Proposta Pedagógica

 

 

PROPOSTA

PEDAGÓGICA

CEINF PARAISO INFANTIL

LAR DO TRABALHADOR

 

 

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE

 

 

 

 

 

 


 

PREFEITO MUNICIPAL

NELSON TRAD FILHO

SECRETÁRIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL :

                              Maria Antonieta de Amorim Trad

SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO:

MARIA CECILIA AMENDOLA MOTTA

SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PÚBLICA

LUIZ HENRIQUE MANDETA

EQUIPE DE ELABORAÇÃO:

                                    Aparecida Vergínia Souza Silva 

                                           Deise  Liliana Moura do Amaral                                                                                                                                                                                                                   

                                           DULCInETE MARIA DA LUZ SOUZA

                                    Marley Ortega Rosa

                                    Michely Lima de Araujo 

                                    Marinalva Vieira de Oliveira

                                          Maria Aparecida Monteiro

                                    Ruth Satomi Otsubo

                                    Rosa  Maria Rodrigues da Silva

                                   Silvana Oliveira de Almeida

 

                                   

 

 

 

 

 

ÍNDICE:

APRESENTAÇÃO..............................................................04

 

INTRODUÇÃO...................................................................05

 

HISTÓRICO.......................................................................06

 

FUNDAMENTAÇÃO.........................................................07

 

PROPOSTA PEDAGÓGICA..............................................08

 

CUIDAR E EDUCAR..........................................................12

 

OBJETIVOS.......................................................................14

 

BERÇÁRIO.........................................................................16

 

NÍVEL I ..............................................................................18

 

NÍVEL II ...........................................................................20

 

NÍVEL III .........................................................................22

 

AVALIAÇÃO......................................................................23

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

APRESENTAÇÃO:

 

Este documento teve inicio com as atividades necessárias para se alinhavar um bom procedimento em relação e formação pedagógica e institucional deste CEINF.  Pois, é de extrema necessidade que se eleja prioridades quando se trata da formação integral da criança.

E por justamente pensar neste todo que multifacetamos as fases pela qual a criança passa em seu crescimento físico, cognitivo e emocional, que por concepção oriunda de trabalhos educativos nos dá pareceres que favorecem a constituição deste para o melhor desenvolvimento dos pequenos.

Essa proposta que hoje apresentamos, nos orientara nas concepções e construções que teremos de agora em diante.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INTRODUÇÃO:

 

 

 

Nenhum homem é uma ilha, e ao vivenciarmos o cotidiano escolar percebemos como é necessária a participação, principalmente, tratando-se de crianças em formação, na faixa etária de educação infantil de 0 á 6 anos. Preocupados com essa formação num contexto social, temos uma série de leis que embasam e regulamentam a funcionalidade escolar institucional, além de vários estudos, já de muitos pensadores que organizaram a instituição: escola.

 

O social que buscamos, é num conceito filosófico e real, uma provocação à revolução histórica tendo o CEINF como uma prática social, com funções sociais.

A psicologia sócio-histórica traz em seu bojo a concepção de que todo Homem se constitui como ser humano pelas relações que estabelece com os outros. Desde o nosso nascimento somos socialmente dependentes dos outros e entramos em um processo histórico que, de um lado, nos oferece os dados sobre o mundo e visões sobre ele e, de outro lado, permite a construção de uma visão pessoal sobre este mesmo mundo."

 

E é valorizando estas leis, este social e uma totalidades de pareceres que respeitamos adequadamente relacionados a educação infantil, que usufruímos deste projeto, que esperamos, seja reformulado, muitas e muitas vezes, buscando sempre o melhor na formação de nossas crianças nesta instituição.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Histórico da Educação Infantil e da Unidade:

 

 

A palavra creche, de origem francesa, foi utilizada para designar a primeira instituição de educação infantil, há mais de duzentos anos. Servia para guardar e abrigar crianças pequenas consideradas necessitadas naquela época.  Depois das reformas das últimas décadas, hoje pensamos creche de maneira diferente, não somente um lugar assistencialista mas também um ambiente de educação, prazer e lazer.

