PPP - Projeto Político Pedagógico

COLÉGIO ESTADUAL AZEVEDO FERNANDES

(Decreto 24.022 de 29/03/74 – Diário Oficial de 30/03/74)

Praça José de Alencar, no. 11 – Pelourinho – Salvador – Bahia

                                    Tel.: (071) 33220348  / Fax: 33215457             

 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Salvador - Bahia

2009  -  2011

 


 
 PROJETO  POLITICO PEDAGOGICO-2009

 

I-                                                       IDENTIFICAÇÃO

 

UNIDADE ESCOLAR - Colégio Estadual Azevedo Fernandes

ENDEREÇO – Rua do Açouguinho 07 – Pelourinho.

                        Praça  José de Alencar- 11- Pelourinho

TELEFONE - 3321-5457                   

 FAX - 3322-0348

II-                                                  EQUIPE DIRIGENTE

DIRETORA - Maria Célia Brandão da Silva Sampaio

 

VICE- DIRETORES – Carmem Lucia Figueiredo Albuquerque

                                      Delnyze Dyanne Alves Fernandes

                                      José Antonio Correia de Souza

                                      José Jorge Mehmere Neto

                                      Ricardo Mirabal Machado

COORDENADORA –    Marluce dos Santos Guimarães

                                     

 

SECRETARIOS – Jorge Silva

                            Rosilda                           

 

 

PERIODO- 2009 a  2011

GRAUS- 1º /2º graus

MODALIDADES DE ENSINO  - Ensino Regular de 1º e 2º grau

                                                        Eixo formativo ( IV/V)

                                                        Tempo de Aprender

                                                         Eixo formativo ( VI/ VII)

SALAS DE AULA- 8 salas

SALAS DE INFORMÁTICA – 2 SALAS

 

I-                        COLEGIADO ESCOLAR

a)                                   Data da criação: 17 /10/2008

b)                                  Composição e nome dos componentes:

SEGMENTO

TITULAR

SUPLENTE

Diretor(a)

Maria Célia Brandão S. Sampaio

Jorge Memhre

Professor (a)

1-Jair Gomes da Silva

2- Ivonete Bitencourt C. Barreto

3- Mari Rose Kalile Passos

 

Ida Maria Pimentel Ferreira

 Lavinia Embirussu Baptista

Antonio Luis Cordeiro Góes

Funcionários

Antonio Eustáquio

Marilia Carvalho Teles

Antonio Carlos  C. de Jesus

Margoriete Pereira de Queiroz

Catia Ferreira da Silva

Jussaiana dos Santos

Pai/mãe  ou responsável

Ademilson da Conceição

Remivalda Lima dos Santos

Julia Daniela Silva de Oliveira

Jureneide Oliveira dos Santos

Jussiara Francesca da C.Pinto

Ricardo Nunes M. Conceição

Estudantes

Simone Santos Silva

Alisson Meneses Avelino

 

Cíntia Regina Andrade Farias

Felipe de Jesus Nascimento

 

III – QUADRO DE DESEMPENHO ACADÊMICO

INDICADORES

5º serie

6º serie

7º serie

8º serie

Geral

Tx. de aprovação

 

20%

12%

46%

48%

33%

Tx  de reprovação

48%

48%

43%

7,5%

34%

Tx de abandono

32%

40%

11%

44,5%

33%

 

INDICADORES

1º serie

2º serie

3º serie

TA

Geral

Tx. de aprovação

 

42%

58%

45%

50%

47%

Tx  de reprovação

21%

18%

15%

10%

14%

Tx de abandono

37%

24%

40%

40%

39%

 

IV-DISCIPLINAS COM BAIXO DESEMPENHO, POR SERIE, TURMA E TURNO( E FUNDAMENTAL E/OU MÉDIO)

DISCIPLINA

SERIE

TURMA

TURNO

INDICE DE

APROVVAÇÃO

Port

M1

Mat

34,3%

Mat

M1

Mat

34,4%

Port

M1

Mat

46%

Port.

Única

Mat

32%

Mat.

Única

Mat

32%

Hist.

Única

Mat

24%

Port.

