que estas, por conselho de Balaão, fizeram prevaricar os filhos de Israel contra o SENHOR, no caso de Peor, pelo que houve a praga entre a congregação do SENHOR.
17Agora, pois, matai, dentre as crianças, todas as do sexo masculino; e matai toda mulher que coabitou com algum homem, deitando-se com ele.
18Porém todas as meninas, e as jovens que não coabitaram com algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós outros.

Que horror, não? Uma apologia ao estupro de meninas virgens. 

Bem, a essa altura você pode perguntar: Por que listar passagens bíblicas tão repugnantes? A minha resposta é: para que as pessoas que não leem a Bíblia saibam o que ela contém. Infelizmente, quase todos os cristãos não leem o livro que julgam ser sagrado. No meu entender, é importante que saibam o que ele contém. Se, após tal conhecimento, decidirem continuar a enxergar a Bíblia da mesma forma, que seja. Cada um tem o direito de fazer as suas escolhas. Ao menos estar-se-á fazendo uma escolha minimamente informada. 


March 19, 2010

Johann Hari published an excellent article today in The Independent. It is available here.


March 20, 2010

* Which is most violent, the Bible or the Quran? (Qual livro é mais violento, a Bíblia ou o Corão?) The answer: The Bible. This was the conclusion reached by that Philip Jenkins, a religion historian at Penn State University. See the NPR story here.

* For the past couple of years I have been following the E. Coli evolution experiment carried out at Michigan State University by professor Richard Lenski and coauthors. They have been reproducing in a laboratory the evolutionary process of E. Coli bacterias for the past 20 years or so. It's an amazing experiment. The most recent advance was that they able to observe macroevolution. Yes, macroevolution. See this link. For details on professor Lenski's long term experiment, see this Wikipedia entry. For details on the controversy with creationists click here.


March 21, 2010

Hoje celebramos o aniversário de nascimento de Johann Sebastian Bach, que nasceu em 21/03/1685. Sua música é a minha companheira de todas as horas, inclusive das mais difíceis. Ela é ao mesmo tempo cerebral e emotiva. Não é, convenhamos, uma comunhão fácil de ser alcançada. Adicionalmente, ela sempre me impressiona por mostrar o enorme potencial da mente humana, da nossa racionalidade, do nosso intelecto. Ao buscar uma harmonia cósmica, ela nos coloca em contato com uma unidade maior (no meu caso, desprovida de sobrenaturalidades). Na música do Mestre estão as emoções humanas (todas), as forças da natureza, as mais díspares serenidades e turbulências emocionais, as dores mais profundas, uma boa dosagem da solidão humana, a face perdida do órfão (que, em alguma extensão, existe também em cada um de nós) e a busca de um equilíbrio maior através dos mais belos caminhos de simetrias e geometrias. Ao escutar a Chaconne da Segunda Partita para Violino, escrita logo após o falecimento de sua primeira esposa, às me pego comentando para mim mesmo: "É impressionante como a dor humana pode ser bela." E isso sempre me dá forças. Muitas vezes, é na dor que avançamos a nossa humanidade. E Johann Sebastian Bach, o órfão pai de uma dezena de filhos mortos e tragicamente viúvo ainda jovem, sabia bem disso. E nos lembra cotidianamente. Obrigado, Mr Bach. E feliz aniversário.


March 22, 2010

Um dos meus poemas prediletos é "A solidão e sua porta", do meu conterrâneo Carlos Pena Filho. 

A SOLIDÃO E SUA PORTA (Carlos Pena Filho)
 
Quando mais nada resistir que valha
A pena de viver e a dor de amar
E quando nada mais interessar
(Nem o torpor do sono que se espalha)

Quando pelo desuso da navalha
A barba livremente caminhar
E até Deus em silêncio se afastar
Deixando-te sozinho na batalha

A arquitetar na sombra a despedida
Deste mundo que te foi contraditório
Lembra-te que afinal te resta a vida
 
Com tudo que é insolvente e provisório
E de que ainda tens uma saída
Entrar no acaso e amar o transitório.

"Ainda tens uma saída: entrar no acaso e amar o transitório." Forte, não? As duas palavras dominantes são acaso e transitório. Se pensarmos bem essas talvez sejam as duas palavras mais relevantes para a compreensão de como nos inserimos no mundo que nos cerca e na vida ao largo.


March 24, 2010

Mais um pouco da Bíblia, agora sobre as mulheres:


Coríntios: 14:34-35

34    As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei.
35     E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja.


March 29, 2010

O que Jesus não faria (aqui). Hitchens fala sobre o mito de Jesus (aqui). E aqui está um vídeo bastante interessante sobre simbolismos religiosos. 


April 4, 2010

Was Johann Sebastian Bach an atheist? This seems to be the conclusion reached by Wolfgang Eubel in his 2008 essay entitled "Was J.S. Bach an atheist?" (Available here.)


April 9, 2010

Um dos meus poemas prediletos é "One Art" da Elizabeth Bishop. Ele aborda as nossas perdas, das mais inocentes às mais dolorosas.

One Art (by Elizabeth Bishop)

The art of losing isn't hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster,

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn't hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother's watch. And look! my last, or
next-to-last, of three beloved houses went.
The art of losing isn't hard to master.

I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn't a disaster.

-- Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan't have lied. It's evident
the art of losing's not too hard to master
though it may look like (Write it!) a disaster.


Aqui está uma tradução para o português:


Uma arte (Elizabeth Bishop)

A arte de perder não é nenhum mistério;
tantas coisas contêm em si o acidente
de perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
a chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
lugares, nomes, a escala subseqüente
da viagem não feita. Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. E um império
que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

— Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo
que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério
por muito que pareça (Escreve!) muito sério.

É isso. Perder faz parte da vida. Não há vida sem perdas nem perdas que não permeiem vidas. A dor da perda é a dor da vida. Precisamos abraçar as perdas que cruzam os nossos caminhos como abraçamos a própria vida. É fácil? Não. Mas as boas coisas da vida nunca o são. Perca as chaves. Perca um continente. Sinta a dor. E siga em frente.


April 10, 2010

Falemos um pouco mais sobre religião e religiosidade. Você sabe qual é a idade do Universo? Resposta: 13.7 bilhões de anos. Você sabe qual é a idade do nosso planeta? Resposta: 4.6 bilhões de anos. Você sabe há quanto tempo nós humanos (Homo sapiens) estamos aqui na Terra? Resposta: há cerca de 200 mil anos. Você sabe como a nossa espécie surgiu? Resposta: a partir de um longo processo evolutivo em que todas as formas de vida evoluíram a partir de um único ser vivo inicial. Nessa árvore evolutiva, temos um ancestral comum com os chimpanzés. Adicionalmente, você já se deu conta da dimensão do Universo, em que o nosso planeta representa menos do que um grão de areia num vasto oceano? Agora tome essas informações de forma conjunta e permita-me colocar-lhe algumas perguntas. Você acha mesmo que existe um deus que criou o Universo há quase 14 bilhões de anos e a Terra há quase 5 bilhões de anos, depois esperou cerca de 4 bilhões e meio de anos para que a nossa espécie surgisse só para manter com essa espécie particular a única relação especial mantida com seres vivos em toda a vastidão do Universo? Adicionalmente, você acha que esse deus esperou cerca de 198 mil anos de existência da nossa espécie para enviar a uma das localidades mais iliteradas do planeta seu filho, para que ele morresse em forma de sacrifício humano só para que pudéssemos fazer os nossos pecados desaparecer nele acreditando? Indo além, você sinceramente acha que esse deus sobrenatural lê os seus pensamentos? Você acha que ele realiza milagres e suspende as leis da natureza em favor de quem pede da forma correta? 

Não lhe parece um devaneio achar que o Universo foi criado há quase 14 bilhões de anos só para abrigar a nossa espécie, que surgiu há 200 mil anos? Tal concepção não lhe soa megalomaníaca? A visão cristã do mundo é construída sobre essa profissão de megalomania. No passado, chegou a pregar que a Terra era o centro do Universo e que o Sol girava em torno da Terra (e não o inverso). Pessoas chegaram a morrer por contestar tais proposições.

Eu sei que há eventos e fenômenos que ainda não sabemos explicar, como e.g. o que causou o Big Bang que deu origem ao Universo. Eu acho, contudo, que a postura intelectualmente correta é reconhecer a nossa ignorância frente a eles e não preenchê-los arbitrariamente com atos de deuses e divindades. Os nossos ancestrais atribuíam trovões e raios a deuses meramente por não saber explicá-los. Não façamos o mesmo com o Big Bang.


April 19, 2010

Eu participo da lista de discussão eletrônica da Associação Brasileira de Estatística (ABE-L). Recentemente houve uma intensa troca de mensagens sobre religião e assuntos correlatos. Reproduzo abaixo três mensagens que enviei à lista, a título de contribuição para o debate.

Primeira mensagem (14/04/10)
  
Cara Danielle e colegas,

Não me surpreende que discussões desse naipe venham à superfície. Primeiro, acho que muitos têm uma curiosidade natural sobre assuntos relativos a religiões e crenças em sobrenaturalidades, e fundamentalmente porque eles tocam a mais incômoda de todas as realidades: nossa finitude.

Segundo, o panorama social contemporâneo parece ser marcadamente distinto daquele que vigorava até cerca de uma década ou mesmo meia década. Até então havia uma espécie de monólogo na medida em que religiosos se pronunciavam nas esferas pública e social e ateus e agnósticos silenciavam. Isso mudou. Como disse o Drauzio Varella, muitos ateus saíram do armário e demandaram seu igual direito de expressão. Por que não o teriam? Hoje vemos pessoas como ele e o Tony Bellotto (para ficar em apenas dois exemplos) fazendo pronunciamentos públicos. Acho que muitos religiosos não entenderam essa mudança ou não conseguiram aceitá-la. Anseiam por um retorno aos tempos em que o equilíbrio implicava o silêncio absoluto por parte dos descrentes.

Terceiro, cotidianamente lemos notícias emanadas das cercanias das religiões organizadas que nos causam alguma dose de indignação. Elas vão de atentados terroristas a assassinatos de médicos que realizam abortos legalmente, passando por castração de mulheres, morte por apedrejamento de adúlteras, conclamação à violência contra homossexuais, extorsão de fiéis, pregações papais contra o uso de preservativos na África, pedofilia em bancas de igrejas, proteção a padres pedófilos por cardeais e bispos e a lista segue. Tome por exemplo a discriminação contra homossexuais. Nos EUA, há o movimento God Hates Fags ("Deus Odeia Bichas") que às vezes chega a promover violência física em nome de versos bíblicos. Pois bem, a página http://www.godhatesfags.com é a página de uma Igreja Batista Cristã. Naturalmente, isso causa indignação em muitos.