 

A educação infantil é a primeira parte da Educação Básica, tendo como finalidade o desenvolvimento integral da criança dos 0 aos 6 anos, regulamenta a LDB, lei nº 9394/96.

 

A Prefeitura Municipal de Campo Grande assumiu as creches em 1992, e mantém até hoje já contando com 90 instituições,passando para CEINF´S  Centro de Educação Infantil.

 

O CEINF, PARAISO INFANTIL, foi inaugurado janeiro de 1983, á rua Camilo Neres, no bairro Lar do Trabalhador,Mantido pela Prefeitura Municipal de Campo Grande,com a inscrição no Ministério da Fazenda,sob o nº03501.509/0001-06,e administrada pela Secretaria Municipal de Assistência Social/SAS,em gestão compartilhada com a Secretaria Municipal de Educação/SEMED,conforme decreto n.10.000 de 27 de junho de 2007. ocupando uma área de 4.680m2, com capacidade para 105 crianças, com idades entre 4 meses à 5 anos e 11 meses.

O CEINF conta em seu espaço com, 3 salas de aula, 1 berçário, 4 banheiros infantis, , 1 lavabo adulto, , 1 sala para direção, 1 cozinha, 1 lactário, 1 fraudário, 1 despensa, 1 almoxarifado , 1 refeitório e 1 lavanderia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FUNDAMENTAÇÃO
CEINF Paraíso Infantil

A proposta pedagógica do CEINF PARAISO INFANTIL leva em conta a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB 9.394/96, a Constituição Brasileira, o Estatuto da Criança e do Adolescente, o disposto nos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN e as Deliberações do Conselho Municipal de Educação de Campo Grande Mato Grosso do Sul.
A metodologia de ensino do CEINF PPARAISO INFANTIL está baseada na proposta construtivista, ou seja, o objetivo é levar a criança a explorar e descobrir todas as possibilidades do seu corpo, dos objetivos, das relações, do espaço e através disso, desenvolver a sua capacidade de observar, descobrir e pensar. As Atividades são programadas à inserir o conteúdo a ser trabalhado dentro do objetivo a ser alcançado pelo Ceinf.
O CEINF PARAISO INFANTIL adota a metodologia pedagógica sócio-construtivista para o trabalho com os alunos da Educação Infantil.
Na Educação Infantil, busca-se a integração da criança através do desenvolvimento dos aspectos biológicos, psicológicos intelectuais e sócio-culturais,complementando a ação da família e comunidade, preparando-as para a continuidade do processo educacional.

 




PROPOSTA PEDAGÓGICA - Educação Infantil

Considerando a Lei de Diretrizes e Bases - 9394/96 - e o Estatuto da Criança e do Adolescente, o CEINF se propõe a um trabalho baseado nas diferenças individuais e na consideração das peculiaridades das crianças na faixa etária atendida pela Educação Infantil.
Embora as crianças desenvolvam suas capacidades de maneira heterogênea, a educação tem por função criar condições para o desenvolvimento integral de todas as crianças, considerando, também, as possibilidades de aprendizagem que apresentam nas diferentes faixas etárias através de uma atuação que propicia o desenvolvimento de capacidades envolvendo aquelas de ordem física, afetiva, cognitiva, ética, estética, de relação interpessoal e inserção social.