EJA II Est II

Única

Vesp.

40%

Hist.

EJA II Est II

Única

Vesp.

42%

 
                                                       JUSTIFICATIVA

 

Este Projeto Pedagógico, surge da necessidade emergente de um referencial de apoio que nos dê subsídios para desenvolver nossas atividades técnico- pedagógico, com maior embasamento teórico, possibilitando assim, uma maior aplicabilidade dessas teorias no contexto da sala de aula.

Por acreditar que a prática não pode está dissociada da teoria, e partindo da ação-reflexão dessas práticas, é que encontraremos soluções para o quadro que ora se instala em nossa comunidade escolar, como:

 

-                                 Considerável índice de repetência;

-                                 Alto índice de evasão;

-                                 Desmotivação do corpo discente e docente, entre outros.

 

Sentimos que é necessária uma transformação, para que a escola readquira sua função social, tornando-se um espaço prazeroso de conhecimento.

Formar  o cidadão não é tarefa apenas da escola. No entanto, como local privilegiado de trabalho com o conhecimento, ela tem grande responsabilidade nessa formação; recebe crianças e jovens, por certo numero de horas, todos os dias, durante anos de suas vidas, possibilitando - lhes construir saberes indispensáveis para sua inserção social.

Para cumprir sua função social, a escola precisa considerar as praticas de nossa sociedade, sejam elas de natureza econômica, política, social e cultural, ética ou moral. Tem que considerar também as relações diretas ou indiretas dessas pratica com os problemas específicos da comunidade local a que presta serviços.

  

As características que permeiam nossa proposta são:

-                                 Concepção do educando como sujeito proativo, ou seja, aquele que se torna cidadão pelo fortalecimento da sua identidade desenvolvida num processo dinâmico de relações e inter-relações consigo mesmo, com os outros e com o mundo;

-                                 Processo de construção coletiva, privilegiando a participação de professores com atuação na Unidade Escolar;

-                                 Consolidação e socialização da proposta, através de atividades de estudo e capacitação, como mecanismo de avaliação critica.

-                                 Reconhecimento do papel do professor como personagem decisivo na vida dos alunos;

-                                 Entendimento de que a competência profissional do professor depende do conhecimento das características de desenvolvimento do aluno, do domínio do conteúdo objeto da aprendizagem e do seu compromisso social.

Por nossa Unidade Escolar, esta localizada no Centro Histórico, no celeiro cultural, não pode deixar de ser representante de uma educação de qualidade.

 Temos muito que caminhar, para que a médio-longo prazo possamos ser o instrumento para a formação integral dos nossos alunos, como também, inseri-los no “mundo globalizado”.

  

 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA

 

Historicamente, a escola tem sido vista como um caminho para a inserção do individuo na sociedade. Porém, apesar dos anseios e desejos da população, ela ainda tem se apresentado elitista, classista, e excludente.  Aliado ao processo excludente da escola via reprovação, há um outro processo tão perverso quanto o primeiro: a evasão escolar. Apesar dos esforços dos últimos governos, estima-se que cerca de 2,4 milhões de crianças entre sete e 14 anos continuam fora da escola ou porque não tiveram acesso ou porque dela foram excluídos, após sucessivas  reprovações.

Contraditoriamente, sabe-se que a escolaridade é um indicador fundamental para a inserção do jovem na força de trabalho, pois a produtividade dos sistemas econômicos está intimamente associada ao grau de escolaridade. Segundo o PNDA(1997), de cada três integrantes da população economicamente ativa, dois não completaram as oito séries do ensino fundamental. Do total de alunos matriculados no ensino fundamental, somente 22% conclui os estudos. A media de permanência na escola de um aluno que conclui a 8º serie é de 12 anos.

Em artigo para o livro “Globalização, Tecnologia e Emprego”, Milan Brahmbhatt, do Banco Mundial, coloca a política educacional entre um dos quatro requisitos fundamentais para as nações terem condições de competir num mercado mundial cada vez mais agressivo. Termina afirmando que o Brasil, para concorrer com o mercado, precisa, com urgência, elevar a escolaridade de seus futuros trabalhadores. Porém, ainda temos que vencer muitas barreiras para a universalização da escola básica e uma delas e talvez a mais problemática seja a reprovação.

