MDMA


1. O que é?

A MDMA (3,4 – metilenodioxido-metanfetamina) é uma substância sintética, também conhecida por Ecstasy.
Apesar de derivar das anfetaminas, a MDMA não tem apenas efeitos estimulantes, mas também psicadélicos.

É uma substância empatogénea, pois tem efeitos nas emoções, com a particularidade de criar empatia.

Apresenta-se em cristal, cápsulas ou pastilhas (comprimidos coloridos com diferentes logotipos). A apresentação (cor e logo) das pastilhas não é garantia de qualidade.
É normalmente tomado por via oral. Também pode ser snifada, fumada ou injectada.

A dose activa (mínima para produzir efeitos psicoactivos) é de 30 mg. A dose habitual é de cerca de 100 mg (+/- uma pastilha de MDMA pura).

2. Efeitos

Os EFEITOS DA MDMA dependem…
- não só da substância (dose, pureza, misturas, via de admistração…)
- mas também de QUEM CONSOME (estado de espírito, expectativas, habituação…)
- e do ambiente (onde e com quem…)

Pela via oral, a MDMA demora entre 30 minutos e 1 hora a atingir o pico dos efeitos, que se mantêm por 2 a 3 horas. Seguindo-se uma lenta descida de várias horas.

A MDMA pode produzir estes EFEITOS…
- bom humor, euforia; empatia, abertura emocional, desejo de proximidade e contacto com os outros, sentimento de transcendência e ligação com o mundo…
- aumento da sensibilidade aos estímulos…
- insights (momentos de entendimento intuitivo), lapsos de memória…
- aumento do ritmo cardíaco e da pressão arterial; desidratação; temperatura corporal desregulada; perda de apetite; náuseas e vómitos; dilatação das pupilas; dificuldade de focagem ocular; rigidez muscular e mandibular…

Com doses altas os efeitos acentuam-se e pode surgir:
- raciocínio turvo
- desidratação e hipertermia (temperatura corporal demasiadamente alta
- delírios, alucinações
- hipertensão arterial, enfartes e tromboses

Os dias seguintes podem ser marcados por mau-humor, irritabilidade, cansaço, depressão...

Os consumos HABITUAIS, em pessoas predispostas, aumentam a probabilidade de crises de ansiedade, pânico, fobias, problemas psicológicos, sono desregulado, danos hepáticos e renais…

A MDMA não produz dependência física e tem um efeito de “perda de magia” quando se repete o consumo: diminuição dos efeitos positivos e desejados das primeiras experiências.

3. Não deves consumir se...

… não te apetece ou tens dúvidas: tu decides!
… tens problemas cardíacos, pressão arterial alta, problemas de fígado ou de rins, glaucoma ou diabetes.
… tens algum problema psicológico (ou antecedentes na família) ou se estás a passar uma fase má… porque o consumo pode agravar a situação.
… estás a fazer tratamento com antiretrovirais ou IMAO’s (antidepressivos e outros).
… estás grávida ou a amamentar.

4. Se consomes...

… informa-te sobre a substância (efeitos, doses, contraindicações, …). Lê o flyer, vai à net, fala com “conhecedores”, …
… fá-lo apenas ocasiões especiais. Escolhe bem o ambiente: convém estar num local seguro e agradável, com pessoas em quem confies.
… sê prudente: se vais consumir uma pastilha que não conheces, toma apenas 1/4 ou 1/2 e espera pelo efeito antes de decidires o que fazer ao resto. 
… tem em conta que doses maiores não aumentam os efeitos psicadélicos, dando apenas efeito estimulante.
… cuidado com a dose e a frequência dos consumos (faz pausas entre os consumos: os níveis de seretonina demoram meses a serem repostos).
… se snifas, usa um tubo só para ti. É uma forma de evitar a transmissão de doenças infecciosas (gripes, hepatites, … ).
… antes de snifar, pica muito bem a MDMA, sobretudo se estiver em cristal. Alterna de narina e, no fim, aspira um pouco de água (de preferência morna e salgada) para eliminar os restos de MDMA e assim, evitar lesões e hemorragias nasais. 
… quer engolido, quer snifado, o cristal pode ser difícil de dosear. Antes de consumires, podes dividir o produto em partes (ex.1 grama em 10 partes) e assim saberás a quantidade de cada parte.
… a via de administração mais segura para a MDMA é a via oral. Não convém que estejas de estômago vazio e é bom evitar o contacto prolongado do produto com os dentes e boca.
… tem em atenção a quem e o que compras. Só com uma análise de laboratório detalhada podes ter a certeza do conteúdo da substância.
… é normal que não sintas fome, mas convém que comas algo de vez em quando para repôr os nutrientes.
… evita estar em locais quentes e abafados. Veste roupa fresca, tira o boné e faz pausas na dança.
… vai bebendo água, regularmente, mas com moderação (+/- 1/2 litro/hora) para evitares a desidratação e o “golpe de calor”.
… evita misturar com álcool, pois assim aumenta a desidratação e a ressaca, modificando também a experiência com a MDMA…
… lembra-te que as misturas com cocaínaspeed e outros estimulantes intensificam apenas os efeitos estimulantes da MDMA e aumentam os perigos de problemas cardíacos.
… se sentires calor, enjoos, vertigens ou desmaios, cãibras, vómitos, cansaço súbito, dores de cabeça, dificuldade para urinar (ou urina escura), suores,… podes estar a sofrer um “golpe de calor” por isso descansa e vai para um sítio arejado e refresca-te.
… nos dias após o consumo deves repousar e recuperar energias. Faz uma alimentação equilibrada e cuida de ti.

5. Outras informações

A lei portuguesa… penaliza o consumo, a posse e o comércio de MDMA (Lei nº 30/2000). Atenção que descriminalizar não significa despenalizar. Com 16 anos já se é responsabilizado legalmente pelo consumo, posse e tráfico.
Para distinguir os casos de contra-ordenação dos de crime, a quantidade de substância apreendida é determinante: até 1 grama podes ser convidad@ a ir até uma Comissão para a Dissuasão da Toxicodependência e podes ser alvo de uma sanção (multa, trabalho comunitário, apreensão de carta de condução, proibição de frequentar certos lugares, apresentação periódica no posto da polícia, etc); Acima desta quantidade é considerado crime e em tribunal será avaliado se se trata de tráfico.

Na estrada: “A condução sob influência de substâncias psicotrópicas é considerada uma contra-ordenação muito grave. Quem infringir é sancionado com coima de 500 a 2.500 euros”.(art. 146º)

Durante quanto tempo pode ser detectada? 
Através de análises de urina, pode ser detectada até 5 dias após o consumo.