A definição dos objetivos em termos de capacidades - e não de comportamentos - visa ampliar a possibilidade de concretização das intenções

educativas, uma vez que as capacidades se expressam por meio de diversos comportamentos e as aprendizagens que convergem para ela podem ser de naturezas diversas. Ao estabelecer objetivos nesses termos, o professor amplia suas possibilidades de atendimento à diversidade apresentada pelas crianças, podendo considerar diferentes habilidades, interesses e maneiras de aprender no desenvolvimento de cada capacidade.
Respeito à diversidade dos alunos é parte integrante da nossa proposta. Para que seja incorporada pelas crianças, a atitude de aceitação do outro em suas diferenças e particularidades precisa estar presente nos atos e atitudes dos adultos com os quais convivem na instituição. Começando pelas diferenças de temperamento, de habilidades e de conhecimentos, até as diferenças de gênero,
de etnia e de credo religioso, o respeito a essa diversidade deve permear as relações cotidianas.
É tarefa primordial da Ceinf a difusão de conteúdos. Não conteúdos abstratos, mas vivos e concretos, portanto, indissociáveis da realidade social.

Um ensino que segue a linha "diálogo - ação - compreensão - participação baseada em relações diretas da experiência do aluno, o que se presta aos interesses sociais, já que a própria unidade escolar pode contribuir para eliminar a seletividade social e torná-la democrática.


A condição para que o CEINF sirva aos interesses sociais e garantir a todos um bom ensino, isto é, a apropriação dos conteúdos curriculares básicos que tenham ressonância na vida dos alunos.
Entendida nesse sentido, a educação é uma das mediações pela qual o aluno, pela intervenção do professor ou recreador   por sua própria participação ativa, passa de uma experiência inicialmente confusa e fragmentada, a uma visão organizada e unificada.

Em síntese, a atuação do CEINF consiste na preparação do aluno para o mundo adulto e suas contradições, fornecendo-lhe um instrumental por meio da aquisição de conteúdo e da socialização, para uma participação organizada e ativa da democratização da sociedade.

Se o objetivo do CEINF é privilegiar a aquisição do saber, e de um saber vinculado à realidade social, é preciso que os métodos favoreçam a correspondência dos conteúdos com os interesses dos alunos e que estes possam reconhecer nos conteúdos, o auxílio ao seu esforço de compreensão da realidade.
Nossa proposta metodológica tem como finalidade o desenvolvimento do educando como um todo, através do desabrochar de vários aspectos da criança, inspirada nas teorias de Jean Piaget e Maria Montessori, adaptadas e transformadas ao ensino tradicional, através de planejamentos adequados a cada faixa etária, com conteúdo forte e constante, propiciando assim a estabilidade de ensino e lógica seqüencial do mesmo na vida escolar do aluno.


Com inspiração na pedagogia inspirada na psicogenética de Jean Piaget e nas propostas educacionais de Maria Montessori, buscamos a integralização da criança através do desenvolvimento dos aspectos biológicos, psicológicos e sócio-culturais, de onde são originados todas as atividades dos currículos de cada curso, desenvolvidos mês a mês, semana a semana, através de planejamentos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CUIDAR E EDUCAR

De acordo com a publicação Política Nacional de Educação Infantil (MEC, 1994), a educação infantil constitui a primeira etapa da Educação Básica e destina-se à criança de 0 a 6 anos de idade, não sendo obrigatória, mas um direito a que o Estado tem obrigação de atender. As instituições que oferecem esse tipo de ensino são as creches, para crianças de 4 meses a 3 anos, e as pré-escolas, para as de 4 a 5 anos.

A educação infantil brasileira é recente: tem pouco mais de um século de história. Nas Constituições anteriores à de 1988, as referências a essa etapa se limitavam ao "assistir" a maternidade e a infância. Mas a Carta Magna em vigor a define como um "dever" do Estado. A nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) fundamenta-se na Constituição de 1988. Na composição dos níveis de escolaridade, determina que a educação infantil faz parte da Educação Básica, que abrange também o Ensino Fundamental e o Ensino Médio.

O currículo da educação infantil deve considerar o grau de desenvolvimento da criança, a diversidade sociocultural das classes atendidas e os conhecimentos que se pretende universalizar. Para que as peculiaridades desse período sejam respeitadas, é necessário que as instituições cumpram duas funções complementares e indissociáveis: cuidar e educar.