Segundos dados extraídos de EDUCATIONAL INNOVATION, 83, Geneva, june 1995 “O fenômeno da repetência escolar é um dos mais complexos e menos compreendidos do nosso sistema escolar”... E ainda

  muitos dos sistemas nacionais de educação operam de tal forma que para uma porcentagem significativa de crianças admitidas na escola, a experiência mais chocante que elas sofrem não é a de não aprenderem, mas é a da frustração da repetência escolar.

Os estudiosos que analisam essas questões consideram que a falta de uma política de educação nacional adequada, a falta de recursos aliada à má utilização dos mesmos, os baixos salários dos professores e sua formação deficitária e a ausência de uma proposta de avaliação do trabalho desenvolvido pelas escolas são as causas principais desse estado de precariedade.

Por tanto, ter a clareza da função social da escola e do homem que se quer formar é fundamental para realizar uma prática pedagógica competente e socialmente comprometida, particularmente num país de contrastes como o nosso, onde convivem grandes desigualdades econômicas, sociais e culturais.

    OBJETIVOS AMPLOS DA UNIDADE ESCOLAR

 Se considerado as características, necessidades locais e os interesses dos educadores e dos educando, pretendemos:

 

Ø           Acompanhar o processo de escolarização dos alunos que apresentam situação de repetência;

Ø           Contribuir para a diminuição da situação de repetência dos alunos que freqüentam a Unidade Escolar;

Ø           Trabalhar a auto-estima dos alunos, dando-lhes condições de se perceberem como portadores de conhecimento e capazes de aprender;

Ø           Oferecer aos alunos situações diversificadas de ensino-aprendizagem no sentido de superar as dificuldades apresentadas em classe;

Ø           Possibilitar aos professores uma formação em serviço, através do acompanhamento do seu trabalho;

Ø           Oportunizar a melhoria da pratica pedagógica dos professores, através de cursos de formação;

Ø           Refletir sobre a função social da escola e sua importância para a conquista da cidadania;

Ø           Rever conteúdos básicos para o ensino fundamental das disciplinas matemática, língua portuguesa, ciências, historia e geografia, considerando os Parâmetros Curriculares Nacionais;

Ø           Promover a participação dos profissionais desta U.E. nos cursos de capacitação pedagógica, oferecidas pela SEC.

Ø           Fazer com que nossos alunos e professores se percebam como seres históricos (fazedores de historia), que necessitam de uma formação integral, preparando-os para exercerem o seu papel na Sociedade, de forma consciente e coerente.

Ø           Preparar os alunos do curso do Ensino Médio, para o mercado de trabalho, através de estágios firmados com instituições, baseado na Lei Federal nº. 11.788, de 25/09/2008.

 AVALIAÇÃO

 A avaliação o projeto deve ser realizada através de um processo continuo de acompanhamento e reflexão sobre as ações, visando a confirmação ou modificação das decisões assumidas no momento de sua elaboração.

Decisões sobre alterações no plano exigem o estabelecimento de novos fluxos e troca de informações que devem consolidar os resultados almejados levando-se em conta:

Ø           Os problemas apresentados pelas diversas disciplinas;

Ø           Se a metodologia e as propostas curriculares atendem as necessidades de conhecimento dos alunos;

Ø           Se a taxa de evasão tem diminuído;

Ø           O nível de desempenho do aluno;

Ø           A modificação da pratica do professor após a capacitação;

Ø           Se o acervo da Biblioteca atende as necessidades;

Ø           Os eventos em que os alunos, pais ou professores participarão;

Ø           Definir por uma avaliação processual sem se preocupar com o acumulo de conteúdo;

Ø           Considerar a avaliação quantitativa (a nota atribuída ao aluno) o ponto de partida para avaliação qualitativa (atitudes do aluno) nas diferentes atividades propostas em todos os componentes curriculares;

Ø           Definir previamente pontos de chegada para cada série e disciplina, por bimestre, utilizando como critério avaliação processual e final;

Ø           Levantar após cada avaliação de unidade os resultados de aprendizagem em termos percentuais.

