Corredor Central da Mata Atlântica

A Mata Atlântica é uma formação vegetal que está presente em grande parte da região litorânea brasileira. Ocupa, atualmente, uma extensão de aproximadamente 100 mil quilômetros quadrados. É uma das mais importantes florestas tropicais do mundo, apresentando uma rica biodiversidade. 

 

A Mata Atlântica encontra-se, infelizmente, em processo de extinção. Isto ocorre desde a chegada dos portugueses ao Brasil (1500), quando se iniciou a extração do pau-brasil, importante árvore da Mata Atlântica. Atualmente, a especulação imobiliária, o corte ilegal de árvores e a poluição ambiental são os principais fatores responsáveis pela extinção desta mata.

Desta forma, foi construído o Corredor do Nordeste, o Corredor da Serra do mar e o Corredor Central da Mata Atlântica (CCMA). Neste, a estratégia é assegurar a proteção dos remanescentes florestais significativos e incrementar, gradativamente, o grau de ligação entre porções nucleares da paisagem por meio do controle, proteção e recuperação da cobertura florestal e desenvolvimento de atividades de produção sustentável que contribuam com essa conexão.

       Tamanduá bandeira, encontrado no Corredor central da Mata Atlântica e atualmente em extinção

        Mico-leão-dourado, encontra-se em extinção. Situado na Mata Atlântica.

Em 1999, as agências ambientais do governo federal e da Bahia deram o nome de “Corredor do Descobrimento” à região que se estende do sul da Bahia ao norte do Espírito Santo, em referência à sua herança histórica.

 

O Corredor Central da Mata Atlântica abrange 12 milhões de hectares e engloba os estados da Bahia, Espírito Santo e uma pequena parte de Minas Gerais. Cerca de 12% da área está coberta por florestas. Anteriormente, mais de 83% dessa área era coberta por floresta ombrófila densa, pequenas manchas de floresta sazonal semidecidual, pastagens abertas com vegetação baixa e floresta ombrófila densa.

 

Este corredor é considerado uma das áreas mais importantes para a conservação da biodiversidade do planeta, já representa um dos principais centros de endemismo (vertebrados terrestre, borboletas florestais e plantas) e abriga muitas espécies de distribuição restrita, e alguns grupos de espécies ameaçadas. Alguns blocos mais importantes de florestas do Corredor Central estão no extremo sul da Bahia, incluindo os Parques Nacionais do Descobrimento, Pau-Brasil e Monte Pascoal, e protegem cerca de 500 quilômetros quadrados de floresta.

 

A região central do Espírito Santo abriga um dos mais importantes remanescentes da densa e diversidade floresta de tabuleiros. Os altos níveis de biodiversidade e endemismo, combinados com a grande fragmentação de suas florestas, fazem do Corredor Central da Mata Atlântica uma área prioritária para a conservação.



Corredor Central da Mata Atlântica

 

 
Comments