A ROTA DO OURO                             http://chavesmapas.googlepages.com/logo.jpg

Chaves Mapas beta

http://chavesmapas.googlepages.com/AROTADOOURO.png

Antes da vinda dos Romanos para a Península, os Galaicos, povos autóctones, século X a.C., eram frequentemente visitados pelos Cartagineses e Fenícios que lhes compravam todo o ouro que extraiam da terra.
Entretanto os romanos, no fim da República, Século I a.C., invadiram a Península com a intenção de se apropriarem das explorações auríferas.

MINAS ROMANAS DE OURO DO POÇO DAS FREITAS E CIDADE DE BATOCAS
Partindo de Boticas, siga pela EN 312 até Sapiãos. A aldeia de Sapiãos prova a sua antiguidade na capela românica do cemitério, com torre sineira de dois arcos.
Continuando pela EN 103, volte à esquerda para Bobadela, pela EM 527. Aqui admire o cruzeiro, a janela manuelina da residência paroquial, o casario de granito muito antigo e a capela de S. Lourenço, onde se encontra uma ara romana votiva. À saída da povoação, à direita, desça até à Ponte Medieval sobre o ribeiro de Esquerigo. A paisagem é verde e bucólica, salpicada de amieiros e freixos. Mais adiante, descobrem-se as lagoas do Poço das Freitas, antigas cortas romanas de mineração de ouro que ilustram a epopeia humana dos grandes poços auríferos. Com atenção poderá ter a sorte de encontrar algum exemplar das belas "tartarugas" de pequena dimensão existentes nos lagos.

AS CORTAS E GALERIAS AURÍFERAS DE TRESMINAS E JALES
Tresminas e Jales, no concelho de Vila Pouca de Aguiar, são um dos mais importantes conjuntos de arqueologia mineira da época romana.
O primeiro itinerário vai dar-lhe a conhecer as minas de Ouro de Jales, e a Ponte Romana da Barrela. O segundo, sobre toda a serra da Padrela, percorre o planalto e desce até às Minas Romanas de Ouro de Tresminas.
A caminho do Campo de Jales, saia de Pedras Salgadas ou de Vila Pouca de Aguiar, suba as encostas panorâmicas da serra da Padrela e entre nas terras altas e férteis de Guilhado e de Jales, seguindo pela EN 212 até ao cruzamento de Minas de Jales. Aqui volte à esquerda e desça pelo CM 1172 para Campo de Jales, um dos mais ricos filões de ouro que permitiu que a extracção do minério continuasse até aos nossos dias.
Naqueles tempos a extracção do minério era feita manualmente, quer nos poços a céu aberto quer nas galerias que atingem as jazidas mais profundas.
Além do Ouro, os processos metalúrgicos romanos proporcionavam a prata, o chumbo e o estanho. Na época as galerias de Campo de Jales eram abertas rebentando a rocha dura aquecendo-a e arrefecendo-a bruscamente com água e vinagre e ainda com a ajuda de cunhas de madeira. Em Cidadelha de Jales, seguindo pelo CM 1172, encontra-se o castro do Castelo dos Mouros, a 1 Km da aldeia, com muralha castreja em bom estado. Para Alfarela de Jales, regresse à EN 212, voltando à esquerda. O Pelourinho de Alferela é o único existente no concelho de Vila Pouca de Aguiar. Ainda perto do Pelourinho, seguindo o caminho da Quelhas das Hortas surge um penedo com gravuras rupestres serpentiformes. Depois, para ir visitar a Ponte romana do Arco, sobre o rio Pinhão, passe por Vreia de Jales e Barrela. Junto à ponte o ambiente torna-se idílico com um local que convida à vida ao ar livre e ao repouso. Ainda perto de Barrela pode ver-se um troço da Via Romana IRIA FLAVIA - AD Aquas Flavias/Durium.
Para visitar Tresminas regresse a Guilhado, volte à direita e siga pela estrada florestal, por entre pinheiros de riga e abetos até a EN 206, continuando à direita para Tinhela de Baixo, sempre a descer pelo CM 1164 até ás cortas da Ribeirinha em pleno distrito mineiro romano de Tresminas. Os locais de exploração romana eram a Corta de Covas, a Corta da Ribeirinha e a Corta dos Lagoinhos - a mais pequena. Estas explorações mineiras, a céu aberto, em forma de trincheiras, atingiam uma profundidade de 120 metros. No fundo das cortas ainda se vêem várias entradas de galerias havendo duas na Corta de Covas e duas na Corta da Ribeirinha. Com o auxílio de guias locais pode visitar as galerias.
Estas galerias serviram para a drenagem de água acumulada no fundo das cortas e para atingir as jazidas mais profundas do Pilar, ou do Buraco do Santo, situadas na Corta das Covas, com uma extensão de 300 metros, lago subterrâneo com estalactites. A galeria  Esteves Pinto também é visitável com guia.
Visite o núcleo antigo da aldeia de Covas e a igreja românica com portal gótico de Tresminas.

http://chavesmapas.googlepages.com/AROTADOOUROMAPA.png