Navegação

Os Corredores Ecológicos, sua criação

  A algum tempo houveram projetos ecológicos que não funcionaram muito bem, então em 1996 foi formada uma equipe de profissionais na área de conservação da biodiversidade que apresentaram o documento "Os corredores das florestas neotropicais”, este projeto foi evoluindo até chegar ao que é hoje, os corredores ecológicos, com isso foram formados sete grandes corredores, cinco na Amazônia (Corredor Central da Amazônia, Corredor Norte da Amazônia, Corredor Leste da Amazônia, Corredor Oeste da Amazônia e Corredor dos Ecótonos Sul-Amazônicos) e dois na Mata Atlântica (Corredor Central da Mata Atlântica e Corredor Sul da Mata Atlântica ou Corredor da Serra do Mar). Mas de todos estes corredores haviam alguns que foram considerados prioridade, que foram os dois centrais, da Mata Atlântica e Amazônico, com as informações adquiridas poderá ajudar numa futura criação de outros corredores. Um projeto que visa um novo jeito de proteção da biodiversidade em sete grandes áreas da floresta tropical, os corredores ecológicos, também conhecidos por corredores ou bio-regiões, são áreas onde estão a floresta Amazônica (ao norte) e a floresta Atlântica (no litoral).

O projeto Corredores ecológicos envolve muitas comunidades sendo elas populações tradicionais e povos indígenas; proprietários de terras e empresários interessados em negócios sustentáveis; Agências governamentais federais, estaduais e municipais; Organizações comunitárias locais, extrativistas ou não, ONGs e instituições de pesquisa envolvidas em empreendimentos voltados à conservação; Comitês de bacia hidrográfica e outras instâncias colegiadas de intervenção regional.

 O planejamento e a implementação de corredores ecológicos foi proposto no âmbito do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, por meio do Projeto Corredores Ecológicos. O projeto surgiu com o propósito de testar e abordar diferentes condições para a implementação desse novo conceito em dois corredores: o Corredor Central da Amazônia e o Corredor Central da Mata Atlântica. Baseando-se nas lições aprendidas, preparar e apoiar a criação de corredores adicionais nos dois biomas. Sua linha de atuação baseia-se em: aumento da proteção das unidades de conservação e das terras indígenas; ações de vigilância, fiscalização, monitoramento e controle; planejamento e conservação ambiental realizadas de forma participativa e descentralizada, privilegiando todos os atores sociais operantes nas áreas dos corredores; promoção de mudanças de comportamento das populações envolvidas, mediante ações de efeito demonstrativo, divulgação e educação ambiental; criação de oportunidades de negócios sustentáveis e incentivo a atividades que promovam a conservação, agregando o viés ambiental aos projetos de desenvolvimento.


        Corredor central da Mata Atlântica, situada no litoral brasileiro