O Sistema Solar

O Sistema Solar...
 
 1)Solar (1)
 
 

* O Sistema Solar *

O Sistema Solar é constituído pelo Sol e por um conjunto de Corpos Celestes que encontram se no seu campo gravitacional, e que compreende os Planetas  SO, e uma Miriade de outros objetos de menor dimensão entre os Quais se contam Planetas Anões e os menores corpos do Sistema Solar (Asteróides, transneptunianos e Cometas)
Ainda não se sabe, ao certo, como o Sistema Solar foi formado. Com o conhecimento de vários outros sistemas Planetários em volta de outras
estrelas que desafiam uma noção clássica da formação de Sistemas Planetários,
uma formação destes é hoje tema de debate.
O Sol começou a brilhar quando o núcleo atingiu 10 milhões de graus
Celsius, Temperatura suficiente para iniciar reações de Fusão Nuclear. A Radiação Gerar um acabou por Vento Solar muito forte, conhecido como "onda de choque", que espalhou o gás e poeira restantes das redondezas da estrela recém-nascida para os planetas que se acabaram de formar a partir de enormes colisões entre os protoplanetas.

***  Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre  ***


***  A Fornalha Solar  ***

 

O Sol é uma estrela do tipo G, amarela como existem milhares em nossa galáxia. A fonte de energia solar é a fusão nuclear. Núcleos de hidrogênio se unem numa reação com várias etapas, criando o hélio. Inteiramente gasoso, o Sol consiste em 70% de hidrogênio, 28% de hélio e 2% de elementos mais pesados. Na parte externa desse globo gasoso denominado fotosfera, a temperatura é de 5.700° C. Acima dela está a cromosfera com temperatura ao redor de 10.000° C e além dela a chamada atmosfera solar onde reinam extraordinários 2.000.000° C ! Mas isto é pouco comparado com o núcleo : 15.000.000º C!                        



 

Os principais elementos celestes que orbitam em torno do Sol são os oito planetas principais conhecidos atualmente cujas dimensões vão do gigante de gás Júpiter até ao pequeno e rochoso Mercúrio, que possui menos da metade do tamanho da Terra. Até Agosto de 2006, quando a União Astronómica Internacional alterou a definição oficial do termo planeta, Plutão era considerado o nono planeta do Sistema Solar. Hoje é considerado um planeta anão, ou um planetóide, por ser muito pequeno.Próximos do Sol encontram-se os quatro planetas telúricos, que são compostos de rochas e silicatos, são eles Mercúrio, Vénus, Terra e Marte. Depois da órbita de Marte encontram-se quatro planetas gasosos (Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno), que são uma espécie de planetas colossais que se podem dividir em dois subgrupos: Júpiter-Saturno e Urano-Neptuno.Mercúrio é o mais próximo do Sol, a uma distância de apenas 57,9 milhões de quilômetros, enquanto Netuno está a cerca de 4500 milhões de quilômetros.

Os planetas do sistema solar são os oito astros que tradicionalmente são conhecidos como tal: Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno. Todos os planetas receberam nomes de deuses e deusas da mitologia greco-romana.

Imagens NASA
 
 

[210293main_image_1011_428-321.jpg]
 
  
***  Illusion and Evolution   ***
O que está acontecendo com as galáxias do aglomerado Abell 2667? No canto superior esquerdo, uma galáxia parece estar quebrando em pedaços pequenos, enquanto a extrema direita, outra galáxia parece ser esticada como taffy nesta imagem do Telescópio Hubble.

Para começar, a maioria dos objetos amarelados são membros galáctica de um grande conjunto de galáxias conhecido como Abell 2667. A distorção da galáxia no canto superior esquerdo é real. Como a galáxia arados por meio Intercluster, o gás é retirado e se condensa de forma brilhante novos nós de estrelas. Esta imagem detalhada da pressão ram stripping ajuda os astrônomos a entender por que muitas galáxias hoje têm de gás tão pouco. A distorção da galáxia na extrema direita, no entanto, é uma ilusão. Esta galáxia quase normal é realmente muito atrás do aglomerado de galáxias maciças. Luz desta galáxia é gravitacionalmente lensed por Abell 2667, aparecendo muito como uma pessoa distante, parece com um copo de vinho. Cada galáxia distorcida dá pistas importantes sobre como as galáxias e aglomerados de galáxias evoluem.

Crédito da imagem: NASA, ESA, Jean-Paul Kneib
(Laboratório de Astrofísica de Marseille) et al.
[221070main_image_1055_428-321.jpg]
 
 
***   Dorian Gray   ***
Aparência jovem I Zwicky 18's, lembrando que de galáxias normalmente encontrado apenas no início do Universo, desmente a sua verdadeira idade. No entanto, o telescópio Hubble concluiu fraco, estrelas mais velhas dentro desta galáxia, sugerindo que se formou ao mesmo tempo, como a maioria das outras galáxias.

I Zwicky 18, uma galáxia anã irregular, é muito menor do que a nossa Via Láctea. O concentrado nós azulado-branco embutido no centro da galáxia são duas grandes regiões starburst onde as estrelas se formam a um ritmo furioso. Os filamentos wispy azul que cercam o starburst regiões centrais são bolhas de gás que foram desintegradas por ventos estelares e explosões de supernovas de uma geração anterior de estrelas quentes e jovens. Este gás é agora aquecida pela radiação ultravioleta intensa desencadeada por uma nova geração de estrelas quentes e jovens.