Ø           Repensar a prática pedagógica com visão sócia política do trabalho educativo o que pressupõe um olhar para o aluno, com sistema de crenças voltado para a confiança de que, todo o aluno é capaz de aprender.

  Estas são algumas das muitas situações de investigação que a escola deve levantar na busca de soluções para os problemas identificados.

Concebida como processual, a avaliação do projeto envolverá pais, professores, direção da escola, alunos e funcionários.

 

 ANEXO

PROJETO DE ESTÁGIO

PROJETOS PEDAGÓGICOS

 

 PROJETO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

1.                 BASES LEGAIS

As leis que amparam os Estágios Curriculares obrigatórios são: Lei Federal n.º 6.494, de 07/12/1977 – Decreto n.º 87.497, de 18/08/1982, e mais recentemente a Lei Federal nº. 11.788, de 25/09/2008.

 

2.                 CONCEPÇÃO DO ESTÁGIO

O estágio deve propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem acumulados ao longo do curso, a fim de se constituir um instrumento de integração, em termos de vivência prática, de aperfeiçoamento técnico-cultural, científico e de relacionamento humano.

O estágio pode assumir a forma de atividades de extensão, mediante à participação do discente em empreendimentos, ou projetos de interesse social.

O estágio pode ser realizado na comunidade junto a organizações privadas, públicas ou do terceiro setor, sob responsabilidade e coordenação do curso da Unidade Escolar.

 

3.                 OBJETIVOS DOS ESTÁGIOS

3.1 Geral

 

O Estágio Supervisionado torna-se pertinente, pois, consolida o objetivo proposto no Projeto Pedagógico que é “o de formar profissionais e pesquisadores capazes de contribuir fortemente para o contínuo aperfeiçoamento da qualidade de vida da sociedade brasileira e a competitividade de seus agentes econômicos, através da produção e disseminação de conhecimentos nas áreas específicas.”

 

3.2 Específicos

 

Nesse sentido, os objetivos específicos do Estágio Supervisionado no curso são:

 

a)                  Complementar o processo de ensino-aprendizagem;

b)                  Incentivar o aprimoramento pessoal e profissional;

c)                  Propiciar aos acadêmicos, oportunidades de desenvolver potencialidades e habilidades;

d)                  Propiciar ao acadêmico a consolidação de conhecimentos e espírito empreendedor e integrador

e)                   Contribuir para o discente assumir suas funções de co-responsável pelo processo ensino-aprendizagem, na medida em que formula seus próprios projetos;

f)                    Contribuir na relação entre professor e discente, no sentido que ambos se reconheçam como aprendizes em uma sociedade cada vez mais orientada pela capacidade dos indivíduos de transformarem dados em informações e informações em conhecimento;

g)                  Propiciar ao acadêmico o exercício da cidadania, ou seja, a oportunidade de concretizar trabalhos de bem estar da coletividade;

h)                  Estabelecer uma relação de aproximação entre a Unidade Escolar e os locais de estágio, para fortalecer a interação entre teoria e prática;

O estagiário é o discente matriculado, com freqüência regular e desenvolvendo atividades identificadas com a sua área de formação geral e específica, tendo cumprido todos os pré-requisitos necessários.

 

Atribuições do Estagiário

 

a)                 Cumprir com as atividades das disciplinas Estágio Supervisionado

b)                 Observar freqüência, horários e prazos estabelecidos no decorrer de suas atividades de Estágio;

 

Segundo a Lei 11.788 de 25/09/2008 o estagio tem os seguintes pré-requisitos:
Art. 3o  O estágio, tanto na hipótese do § 1o do art. 2o desta Lei quanto na prevista no § 2o do mesmo dispositivo, não cria vínculo empregatício de qualquer natureza, observados os seguintes requisitos: 

I – matrícula e freqüência regular do educando em curso de educação superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e nos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos e atestados pela instituição de ensino; 

II – celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino; 

III – compatibilidade entre as atividades desenvolvidas no estágio e aquelas previstas no termo de compromisso

 

4.                  CARGA HORÁRIA PREVISTA

 

A nova Lei de Estagio de 25/09/2008 estipula que a carga horária de estagio devera ser:

 

- De 4 (quatro) horas diárias e 20 (vinte) horas semanais, no caso de estudantes de educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional de educação de jovens e adultos.