 

 

Nas palavras do MEC, a educação das crianças de 0 a 6 anos abrange os seguintes objetivos: favorecer o desenvolvimento infantil nos aspectos físico, motor, emocional, social e intelectual; promover a ampliação das experiências e dos conhecimentos infantis, estimulando o interesse da criança pelo processo de transformação da natureza e pela dinâmica da vida social; e contribuir para que sua interação e convivência na sociedade sejam produtivas e marcadas pelos valores de solidariedade, liberdade, cooperação e respeito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A prática da educação infantil dava se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

v     Desenvolver imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações.

v     Descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo, suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando hábitos de cuidados com a própria saúde e bem estar;

v     Estabelecer vínculos afetivos e de troca com adultos e crianças, fortalecendo a sua auto estima e ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social;

v     Estabelecer e ampliar cada vez mais as relações sociais, aprendendo aos poucos a articular seus interesses e  pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração;

 

 

 

 

 

v     Explorar e observar o ambiente com atitude de curiosidade, percebendo-se cada vez mais como integrante, dependente e agente transformador do meio ambiente valorizando atitudes que contribuam para sua conservação;

v     Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos, e necessidades;

v     Utilizar diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral, escrita etc..) ajustadas as diferentes intenções e situações de comunicação, de forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias e sentimentos, necessidades e desejos e avançar no processo de construção de significados, enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressivas;

Conhecer algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes de interesse, respeito e participação frente a elas e valorizando a diversidade;

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

-         BERÇÁRIO
A idade para este nível vai de 04 (quatro) meses aos 2 anos.
Nessa fase, visamos explorar atividades que desenvolvam a criança fisicamente, socialmente e psicologicamente, estimulamos a linguagem oral através de histórias, dramatização e brincadeiras, respeitando, sempre, as diferenças individuais de cada um.

-         CONTEÚDOS

-         Dar aos pequenos a oportunidade em entrar em contato com seus corpos explorando a diversas linguagens:

-         Musical:

-         Neste faixa etária a criança sente-se como parte do objeto, do espaço, nosso trabalho nessa área é estimula-la a interagir com o espaço físico, a fim de adquirir a consciência de que não é um objeto, e sim o sujeito entre os demais interferentes deste objeto. Dada a importância do desenvolvimento através da linguagem musical, desenvolvendo sua autonomia dentre a sua existência e a existência dos demais.

-         Oral:

-         Exercícios específicos a boa formulação de palavras, estimulando a criança a falar corretamente, pronunciando todas as letras, completando diariamente a construção de seu vocabulário.

-        

-         Corporal:

-         Principalmente nesta faixa etária (sensório-motor) a criança desenvolve seu raciocínio através do toque, sentindo-se e sentindo os demais colegas.

-         Nossa metodologia propõe estimular o desenvolvimento integral da criança respeitando suas peculiaridades dentro do processo de formação, respeitando seu tempo e espaço diferenciado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



- NÍVEL I
A idade para este nível vai de 2 anos a 3 anos.
Nessa fase, visamos o desenvolvimento da criança nos principais conceitos básicos do esquema corporal, da orientação espacial, da organização temporal, do ritmo, da coordenação visuo-motora, além de buscar o desenvolvimento da linguagem como forma de comunicação.

CONTEÚDOS:

Nesta faixa etária a criança passa a desenvolver um senso de liberdade em relação aos demais, passa a saber que existe entre os outros e que necessita de atenção e faz de tudo para chamar a atenção. E por justamente respeitar esta fase que propomos no desenvolvimento desta criança começar o trabalho de cidadania, senso-crítico, para formação de sua moral, de maneira saudável e divertido. Através de múltiplas brincadeiras já podemos pensar em desenvolver e estimular, no contexto em que esta criança se insere. Buscamos o desenvolvimento integral estimulando primariamente as seguintes linguagens:

Musical:

Através de música a criança familiariza-se com a imagem do próprio corpo, explorando as múltiplas possibilidades para seu desenvolvimento.