A indignação termina conduzindo a algumas expressões públicas e, consequentemente, ao diálogo e ao debate. Ao se fazer críticas ácidas e, por vezes, irônicas a fatos como os elencados acima não se embutem generalizações. Exemplo. Quando criticamos a existência de pedófilos nas bancas católicas e, acima de tudo, a proteção institucional que a Igreja Católica lhes oferta não afirmamos ou insinuamos que todos os padres são pedófilos. Isso deve ficar claro.

Quarto, somos (na maioria) cientistas e sabemos que há cientistas religiosos e também aqueles que são descrentes. Constatamos isso cotidianamente. O curioso é que a distribuição muda quando nos movemos para a "elite" dos cientistas. Por exemplo, pesquisa feita na National Academy of Sciences dos EUA, que congrega a elite dos cientistas daquele país, constatou que 93% dos membros não acredita em Deus (ou deuses). No caso da Royal Society (Reino Unido) o quantitativo é de 97%. Ou seja, no topo da pirâmide prevalece a descrença (exceções como o Francis Collins notadas, é claro).

Quinto, isso nos leva a perguntar: por quê? E assim chegamos à questão relativa à possível incompatibilidade entre ciência e religião. No meu entender, a fonte preponderante da incompatibilidade reside no fato de que as religiões (ou ao menos a grande maioria) são movidas pela FÉ e fé significa crença sem evidências. Ou seja, crê-se ao arrepio de lastro evidencial ou na esteira de lastro evidencial tênue e não sujeito a verificações independentes e a questionamentos críticos. Na seara científica, por outro lado, a propulsão deriva de CONHECIMENTO, que significa crença à base de evidências. E, adicione-se, sujeita a constantes revisões à luz dos fatos. Por exemplo, ache uma ossada de um coelho datada do período Pré-Cambriano e a Teoria da Evolução por Seleção Natural de Darwin estará rejeitada. O que, por outro lado, seria necessário, em termos evidenciais, para se rejeitar o criacionismo? Ou a assertiva de que Maomé subiu ao céu montado num jumento?

O melhor pronunciamento que conheço sobre o conflito entre fé e ciência foi feito pelo Sam Harris e está disponível (em inglês) em

http://fora.tv/2007/07/04/Clash_Between_Faith_and_Reason


Recomendo-o fortemente a quem tiver domínio da língua inglesa.

Estou lendo o livro "Godless: How an Evangelical Preacher Became One of America's Leading Atheists" de autoria do Dan Barker. Ele relata que uma coisa que lhe chamava a atenção quando era pastor era o comportamento acrítico de suas plateias. Ninguém fazia questionamentos, ninguém perguntava por evidências, ninguém usava contestação crítica, ninguém perguntava como ele tinha conhecimento de suas assertivas. Agora pergunto: O ambiente científico é assim? Certamente não. Aliás, o progresso científico depende fortemente do questionamento crítico, da verificação independente, da avaliação de evidências. Noto ainda que vemos constantemente cientistas dizendo: "Não sei." Tais palavras se tornam mais escassas à medida em que nos afastamos dos bancos da ciência. Mais uma diferença marcante. Experimente perguntar a uma astrônomo e a um pastor, padre ou rabino sobre a origem do Universo. Qual deles dirá "não sabemos", dando, assim, a resposta honesta?

Sexto, uma fonte adicional de diálogo são as incursões no campo da razão feitas por religiosos. Por exemplo, há "provas" da existência de Deus por todos os lados, que vão desde argumentos filosóficos e matemáticos a argumentações bayesianas (!!). Aqui, recomendo o livro do John Allen Paulos: "Irreligion: a Mathematician Explains Why the Arguments for God Just Don't Add Up".

Sétimo, outro emanador de diálogos e discussões reside no fato de que muitos religiosos acreditam que somente a religião pode conduzir a comportamentos morais. Quem vive nos EUA sente esse discurso mais de perto. Nada poderia ser mais falso. Uma boa referência é o recente livro do Phil Zuckerman: "Society without God: What the Least Religious Nations Can Tell Us About Contentment". O autor, que é professor de sociologia, viveu por quase dois anos nos dois países em que menos se crê em Deus: Dinamarca e Suécia. Ele conta sua experiência, apresenta muitas entrevistas que fez e desfila estatísticas. Fica claro que tutano religioso não é necessário para moral individual ou mesmo para saúde social.

Aproveito essa (longa) mensagem para notar que no campo da descrença há aqueles que se professam ateus (não acreditam na existência do deus abraâmico ou de outros deuses e divindades) e aqueles que se dizem agnósticos. Pessoalmente, acho o agnosticismo um tanto seletivo, pois só é direcionado ao deus judaico-cristão e não aos demais deuses (Thor, deuses hindus, Mithra etc.). Tipicamente quem se diz agnóstico em relação ao deus abraâmico se professa simultaneamente ateu em relação a Thor, Zeus ou Mithra. Essa é, todavia, uma opinião muito pessoal.

Por fim, o mais importante é que haja respeito ao direito alheio de expressar suas visões, sejam elas de cunho religioso ou de teor humanista, inclusive quando pontualmente carregadas de críticas -- ácidas ou não -- a discursos e pregações religiosos. Aqui e ali alguns sentir-se-ão incomodados e até mesmo moderadamente ofendidos. Todavia, há que se lembrar a máxima: sentirmo-nos ocasionalmente ofendidos é o preço que pagamos por transitar em ambientes plurais.

Abraços descrentes, plurais e frequentistas a todos e todas.

FC

Segunda mensagem (15/04/10)

Car*s,

Uma pergunta que aflorou na discussão em tela foi: Até que ponto ciência e religião são compatíveis? Abaixo argumentarei que: (i) a convivência entre elas é pontuada por tensões e atritos e (ii) estes se devem às suas naturezas marcadamente distintas, o que naturalmente conduz a uma generosa dosagem de incompatibilidade. Notarei -- e isso é importante -- que tal incompatibilidade não se dá na esfera pessoal, mas sim na essência definidora dos dois campos. (Houve confusão em relação a isso aqui.) A minha argumentação se encontra esboçada a seguir, para quem tiver interesse em lê-la. Trata-se de minha opinião pessoal e não de compêndio de opiniões alheias.

De início, tome a seguinte citação:

"His Holiness has decreed Galileo be interrogated with regard to his intention, even with torture!" --Papal Decision, 1633

Deixo-a como food for thought, como dizem os americanos. Em boa extensão, ela espelha a dicotomia que será explorada abaixo.

Muitas religiões sempre tentaram sobrepor-se à ciência no que tange à explicação do mundo natural. Se dependêssemos de religiões para compreender o mundo que nos cerca ainda acharíamos que a Terra é plana, que a Terra é o centro do universo e que o Sol gira em torno do nosso planeta (e não o contrário). Poder-se-ia argumentar que se trata de um "desvio de percurso" pretérito e que tal conflito não mais existe. Mas existe. Certamente existe. Por exemplo, muitas autoridades religiosas se posicionam contra o evolucionismo darwiniano, há fortes (e incompreendidas) oposições à teoria do Big Bang como descrição do início do universo e há enorme resistência religiosa a pesquisas com células-tronco. Religiosidade historicamente tem sido uma barreira ao avanço da ciência e a uma melhor compreensão da natureza na qual nos inserimos. Ciência e religião não parecem ser campos disjuntos. Ao menos não no meu olhar.

Quem quiser um bom exemplo de uma batalha corrente entre cientistas de renome e espadachins da fé que analise o que é conhecido como o "Lenski affair". O Richard Lenski e seus colaboradores vêm desenvolvendo, na Michigan State University, um amplo e detalhado experimento ao longo das últimas duas décadas em que reproduzem a evolução em laboratório usando bactérias E. Coli. Acompanho os desdobramentos há cerca de dois anos. É a ciência em seu auge! Esse é um dos experimentos mais importantes da biologia moderna e vem rendendo publicações em importantes periódicos. Ver, e.g., esse artigo no PNAS:

http://www.pnas.org/content/105/23/7899


Recentemente, a equipe do Richard Lenski chegou mesmo a observar macroevolução. Um feito e tanto! Ver

http://www.dailyevergreen.com/story/31155

Pois bem, previsivelmente o Richard Lenski começou a ser atacado por grupos religiosos, que passaram a lançar mão de expedientes sórdidos e condenáveis. Para detalhes, ver

http://rationalwiki.com/wiki/Lenski_affair


Uma outra frente de batalha entre cientistas e religiosos diz respeito ao ensino de ciências no primeiro e segundo graus. Nos EUA têm havido diversas incursões para que o criacionismo (ou sua forma travestida: "desenho inteligente") seja ensinado como uma "alternativa" ao evolucionismo nas aulas de ciências. O imbróglio já foi parar em tribunais, o julgamento mais marcante sendo aquele que ficou conhecido como o "Julgamento de Dover" (2005). A tensão continua. Seria difícil argumentar a favor de uma convivência harmônica entre ciência e religião. Quem quiser atribuir-se a árdua tarefa de tal argumentação deve primeiro ler a página

http://en.wikipedia.org/wiki/Kitzmiller_v._Dover_Area_School_District

que apresenta um resumo do "Dover Trial".

Convém ainda notar, nesse contexto, que há forte correlação negativa entre o grau de religiosidade de um país e a aceitação do evolucionismo darwiniano. Não seria tal correlação negativa mais um indicador da tensa convivência entre os domínios da razão e da fé? No meu entender, sim.

No período recente, vivenciamos um intenso conflito entre cientistas e grupos religiosos organizados no que pertine à liberação de pesquisas com células-tronco. Felizmente, prevaleceu o bom senso. Mas foi uma batalha desgastante. Acho que todos acompanharam o noticiário, tanto no Brasil quanto no exterior.

Em suma, a convivência entre as searas da ciência e dos domínios religiosos não é pacífica. Há de haver uma razão.