 

- De 6 (seis) horas diárias e 30 (trinta) horas semanais, no caso de estudantes do ensino superior, da educação profissional de nível médio e do ensino médio regular.

 

A duração do estágio, na mesma parte concedente, não poderá exceder 2 (dois) anos, exceto quando se tratar de estagiário portador de deficiência.

 

 ALGUNS PROJETOS EXISTENTES NA UNIDADE ESCOLAR

 

PROJETO - FEIRA DA CULTURA

 

Objetivos

 

Ø                              Oportunizar ao educando a ampliação do conhecimento sobre um tema especifica.

Ø                              Proporcionar a conscientização dos alunos no que diz respeito à importância de cada conteúdo.

Ø                              Promover o envolvimento de professores e alunos, para que aconteça a interdisciplinaridade.

 

PROJETO - VIVENDO A PAZ

 

Ø                              Oportunizar aos alunos vivências que promovam a paz

Ø                              Combater todos os tipos de violência

Ø                              Envolver a comunidade escolar e do bairro

A violência é um problema que não pode ser mais excluído do discurso do cotidiano escolar. As guerras entram em nossos lares, via satélite e internet, e não podemos mais deixar de discutir sobre essa problemática, pois no contexto atual nem as nossas crianças tem sido poupadas dessas noticias.

Pensando nisso, o Colégio Azevedo Fernandes, organizou situações didáticas que ajudem os alunos e a comunidade, a se engajarem na luta contra a violência, passando a viver harmonicamente com os colegas, professores, pais vizinhos e professores.

 PROJETO GESTAR

 

ü                  Levar o aluno a desenvolver o gosto pela leitura e pelos cálculos matemáticos através de atividades prazerosas.

ü                  Proporcionar um ambiente prazeroso onde o aluno perceba-se como construtor de sua história;

ü                  Promover a (re) descoberta das relações interpessoais.

 

PROJETO ENTER JOVEM

 

O ENTER JOVEM é um programa de empregabilidade com uso da Língua Inglesa, com  objetivo de ampliar as possibilidades de inserção de jovens, na faixa etária de 16 a 24  anos, em situação de desvantagem social e econômica, no mercado formal de trabalho. O programa é financiado pela USAID e MOTOROLA FOUNDATION e implementando pelo AIR ( Instituto Americano Pesquisa) e IE ( Instituto  Empreender)  com parceria com a SEC.

 

PROJETO NTE VAI A ESCOLA

 

O Núcleo de Tecnologia da SEC está implantando na Unidade Escolar, o Programa NTE vai a Escola, com a finalidade de capacitar professores na área das novas tecnologias.   A capacitação iniciou-se no mês de outubro de 2008, com o objetivo de fazer com que os professores sintam-se preparados para utilizar as “novas tecnologias” a fim de tornar mais prazerosa as atividades pedagógicas.

 

 PROJETO MONUMENTA

 

A Escola de Arqueologia da UFBA, em parceria com as Escola Publicas do Centro Histórico de Salvador ( Pelourinho), implantou o Projeto Monumenta com o objetivo de estudar e divulgar a ocupação do bairro durante os períodos históricos.  Os instrutores do projeto buscam junto a Unidade Escolar, levar os alunos a compreensão do meio que o cerca, tão como a valorização do patrimônio cultural.

PROJETO  “O Ensino de Historia e Cultura Afro-Brasileira e Africana”

 

O Projeto trata da aplicabilidade  da Lei 10.369/2004, que  torna obrigatório o Ensino de Historia e Cultura Afro- Brasileira e Africana.  O objetivo geral desse projeto é o de refletir sobre a contribuição real do povo negro para a sociedade brasileira, o que referenda, assim, o pluralismo racial e cultural em nosso país.

Comments