Oral:

Já sabe falar uma boa quantia de palavras sabendo seu significado, explorar o ambiente em que está inserido, multiplicando a quantia de palavras com que vivência;

Ao educador cabe a interferência quando relacionado ao estímulo a esta procura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NÍVEL II

A idade para este nível vai de 3 anos aos 4 anos.
Nessa fase, visamos o desenvolvimento integral da criança através de uma evolução harmoniosa nos aspectos biológicos, físico-motor, cognitivo e afetivo-emocional, dando realce à coordenação motora.

Buscamos o desenvolvimento da linguagem como forma de comunicação e ampliação do pensamento. Temos a preocupação com a pronúncia correta dos fonemas (prontidão para a alfabetização).
Procuramos desenvolver conceitos básicos de cidadania, respeito mútuo, cooperação e colaboração com os colegas e todos os funcionários do Ceinf, bem como a importância e o cuidado com a natureza. Através de conceitos básicos e material concreto buscamos o desenvolvimento do raciocínio lógico matemático.

 

CONTEÚDOS:

Neste momento já se pensa na utilização expressiva e intencional do movimento nas situações cotidianas e em suas brincadeiras, tem percepção de estruturas rítmicas para expressar-se corporalmente por meio de dança, brincadeiras e outros movimentos.

Iniciar com uma proposta de instauração da escrita no processo de letramento dos pequenos, mais numa consciência de mundo propriamente do que com a alfabetização propriamente dita. Além da inclusão de números e sistemas numerários para o conhecimento das crianças.


- NÍVEL III
A idade para este nível vai de dos 4 anos aos 5 anos.
Nessa fase, visamos o desenvolvimento integral da criança nos aspectos biológicos, psicológicos, cognitivos. Enfatizamos a coordenação motora, através de exercícios e variadas brincadeiras, pois através delas inicializamos a construção do conhecimento que a criança desenvolverá no próximo nível.

 

CONTEÚDOS:

A educação infantil pode ter um significado particularmente importante, quando se fundamente numa concepção da criança como cidadã, como pessoas em processo de desenvolvimento, como sujeito ativo da construção do seu conhecimento.

Linguagem: escrita/oral;

Objetivos:

v     Valer-se da linguagem oral e escrita para melhorar a qualidade de suas relações pessoais sendo capazes de expressar seus sentimentos experiências, idéias e opiniões, bem como de acolher, interpretar, e considerar as dos outros.

v     Adquirir progressivamente uma competência em relação a linguagem oral e escrita que possibilite o acesso aos bens culturais.

v     Valorizar a linguagem oral e escrita como instrumento de apropriação e construção de conhecimento.

TIPOS DE TEXTOS:


v     Contos;

v     Histórias;

v     Parlendas;

v     Músicas;

v     Nome próprio;

v     Histórias em quadrinhos;

v     Trava-lingua;

v     Fábulas;

v     Teatro;

v     Lembrete;

v     Noticias;


 


PORTADORES DE TEXTO:


v     Livros;

v     Revistas

v     Jornais;

v     Gibis;

v     Cartazes;

v     Televisão;

v     Outros;


LINGUA ORAL – OBJETIVOS ESPECIFICOS:

v     Manifestar-se oralmente em diferentes situações;

v     Ao falar, articular as palavras corretamente;

v     Argumentar oralmente as idéias;

v     Fazer uso de expressões de cortesia;

v     Reproduzir recados e fazer descrições de objetos;

CONTEÚDOS:

A linguagem oral como expressão, idéias e comunicação:

v     Relatar;

v     Dialogar;

v     Recitar;

v     Recontar;

v     Gosto e prazer em ouvir, falar e contar;

v     Cuidados com os livros e materiais de leitura:

v     Escrever de acordo com suas hipóteses;

v     Recontar e dramatizar histórias;

v     Conhecer seu nome e o dos colegas;

v     Associar as letras do seu nome;

v     Conhecer o alfabeto;

v     Iniciar a reescrita dos diferentes tipos de textos (histórias, receitas, outros);

v     Escutar textos lidos, apreciando a leitura feita pelo professor;

v     Ler e produzir com prazer;

v     Compreender e utilizar a leitura e a escrita como meio de independência;