Na presente discussão, duas questões bem distintas foram acidentalmente misturadas. Primeiro: É possível alguém ser um bom cientista e ser, simultaneamente, religioso? Sim, certamente. O Francis Collins está aí para servir de exemplo. É um baita "poster boy", diga-se de passagem. Mas isso não significa que religião e ciência são compatíveis. Há excelentes cientistas que creem em astrologia. Isso implica que ciência e astrologia são compatíveis? Não. Isaac Newton acreditava fortemente em alquimia e foi ao mesmo tempo um dos mais influentes cientistas de todos os tempos, a quem cotidianamente rendemos reverência. Isso significa que ciência e alquimia são compatíveis? Não, diversas vezes não (no tom poético montenegriano). Segundo (e agora sim vital): Ciência e religião são compatíveis? Essa sim é a questão central. "That's the question", como diria o nosso amigo Bill. No meu entendimento, a resposta é negativa. Posiciono-me, pois, ao lado do Klaus. Como argumentei, o motor da religião é a fé (= crença sem evidências) ao passo que o da ciência é o conhecimento (= crença com evidências, sujeita a constantes revisões à luz de novos fatos e popperianamente refutável). Como algo baseado em fé (crença sem evidências) pode ser plenamente compatível com algo baseado em conhecimento (crença com evidências)? Como algo imóvel, estanque e desprovido de questionamentos evidenciais (religião) pode ser compatível com algo dinâmico e acelerado por questionamentos evidenciais e verificações independentes? Como algo lastreado em dogmas pode ser compatível com um campo cuja própria definição é a ausência de dogmas? Não me perguntem. Não me surpreende que a convivência entre fé e ciência seja tensa, nos moldes elencados acima.

Ademais, o modus operandi nuclear dos domínios religiosos me parece inverter o que marca o nosso comportamento cotidiano e também o caminho científico. Explico. Suponha que eu lhe digo que suco de graviola (uma deliciosa fruta abundante no Nordeste) cura câncer. Qual será a sua reação? Você provavelmente não acreditará na minha assertiva e me cobrará evidências. Na ausência de evidências que suportem a minha proposição, você simplesmente permanecerá em descrença. E com razão. Idem para o Food and Drug Administration (FDA - EUA) no que tange a novos remédios e novas vacinas. No plano mais mundano, recentemente rimos da apresentadora de televisão Xuxa quando ela afirmou crer em duendes. E por quê? Porque não há evidências favoráveis à existência de duendes e, assim, tal crença é *injustificada*. Ou não foi por isso que, discreta e educadamente, gargalhamos quando a referida apresentadora fez suas controvertidas declarações em público? Claro que foi. Aonde quero chegar? Temos um modo "default": descrença que pode ser ser revertida em crença na aurora de evidências. Na aurora de evidências! Lembram do Monstro do Lago Ness? Primeiro, descremos de sua existência. Quando surgiram as primeiras fotografias, passamos de descrença a crença (por conta de lastro evidencial). Depois a evidência fotográfica se mostrou demasiadamente tênue e lá fomos nós de volta para os pampas da descrença. Resumo da ópera: descremos até que evidências palpáveis JUSTIFIQUEM a nossa crença. Todavia -- e esse é o ponto nevrálgico --, muitos abrem uma exceção oceânica quando o assunto é religião. Nesse terreno, passam de descrença a crença ao arrepio de evidências palpáveis, tangíveis. Esse "pulo de fé" é, parece-me, incompatível não apenas com a ciência, mas também com o nosso comportamento secular cotidiano.

Já que iniciei com uma citação, concluirei com outra:

"Where there is evidence, no one speaks of 'faith'." --Bertrand Russell

Por fim, ressalto enfaticamente que não foi minha intenção insultar pessoas de fé. Espero que tais pessoas tomem as opiniões que expressei pelo que são: opiniões pessoais no livre mercado de ideias.

Abraços frequentistas, FC

PS. Hoje li algo no g1 que recomendo: http://bit.ly/azA85x . Trata-se de novo livro do físico brasileiro Marcelo Gleiser. Parece interessante e lida, em certa extensão, com aspectos ventilados aqui na lista. O título da matéria: "Livro de Marcelo Gleiser tenta tirar resquícios de religião da ciência".

Terceira mensagem (17/04/10)
   
Car*s,

Achei frutífero o interesse honesto e sincero que muitos dedicaram à recente discussão sobre assuntos de âmago religioso e que tangenciou a ciência e outras facetas da nossa vida cotidiana.

Um vídeo interessante e que invariavelmente nos convida à reflexão é o intitulado "The known universe", que está disponível em

http://www.youtube.com/watch?v=17jymDn0W6U


(desenvolvido pelo American Museum of Natural History). Ele mostra o Universo tal qual o conhecemos. É algo convidativo à reflexão e mais ainda à humildade. Na vastidão do Universo o nosso planeta representa menos do que um grão de areia num imenso oceano. Deixando de lado a dimensão física e passando à dimensão temporal, o Universo tem cerca de 13,7 bilhões de anos. A idade aproximada do nosso planeta é 4,6 bilhões de anos. A nossa espécie (Homo sapiens) existe há cerca de 200 mil anos. Há quem acredite que o nosso imensamente vasto Universo foi criado há quase 14 bilhões de anos apenas para abrigar uma espécie de primatas em um pequeno planeta, espécie essa que evoluiu darwinianamente a partir de formas mais simples de vida, compartilhando um ancestral comum com os chimpanzés. Mais até: acreditam que o criador do universo mantém uma relação especial com essa espécie de primatas evoluídos (e apenas com ela), sendo capaz de ler os pensamentos de cada um de seus membros e de ocasionalmente suspender as leis da natureza em seu favor. É uma crença, certo. Merece respeito. Mas a pergunta inevitável parece ser: será que tudo isso existe mesmo por nós e para nós? Somos tão importantes assim? Somos verdadeiramente o centro e a razão de ser de um vasto equilíbrio cósmico? E aqui crença e descrença colidem. Inevitavelmente. A descrença no fundo se resume a uma humildade cósmica (provavelmente não somos a motivação central por trás de algo tão fenomenal quanto o nosso Universo) e a uma aceitação de ignorância (não sabemos como o Universo veio a existir, como também não sabemos se o Cosmos é formado por vários multiversos, como hoje se especula). Estamos aqui. Hoje e agora. Envoltos por uma estupenda natureza e testemunhando as mais encantadoras leis cósmicas. Apreciando as belas simetrias e também as encantadoras imperfeições de tudo o que nos cerca. Isso não basta? Para alguns sim, para outros não. Viva a diversidade!

Permitam-me tecer alguns comentários finais. Primeiro, nenhum cientista provará a inexistência do deus abraâmico ou de outros deuses. É impossível provar inexistências, o que também vale para duendes e unicórnios. Ademais, como disse Carl Sagan, "extraordinary claims require extraordinary evidence". Assim, o peso da prova recai sobre quem faz as assertivas extraordinárias e não sobre quem lhes reserva doses de ceticismo.

Segundo, a aposta de Pascal embute uma série de suposições implícitas. Por exemplo: (A1) ou não existe deus algum ou existe o deus judaico-cristão, (A2) em existindo, o deus judaico-cristão recompensará quem nele acreditou e o louvou e/ou punirá quem não o fez, (A3) não há custo em crer na existência de Deus. Essas suposições parecem-me questionáveis. E se existir um deus, mas esse não for o deus judaico-cristão? E se o deus que existir recompensar aqueles que brava e intelectualmente tiveram a coragem de dele descrer? Como coloca o Richard Dawkins, "Deus não respeitaria [Bertrand] Russel por seu ceticismo corajoso (...) bem mais do que Pascal por sua aposta cautelosa e covarde?" Ademais, para levar tal aposta racionalmente a sério, deveríamos escolher a religião que tem o inferno mais aterrorizador, a título preventivo. Em suma, a aposta de Pascal é de pouca iluminação.

Por fim, espero que alguns leitores da ABE-L tenham encontrado terreno fértil nas diversas mensagens que circularam sobre o tema. O propósito de discussões como essa não é fazer pessoas mudarem de opinião, mas sim enriquecer o ambiente intelectual, estimulando reflexões e questionamentos.

Abraços frequentistas, FC


May 7, 2010

PARA FAZER UM SONETO (Carlos Pena Filho)

Tome um pouco de azul, se a tarde é clara,
e espere um instante ocasional.
Nesse curto intervalo Deus prepara
e lhe oferta a palavra inicial.

Aí, adote uma atitude avara:
se você preferir a cor local,
não use mais que o sol da sua cara
e um pedaço de fundo de quintal.

Se não, procure o cinza e esta vagueza
das lembranças da infância, e não se apresse,
antes, deixe levá-lo a correnteza.

Mas ao chegar ao ponto em que se tece
dentro da escuridão a vã certeza,
ponha tudo de lado e então comece.


May 22, 2010

"Why atheism will replace religion" by Nigel Barber: here.


June 9, 2010

No, Adolf Hitler was not an atheist. See here.


June 26, 2010

"As grandes convivências estão a um milímetro do tédio." --Nelson Rodrigues


June 28, 2010

Os ateus são mais pacíficos, ver aqui.


July 17, 2010

Um amigo solicitou a minha opinião sobre as recentes controvérsias em torno da Bienal de Arte. Enviei-lhe em resposta o texto abaixo, de minha autoria. 

Entendo que a ânsia de projetar uma imagem ou fantasia vanguardista, no Brasil e alhures, pode ser detrimental às artes plásticas. Mais: em geral o é. No momento em que se aceita que tudo é arte passa-se a aceitar, por corolário, que nada é arte. O compromisso primeiro da arte é -- e deve ser -- com a arte em si, ou seja, com o conteúdo artístico que projeta, com a estética que a define e -- importante -- a delineia e a delimita. Arte sem limites não é arte; arte sem fronteiras não é arte. Em seu livro "What is Art?" o renomado escritor russo Leo Tostoy nos brinda com a seguinte definição: "Art is that human activity which consists in one man's consciously conveying to others, by certain external signs, the feelings he has experienced, and in others being infected by those feelings and also experiencing them." A palavra operacional aqui é "feelings" (sentimentos). Uma obra de arte é fundamentalmente uma projeção de sentimentos íntimos. A arte não é instrumento de agendas pessoais ou coletivas. Não pode vir a reboque de interesses. Ao permitir que ela seja usada como espada de alguma agenda, mesmo que sob mantos auto-adjetivados de varguardistas, comete-se o maior de todos os crimes: a eutanásia da arte. Esse é, em última instância, o preço a ser pago pela ausência de tutano por parte de muitos na defesa da fronteira artística. Arte que não tem fronteiras não é arte; é nada, é vácuo. 

É assim que eu vejo. É assim que eu entendo. 


