Consequências do aborto na adolescência

O aborto é um crime hediondo que produz uma série de consequências, físicas, psicológicas e legais

 

 
Consequências físicas:
 
Consideremos aqui as de ocorrência médica, que acontecem nesta encarnação. Estima-se que a morte da gestante ocorra em 20% dos casos de abortamento provocado na clandestinidade e além disso descrevem-se: perfurações do útero com cureta, sondas, velas, anemia aguda, decorrente de hemorragias provocadas por estas últimas, por abortamento incompleto (restos ovulares) e demais traumatismos da vagina, do útero e das trompas; infecções, inclusive tétano, abcessos, septicemias, gangrenas gasosas; esterilidade secundária; lesões intestinais, complicações hepáticas e renais pelo uso de substâncias tóxicas. Assim, o aborto, quando não determina a morte, pode imprimir marcas indeléveis no corpo físico.

 

Consequências psicológicas: 

Não podemos fugir da nossa consciência, nem pretextar ignorância das Leis Morais pois elas estão aí impressas, e quando se pratica este tipo de crime, desperta-se o sentimento de culpa, o arrependimento e às vezes o remorso, a nos perseguir por toda vida física e extra física. O arrependimento é a antessala da reabilitação, e quando dinâmico, canalizado para acções construtivas, pode levar, via reforma íntima e trabalho regenerador, e não raro espelhado na adopção, a minimização de nossas faltas. O remorso é a lamentação interior inoperante, completamente estático, que como um ácido corrói o recipiente onde é guardado, provocando a viciação mental, a mente em desarmonia, que é porta aberta aos processos obsessivos.
 
Consequências legais:

Não nos estenderemos sobre o tema, lembrando que "nem tudo que é legal é moral e nem tudo que é moral é legalizado". O aborto é um crime, e se não é admissível que morram mulheres jovens, menos admissível ainda é que se assassinem covardemente os mais jovens ainda e mais indefesos, praticando. O assunto é tratado nos artigos 124 a 128 do Código Penal, determinando penas que vão de 1 a 10 anos.

 

 

Comments