CONTEÚDOS;

v     Logotipos;

v     Convenções universais (sinais de trânsito, placas);

v     Registro no tempo e espaço (cartas, convites);

v     Auxiliar de memória (lista de compras, receitas calendários);

v     Escrita enquanto sistema de representação;

v     Função social da escrita;

 

 

PRODUÇÃO DE TEXTOS:

v     Pseudo leitura;

v     Pseudo escrita;

v     Escrita de nomes;

v     Memorização de textos e partes de textos;

COMO TRABALHAR:

v     Proporcionar momentos que a criança se Expresse oralmente e na escrita;

v     Dar bons momentos de fala;

v     Oferecer situações de interação de manuseio de materiais de leitura;

v     Estimular a imaginação;

v     Criar momentos de escrita na frente da criança, sendo um bom modelo;

v     Estimular o gosto pela leitura e escrita;

v     Propor jogos diversos com as letras do alfabeto;

MATEMÁTICA:

Este bloco de conteúdos envolve contagem, notação e escrita numérica e as operações matemáticas.

Utilizando-se da contagem oral nas brincadeiras ou em situações cotidianas nas quais as crianças reconhecem a necessidade.

Comunicando-se através de quantidades, utilizando-se de linguagem oral, a notação numérica e registros não convencionais.

Trabalhando com grandezas e medidas utilizando-se de sucata e materiais que estejam de fácil acesso pra conhecimento de formas espaços grandezas, quantidades e medidas.

Além de variada utilização de jogos como meio de difundir o processo de construção matemática.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

-         A idade para este nível vai de dos 5 anos aos 6 anos.
Nessa fase, visamos o desenvolvimento integral da criança nos aspectos biológicos, psicológicos, cognitivos. Enfatizamos a coordenação motora escrita, a alfabetização da criança através da construção da língua escrita, relacionando letras e sons, discriminando e visualizando as famílias silábicas.
Visamos o desenvolvimento do raciocínio lógico matemático e o domínio das quantidades numéricas.

-          

-         CONTEÙDOS:

-         Nesta faixa etária parte-se á prática da escrita como meio de linguagem, trabalhando um universo de possibilidades que a escrita nos proporciona estimulando os pequenos a sentirem sua necessidade, buscando a participação em contextos sociais em que podem se fazer úteis se souberem ler e escrever, despertado o interesse, parte-se então para o desenvolvimento da motricidade fina, tendo num contexto educacional, vários aspectos irrelevantes como o letramento através da natureza e sociedade.

Despertando também a necessidade da linguagem matemática, usufruindo para seu apropriamento o uso de outras linguagens, como a musical, espacial, escrita e oral, entre outros como jogos e brincadeiras que estimulem a participação das crianças no seu processo de formação.

 CONTEÚDOS:

A educação infantil pode ter um significado particularmente importante, quando se fundamente numa concepção da criança como cidadã, como pessoas em processo de desenvolvimento, como sujeito ativo da construção do seu conhecimento.

Linguagem: escrita/oral;

Objetivos:

v     Valer-se da linguagem oral e escrita para melhorar a qualidade de suas relações pessoais sendo capazes de expressar seus sentimentos experiências, idéias e opiniões, bem como de acolher, interpretar, e considerar as dos outros.

v     Adquirir progressivamente uma competência em relação a linguagem oral e escrita que possibilite o acesso aos bens culturais.

v     Valorizar a linguagem oral e escrita como instrumento de apropriação e construção de conhecimento.