July 18, 2010

Da Bíblia:

Êxodo 15:3 O SENHOR é homem de guerra; SENHOR é o seu nome.

Ou seja, o deus bíblico é um "homem de guerra". 


July 25, 2010

Palavras de Jesus de acordo com o Novo Testamento:

Mateus 10:

34 Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada;

35 Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra;

36 E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.

37 Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim.


Comentário: 35 viola um dos consagrados Dez Mandamentos.

Mais palavras de Jesus: Lucas 12:

47 E o servo que soube a vontade do seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites;

48 Mas o que a não soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado.

Não, essas palavras não pertencem a uma parábola por ele contada. São palavras de Jesus Cristo, de acordo com o Evangelho de Lucas. Ao proferi-las Jesus explicava a parábola que havia acabado de contar. Ao fazê-lo, Jesus explicita quais escravos devem ser punidos com muitas chicotadas e quais escravos devem ser punidos com poucas chicotadas.

Não só Jesus jamais condenou a escravidão, mas chegou a explicitar castigos de açoites a escravos.


(Obs. A palavra "servo" acima é tradução do grego: doulos, que significa escravo.)


July 26, 2010

Não se sabe quem escreveu os evangelhos canônicos (Mateus, Marcos, Lucas, João). Os próprios nomes desses evangelhos foram atribuídos bem mais tarde. Adicionalmente, eles foram escritos várias décadas após a suposta morte de Jesus Cristo. De acordo com Luiz Felipe Ribeiro, professor de pós-graduação em história do cristianismo antigo da Universidade de Brasília, "O que está claro é que os títulos que temos são um fenômeno editorial, que veio mais tarde." Ver  aqui. Tome, por exemplo, o Evangelho de Mateus. Basta ir para a página Wikipedia para encontrar o seguinte (com as devidas referências): "Most scholars believe the Gospel of Matthew was composed in the latter part of the first century by a Jewish Christian. (...) 18th Century scholars increasingly questioned the traditional view of composition. Today, most critical scholarship agrees that Matthew did not write the Gospel which bears his name, preferring instead to describe the author as an anonymous Jewish Christian, writing towards the end of the first century. They also believe that the Gospel was originally composed in Greek rather than being a translation from an Aramaic Matthew or the Hebrew Gospel."


July 28, 2010

I am reading Jesus, Interrupted: Revealing the Hidden Contradictions in the Bible (and Why We Don't Know About Them) by Bart Ehrman, the James Gray Distinguished Professor of Religious Studies at the University of North Carolina. 

YouTube videos of prof. Ehrman here and here


August 1, 2010

It's simple: 


Source: here.


August 18, 2010




August 20, 2010


YouTube Video




August 21, 2010

Um trecho do livro "O Rio e Seu Segredo" da pianista chinesa Zhu Xiao-Mei (pp.222-224):

Dentre todos os lugares emocionantes que visitei, o mais emocionante continua sendo para mim a igreja de Saint-Thomas de Leipzig, onde Bach trabalhou de 1723 até sua morte, em 1750, anos durante os quais ele compôs suas maiores obras-primas. Ir a Leipzig era um velho sonho meu. Um concerto na ex-Alemanha Oriental me dá finalmente a oportunidade de realizá-lo. (...) Decidi tocar as Goldberg. (...) Ao entrar no palco, a sala está fria. (...) Mas, no decorrer das variações, a comunhão vai se instalando pouco a pouco e no final o público me chama de volta várias vezes. Ele não quer ir embora. Então eu peço silêncio e pronuncio essas poucas palavras:

--Depois de Bach, não se pode tocar mais nada. 

Toda a sala se levanta. Sou aclamada. 

Nunca estive tão perto de Leipzig. No dia seguinte, reconfortada pela acolhida do público, revelo meu sonho à conselheira cultural, uma amiga, que organizou o concerto. Ela me adverte: Saint-Thomas foi objeto de diversas reformas, muitas partes são novas e a autenticidade não é garantida. Ela telefona à igreja para saber se pode ser visitada. Má sorte! Está fechada para obras. Não faz mal. Quero ir mesmo assim, nem que seja para respirar o ar de Leipzig. Isso me bastará. 

(...) 

Chegamos diante de Saint-Thomas. E então, um milagre! A igreja está aberta. De onde ele está, Bach me protegeu. Pedi a Marion para me deixar sozinha alguns instantes e entrei na nave. A tumba de Bach se encontra ali, sob os meus pés, com apenas esta inscrição que, na sua simplicidade, me perturba: 

JOHANN SEBASTIAN BACH

Nada mais. Nenhuma data. Nenhum título. Como na sua música, o essencial, nenhuma nota a mais. 

Eu permaneço ali alguns bons minutos, silenciosa, ao lado de sua tumba. Depois exploro a igreja, de um lado para o outro, persuadida de que vou encontrar uma lembrança de Bach. Vou até o topo do campanário, tocando as pedras, aspirando o ar. Ao sair, digo a Marion: 

--Agora eu posso morrer. Não tenho nenhum arrependimento. 

Alguns anos mais tarde, quando Bernard Pivot me convidou para seu programa "Double je", ele me fez no final o questionário de Proust, que eu adoro. 

--Se Deus existe -- ele me perguntou --, o que gostaria que ele lhe dissesse?

--Você foi corajosa. Venha, eu vou lhe apresentar a Bach.


August 23, 2010


10 Signs of an Unquestioning Christian

1) You vigorously deny the existence of thousands of gods claimed by other religions, but feel outraged when someone denies the existence of your god. 

2) You feel insulted and dehumanised when scientists say that people evolved from lesser life forms, but you have no problem with the biblical claim that you were created from dirt.

3) You laugh at polytheists, but you have no problem believing in a trinity god. 

4) Your face turns purple when you hear of the atrocities attributed to Allah, but you don't even flinch when hearing about how god slaughtered all the babies of Egypt in the book of exodus and order the elimination of entire ethnic groups in Joshua, including women, children and animals. 

5) You laugh at hindu beliefs that defy human and Greek claims about gods sleeping with women but you have absolutely no problem believing that the "holy spirit" impregnated Mary who then gave birth to a man god who got killed, came back to live and then ascended into the sky. 

6) You are willing to spend your time looking for little loopholes in the scientifically established age of the Earth (4.55 billion years) but you find nothing wrong with believing dates recorded by pre-historic tribesmen sitting in tents having a guess that the world is only a few thousand years old. 

7) You believe that the entire population of this planet with the exception of those who share your beliefs --though excluding those in all rival sects -- will spend eternity in an infinite hell of suffering. Yet you consider your religion the most "tolerant and loving". 

8) While modern science, history, biology and physics have failed to convince you otherwise some idiot rolling around the floor speaking in tongues may be all the evidence you need. 

9) You define 0.01% as a "high success rate" when it comes to answered prayers. You consider that to be evidence that prayer works and you think that the other 99.9% was simply the will of God.

10) You actually know a lot less than many atheists and agnostics do about the Bible, Christianity and church history. But you still call yourself a Christian.


(By the way, here you can find the "top 10 Christian delusions".) 


September 2, 2010

Afghanistan: Kingdom of pedophiles? See this article. Rather sad. An extract:

"Having a boy has become a custom for us," Enayatullah, a 42-year-old in Baghlan province, told a Reuters reporter. "Whoever wants to show off should have a boy."

(...)

Sociologists and anthropologists say the problem results from perverse interpretation of Islamic law. Women are simply unapproachable. Afghan men cannot talk to an unrelated woman until after proposing marriage. Before then, they can't even look at a woman, except perhaps her feet. Otherwise she is covered, head to ankle.

"How can you fall in love if you can't see her face," 29-year-old Mohammed Daud told reporters. "We can see the boys, so we can tell which are beautiful."

Even after marriage, many men keep their boys, suggesting a loveless life at home. A favored Afghan expression goes: "Women are for children, boys are for pleasure." Fundamentalist imams, exaggerating a biblical passage on menstruation, teach that women are "unclean" and therefore distasteful. One married man even asked Cardinalli's team "how his wife could become pregnant," her report said. When that was explained, he "reacted with disgust" and asked, "How could one feel desire to be with a woman, who God has made unclean?"


September 3, 2010

Há coisas (naturais) que ainda não conseguimos sequer imaginar. Todavia, hoje começa-se a especular que não há um universo, mas muitos (bilhões? trilhões? quadrilhões?...) de "multiversos". O conjunto de todos eles poderia ser chamado de "cosmos". Universos são criados em enormes quantidades. A imensa maioria não gera as condições necessárias para desenvolvimento e desaparece quase instantaneamente. Vez por outra um consegue desenvolver-se, dadas as condições certas que possui. Deve ser o caso do nosso universo. 

Eu me sinto de certa forma libertado ao saber que o nosso planeta não é sequer um grão de areia no imenso universo em que está inserido (que talvez não seja um grão de areia no enorme conjunto de multiversos em que se insere). Sei que estou aqui por um breve período, que estou aqui dada uma conjunção muito pouco provável de fatores e que devo fazer a minha existência valer. Claro que esse é um conceito muito pessoal, mas no meu caso um de seus elementos reside em tentar compreender o mundo como ele é, com todas as suas facetas encantadoras e também com as mais grotescas. Esse entendimento me fez olhar para a natureza de forma bem distinta. Passei a apreciá-la como nunca havia feito antes. Desnuda de fantasias, a natureza passa a ter uma beleza ímpar, até nos seus aspectos dolorosamente grotescos. É a natureza. E somos um ponto nela. Não somos o senhor dela. Muito ao contrário. 

O universo tem 13.7 bilhões de anos. O nosso planeta tem 4.6 bilhões de anos. A nossa espécie está aqui há apenas 200 mil anos. Somos muito pequenos em qualquer métrica, inclusive na temporal. 

No que tange à "imaginação", contemplo a possibilidade de haver vida em outras esquinas do universo. Por que só haveria de haver aqui? Seria megalomania pensar assim, creio. Também imagino que em outros universos haja outros tipos de vida, que não sejam à base de carbono. Pense num exercício de imaginação! 

Há algo libertador em se saber tão pequeno. E há algo desafiante em se encontrar sentido para viver sendo tão pequeno. Bela dicotomia.

Alternativamente...

...pode-se pensar que um ser sobrenatural criou o universo há 13.7 bilhões de anos, para depois criar o nosso planeta há 4.6 bilhões de anos, para depois criar vida nesse planeta, para que essa vida evoluísse e necessariamente chegasse até a nossa espécie há 200 mil anos, para manter uma relação especial apenas com essa espécie de primatas, lendo os pensamentos de cada membro da espécie e ocasionalmente suspendendo as leis da natureza em seu favor.  Bem, é uma alternativa...