Um companheiro galáxia está um pouco acima e à esquerda de I Zwicky 18. O acompanhante pode estar interagindo com I Zwicky 18 por gravitacional puxando a galáxia. A interação pode ter provocado a formação da galáxia estrela recente, que é responsável pela aparência jovem. Além do branco-azulada estrelas jovens, branco-avermelhado estrelas também são visíveis em ambas as I Zwicky 18 e sua companheira. As estrelas podem ser tão velho como 10 bilhões de anos. Os objetos avermelhados alargado em torno I Zwicky 18 e seu companheiro são antigos, totalmente formado galáxias de diferentes formas que são muito mais longe.
Crédito da imagem: NASA, ESA, e A. Aloisi (Space Telescope Science Institute e da Agência Espacial Europeia, Baltimore, Md.)


 
**  Cientistas Alertam Sobre Mega Tempestade  Solar  **  

                                                                                             Nelson Travnik  

O fim do mundo previsto para 2012 pelos maias, Nostradamus  e até segundo alguns pela Bíblia, poderá ser postergado para maio de 2013. É o que dá para entender o alerta  da NASA baseado em previsões feitas e publicadas pelo S.I.D.C (Sunspot Índex Data Center) da Bélgica que é o órgão mundial de recepção de observações solares. Caso se confirmem as previsões, a Terra pode ser atingida por uma gigantesca tempestade de partículas cósmicas em maio de 2013 provocando   o maior desastre  natural que se possa imaginar. A energia liberada e os efeitos seriam 20 vezes maiores que o furacão Katrina! Não hav erá como evitar. A hecatombe poderá contudo ser atenuada se os observatórios solares espaciais SOHO, TRACE, COROLIS E HINODE, verdadeiros guardiões do planeta, conseguirem transmitir um alerta com muita antecedência uma vez que só teremos 15 a 35 minutos para ações preventivas.

 

***  A Fúria de Helios  ***

Um dos aspectos mais notáveis na observação do Sol são as manchas solares. Vistas como nódoas escuras, as manchas funcionam como gigantescas janelas onde o calor do núcleo ascende com mais facilidade a parte externa do Sol, a fotosfera. Em média a cada 11 anos elas passam de um período de mínima para um de máxima atividade. E ai o Sol inteiro entra em ebulição. E o próximo máximo solar está previsto justamente para 2012/13. O Sol reverte-se : o pólo norte se torna sul e volta a ser norte no próximo ciclo. As manchas por outro lado acham-se aliadas a fulgurações e gigantescas explosões. As radiações emitidas por essas explosões e as conhecidas por ejeções coronais de matéria, CMEs, lançam ao espaço os terríveis raios gama, raios X, além do ultravioleta, prótons e elétrons . Essas ejeções elevam-se no espaço com energia de 200 bilhões de bombas atômicas tipo Hiroshima! Essas ondas e partículas altamente energéticas chegam à Terra em período muito curto, praticamente insuficiente para proteger a frota de satélites e todos os artefatos espaciais que possuem painéis de captação de radiação solar. Constitui uma séria ameaça para a Estação Espacial Internacional  e a integridade física dos seus ocupantes muito embora exista um compartimento especialmente destinado para se abrigar das radiações letais.

 

***  Um Tsunami Cósmico  ***

No dia 1º de setembro de 1859, o astrônomo inglês Richard C. Carrington observou um imenso clarão “flare” no Sol. Cerca de 18 horas depois ocorreu uma super tempestade geomagnética, a maior que se tem noticia. Ela causou incêndios em escritórios de telégrafos, afetou cabos de transmissão e produziu intensas auroras boreais. Muitos pensavam que as cidades tinham se incendiado! Se as previsões dos cientistas se confirmarem e baseados nos problemas causados por gigantescas explosões solares ocorridas em 1989, 1999 e 2003 e que causaram prejuízos de muitos milhões de dólares, podemos imaginar o que nos aguarda em maio de 2013. A primeira coisa, o primeiro sinal será uma aurora boreal verde e cor de sangue como se fosse engolir a Terra. A energia vinda do espaço irá atingir a rede elétrica e os transformadores. Vere mos centrais elétricas queimando, satélites desgovernados penetrando  na atmosfera superior como bolas de fogo provocando colapso nas comunicações e deixando bilhões de usuários sem televisão, internet e bloqueando contas bancárias. O Sistema de Posicionamento Global, GPS será afetado inviabilizando o sistema para  usuários civis e militares. O mundo pára! Segundo estimativas, serão necessários de 4 a 10 anos para cobrir os prejuízos  que poderão ascender a muitos bilhões de dólares com risco até de um colapso econômico! Se efetivamente repetir o episódio de 1859 não há como escapar dos efeitos destruidores neste cenário apocalíptico.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 ** O Senhor dos senhores deste Universo **
 
 
 


 


*** The Teacher IV ***
 



*** The King of the kings ***
*


*** The Teacher III ***
 
© Copyright - 2013 / 2015 * Fundação Reviver & Os Mensageiros do Amor Maior em Cristo Jesus - 
Comments