ÉTICA E VALORAÇÃO DO TRATAMENTO PELA CIÊNCIA CRISTÃ
Jackson Guterres, 8 de abril 2010.

    Este é um ponto bem relevante, pois compreender que a retribuição dada a um Praticistas da Ciência Cristã pela graça alcançada implica no reconhecimento de que Deus, o Amor divino foi a fonte desta graça. A gratidão é um dos elementos chaves da oração, conforme aprendemos no capítulo: "A Oração" do livro Ciência e Saúde, onde lemos: "A gratidão é muito mais que uma expressão verbal de agradecimento. Os atos exprimem mais gratidão do que as palavras."

    Uma base fundamental para a prática pública está no MANUAL DA IGREJA, todo ele, em especil o artigo 8º sobre a Disciplina, e especificamente os § 22 e § 23. Recomendo sua leitura.

    Outro ponto é que os Praticistas e Enfermeiros da Ciência Cristã, não tem nenhum subsídio das igrejas da Ciência Cristã, eles dependem, por assim dizer, tão somente do resultado da atividade a qual dedicam sua vida, por sua vocação, amor e o desejo de servir à humanidade pela prática da cura cristã. Na medida em que compreendemos o valor da gratidão pelas bênçãos recebidas e de que a retribuição pelo tratamento é um desdobramento natural do bem, que emana do suprimento divino, então este ponto acontece com naturalidade para ambos Praticista e pacientes.

    Um outro ponto é considerar a prática de cura tanto como um Ministério sagrado como uma brilhante e exitosa carreia na arte de curar. E se projetarmos esta possibilidade para os nosso jovens talentos, o próprio aumento e evolução desta prática no Brasil e no globo, tenderá a atrair mais jovens para usarem sua vocação para trabalharem como Praticista ou Enfermeiros da Ciência Cristã. Temos notícias que no Rio de Janeiro, três Praticista se contizaram para alugar um espaço onde elas possam atender ao público com tranquilidade e a privacidade necessárias a esta obra divina.

    Outra pergunta provocativa no Seminário que aconteceu em Porto Alegre foi baseada na hipótese de que Jesus não cobrava pelas suas orações. A resposta baseou-se no estudo profundo da Bíblia, onde podemos ver que Jesus vestia uma "túnica talar de mangas compridas" o que poderiamos até cogitar que seria como se fosse uma terno Armani, de hoje, claro guardada as proporções históricas da tecnologia hoje disponíveis. A explicação sobre que esta túnica talar e ainda por cima de mangas compridas, era fabricada por teares circulares e era muito rara e por esta razão de alto preço e que só as pessoas de boas condições econômicas, como os nobres e reis podiam adquirir uma destas túnicas. Seguidamente Jesus ia visitar as pessoas para fazer sua refeição, como fez com Zaqueu. Era um outro modo que as pessoas tinham para retribuir as bênçãos recebidas. Quem não lembra que Maria Madalena, além de regar os pés do divino Mestre com suas lágrimas, também perfumou-o com óleo aromático de alto preço, talvez o Sândalo, que era comum no Oriente. Mais detalhes sobre a interpretação espiritual desta história leia no Ciência e Saúde a partir da página 362.

    Abaixo compartilho alguns trechos para aprofundar a reflexão sobre este tema:

    Cristo Jesus disse (Lucas 10:7) "Digno é o trabalhador do seu salário."

    "...Deus derrama as riquezas do Seu amor na compreensão e nas afeições, dando-nos forças para cada um de nosso dias."
[Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, p. 5]

    "Um Cientista Cristão é humanitário, benévolo, misericordioso, longânime e procura vencer o mal com o bem."
[Manual de A Igreja Mãe - Artigo 8º § 22]

    "A remuneração por um tratamento na Ciência Cristã deveria basear-se nas condições locais e ser alcançada mediante demonstração. Por exemplo, nas áreas metropolitanas nas quais um praticista precisa manter um escritório no centro da cidade, a um alto preço, a remuneração é naturalmente maior que aquela de comunidades rurais. Falando de um modo geral, o praticista deveria decidir qual a remuneração adequada, e, a partir dessa base, ajustar seu preço tomando em consideração o tempo pelo qual se estende o tratamento e a capacidade de pagamento do paciente." [Diretriz do Conselho de Diretores da Ciência Cristã - publicada no The Christian Science Journal de março de 1959]

Uma questão de ética e alteridade em relação a todos os Praticistas da Ciência Cristã

    Recentemente, durante o Seminário sobre a Prática pública da Ciência Cristã, alguém perguntou se estaria errado não cobrar pelos tratamentos em oração concedidos a um paciente? A resposta foi que seria anti-ético em relação aos demais Praticistas registrados no Arauto e em A Igreja Mãe, os quais dedicam tempo integral à prática da cura cristã.

    Há quem argumente sobre a gratuidade dos serviços dos Praticistas da Ciência Cristã, mas podemos contemplar que a Arte da Cura Cristã, é tal como um Ministério de Cura e exige dedicação em tempo integral. Os Praticistas em geral tem que ter uma infraestrutura necessária para receber e atender o público em geral, isto inclui: um sala disponível para receber os pacientes que procuram pela cura cristã e demais despesas operacionais tais como: telefone, água, luz, acesso à Internet, etc. No meu ponto de vista, a valoração do trabalho do Praticista da Ciência Cristã abrirá o campo e novas oportunidades para que os jovens venham a interessar-se ainda mais sobre a prática de cura pela Ciência Cristã como uma carreira de progresso e crescimento espiritual a qual possam dedicar suas vidas ao bem da humanidade e para a glória de Deus.

    Certa vez num Curso de Interpretação Espiritual da Bíblia, ministrado na Igreja local de Porto Alegre, o Professor, Doutor em Estudos Bíblicos, o norte-americano Jürgen Kurt Stark comentou sobre uma nova interpretação da segunda oração do clássico versículo (assinalada abaixo), a partir dos originais bíblicos, e que está traduzido assim na Biblia Sagrada em Mateus 10:8:

8Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.

    Ele afirmou, na segurança e habilidade de uma sumidade em Ciências Bíblicas, de anos de dedicação e pesquisa ao textos originais bíblicos e suas muitas traduções, que uma melhor tradução para este texto seria:

    "Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; por graça recebestes, por graça dai."

    A palavra graça aqui vem do Grego e não tem nada a ver com gratuidade, como a mente humana insiste em interpretar de modo equivocado; ela tem o sentido espiritual e elevado de graça divina ou seja a ação natural do bem que opera nossa vida, trazendo cura, paz, segurança, harmonia, equilíbrio, coragem moral e estabilidade.

    Esta ordem atemporal do Mestre Cristo Jesus: "Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios" está inscrita no logotipo da Cruz e da Coroa, a qual é uma marca registrada (Trademark) de propriedade do Conselho de Diretores da Ciência Cristã. Este mandado divino de Jesus para todos os tempos, exemplifica bem o cerne da missão da Ciência Cristã para o bem de toda humanidade!

Referências:

A Prática e sua recompensa. Do Arauto da Ciência Cristã. Volume 21, nº2, 1971.

Curso Bíblico de Jürgem Kurt Stark, em Porto Alegre. Não lembro o ano.


Artigos clássicos recomendados sobre este tema na revista O Arauto da Ciência Cristã

Suprimento e a prática pública da Ciência Cristã - Timonthy A. MacDonald

Honorários do praticista e o designio do Amor - Gail Menschel