Mudando de assunto, um pensamento eleitoral, fruto de algumas reflexões feitas ao longo do dia. 

Acho que os maiores problemas que enfrentamos atualmente transcendem as esquinas eleitorais (e mesmo as eleitoreiras). 

1) Há uma deterioração em curso do estado de direito. 

2) Há uma deterioração das necessárias fronteiras entre estado, governo e partido. 

3) Há uma visível deterioração das instituições. (Basta olhar para as agências reguladoras para se ter uma noção do cenário ao largo.) 

Não adianta um governo colocar a fatura no governo anterior. Ou na oposição (ou não-oposição) de plantão. Regressões infinitas não nos farão caminhar adiante. A responsabilidade é sempre de quem está com o traseiro na cadeira no presente. Tal responsabilidade independe de transgressões alheias pretéritas ou futuras.

No que tange ao diálogo sobre o tema, ele tem sido tipicamente reduzido ao "pedestrismo binário", aquele que mata as nuances e as gradações com colorações binárias e polares. Quando tudo se torna se igual, nada mais releva. Ou quase. A verdadeira importância da vida democrática reside exatamente nas gradações, nas nuances, nas tonalidades de cinza. Ao matá-las, mata-se o mais autêntico debate democrático. Sobram apenas discursos de apelo popular, chavões e polarizações artificiais. E, claro, intelectuais com discurso de militante.


September 3, 2010

A Gallup survey made in 114 countries in 2009 showed that religiosity is highly correlated with poverty. See here. See also this graph


September 6, 2010

On religion and happiness: here and here .  


September 7, 2010

What drives us: 

YouTube Video



September 11, 2010

Eu tenho notado uma deterioração do ambiente intelectual no Brasil nos últimos anos. Divergências ideológicas e de posicionamento no espectro político sempre existiram e são, em essência, saudáveis. Elas fermentam o ambiente democrático. Onde está a deterioração? Minha percepção: muitos intelectuais passaram a adotar discurso de militante. Isso era algo mais raro no passado. O discurso de militante assume várias facetas, a mais pedestre sendo a que se transvete de ad hominem: frente a divergências basta buscar a desqualificação de intelectuais, articulistas, jornalistas e meios jornalísticos. Argumentação substituída por adjetivação. Segundo: parte-se para nivelamentos rasteiros na ânsia de se desmerecer críticas. Essa linguagem de militante invadiu o ambiente intelectual, lamentavelmente. O diálogo empobreceu. 

Está em curso também uma deterioração do panorama ético. O motivo: a ética vem sendo relativizada. Tem imperado a visão que,  pueril e irrealisticamente, particiona o mundo ao largo em dois grandes campos antagônicos. Nesse contexto, as qualificações éticas passam a ser feitas relativamente ao que se imagina encontrar do outro lado da cerca. A ética empobreceu. 


October 5, 2010

Uma excelente entrevista que, embora antiga, vale a pena ser lida: Reinaldo Azevedo entrevista o psicanalista Contardo Calligaris


October 14, 2010

"Uma parábola cristã" por Hélio Schwartsman: aqui


October 17, 2010

Trecho da entrevista do cineasta Woody Allen (ateu) ao Estadão (edição de ontem, 17/10/10): 

ESTADÃO: Qual das proposições considera mais plausível: a existência de vidas passadas ou a existência de Deus? 

WOODY ALLEN: Nenhuma das duas. Minha perspectiva em relação a estes temas é impiedosa e científica. Simplesmente tenho a sensação de que as coisas não são diferentes daquilo que vemos.


October 29, 2010

"O poder da arte é o poder da surpresa perturbadora. Mesmo quando parece imitativa, a arte não reproduz o que há de conhecimento no mundo visível, mas o substitui por uma realidade que é toda dela. Além de representar o belo, cabe-lhe destruir o banal." --Simon Schama (no livro "O Poder da Arte") 


December 8, 2010

Bertrand Russell's ten commandments (1930):

1. Do not lie to yourself.

2. Do not lie to other people unless they are exercising tyranny.

3. When you think it is your duty to inflict pain, scrutinize your reasons closely.

4. When you desire power, examine yourself closely as to why you deserve it.

5. When you have power, use it to build up people, not to constrict them.

6. Do not attempt to live without vanity, since this is impossible, but choose the right audience from which to seek admiration.

7. Do not think of yourself as a wholly self-contained unit.

8. Be reliable.

9. Be just.

10. Be good-natured.

Bertrand Russell's ten commandments for teachers (1951):

1. Do not feel absolutely certain of anything.

2. Do not think it worthwhile to proceed by concealing evidence, for the evidence is sure to come to light.

3. Never try to discourage thinking for you are sure to succeed.

4. When you meet with opposition, even if it should be from your husband or your children, endeavor to overcome it by argument and not by authority, for a victory dependent upon authority is unreal and illusory.

5. Have no respect for the authority of others, for there are always contrary authorities to be found.

6. Do not use power to suppress opinions you think pernicious, for if you do the opinions will suppress you.

7. Do not fear to be eccentric in opinion, for every opinion now accepted was once eccentric.

8. Find more pleasure in intelligent dissent than in passive agreement, for, if you value intelligence as you should, the former implies a deeper agreement than the latter.

9. Be scrupulously truthful, even if the truth is inconvenient, for it is more inconvenient when you try to conceal it.

10. Do not feel envious of the happiness of those who live in a fool’s paradise, for only a fool will think that is happiness.



December 18, 2010

As Dádivas do Amante (Carlos Pena Filho) 

Deu-lhe a mais limpa manhã
Que o tempo ousara inventar.
Deu-lhe até a palavra lã,
E mais não podia dar.

Deu-lhe o azul que o céu possuía
Deu-lhe o verde da ramagem,
Deu-lhe o sol do meio dia
E uma colina selvagem.

Deu-lhe a lembrança passada
E a que ainda estava por vir,
Deu-lhe a bruma dissipada
Que conseguira reunir.

Deu-lhe o exato momento
Em que uma rosa floriu
Nascida do próprio vento;
Ela ainda mais exigiu.

Deu-lhe uns restos de luar
E um amanhecer violento
Que ardia dentro do mar.

Deu-lhe o frio esquecimento
E mais não podia dar.


December 25, 2010

Soneto Somente (Joaquim Cardozo)

Nasci na várzea do Capibaribe
De terra escura, de macio turvo,
De luz dourada no horizonte curvo
E onde, a água doce, o massapé proíbe

Sua presença para mim se exibe
No seu ar sereno que inda hoje absorvo,
E nas noites com negridão de corvo,
Antes que ao porto do céu arribe

A lua assim só tenho essa planície...
Pois tudo quanto fiz foi superfície
De inúteis coisas vãs, humanamente.

De glórias e de alturas e de universos
Não tenho o que dizer nestes meus versos:
- Nessa várzea nasci, nasci somente.


December 27, 2010

Cântico Negro



December 28, 2010

Excelente texto do Pondé para a Folha de São Paulo sobre "brega e chique". Imperdível. Disponível aqui


January 3, 2011

Ithaca


January 11, 2011

Versos Íntimos (Augusto dos Anjos)

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

January 18, 2011

CERTAINTY (Octavio Paz)

If it is real the white
light from this lamp, real
the writing hand, are they 
real, the eyes looking at what I write?

From one world to the other
what I say vanishes.
I know that I am alive
between two parentheses.

February 3, 2011

SONETO DA BUSCA (Carlos Pena Filho)

Eu quase te busquei entre os bambus
para o encontro campestre de janeiro
porém, arisca que és, logo supus
que há muito já compunhas fevereiro.

Dispersei-me na curva como a luz
do sol que agora estanca-se no outeiro
e assim também, meu sonho se reduz
de encontro ao obstáculo primeiro.

Avançada no tempo, te perdeste
sobre o verde capim, atrás do arbusto
que nasceu para esconder de mim teu busto.

Avançada no tempo, te esqueceste
como esqueço o caminho onde não vou
e a face que na rua não passou.

February 10, 2011

A VELHICE PEDE DESCULPAS (Cecília Meireles)

Tão velho estou como árvore no inverno,
vulcão sufocado, pássaro sonolento.
Tão velho estou, de pálpebras baixas,
acostumado apenas ao som das músicas,
à forma das letras.

Fere-me a luz das lâmpadas, o grito frenético
dos provisórios dias do mundo:
Mas há um sol eterno, eterno e brando
e uma voz que não me canso, muito longe, de ouvir.

Desculpai-me esta face, que se fez resignada:
já não é a minha, mas a do tempo,
com seus muitos episódios.

Desculpai-me não ser bem eu:
mas um fantasma de tudo.
Recebereis em mim muitos mil anos, é certo,
com suas sombras, porém, suas intermináveis sombras.

Desculpai-me viver ainda:
que os destroços, mesmo os da maior glória,
são na verdade só destroços, destroços.


February 12, 2011

O mundo é composto por crentes e descrentes no que tange a religiões e suas proposições e doutrinas. No nosso cotidiano, razão e fé tipicamente dialogam de forma pouco gentil. Trata-se, ao largo, de uma disputa de território. Essa palestra do Sam Harris é o que conheço de melhor sobre o tema. Ela fornece material para reflexão a todos, crentes e descrentes. (Em inglês.)

March 4, 2011

Stephen Hawking's article (Wall Street Journal): "Why God did not create the universe"

March 12, 2011

A review of Stephen Hawking's recent book by Lawrence Krass (Wall Street Journal): "Our Spontaneous Universe: I have never quite understood the conviction that creation requires a creator"

March 20, 2011

"All religions are the same: religion is basically guilt with different holidays." --Cathy Ladman

March 21, 2011

Happy birthday, Mr Bach.

March 23, 2011

Why (Almost All) Cosmologists are Atheists by Sean M. Carroll (California Institute of Technology). This essay was published in Faith and Philosophy 22, 622 (2005). PDF version available here

March 29, 2011

Com a palavra, Bertrand Russell...

Vídeo do YouTube


April 9, 2011

Gosto muito desse poema do Bandeira. Ele nos lembra que o verdadeiro milagre é a vida, junto com a natureza que nos envolve, é o aqui e agora. Não esperemos por milagres divinos, por paraísos a serem encontrados após a morte, por almas flutuantes em espaços inventados; desconectemo-nos de ilusões pueris, de "wishful thinking". Apreciemos a diversidade da natureza e a vastidão do Universo. São belas. E o são pelo que são. A morte, nos lembra Bandeira, marca o fim de todos os milagres. 