TIPOS DE TEXTOS:


v     Contos;

v     Histórias;

v     Parlendas;

v     Músicas;

v     Nome próprio;

v     Histórias em quadrinhos;

v     Trava-lingua;

v     Fábulas;

v     Teatro;

v     Lembrete;

v     Noticias;


 


PORTADORES DE TEXTO:


v     Livros;

v     Revistas

v     Jornais;

v     Gibis;

v     Cartazes;

v     Televisão;

v     Outros;


 

LINGUA ORAL – OBJETIVOS ESPECIFICOS:

v     Manifestar-se oralmente em diferentes situações;

v     Ao falar, articular as palavras corretamente;

v     Argumentar oralmente as idéias;

v     Fazer uso de expressões de cortesia;

v     Reproduzir recados e fazer descrições de objetos;

CONTEÚDOS:

A linguagem oral como expressão, idéias e comunicação:


v     Relatar;

v     Dialogar;

v     Recitar;

v     Recontar;

v     Gosto e prazer em ouvir, falar e contar;

v     Cuidados com os livros e materiais de leitura;


LINGUA ESCRITA – OBJETIVOS ESPECIFICOS:

v     Escrever de acordo com suas hipóteses;

v     Recontar e dramatizar histórias;

v     Conhecer seu nome e o dos colegas;

v     Associar as letras do seu nome;

v     Conhecer o alfabeto;

v     Iniciar a reescrita dos diferentes tipos de textos (histórias, receitas, LINGUA ESCRITA – OBJETIVOS ESPECIFICOS

v     Escutar textos lidos, apreciando a leitura feita pelo professor;

v     Ler e produzir com prazer;

v     Compreender e utilizar a leitura e a escrita como meio de independência;

CONTEÚDOS;

v     Logotipos;

v     Convenções universais (sinais de trânsito, placas);

v     Registro no tempo e espaço (cartas, convites);

v     Auxiliar de memória (lista de compras, receitas calendários);

v     Escrita enquanto sistema de representação;

v     Função social da escrita;

 

PRODUÇÃO DE TEXTOS:

v     Pseudo leitura;

v     Pseudo escrita;

v     Escrita de nomes;

v     Memorização de textos e partes de textos;

COMO TRABALHAR:

v     Proporcionar momentos que a criança se Expresse oralmente e na escrita;

v     Dar bons momentos de fala;

v     Oferecer situações de interação de manuseio de materiais de leitura;

v     Estimular a imaginação;

v     Criar momentos de escrita na frente da criança, sendo um bom modelo;

v     Estimular o gosto pela leitura e escrita;outros);


v      

v     Propor jogos diversos com as letras do alfabeto;

MATEMÁTICA:
Campo Grande, 26 de março de 2008.

Este bloco de conteúdos envolve contagem, notação e escrita numérica e as operações matemáticas.

Utilizando-se da contagem oral nas brincadeiras ou em situações cotidianas nas quais as crianças reconhecem a necessidade.

Comunicando-se através de quantidades, utilizando-se de linguagem oral, a notação numérica e registros não convencionais.

Trabalhando com grandezas e medidas utilizando-se de sucata e materiais que estejam de fácil acesso pra conhecimento de formas espaços grandezas, quantidades e medidas.

Além de variada utilização de jogos como meio de difundir o processo de construção matemática.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


AVALIAÇÂO:

-         O papel da avaliação decorre das próprias metas educacionais estabelecidas para o projeto a ser desenvolvido. A avaliação se destina a obter informações e subsídios capazes de favorecer o desenvolvimento da criança e a ampliação de seus conhecimentos. A avaliação tem uma importância social e política no fazer educativo.

-         Estratégias a serem usadas para o proceder à avaliação:

-         1. análises e discussões periódicas sobre o trabalho pedagógico realizado;

-         2. observações e registros sistemáticos;

-         3. arquivos relativos as crianças;

-         4. arquivo dos relatórios dos projetos;

-         5. Planejamento e avaliação, flexíveis dinâmicos e organizados;   

-         __Dulcinete Maria da Luz Souza

-         Diretora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comments