Saber + sobre...‎ > ‎

Socorrismo

Primeiros Socorros

Diariamente, existe a hipótese de nos vermos confrontados com situações de emergência que exigem uma intervenção imediata e crítica.

Muitas vezes não nos sentimos preparados para actuar perante tais situações, por não sabermos como proceder ou por desconhecemos a necessidade de o fazer.

Dado que podemos ser os únicos no local da ocorrência, é importante estarmos preparados para actuar rapidamente e até à chegada dos meios de socorro.

Pode ser a vida de um familiar, de um amigo ou colega que está em risco. Os primeiros socorros são a resposta rápida e inicial a uma emergência médica, através da aplicação de técnicas simples e eficazes para reduzir a gravidade da situação, melhorando as hipóteses de sobrevivência de um vítima e diminuindo o seu grau de sofrimento.

Aumenta-se assim a possibilidade de recuperação e conservação da sua qualidade de vida. Saber o que fazer e (especialmente) o que não fazer pode significar a diferença nestes casos, mas é preciso treinar para aprender.

Improvisar pode causar danos ainda maiores danos para a vítima, por exemplo paralisia e mesmo a morte. Apenas num curso qualificado e de teor prático se pode realmente obter competências para actuar, sendo o treino prático essencial para alguém se tornar um socorrista.

A Cruz Vermelha acredita que o socorrismo é uma responsabilidade cívica primária e que os cidadãos devem desenvolver competências nesta área, no sentido de ajudarem o próximo e assim reforçar os laços de solidariedade na sociedade.

Para informações sobre os nossos cursos, visite www.cruzvermelha.pt

Em Janeiro inicia-se a 5º Escola de Socorrismo da Cruz Vermelha Portuguesa - Núcleo de Ribeirão: Inscreve-te na Sede da Cruz Vermelha

Queimaduras

A queimadura é uma das situações mais comuns em acidentes domésticos, incidindo com maior frequência em crianças e idosos.

A queimadura pode ser provocada por agentes químicos cáusticos ou físicos tais como fogo, atrito, líquidos e vapores ferventes, electricidade, radiação solar ou frio.
As queimaduras lesionam a pele e o seu principal sintoma é a dor intensa, sendo de extrema importância efectuar, logo que possível, o arrefecimento da zona afectada.
A aplicação de água corrente ou soro fisiológico durante 15 a 20 minutos irá contribuir simultaneamente para a remoção do agente químico, paragem do processo de lesão por arrefecimento ou diluição e diminuição da dor. Após aplicação de água corrente mantenha um penso húmido.
Logo que possível, deve recorrer a assistência médica para aconselhamento e tratamento definitivo.



Suporte básico de vida

Uma pessoa vítima de paragem cárdio-respiratória está em risco de vida.

No caso de não ser socorrida de imediato, por cada minuto que passa reduz drasticamente as probabilidades em sobreviver – o primeiro socorro é essencial.
Identificar a situação, ligar 112 e iniciar o Suporte Básico de Vida são acções essenciais para um socorro rápido e eficaz para estas vítimas. A identificação da situação e o alerta para o 112 permite a activação dos meios de emergência médica adequados.
Até à chegada dos meios de socorro, a execução correcta das técnicas de Suporte Básico de Vida, permite manter o aporte de oxigénio às células, aumentando as probabilidades de sobrevivência da vítima.




Posição lateral de segurança

O que provoca e como lidar com os desmaios?

A perda de sentidos, vulgarmente conhecida por desmaio, pode surgir como resultado de inúmeras situações de doença aguda, que invariavelmente conduzem a uma situação de maior risco decorrente da inconsciência.
Esse risco resulta da obstrução da via aérea pelo maciço lingual, levando a que uma situação de menor gravidade acabe por culminar na paragem ventilatória da vítima, levando a uma situação mais grave.
Deste modo, a actuação deve prevenir o agravamento da situação, promovendo a desobstrução da via aérea e facilitar a função ventilatória eficaz. A colocação de uma vítima inconsciente em posição lateral de segurança evita por um lado que a língua impeça a passagem do ar e garante também a drenagem pela boca, de saliva ou outros fluídos, que poderiam contribuir para a obstrução.
A execução da manobra assenta nos princípios da manutenção do alinhamento e da estabilidade da vítima, sendo esta apoiada em dois pontos por onde é puxada com suavidade.
A posição final deve permitir uma vigilância das funções vitais da vítima, a distensibilidade do tórax e abdómen e a manutenção da temperatura. É importante não esquecer a activação das equipas de emergência.




Alerta

Uma situação inesperada de doença ou acidente pode surgir em qualquer instante e nessa altura há que saber agir com eficácia.

Perante um acidente, doença, queda, intoxicação ou qualquer outra situação que necessite de uma intervenção de socorro, utilize o Número Europeu de Emergência, 112.
Pode marcar 112 através de um telefone das redes fixas ou de um telemóvel. Numa emergência, mantenha a calma e verifique que estão reunidas as condições de segurança para poder actuar.
Quando tiver a noção de que a(s) vítima(s) precisa(m) de cuidados de emergência especializados não perca tempo desnecessário e efectue o alerta. Obtenha informação crucial para fornecer à Central de Emergência quando fizer a ligação. Quando atenderem diga onde se encontra, indicando a morada exacta, pontos de referência e de que número de telefone está a falar. Com calma, de modo sucinto, claro e concreto, forneça informação relativamente ao que aconteceu e ao que vê.
Devem também ser indicados dados específicos relativos à situação concreta que está a relatar, como por exemplo se a pessoa envolvida está grávida, se há risco de incêndio, se há vítimas presas ou se existem substâncias perigosas.
Cumpra as indicações do operador e desligue o telefone só após receber essa indicação. Ajude também, colaborando com os Serviços de Emergência..




Obstrução da via aérea

A maioria dos casos de obstrução da via aérea é provocada por engasgamento, ocorrendo com maior frequência durante as refeições.

Bebés e crianças engasgam-se também com objectos pequenos, tais como moedas e brinquedos.
Se a vítima consegue falar ou tossir, incentive-a a continuar a tossir para que possa expelir o objecto que provocou a obstrução. Mantenha-se ao pé dela, vigiando-a até ao retomar normal da ventilação.
Se a pessoa não consegue falar, tossir ou ventilar, deve executar até 5 pancadas firmes no meio das omoplatas e verificar se o objecto saiu. Caso não tenha saído efectue até 5 compressões abdominais.
Repita alternadamente as manobras, se necessário.
Se ainda não o fez, dê agora o alerta para o 112.




Hemorragias

Uma hemorragia abundante ou não controlada pode colocar uma pessoa em risco de vida.

A perda de sangue acarreta uma diminuição do aporte de oxigénio e nutrientes às células, podendo causar graves alterações no funcionamento do organismo num curto espaço de tempo e levar também à paragem cárdio-respiratória.
Perante uma vítima que tenha uma ferida com hemorragia:
- Peça à vítima que faça pressão sobre a ferida e eleve o membro.
- Evite entrar em contacto directo com o sangue. Se possível use luvas.
- Coloque a vítima em posição confortável.
- Se necessário, faça ou peça para ser dado o alerta para o 112.
- Coloque compressas sobre a ferida e faça pressão.
- Aplique um penso compressivo.
Se a hemorragia for abundante faça pressão com as mãos utilizando compressas ou um pano limpo sobre a ferida, até à chegada dos meios de socorro. Não retire estas compressas.



Comments