PREPARAÇÃO PARA A MORTE (Manuel Bandeira)

A vida é um milagre.
Cada flor,
Com sua forma, sua cor, seu aroma,
Cada flor é um milagre.
Cada pássaro,
Com sua plumagem, seu vôo, seu canto,
Cada pássaro é um milagre.
O espaço, infinito,
O espaço é um milagre.
A memória é um milagre.
A consciência é um milagre.
Tudo é milagre.
Tudo, menos a morte.
– Bendita a morte, que é o fim de todos os milagres.


April 11, 2011

Vídeo do YouTube


April 12, 2011

O primeiro episódio (legendado) da genial série Mr Deity. A série é sobre Deus. Sim, Deus. 

Vídeo do YouTube


April 19, 2011

Vídeo do YouTube



April 26, 2011

Uma pesquisa recente do Instituto Ipsos levantou a proporção de pessoas que creem e descreem em Deus, deuses e divindidades em 23 países. A porcentagem global de ateus é 18% (quase 1/5, portanto). O país com a maior porcentagem de ateus é a França (39%); seguem a Suécia (37%) e a Bélgica (36%). No Brasil, há 3% de ateus. Um dado impressionante: no Brasil, 47% da população é criacionista. Estamos na selva? Há uma relação inversa clara entre desenvolvimento econômico e religiosidade; ver aqui

Ver essa reportagem (UOL). 


April 30, 2011

Recado aos Amigos Distantes (Cecília Meireles) 

Meus companheiros amados, 
não vos espero nem chamo: 
porque vou para outros lados. 
Mas é certo que vos amo. 

Nem sempre os que estão mais perto 
fazem melhor companhia. 
Mesmo com sol encoberto, 
todos sabem quando é dia. 

Pelo vosso campo imenso, 
vou cortando meus atalhos. 
Por vosso amor é que penso 
e me dou tantos trabalhos. 

Não condeneis, por enquanto, 
minha rebelde maneira. 
Para libertar-me tanto, 
fico vossa prisioneira. 

Por mais que longe pareça, 
ides na minha lembrança, 
ides na minha cabeça, 
valeis a minha Esperança.


May 3, 2011

Soneto da Hora Final (Vinícius de Moraes)

Será assim, amiga: um certo dia 
Estando nós a contemplar o poente
Sentiremos no rosto, de repente,
O beijo leve de uma aragem fria.

Tu me olharás silenciosamente
E eu te olharei também, com nostalgia
E partiremos, tontos de poesia
Para a porta de trevas, aberta em frente.

Ao transpor as fronteiras do segredo
Eu, calmo, te direi: - Não tenhas medo
E tu, tranqüila, me dirás: - Sê forte.

E como dois antigos namorados
Noturnamente tristes e enlaçados
Nós entraremos nos jardins da morte.


May 7, 2011

RESTAURADORA (Henriqueta Lisboa)

A morte é limpa.
Cruel mas limpa.

Com seus aventais de linho
- fâmula - esfrega as vidraças.

Tem pinho ágeis e esponjas.
Abre as janelas, o ar precipita-se
inaugural para dentro das salas.
Havia impressões digitais no móveis,
grãos de poeira no interstício 
das fechaduras.

Porém tudo voltou a ser como antes da carne
e sua ordem.


May 9, 2011

Documentário sobre a pregrinação do maestro John Eliot Gardiner por ocasião do aniversário de 250 anos do falecimento de Johann Sebastian Bach. 

Vídeo do YouTube



May 15, 2011

Interview with Stephen Hawking in The Guardian: 

http://www.guardian.co.uk/science/2011/may/15/stephen-hawking-interview-there-is-no-heaven

"A belief that heaven or an afterlife awaits us is a fairy story for people afraid of death." --Stephen Hawking


May 30, 2011

"É melhor, muito melhor, contentar-se com a realidade; se ela não é tão brilhante como os sonhos, tem pelo menos a vantagem de existir." --Machado de Assis


May 31, 2011

Religious experiences and the brain: see here


June 7, 2011

An excellent essay by Paula Kirby: Atheism is the true embrace of reality. I fully agree with her. 


June 10, 2011

I recommend: Science is not my God (by Martin Robbins). 


June 30, 2011

I recommend this video. Bart Ehrman is the James A. Gray Professor of Religious Studies at the University of North Carolina. I've read one his books: "Jesus, Interrupted: Revealing the Hidden Contradictions in the Bible (and Why We Don't Know About Them)". I am now reading "Forged: Writing in the Name of God -- Why the Bible's Authors Are Not Who We think They Are" (HarperOne, 2011).

YouTube Video



July 1, 2011

YouTube Video



July 20, 2011

Did Jesus exist? Some remarks here.


July 25, 2011

"In the last 10,000 years there have been roughly 10,000 religions and 1,000 different gods; what are the chances that one group of people discovered the One True God while everyone else believed in 9,999 false gods?" --Michael Shermer


July 26, 2011

YouTube Video



August 25, 2011

I strongly recommend this article by Paula Kirby on evolution. An excerpt: 

Not only does evolution not need to be guided in any way, but any conscious, sentient guide would have to be a monster of the most sadistic type: for evolution is not pretty, is not gentle, is not kind, is not compassionate, is not loving. Evolution is blind, and brutal, and callous. It is not an aspiration or a blueprint to live up to (we have to create those for ourselves): it is simply what happens, the blind, inexorable forces of nature at work. An omnipotent deity who chose evolution by natural selection as the means by which to bring about the array of living creatures that populate the Earth today would be many things - but loving would not be one of them. Nor perfect. Nor compassionate. Nor merciful. Evolution produces some wondrously beautiful results; but it happens at the cost of unimaginable suffering on the part of countless billions of individuals and, indeed, whole species, 99 percent of which have so far become extinct. It is irreconcilable with a god of love.

Evolution poses a further threat to Christianity, though, a threat that goes to the very heart of Christian teaching. Evolution means that the creation accounts in the first two chapters of Genesis are wrong. That's not how humans came into being, nor the cattle, nor the creeping things, nor the beasts of the earth, nor the fowl of the air. Evolution could not have produced a single mother and father of all future humans, so there was no Adam and no Eve. No Adam and Eve: no fall. No fall: no need for redemption. No need for redemption: no need for a redeemer. No need for a redeemer: no need for the crucifixion or the resurrection, and no need to believe in that redeemer in order to gain eternal life. And not the slightest reason to believe in eternal life in the first place.


September 6, 2011

YouTube Video



September 23, 2011

YouTube Video



September 23, 2011

"I am convinced that everyone can develop a good heart and sense of universal responsability with or without religion." --Dalai Lama


September 30, 2011 

CANÇÃO DESTE NATAL (Carlos Pena Filho)

Procurou na terra
procurou no ar
procurou na guerra
e não soube achar.
Procurou no rio
procurou no mar
no telégrafo sem fio
e outra vez no ar.
Muito velho e sábio
foi que se lembrou
dentro dele mesmo
nunca procurou.


November 3, 2011

Trecho da coluna do psicanalista Contardo Calligaris na Folha de São Paulo de hoje:

Berlim é uma cidade tocante pelo desejo manifesto de não tapar os olhos e de não esquecer. Fiquei, nestes dias, no apartamento de uma amiga querida, em Schöneberg, perto de Bayerischer Platz: pelas ruas, a cada poucos metros, há placas que lembram coisas que aconteceram, justamente, enquanto os vizinhos não viam, ou preferiam não ver.
15/4/37: "Formaturas proibidas para judeus"; 21/2/39: "Os judeus devem entregar joias e objetos de ouro, prata, platina e pérolas"; 4/7/40: "Os judeus só podem comprar alimentos em Berlim das 4 às 5 da tarde".
A existência dessas placas traduz um estado de espírito que faz de Berlim, hoje uma sociedade extraordinariamente livre, como só são livres as coletividades em que cada um é mais preocupado com a liberdade do vizinho do que com a sua própria.
E faz todo sentido: a liberdade do vizinho (sobretudo se ele for muito diferente de mim) é sempre a melhor garantia de minha própria liberdade.
Viveremos livres (mesmo) quando houver religiosos fundamentalistas desfilando para o direito de prostitutas trabalharem na esquina de sua igreja. Ou quando houver praticantes de SM ou de swing defendendo o direito de um templo abrir suas portas ao lado dos clubes nos quais eles se reúnem.


November 4, 2011

Soneto Oco (Carlos Pena Filho)

Neste papel levanta-se um soneto,
de lembranças antigas sustentado,
pássaro de museu, bicho empalhado,
madeira apodrecida de coreto.

De tempo e tempo e tempo alimentado,
sendo em fraco metal, agora é preto.
E talvez seja apenas um soneto
de si mesmo nascido e organizado.

Mas ninguém o verá? Ninguém. Nem eu,
pois não sei como foi arquitetado
e nem me lembro quando apareceu.

Lembranças são lembranças, mesmo pobres,
olha pois este jogo de exilado
e vê se entre as lembranças te descobres.


November 5, 2011

Sou ateu. Acho importante colocar algumas perguntas e respondê-las. Primeiro, o que é um ateu? Um ateu é alguém que não acredita na existências de deuses e divindades, incluindo o deus abraâmico. Não é alguém que afirma com convicção inabalável que deuses não existem. É alguém que simplesmente não acredita em sua existência. E pelas mesmas razões que você não acredita em duendes ou unicórnios: falta de evidência. Pode ser que deuses existam? Sim. Tal qual duendes e unicórnios. Mas enquanto não houver evidência favorável o ateu segue no estado de descrença. Tal qual você em relação a duendes. Estima-se que os homens já inventaram cerca de mil deuses e dez mil religiões. Um ateu é alguém que descrê da existência de um deus a mais do que você. Nada além disso. 

Segundo: Como é seu ateu? Bem, inicialmente senti um certo desespero decorrente da aceitação de minha finitude. Afinal, é para escapar dessa realidade que inventamos deuses e religiões. No fundo, queremos nos convencer de que, em alguma forma e dimensão, sobreviveremos à nossa morte. Queremos imortalidade. Nada que não seja isso nos satisfaz. Queremos viver para sempre, nem que seja em dimensão imaterial. Aceitar a finitude é algo que traz em si alguma dor, algum incômodo. Superada essa fase, passamos a nos aceitar pelo que somos, passamos a contemplar a beleza da natureza e do universo, passamos a aceitar nossa dimensão diminuta tanto na métrica espacial quanto na temporal e nos damos conta de que essa é a única vida de que dispomos. Em suma, ganhamos nova apreciação pela vida, pela natureza e pela oportunidade que temos por estar aqui agora. 

Um aspecto nocivo das religiões ocidentais é que elas convencem seus seguidores da existência do pecado. Quando você aceita essa conceito, você passa a ser refém da religião. E a viver uma vida permeada por recorrentes sentimentos de culpa. Não é bom viver mergulhado em dúvidas de culpa, entendo. Mais: você passa a julgar comportamentos alheios com base numa régua imaginária. E, com certa frequência, a condená-los. Isso lhe torna, no meu entender, uma pessoa menor e um entrave ao progresso social. Os preconceitos decorrentes da ideia de que existe algo do naipe de pecado só se diluem à luz do avanço da moral secular. Entre os tantos e tantos exemplos, tome virgindade feminina pré-marital. Nas sociedades modernas contemporâneas quase ninguém a valoriza. Mas veja o que acontecia há uma, duas ou três gerações (curto espaço de tempo). Deus mudou de opinião ou será que ajustamos nossa moral à luz da moral secular vigente? Fico com a segunda opção. 

É muito bom viver sem a nuvem nebulosa do pecado sobre nossa cabeça. É bom viver sem o fantasma da culpa, sem o medo de castigos eternos. 

Terceiro: Por que muitos ateus falam sobre religião? Religião é, para mim, uma bobagem tão grande quanto astrologia, alquimia e homeopatia. Não gasto calibre combatendo astrologia (embora anseie pelo dia em que lerei jornais desprovidos do que chamo afetuosamente de "lixinho": a seção de horóscopo) e nem sequer dispenso saliva comentando sobre alquimia. Às vezes gasto uma dose do meu estoque de sarcasmo com a homeopatia, e o faço porque ela ocasionalmente consome verbas públicas em sistemas públicos de saúde. Mas o faço em doses homeopáticas (permita-me a ironia). Então por que gastar tanto calibre com religiões e crenças no sobrenatural? Boa pergunta. Vamos lá. De início, porque religiosos querem interferir na forma como eu vivo a minha vida, querem ceifar certos direitos da minha alçada. Por exemplo, a legislação não me permitiria ter uma morte assistida por médicos se eu tivesse uma doença terminal e assim o desejasse, mesmo se eu estivesse no pleno domínio de minhas faculdades mentais. Isso é permitido a cachorros, gatos e outros animais de estimação. Mas não a humanos. Por quê? Porque religiosos entendem ser isso pecado. E não lhes basta não sucumbir ao pecado, querem ceifar escolhas alheias. Eu não acredito no conceito de pecado e não poderia exercer tal opção. Você acha isso correto, dileto leitor? Permita-me ir além. As religiões ocidentais têm obsessão por sexo, pelo que fazemos quando estamos sem roupa, pelo prazer que derivamos do ato sexual. Isso -- noto em caráter inicial -- é um grande indicativo de que criamos Deus à nossa imagem e semelhança, e não o inverso. Noto ainda que tal obsessão pelo sexo e pela condenação ao prazer sexual no sentido amplo levou e vem levando aos mais variados preconceitos, preconceitos esses que, infelizmente, traduzem-se na podação de direitos alheios. Imagine um casal homossexual que se ama, vive junto há anos e desfruta de uma relação de intimidade, companheirismo, cumplicidade e afeto. Tal casal não pode, na enorme maioria das sociedades modernas, formalizar a união e obter os mesmos direitos e garantias dos casais heterossexuais porque, em essência, muitos daqueles que creem no sobrenatural e aceitam valorações morais do Século I julgam tal atitude "imoral". É uma constante de fatia expressiva (embora não total) dos religiosos: ceifar direitos e garantias alheias à luz de valoração moral cepiada em vários séculos e decorrente da aceitação do conceito de pecado. Não lhes basta pautar seu comportamento próprio pelo que acham digno e salutar. Há que se ceifar liberdades, direitos e conquistas alheios. Não desejo dizer a religiosos como viver, mas não aceito que se arvorem a pautar meu leque de opções e escolhas. 

Quarto: É possível ser moral e ético desconectado de religião ou, ao menos, da crença em um deus? Sim, é. Basta olhar ao seu redor: há várias pessoas que não creem no sobrenatural e levam vidas plenas, tratam o próximo com respeito e são capazes de sentir empatia. Ou seria o dr Drauzio Varella um monstro só porque é ateu? Não, claro que não. De fato, a verdadeira moral está em fazer o bem ao próximo pelo apreço ao ato em si e aos seus desdobramentos, e não por medo de castigos eternos ou em ânsia de recompensas divinas. Ou seja, a moral movida por um deus que tem um chicote numa mão ("punição") e uma cenoura na outra ("recompensa") não é, estritamente falando, moral; é simplesmente interesse próprio. Fazer o bem com o intuito de receber uma recompensa ou de evitar um castigo não é algo que carregue em si o mérito da moral. Tal mérito, no meu entender, reside em se fazer o bem pelo apreço ao bem. Eu sei que alguns citam Dostô dizendo que "se Deus não existe, tudo é permitido". Será que é assim que se enxergam? Será que só não matam, roubam e estupram porque acreditam na existência de um ser sobrenatural? Porque temem punição por parte dessa entidade sobrenatural? Sentem vontade, mas não o fazem por medo. Será? Sinceramente, creio que não. Imagino que usam esse argumento apenas como uma bandeira de desespero. Ademais, a prevalência de ateus é positivamente correlacionada com o grau de desenvolvimento econômico e social, desenvolvimento esse que correlaciona negativamente (negativamente, repito) com violência e criminalidade ao largo. Isso para não mencionar que a proporção de ateus em prisões é consideravelmente inferior à proporção de ateus na sociedade. Certamente há ateus que cometeram crimes bárbaros, mas o mesmo vale para religiosos. E com duas diferenças. Um: é muito raro um ateu cometer crimes em nome do ateísmo, o que contrasta com os muitos e muitos crimes cometidos em nome de religiões. (Não, Stálin não fez o que fez em nome do ateísmo, ou seja, para avançar o ateísmo. É bom ler "As Origens do Totalitarismo" da Hannah Arendt antes de mergulhar em opinião tão pedestre. E não: Hitler não era ateu, era católico. E citou Deus em muitos de seus discursos.) Dois: como bem nota o Christopher Hitchens, só religião é capaz de impulsionar uma pessoa boa e decente a cometer atos condenáveis. A discriminação contra homossexuais e, a nível mais extremo, o assassinato de médicos que realizam abortos dentro do marco legal de seu país que o digam. 

Quinto: Não seria arrogância negar a existência de Deus? Minha resposta: não. Inicialmente, note que ateus não afirmam categoricamente que Deus não existe. Simplesmente não acreditam em sua existência pela mais absoluta falta de lastro evidencial. E são coerentes, porque usam a mesma métrica para todos os deuses. E para duendes, unicórnios e assemelhados. Segundo, arrogância permeia, sim, a visão de que o universo foi criado para abrigar a nossa raça de primatas evoluídos, que foi criado para a nossa existência. O universo tem 13,7 bilhões de anos, o nosso planeta (Terra) tem 4,6 bilhões de anos e a nossa espécie (Homo sapiens), cerca de 200 mil anos. Ou seja, o universo existiu por 9 bilhões de anos sem o nosso planeta e por praticamente toda a sua existência sem a nossa espécie. E desconfio que não fizemos falta. Como não faremos falta quando desaparecermos -- espécie e planeta. Humildade é aceitar candidamente nossa pequenez. Humildade é aceitar que não existe um "grande esquema das coisas" que gira em torno de nós. Humildade é aceitar a nossa finitude. A visão religiosa é, no meu entender, arrogante e megalômana. Tanto que no passado a Igreja Católica pregava que a Terra era o centro do universo e que o Sol girava em torno do nosso planeta (e não o contrário). E muitos dos que discordaram foram presos, torturados e mortos. Galileu Galilei só não o foi porque se retratou. Ou seja: somos o centro de tudo, tudo existe para nós. Faço minhas as palavras do Christopher Hitchens: essa "humildade" é arrogante demais para mim.

Sexto: Mas se Jesus operou todos aqueles milagres, então Deus deve existir, certo? Errado. A vida de Jesus e seus supostos milagres são narrados nos quatro evangelhos canônicos: Marcos (o primeiro a ser escrito), Mateus, Lucas e João (o último dos quatro). Esses evangelhos foram escritos várias décadas após a suposta morte de Jesus. Isso em si já compromete sua confiabilidade como fonte de relato. Mas a coisa é bem pior, bem mais nebulosa. Não se sabe quem escreveu os quatro evangelhos (ou seja, são anônimos). Foram escritos em grego erudito (e não em aramaico, como seria de se esperar se tivessem sido escritos por pessoas humildes que conviveram com Jesus). Sabemos também que seus autores não presenciaram os eventos que relatam, que os evangelhos não são independentes (Mateus e Lucas se baseiam em Marcos), que há sérias contradições entre eles e que não temos acesso aos originais (apenas conhecemos cópias de cópias de cópias...). Isso para não falar nas fraudes já comprovadas; e.g., hoje sabemos que os últimos 12 versículos de Marcos foram fraudados: tais versículos foram adicionados ao Evangelho de Marcos muito posteriormente. Fora dos evangelhos (canônicos e outros que não foram incluídos no Novo Testamento) praticamente não há registro da existência de Jesus. E olhe que existiam à época muitos historiadores profissionais que registravam praticamente todos os pormenores do Império Romano. Encontramos apenas um parágrafo num livro do conhecido historiador Flavius Josephus (que não foi contemporâneo de Jesus, tendo nascido no ano 37 DC), parágrafo esse que, como hoje sabemos, foi (ao menos parcialmente) fraudado. Convém notar que esse parágrafo só aparece nos escritos de Josephus no início do Século IV. As evidências sugerem que o fraudador foi Eusébio, um bispo que era aliado próximo de Constantino. Em suma, praticamente não há evidências palpáveis e críveis de que Jesus existiu, muito menos que operou milagres. Vem ganhando corpo a tese que Jesus sequer existiu; ver, e.g., o livro "The Jesus Puzzle: Did Christianity Begin With a Mythical Christ?" de autoria do Earl Doherty. Se Jesus existiu, provavelmente foi um pregador menor. E que foi rapidamente esmagado pelo Império Romano ao chegar em Jerusalém, sem ter tido qualquer papel de destaque à época, qualquer papel que merecesse nota dos historiadores que registravam as minúcias do Império Romano com suas penas. Por que acreditar em relatos anônimos desprovidos de lastro evidencial e de registro histórico? Como bem colocou o saudoso Carl Sagan, "extraordinary claims require extraordinary evidence". 


November 17, 2011

The Nazi racial ideology was religious, creationist and opposed to Darwinism; see here


December 15, 2011

Nada além (Cineas Santos)

O amor bate à porta 
e tudo é festa. 
O amor bate a porta 
e nada resta.


December 16, 2011

Sad day. Christopher Hitchens passed away. He will be missed. 


December 22, 2011

Wonderful it is!



April 21, 2012

Folha de São Paulo, 21 de abril de 2012

DRAUZIO VARELLA

Intolerância religiosa

O fervor religioso é uma arma assustadora, disposta a disparar contra os que pensam de modo diverso

SOU ATEU e mereço o mesmo respeito que tenho pelos religiosos.

A humanidade inteira segue uma religião ou crê em algum ser ou fenômeno transcendental que dê sentido à existência. Os que não sentem necessidade de teorias para explicar a que viemos e para onde iremos são tão poucos que parecem extraterrestres.

Dono de um cérebro com capacidade de processamento de dados incomparável na escala animal, ao que tudo indica só o homem faz conjecturas sobre o destino depois da morte. A possibilidade de que a última batida do coração decrete o fim do espetáculo é aterradora. Do medo e do inconformismo gerado por ela, nasce a tendência a acreditar que somos eternos, caso único entre os seres vivos.

Todos os povos que deixaram registros manifestaram a crença de que sobreviveriam à decomposição de seus corpos. Para atender esse desejo, o imaginário humano criou uma infinidade de deuses e paraísos celestiais. Jamais faltaram, entretanto, mulheres e homens avessos a interferências mágicas em assuntos terrenos. Perseguidos e assassinados no passado, para eles a vida eterna não faz sentido.

Não se trata de opção ideológica: o ateu não acredita simplesmente porque não consegue. O mesmo mecanismo intelectual que leva alguém a crer leva outro a desacreditar.

Os religiosos que têm dificuldade para entender como alguém pode discordar de sua cosmovisão devem pensar que eles também são ateus quando confrontados com crenças alheias.

Que sentido tem para um protestante a reverência que o hindu faz diante da estátua de uma vaca dourada? Ou a oração do muçulmano voltado para Meca? Ou o espírita que afirma ser a reencarnação de Alexandre, o Grande? Para hindus, muçulmanos e espíritas esse cristão não seria ateu?

Na realidade, a religião do próximo não passa de um amontoado de falsidades e superstições. Não é o que pensa o evangélico na encruzilhada quando vê as velas e o galo preto? Ou o judeu quando encontra um católico ajoelhado aos pés da virgem imaculada que teria dado à luz ao filho do Senhor? Ou o politeísta ao ouvir que não há milhares, mas um único Deus?

Quantas tragédias foram desencadeadas pela intolerância dos que não admitem princípios religiosos diferentes dos seus? Quantos acusados de hereges ou infiéis perderam a vida?

O ateu desperta a ira dos fanáticos, porque aceitá-lo como ser pensante obriga-os a questionar suas próprias convicções. Não é outra a razão que os fez apropriar-se indevidamente das melhores qualidades humanas e atribuir as demais às tentações do Diabo. Generosidade, solidariedade, compaixão e amor ao próximo constituem reserva de mercado dos tementes a Deus, embora em nome Dele sejam cometidas as piores atrocidades.

Os pastores milagreiros da TV que tomam dinheiro dos pobres são tolerados porque o fazem em nome de Cristo. O menino que explode com a bomba no supermercado desperta admiração entre seus pares porque obedeceria aos desígnios do Profeta. Fossem ateus, seriam considerados mensageiros de Satanás.

Ajudamos um estranho caído na rua, damos gorjetas em restaurantes aos quais nunca voltaremos e fazemos doações para crianças desconhecidas, não para agradar a Deus, mas porque cooperação mútua e altruísmo recíproco fazem parte do repertório comportamental não apenas do homem, mas de gorilas, hienas, leoas, formigas e muitos outros, como demonstraram os etologistas.

O fervor religioso é uma arma assustadora, sempre disposta a disparar contra os que pensam de modo diverso. Em vez de unir, ele divide a sociedade -quando não semeia o ódio que leva às perseguições e aos massacres.

Para o crente, os ateus são desprezíveis, desprovidos de princípios morais, materialistas, incapazes de um gesto de compaixão, preconceito que explica por que tantos fingem crer no que julgam absurdo.

Fui educado para respeitar as crenças de todos, por mais bizarras que a mim pareçam. Se a religião ajuda uma pessoa a enfrentar suas contradições existenciais, seja bem-vinda, desde que não a torne intolerante, autoritária ou violenta.

Quanto aos religiosos, leitor, não os considero iluminados nem crédulos, superiores ou inferiores, os anos me ensinaram a julgar os homens por suas ações, não pelas convicções que apregoam.


April 26, 2012

Folha de São Paulo, 26 de abril de 2012

CONTARDO CALLIGARIS

Delírio e mau caráter

Cada um é moralmente responsável pela qualidade da religião que escolhe ou do delírio que ele elabora

1) CONTINUO pensando em Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, o canibal do agreste. Ele tem uma visão do mundo que justifica sua vida e seus atos.

Com suas duas companheiras, ele era encarregado de uma missão divina: devia encontrar mulheres perdidas e purificá-las. Essa purificação passava pelo assassinato e pela ingestão da carne das escolhidas. A visão e a missão de Jorge eram delirantes, mas o que é um delírio?

O senso comum e a psicopatologia concordam: delírio é uma convicção inquestionável, incorrigível e muito pouco plausível. Além disso, um delírio não é apenas um exercício de fantasia, ele preenche a função (crucial) de dar sentido à existência do indivíduo que delira.

São poucas as pessoas saudáveis a ponto de conseguir viver sem se atormentar com a necessidade de resolver, como se diz, o enigma da vida. Ou seja, são poucas as pessoas para quem a experiência concreta se justifica por si só, pela alegria de viver. A maioria precisa recorrer a crenças que digam por que e para o que estamos aqui.

Ora, as crenças que explicam nossa razão de estar no mundo são todas inverossímeis. Claro, a "missão" canibalesca de Jorge nos parece mais estranha do que a crença de um cristão, mas isso pouco tem a ver com a verossimilhança. Como dizer o que é mais provável, que o filho de Deus tenha sido crucificado para nos redimir ou que Deus nos encoraje a redimir os pecadores filtrando-os pela nossa digestão? No fundo, a grande diferença é que as ideias de Jorge são só dele e de suas duas cúmplices, enquanto as ideias de um cristão são compartilhadas por 2 bilhões de pessoas. Por mais que seja pouco plausível, uma crença cessa de ser delírio quando ela se socializa.

A definição de delírio (no "Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais", DSM-IV) diz que uma pessoa não pode ser diagnosticada como delirante se sua crença é "normalmente aceita por outros membros da cultura ou da subcultura dessa pessoa" -"um artigo de fé religiosa" não pode ser um delírio.

Síntese paradoxal: uma religião individual é um delírio, e um delírio coletivo deixa de ser delírio e se torna uma religião.

É um pouco frustrante dispor só de critérios quantitativos para decidir o que é delirante. Mas talvez a capacidade de compartilhar uma crença com outros já seja o sinal de uma certa "normalidade".

2) Jorge e suas companheiras são loucos e delirantes. Será que a loucura e o delírio dispensam qualquer juízo moral? Será que, moralmente, todo delírio se vale?

Não estou convencido disso. Entendo que a urgência de dar sentido à vida leve alguém a escolher uma religião ou, se ele não conseguir, a elaborar um delírio próprio. Mas cada um é responsável pela qualidade da religião que escolhe ou do delírio que ele elabora.

Comparemos religiões. Posso acreditar que Deus me reconhecerá como seu filho à condição que eu leve uma vida ilibada e, a cada noite, eu me açoite, no silêncio do meu quarto. Ou, então, posso acreditar que ele me reconhecerá como filho à condição que eu desmascare, prenda e execute os pecadores, mundo afora.

Comparemos delírios. Posso acreditar que Deus quer que eu mude de sexo. Ou posso acreditar que Deus me encarregou de andar com pinças e bisturi no bolso, para mudar o sexo dos outros.

Conclusão: uma religião ou um delírio segundo os quais os outros deveriam pagar para que MEU mundo faça sentido são, no mínimo, provas de mau caráter.

3) Dúvida diagnóstica. Os canibais do agreste chamaram a atenção da polícia quando usaram o cartão de crédito de uma das vítimas. Isso era também parte do "ritual de purificação"?

Consideremos ainda uma frase do memorial de Jorge, descrevendo o fim da primeira das três vítimas: "Eu, Bel e Jéssica nos alimentamos com a carne do mal, como se fosse um ritual de purificação, e o resto eu enterro no nosso quintal, cada parte em um lugar diferente".

Em tese, um delírio diria que aquilo ERA, sem sombra de dúvida, o ritual de purificação -nada de "como se fosse".

Se o tribunal me consultasse como perito, talvez eu alegasse o estelionato e essa frase para afirmar que Jorge não é um louco, mas um perverso, que manipulou duas abobadas e deixou alguns escritos, tudo com a intenção de urdir crimes sinistros e de ser reconhecido (e assim "desculpado") como louco.


June 29, 2013

A cabeça do militante é binária: bem vs mal, tucanos vs petistas, exploradores vs explorados, mídia boa vs mídia ruim e a lista segue. Essa é a primeira característica determinante da personalidade militante. A segunda é a confusão deliberada entre opinião e verdade: tomam sua opinião como verdade e chegam, assim, ao corolário de que quem pensa diferente só pode estar mal informado ou mal intencionado. Certamente têm o direito de pensar e agir assim, mas com isso perdem o que a vida tem de melhor: as nuances e contradições. Não há nada tão multifacetado quanto a vida, quanto o mundo que nos cerca. A miopia militante subtrai exatamente essa beleza, essa riqueza. É como trocar o Fiódor Dostoiévski e seu mundo multifacetado e contraditório pela novela das nove ou algum filme da Sessão da Tarde. 


Back to my main page